5 (dos) melhores filmes de Desporto – Sugestões para tardes chuvosas

Pedro AfonsoFevereiro 18, 20186min0

5 (dos) melhores filmes de Desporto – Sugestões para tardes chuvosas

Pedro AfonsoFevereiro 18, 20186min0
O Desporto é um tema que passa em claro, na maioria das vezes, no Mundo das Artes. Contudo, a simbiose entre este e a Arte pode criar obras verdadeiramente poderosas e universais. Uma pequena lista de sugestões cinematográficas para tardes de Domingo chuvosas.

O Desporto é um dos fenómenos que mais massas move, que mais paixões cria, que mais conflitos exacerba e que mais testa a paciência dos seus seguidores. A Arte, neste caso a Sétima, não lhe é indiferente e vários foram os realizadores que tentaram captar a essência daquilo que consegue colocar tantos corações a bater no mesmo compasso.


Desde o início da História do Cinema que as ferramentas disponíveis para a produção cinematográfica foram colocadas ao serviço de mentes que buscavam captar os eventos capazes de mover massas e de criar unidade num Mundo tão dividido. Ao longo da evolução desta Arte, com a universalização dos processos e a entrada em cena de criadores provenientes de estratos sociais mais baixos, o Desporto começa, lentamente, a surgir nos grandes ecrãs de uma forma crítica, não apenas como uma simples reprodução/repetição de um evento passado.

Assim, o Fair Play traz uma lista de 5 filmes que podem ser considerados como fazendo parte de um conjunto maior que engloba os “melhores” filmes de Desporto. Esta lista procura equilibrar a componente de história e de entretenimento com a componente artística, buscando sempre trazer filmes pertinentes, mas com um standard de qualidade mínimo.

Space Jam (1996, EUA)

Em 1996, a Warner Bros., produtora cinematográfica norte-americana decide combinar a live action com a animação, de forma a criar um Mundo híbrido onde as personagens dos Looney Toons e as estrelas da NBA, lideradas por Michael Jordan, o melhor jogador de sempre para muitos, coabitam e unem forças para derrotar os “maus da fita”.

O filme gira em torno da luta dos Looney Tunes para se manterem livres do jugo de Swackhammer, o vilão, que busca aprisionar os cartoons para os juntar ao seu Parque de Diversões como atrações. Em desespero para manter a sua liberdade, Bugs Bunny desafia os lacaios do vilão para um jogo de Basquetebol, onde se jogaria a liberdade dos desenhos animados. Para os ajudar, Bugs Bunny pede auxílio a Michael Jordan, que há-de guiar a equipa em busca da liberdade.

O filme não é um primor técnico, mas a sua leveza, comédia e valores de produção, principalmente devido ao uso de grandes nomes do Mundo do Cinema e da NBA, como Bill Murray, Danny DeVito, Larry Bird e Charles Barkley, criaram uma obra essencial para o amante de desporto.

Senna (2010, França e Reino Unido)

A vida do falecido astro brasileiro não poderia merecer maior homenagem. Ayrton Senna não era apenas uma figura da Fórmula 1; era o símbolo de esperança para um povo que vivia num clima social e político muito conturbado. Senna era um orgulho brasileiro e a sua morte deixou um vazio no coração do Brasil.

O filme é estruturado como um documentário constituído apenas por imagens retiradas de arquivos, tanto da sua família e vídeos caseiros, como de transmissões televisivas, narradas por amigos próximos do piloto brasileiro. O filme segue a carreira de Senna na fórmula 1 entre 1984 e 1994, focando-se particularmente na rivalidade com Alain Prost. A tensão é palpável durante o filme, onde o espectador é levado a admirar as proezas de Senna, a questionar algumas das suas decisões na vida pessoal, e a desesperar por saber, à partida, o final.

Os últimos 30 minutos são de “cortar à faca” e um verdadeiro hino ao Desporto e ao Cinema.

The Wrestler (2008, EUA)

Mickey Rourke é tido como uma das grandes figuras do Cinema dos anos 80, onde arrebatou corações e espantou audiências em filmes como Nove Semanas e Meia. Mas, no final da década de 80, decidiu enveredar pelo Mundo do Desporto, tornando-se pugilista profissional, carreira que durou até 1994. Após este período, tenta regressar ao cinema, mas as lesões do boxe, aliadas a cirurgias plásticas de qualidade duvidosa, lançaram Rourke para o esquecimento, agora um fantasma daquilo que havia sido.

Em 2008, Darren Aronofsky decide criar um filme acerca de um lutador de wrestling norte-americano veterano que, apesar da sua idade e condição de saúde, procura reconquistar a fama dos anos 80 de uma forma irresponsável e auto-destrutiva.

O filme tem muito de biográfico para Rourke e a sua atuação deverá ser tida em conta como uma das melhores no século XXI, conquistando um BAFTA, um Globo de Ouro e uma nomeação para os Óscares. Um filme imperdível, que demonstra bem as consequências de um desporto tão destrutivo como o boxe.

Borg vs McEnroe (2017, Suécia, Dinamarca e Finlândia)

Anos antes de Federer e Nadal, mais concretamente 24 anos antes, uma rivalidade havia de fazer estremecer as fundações do desporto cavalheiresco e cordial do Ténis: Bjorn Borg e John McEnroe Jr.

O filme segue o Torneio de Wimbledon de 1980, onde McEnroe e Borg se haveriam de defrontar na final, com o sueco a sair vitorioso. A final foi um dos melhores jogos de sempre da história do ténis, mas o percurso até lá, por parte de ambos os intérpretes, não foi menos exigente.

A história foca-se, essencialmente, na persona de Borg e na sua ascensão ao Olimpo do Ténis desde tenra idade, não se coibindo de demonstrar todas as idiossincrasias do tenista sueco. Com Sverrir Gudnason a interpretar Borg (onde as parecenças físicas saltam à vista logo à partida), Shia LaBeouf a interpretar magistralmente McEnroe e Stellan Skarsgaard no papel de mentor de Borg, o filme leva-nos numa viagem pelo Mundo do Ténis nos anos 80, altura em que gozava de uma popularidade tremenda.

Rocky (1976, EUA)

Já 42 anos se passaram desde a estreia do filme norte-americano que introduz ao mundo Rocky Balboa, mas ainda hoje a película carrega em si todos os atributos que tornam o desporto a esperança do povo: a capacidade de superação e do estrelato, vindo do nada.

O filme segue Rocky Balboa, um pugilista amador que se tenta afirmar no panorama mundial do boxe. Aquando da visita do campeão de pesos-pesados, Apollo Creed, à sua cidade-natal, Filadélfia, Rocky é convidado para uma luta com o campeão mundial.

Apollo Creed é o claro favorito à vitória, num combate que poucos levariam a sério. Contudo, Rocky Balboa vê-o como uma oportunidade de triunfar, de derrotar o talento com a determinação, o dinheiro com a humildade, de desafiar o status quo. Um filme que unifica todas as características do Desporto que o tornam um fenómeno Universal, independente de raça, língua ou cultura.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter