Bernardo Galante, Author at Fair Play - Página 2 de 8

scp-hand-1-2.jpg?fit=1200%2C913&ssl=1
Bernardo GalanteSetembro 30, 20226min0

O Sporting Clube de Portugal e a AA Águas Santas/Milaneza estão com um pé na Fase de Grupos da EHF European League de andebol. Na EHF Champions League, o cenário não é favorável para o campeão nacional ao fim de três jornadas.

O mar das tormentas que o Dragão não desfaz

O Futebol Clube do Porto, nas últimas épocas, tem sido um ávido representante da nossa nação na mais prestigiada competição de clubes a nível europeu – a Liga dos Campeões -, contudo, esta temporada, o cenário está extremamente desfavorável para os azuis e brancos. Em três jornadas, os dragões não somam qualquer ponto. Na passada terça-feira somaram a terceira derrota, desta feita, frente ao triacontacampeão croata, o RK Zagreb.

O RK Zagreb (Rukometni Klub Zagreb) é o dono do andebol croata, sendo esta afirmação sustentada por um simples facto: em 30 edições da Paket24 Premijer Liga (campeonato nacional desde que foi reconhecida a independência, em 1991), o RK Zagreb venceu-a por outras tantas vezes. O histórico croata conta com uma lenda do andebol russo nos seus quadros – o veterano ponta Timur Diborov -, no entanto, teoricamente a equipa comandada por Ivica Obrvan é considerada como uma das mais frágeis do grupo A.

Na primeira metade do encontro, a vantagem esteve sempre do lado dos croatas, algo que os dragões nunca conseguiram contrariar. Desde o 4-3, o emblema de Zagreb esteve sempre na frente com vantagens a rondar os dois ou três golos de vantagem. A poucos segundos da ida para o intervalo, os croatas perderam a bola numa transição ofensiva e ainda deu para Daymaro Salina reduzir a desvantagem para 16-15.

Na segunda parte, o Futebol Clube do Porto ainda empatou o encontro por duas vezes – primeiramente a 16 bolas e, de seguida, a 18 -, no entanto, a partir do 19-18, a turma de Magnus Andersson nunca mais foi capaz de suster o ímpeto croata. O RK Zagreb ainda esteve a vencer por sete golos de vantagem (29-22), no entanto, o resultado final fixou-se nos 29-23, acabando por ser excessivo. O resultado final não traduz, de todo, a diferença qualitativa entre as duas equipas e o FC Porto ainda tem margem par dar a volta à situação.

O experiente Timur Dibirov foi o melhor marcador do encontro após apontar 10 tentos. O RK Zagreb conquistou os seus primeiros dois pontos, atingindo a 6ª posição do Grupo A, à frente do Dínamo de Bucareste e do FC Porto. Os dragões estão no 8º e último posto com 0 pontos, fruto de 3 derrotas em outros tantos encontros.

Leões com pé e meio na fase de grupos

Fruto da segunda posição na edição transata do Campeonato Placard Andebol 1, o Sporting CP tinha a obrigatoriedade de disputar a 2ª ronda de qualificação, tendo em vista a fase de grupos da EHF European League. Ditou o sorteio que os leões defrontassem os dinamarqueses do Bjerrinbro-Silkeborg.

A equipa nórdica antevia-se como um desafio exigente para a turma de Ricardo Costa, tendo em perspetiva o cenário interno bastante competitivo em que está inserida e, consequentemente, a boa prestação que teve na edição passada da Primo Tours Ligaen (Campeonato Dinamarquês), fruto da 3ª posição, apenas atrás do GOG e do Aalborg, campeão e vice-campeão dinamarquês, respetivamente.

O encontro iniciou-se no Pavilhão João Rocha, pelas 19h45 de terça-feira e, desde cedo, que os verdes e brancos se adiantaram no marcador. No final dos primeiros trinta minutos, o resultado pecaria por escasso, devido à falta de eficácia ofensiva da equipa do Sporting Clube de Portugal, tendo em conta a elevada produção de oportunidades de golo. O placard eletrónico marcava 10-8 ao intervalo.

Na segunda parte, os leões subiram a eficácia e intensificaram a circulação de bola no ataque, tendo isso, efeito imediato. A vantagem no marcador foi-se alargando com a primeira e segunda linha leonina a terem, em consonância, um papel muito ativo na produção ofensiva. O encontro acabou com um 31-22 a favor da turma de Ricardo Costa e que os coloca com pé e meio na fase de grupos da Liga Europeia da EHF.

Águas Santas na frente de um duelo 100% português

O Clube de Futebol “Os Belenenses” e a Associação Atlética de Águas Santas protagonizaram o segundo duelo, entre si, no espaço de 3 dias e que culminou com o mesmo desfecho que o anterior – com a vitória da equipa forasteira.

O encontro iniciou-se às 19h45 (hora portuguesa) no Pavilhão Acácio Rosa e com transmissão n’A Bola TV, sendo este um passo (não menos) importante do andebol português.

Antevia-se um encontro equilibrado e foi assim mesmo o primeiro quarto de hora do encontro – Belenenses e Águas Santas assinalaram consecutivos empates e vantagens mínimas. À entrada dos últimos 10 minutos da primeira metade do encontro, a equipa maiata foi ampliando a vantagem, descolando-se, de forma imediata, da equipa do Restelo. Os atletas recolheram para os balneários ao fim de 30 minutos com um parcial de 10-15 a favor da Águas Santas/Milaneza.

Na segunda parte, os pastéis tinham a missão de recuperar da desvantagem sofrida no encontro e foi isso mesmo que acabara por acontecer… contudo, não sendo suficiente. Aos 50 minutos de jogo, o resultado fixava-se nos 19-20 a favor da equipa visitante, sendo que os homens de Belém contavam com um forte apoio da sua massa associativa – o que acabou por não se revelar determinante- , no entanto, a turma de Ricardo Moreira não tremeu e acabou por nunca sofrer o golo do empate, acabando mesmo por alargar e fixar a sua vantagem nos três golos. 20-23 foi o resultado final.
Gustavo Oliveira (Águas Santas/Milaneza) e Edvaldo Ferreira (CF “Os Belenenses”) foram os melhores marcadores do encontro com 6 golos marcados, cada.

As respetivas partidas da 2ª mão da 2ª ronda de qualificação têm data marcada para o próximo dia 4 de outubro. Os leões visitam Bjerringbro-Viborg pelas 17h45, enquanto o duelo luso está marcado para as 19h45, na cidade da Maia.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS