Tom Dumoulin: A importância do cérebro no rendimento

Fair PlayMaio 23, 20223min0

Tom Dumoulin: A importância do cérebro no rendimento

Fair PlayMaio 23, 20223min0
A história de um ciclista que tem sofrido o quanto baste, mas que parece estar sempre pronto para superar o desafio: Tom Dumoulin e uma lição importante

Os mais fieis fãs de ciclismo certamente recordarão com saudade o período entre 2015 e 2018, pelas batalhas e performances épicas de Chris Froome, Nairo Quintana ou Fabio Aru, mas também pela ascensão surpreendente de Tom Dumoulin.

O neerlandês passou de um extraordinário contra-relogista para um homem muito completo em provas de 3 semanas, andando mesmo de vermelho durante muito tempo na Vuelta de 2015. Seria a primeira aparição do ciclista dos Países Baixos, que em 2017 viria a chocar o mundo ao vencer um dos mais competitivos Giros d´Italia dos últimos anos (quem não se lembra do episodio gástrico de Dumoulin, que o fez perder imenso tempo).

Entrou para a ultima etapa em 4º lugar na geral, mas com um contrarrelógio soberbo, deixou para trás Nairo Quintana, Vincenzo Nibali e Thibaut Pinot, arrecandando a que muitos pensavam ser a primeira de várias grandes voltas. Em 2018, perde o Giro para um fenomenal Chris Froome, numa das recuperações mais lendárias da prova. Apos o segundo lugar nesse Giro, Dumoulin, nada satisfeito, vai ao Tour bater-se praticamente sozinho com uma super INEOS (Sky na altura), perdendo a maior prova de ciclismo europeia apenas para um Geraint Thomas em grande forma.

Em 2018, ganha ainda a medalha de prata nos mundiais de contra relógio, juntando ao ouro conquistado no ano antes. 2019 marcou o inicio do declínio de Big Tom. Uma queda no inicio do Giro, trouxe um problema no joelho que viria a prolongar-se até ao final da época. No Verão de 2020 estreava-se na nova equipa, e num ano atípico ainda consegue ser setimo no Tour, a trabalhar para Primoz Roglic.

Em 2021, anuncia que vai por a carreira em suspenso. Fadiga, cansaço, e esgotamento psicológico levaram o neerlandês a tomar esta decisão, ele que iria acabar por voltar no Verão desse ano. Mas não voltou o mesmo. Voltou um Dumoulin menos competitivo, mais conformado, e sem aquela capacidade de manter o mesmo ritmo montanha acima (nunca foi um ciclista de ir ao choque, mas o seu ritmo constante permitia-lhe apanhar os adversários e muitas vezes deixá-los para trás).

Conseguiu a medalha de prata em Tóquio, de forma notável, mas em provas por etapas, não voltou a parecer o mesmo. Em 2022, pensou-se que poderia fazer uma gracinha no Giro, mas desistiu à 14ª etapa. Numa das equipas mais apetrechadas do World Tour, as oportunidades para liderar não serão muitas (Primoz Roglic é o cabeça de cartaz da equipa para provas de 3 semanas, e começam a aparecer jovens com capacidade para liderar nesse tipo de provas, como Jonas Vingegaard ou Tobias Foss), pelo que uma mudança de equipa poderia ser positiva para o neerlandês.

Por onde passará o seu futuro? Trek, Movistar, Ag2r, ou Education First parecem todas boas opções, onde Dumoulin poderia ter algum destaque. Mas mais do que as pernas e uma possível nova equipa, conseguirá o cérebro de Tom Dumoulin voltar ao que já foi?

Com 31 anos, ainda há tempo, ou não tivesse Cadel Evans ganho o seu único Tour com 35.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter