Arquivo de Jogos Olímpicos - Fair Play

zverev-scaled.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
André Dias PereiraAgosto 7, 20213min0

Alexander Zverev conquistou, em Pequim, a sua primeira medalha de ouro no ténis. Um título maior na sua carreira, já recheada de vitórias, mas ainda sem conseguir conquistar o tão desejado Grand Slam. Aos 24 anos, o alemão soma 16 títulos, incluindo, agora, o ouro olímpico. Só em 2021 o número 5 mundial já conquistou, para além da olimpíada, troféus em Acapulco e no Masters 1000 de Madrid.

Zverev não se apresentava como um dos principais candidatos ao ouro, contudo, antes da prova, à imprensa alemã, o número 5 do mundo considerava esse um dos  seus grandes objetivos do ano. E se olharmos ao seu talento e capacidade é sempre em um jogador a ter em conta. Quem o diz é o seu histórico. Contra Federer venceu 4 de 7 jogos, contra Nadal soma 3 vitórias e 6 derrotas e contra Djokovic tem 2 trunfos contra 6 do sérvio.

Uma dessas vitórias sobre Djokovic foi precisamente nas meias-finais de Tóquio. O alemão superou o sérvio por 1-6, 6-3 e 6-1, impedindo o número 1 mundial de fazer o Golden Grand Slam (associar o ouro olímpico a todos os Majors ganhos).

Na final, Zverev ganhou a Karen Khachanov (6-3 e 6-1) e não escondia o orgulho de ter alcançado o patamar mais alto no ténis. Para isso, deixou também para trás Daniel Galan (6-2, 6-2), Nikoloz Basilashvili (6-4 e 7-6) e Jeremy Chardy (6-4 e 6-1).

E agora os Grand Slam

Conquistado o ouro olímpico, Zverev espreita o grande objetivo que ainda falta. Os Grand Slam. Para um atleta com o seu talento e habituado a estar desde muito jovem entre primeiros lugares do ranking, alcançar um Major é algo que lhe tem sido cobrado pela crítica e também por si. E por algumas vezes tem batido na trave. O ano passado foi finalista vencido no US Open e foi semifinalista no Australian Open. Já este ano caiu também nas meias finais em Roland Garros.

Apesar da versatilidade do seu ténis a verdade é que Zverev tem sido por vezes irregular e isso tem-lhe custado alguns troféus. Ainda assim, desde 2016 nunca passou um ano sem títulos. E em 2018 conseguiu mesmo alcançar o troféu do Masters Final. Para além disso, desde 2016 foi finalista vencido por 9 ocasiões, incluindo 3 finais de Masters 1000: Miami, Roma e Shangai.

Zverev faz parte de uma geração vítima do domínio do Big-3, contudo, aos 24 anos, o futuro é seu. E apesar de ele ser considerado “o próximo” grande nome do ténis e o sucessor de Federer, Djokovic e Nadal, a verdade é que conquistar Majors se tornou, em dado momento, uma obsessão sua. As tentativas frustradas têm-se transformado em um peso na sua carreira. A verdade, porém, é que hoje Zverev parece ser um jogador mais leve em court. E com confiança torna-se um dos favoritos a ganhar qualquer Major. A começar já no US Open.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS