Tsitsipas e o sonho de menino

André Dias PereiraMaio 7, 20192min0

Tsitsipas e o sonho de menino

André Dias PereiraMaio 7, 20192min0

Em 2008, Stefanos Tsitsipas assistia à vitória de Roger Federer no Estoril. O menino, de então 9 anos de idade, sonhava poder ali estar. Este domingo, o sonho cumpriu-se.

Depois de ter sido eliminado na época passada para João Sousa, nas meias-finais, desta vez o grego confirmou o favoritismo que lhe era atribuído e sucede ao português como campeão do Estoril Open. Foi o seu terceiro título da carreira, o segundo este ano.

O número 10 do mundo venceu outro ídolo na final. Pablo Cuevas, por 6-3 e 7-6. Cuevas, diga-se, até nem era para chegado tão longe. O uruguaio foi afastado na última ronda de qualificação, beneficiando de desistências no quadro principal. Esta foi, de resto, a 10ª vez nos últimos 20 anos que um lucky looser chega a uma final de torneio ATP. “Foi uma semana especial. Não é todos os dias que se perde na qualificação e se atinge a final”, admitiu Cuevas, 33 anos.

A surpresa espanhola

Para atingir a final, Tsitsipas deixou para trás Guido Andreozzi, o português João Domingues e David Goffin. O belga, 23º do mundo, era outro candidato à vitória em Portugal. E deixou para trás nada menos que João Sousa, campeão em título. O vimarenense perdeu por 6-3 e 6-2. “Perder em casa é duro. O David mostrou porque já foi top-10”, declarou o tenista luso. De resto, no histórico entre os dois tenistas, Goffin já venceu Sousa por 5 vezes, enquanto o luso o conseguiu apenas uma vez.

Quem também desiludiu foi Gael Monfils e Frances Tiafoe. O norte americano, finalista vencido o ano passado, caiu perante Pablo Cuevas (6-2, 7-5), nos quartos de final. Já o francês, um dos primeiros nomes confirmados no torneio, perdeu para Alejandro Davidovich Fokina. O espanhol, 127 do mundo, foi a grande surpresa da edição deste ano do Estoril Open, que reuniu perto de 40 mil espectadores ao longo da semana. Mais 8 mil em relação ao ano passado.

Fokina foi avançando na prova até à surpreendente meia-final, onde perdeu para Cuevas (6-0, 6-7 e 7-2).

Tsitsipas, com o público a favor, acabou por ser um importante vencedor para o torneio. O facto de ter 20 anos acaba por simbolizar o que o Estoril Open pretende ser. Um torneio que apresente os valores emergentes do ténis. O grego é, contudo, já uma certeza. E também um dos mais acarinhados pelo público português, conforme se viu esta semana. De resto, o grego acabou por trocar algumas bolas na Boca do Inferno, em Cascais, e ainda deixou a sugestão no ar de comprar uma casa em Portugal. Um sinal de que poderá ter vontade regressar nas próximas edições? Os fãs agradecem.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter