[Lendas do Ténis] Australian Open, o início

André Dias PereiraJaneiro 29, 20191min0

[Lendas do Ténis] Australian Open, o início

André Dias PereiraJaneiro 29, 20191min0

É preciso recuar até 1905 para encontrar os primórdios do Australian Open. A competição que, por assim dizer, marca o arranque do calendário do ténis, começou por ser Australasian Championships e, em 1927, Australian Championships. Só desde 1969 se passou a designar Australian Open.

Mas vamos por partes. Inicialmente o torneio não era designado Slam. Em 1924 o comité da prova mudou a estrutura do torneio, passando a incluir cabeças de série. O torneio já passou por cinco cidades australianas e duas neozelandesas.

A localização da Austrália levou muitos tenistas estrangeiros a desistiem da prova até meados do século XX.  Uma viagem de barco para a Austrália da Europa demorava 45 dias. Os primeiros estrangeiros foram norte-americanos por conta da Taça Davis.

Se o torneio, inicialmente, era jogado em várias cidades – Melbourne, Brisbane, Peth, Sidney – a prova fixou-se definitivamente em Melbourne, em 1969, no início da era Open. Pela acessibilidade e pela capacidade do estádio. Em 1972 o torneio foi assistido por mais de 140 mil espectadores. Em 1988 ganhou o estatuto de Grand Slam.

A prova começou por ser jogada em Dezembro e mais tarde passou para Janeiro. Em 1977, contudo, foi jogada duas vezes. Uma no início do ano e outra no final.

A primeira edição, em 1905, foi vencida por Rodney Heath. O australiano derrotou o compatriota Albert Curtis por 4-6, 6-3, 6-4 e 6-4. Em pares, a dupla Randolph Lycett e Tom Tachell, venceu E.T. Bernard e Basil Spence por 11-9, 8-6, 1-6, 4-6 e 6-1. Cinco anos depois, Rodney Heath voltaria a vencer a prova.

Desde domingo, Novak Djokovic, com sete títulos, tornou-se, o maior campeão do Australian Open.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter