Estoril Open: Sousa, Next Gen e talvez um gigante

André Dias PereiraAbril 3, 20184min0

Estoril Open: Sousa, Next Gen e talvez um gigante

André Dias PereiraAbril 3, 20184min0
Já são conhecidos quase todos os nomes que vão compor o quadro do Estoril Open, que se joga entre 28 de Abril e 6 de Maio. João Sousa e Kyrgios são os cabeça de cartaz

Aos poucos vai-se compondo a lista de participantes do Estoril Open que joga entre 28 de Abril e 6 de Maio. Para já, é conhecida a lista completa de inscritos, sendo possível a entrada ainda de um gigante. Novak Djokovic é um dos nomes mais falados. Mas não só. Juan Martin del Potro também poderá regressar a Portugal.

Sem surpresa, João Sousa será cabeça de cartaz. O luso não tem sido feliz nas suas prestações no Estoril. Pelo quarto ano consecutivo entra diretamente para o quadro principal. A edição deste ano, sabe-se, contará com um jogador do top-10 mundial, três do top-20 e seis do top-30.

Fiel ao seu posicionamento o torneio luso volta a apostar no futuro do ténis. Kyle Edmund, Nick Kyrgios e Francis Tiafoe são apenas alguns exemplos disso mesmo.

Kyrgios é um clássico do torneio português, cuja organização o vê como um embaixador do Estoril Open. Aos 22 anos, finalista em 2015 e semi-finalista em 2016, o australiano tenta o título na sua terceira participação na prova. “É cada vez mais difícil para qualquer organização assegurar a participação de Nick Kyrgios. Nós conseguimo-lo porque existe já uma relação de amizade com ele e com o seu agente”, confirmou o diretor do torneio, João Zilhão.

Kyle Edmund, 23 anos de idade e 26º do ranking ATP, é outro regresso. “Espero que à terceira seja de vez”, disse o britânico, que ajudou Frederico Silva a ganhar os únicos Grand Slam para Portugal (em juniores, no US Open de 2012 e Roland Garros, 2013). De resto, e apesar de não contar ainda com qualquer título profissional, Edmund foi semi-finalista no Australian Open, caindo para Marin Cilic. O norte americano Frances Tiafoe, que venceu este ano em Delray Beach, e o grego Stefanos Tsitsipas, são outros nomes fortes da Next Gen presentes no Estoril. Tsitsipas, número 1 do mundo em juniores, tem para já o mérito de ter colocado a Grécia no mapa do ténis, sendo 69º no ranking profissional. Vencedor de cinco torneios Future, também ganhou Wimbledon, na vertente de pares.

Do top-10 mundial chega Kevin Anderson, finalista vencido do US Open o ano passado. O sul-africano foi a primeira confirmação da organização e vai tentar superar a segunda ronda da prova portuguesa, que alcançou em 2015.

Del Potro e Djokovic podem regressar

Del Potro
Del Potro pode regressar a Portugal. (Foto: Tennis World)

Espanha é o país estrangeiro que coloca mais tenistas na prova, quatro. Entre eles Pablo Cerraño Busta, que defende o título alcançado o ano passado. Aos 26 anos, é o tenista com melhor conjunto de resultados na história do torneio. Foi semi-finalista em 2015, finalista em 2016 e vencedor em 2017.

Até dia 28 muito pode ainda acontecer. A organização parece estar a deixar os Wild Cards para nomes sonantes de última hora. Por enquanto, Novak Djokovic e Juan Martins Del Potro são os mais falados. “Temos de ser muito criteriosos na escolha dos wild cards. Há muitos em espera que não estão a passar a melhor fase, como Novak Djokovic, Kei Nishikori e Stan Wawrinka. Mas também há para jogadores que estão a passar bons momentos, como por exemplo o Juan Martín Del Potro. É uma hipótese”, esclareceu João Zilhão.

Lista de inscritos

Acesso directo: Kevin Anderson (AFS), Pablo Cerrño Busta (ESP), Nick Kyrgios (AUS), Albert Ramos Vinolas (ESP), Kyle Edmund (GBR), Gilles Muller (LUX), David Ferrer (ESP), Robin Haase (HOL), Leonardo Mayer (ARG), Benoît Paire (FRA), Daniil Medvedev (RUS), Tennys Sandgren (EUA), Fances Tiafoe (EUA), Nicolas Jarry (ARG), Federico Delbonis (ARG), Stefano Tsitsipas (GRE), Gilles Simons (FRA), Roberto Baena (ESP) e João Sousa (POR).

Alternates: Nicolas Kicker (ARG), John Millman (AUS), Marco Cecchinato (ITA), Malek Jaziri (TUN), Mikhail Youzhny (RUS), Ricardas Berankis (LIT), Cameron Norrie (GBR), Pablo Andujar (ESP) e Gastão Elias (POR).


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter