Diego Schwartzman conquista Rio de Janeiro e o top-20

André Dias PereiraFevereiro 26, 20182min0

Diego Schwartzman conquista Rio de Janeiro e o top-20

André Dias PereiraFevereiro 26, 20182min0

Diego Schwartzman conquistou este domingo, no Rio de Janeiro, o seu primeiro troféu ATP 500 e o segundo da carreira. Mais importante, o título catapultou-o para o 18º lugar do ranking a partir desta segunda-feira.

Com uma sólida exibição frente Fernando Verdasco (6-2 e 6-3) Diego Schwartzman consolidou uma semana de sonho no Rio de Janeiro. O espanhol tentava conquistar o seu primeiro título de singulares desde Bucareste, em 2016. Os dois finalistas eram improváveis candidatos à vitória final no início da prova. Com nomes como Dominic Thiem, Marin Cilic ou Pablo Cerraño Busta, parecia díficil que Schwartzman alcançasse a tão desejada glória.

Cilic foi o primeiro a cair, nos oitavos-de-final para Gael Monfils (6-3 e 7-6). O francês cairia na ronda seguinte perante Diego Schwartzman (6-3 e 6-4) enquanto Thiem foi derrotado, também nos quartos de final, perante Fernando Verdasco (6-4 e 6-0). Nas meias-finais, o espanhol levou a melhor sobre Fabio Fognini (6-1 e 7-5) e Schwartzman diante o surpreendente Nicolas Jarry (7-5 e 6-2). O chileno, que era 94º do mundo, vai dar um salto para a 73ª posição. Jarry deixou para trás favoritos como Pablo Cuevas ou Alber Ramos Viñolas.

“Eu senti-me muito cómodo a semana toda. Consegui aproveitar os momentos em que os adversários não jogaram tão bem. Quero desfrutar do meu primeiro ATP 500”, disse o argentino, que atravessa um bom momento. Na semana passada foi semi-finalista em Buenos Aires.

De Istambul ao Rio de Janeiro

O primeiro título de Diego Schwartzman aconteceu em 2016, em Istambul (ATP 250), frente a Grigor Dimitrov. No Rio de Janeiro tinha sido eliminado anteriormente por Dominic Thiem, duas vezes, e Federico Delbonis. Agora, chegou a glória. No seu pensamento está, por certo, quando há 12 anos a sua família vendia pulseiras para patrocinar as suas viagens como juvenil. O brasileiro Gustavo Kuerten, do qual recebeu o troféu, era então uma referência. “Foi incrível, nunca imaginei receber um troféu do Guga no Rio, é a realização de um sonho. Ele tem sempre esse sorriso tão grande, que é típico do Brasil”, disse.

A carreira de Schwartzman tem vindo a crescer. Entre Istambul, em 2016, e Rio de Janeiro, em 2018, chegou aos quartos de final do US Open em 2017. Agora segue-se Acapulco onde começará a jogar com…Fernando Verdasco. O espanhol, de resto, não saiu do Brasil de mãos a abanar. Venceu o torneio de pares com David Marrero e vai subir 13 posições (27º) no ranking ATP, esta segunda-feira.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter