Diário do atleta: Manuel Cardoso Pinto e as várias “finais”

Francisco IsaacAbril 20, 20192min0

Diário do atleta: Manuel Cardoso Pinto e as várias “finais”

Francisco IsaacAbril 20, 20192min0
É a 3ª página do Diário de Atleta de Manuel Cardoso Pinto e o internacional português conta boas novas da sua vida na Holanda. O aproximar do fim da época e a possibilidade de fazer algo inesperado!

Queria agradecer ao Francisco Isaac por mais uma oportunidade para expor, em papel, um pouco da minha vida holandesa.

Ainda não posso dizer que vou jogar uma final mas posso dizer que estou mais perto de a jogar. Último fim-de-semana derrotámos o primeiro classificado, Hilversum, por 34-23. Jogo de extrema de importância, pois sabíamos que nos colocaria em boa posição para chegar à tão desejada final, a qual o clube não ganha desde o ano em que eu nasci. Pessoalmente, foi o meu melhor jogo da época, marcando 2 ensaios e assistindo outro, tendo ganho uma garrafa de licor 43, partilhando-a a seguir ao jogo com a equipa, assim como eles partilharam a vontade de ganhar aquele jogo, dentro de campo.

Escrevemos uma página de história depois desta vitória, que já não era alcançada há 8 anos. Agora só falta completá-la, levando o “caneco” para Leiden. Estamos neste momento a 2 pontos do Hilversum com menos um jogo realizado em comparação com o ainda 1º classificado… e falta tão pouco para terminar.

Este jogo foi disputado depois de 1 mês de pausa devido aos jogos internacionais, os quais tive o maior dos prazeres de jogar 2 deles, Holanda e Suiça. Quem diria um português a jogar na Holanda.. Quanto mais um português a jogar na Holanda contra a Holanda! Foi sem dúvida um dos marcos na minha curta carreira de râguebi sénior. Ganhámos o jogo, dispustado em Amsterdão, com uma audiência, aproximada, de cinco mil pessoas. Possivelmente, o jogo com mais espetadores que já joguei e isso demonstra um dos fatores, pelo qual o rugby holandês está a crescer tão rapidamente.

Depois da vitória contra a Holanda, jogámos contra a Suiça. O resultado foi bem mais alargado, comparado com o jogo em Amsterdão. Pessoalmente, não tive no meu melhor contra a Suiça com poucas ações e alguns erros. Acontece e aprendemos sempre com este tipo de jogos.

Entusiasmado com o resto da época, pelos jogos que se seguem pelo clube e pelo play-off contra a Alemanha, espero conseguir estar no meu melhor nível para acabar o ano com a sensação que não fica nada para trás. Está a chegar ao fim e aprendi mais neste ano do que os 12 que tive na escola! Agora sim, no próximo diário, espero poder dizer que vou jogar uma final.

Um dos dois ensaios de Manuel Cardoso Pinto frente ao Hilversum


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter