Alcateia sub-20 post/pre-match com Luís Pissarra e David Gomes da Costa

Francisco IsaacAbril 2, 20194min0

Alcateia sub-20 post/pre-match com Luís Pissarra e David Gomes da Costa

Francisco IsaacAbril 2, 20194min0
Seleccionador Nacional e Capitão dos sub-20 de Portugal deram as suas prespectivas para o jogo da 2ª ronda do Europeu do escalão. David da Costa e Luís Pissarra no Fair Play

O Seleccionador Nacional e o capitão dos sub-20, Luís Pissarra e David da Costa deixaram os seus inputs em relação à vitória frente à França-Aquitânia e o que poderá vir a ser o encontro com a Holanda. 

Luís Pissarra, em entrevista pós-jogo,

Adaptar é a melhor palavra para descrever o jogo de hoje de Portugal, concordas? Ficaste satisfeito com a postura defensiva portuguesa?

Realmente, e como já tínhamos falado, esta equipa da França era uma incógnita, já que podiam vir cá jogar só por jogar, numa situação mais “turística” ou que vinha para jogar rugby, com boas capacidades físicas e técnicas com o intuito mesmo de disputar os jogos e o campeonato. Para bem da nossa evolução como equipa e dos jogadores, veio uma equipa competitiva que tenho a certeza que ganha os próximos jogos.

Num jogo em que teve um clima difícil, com chuva e o campo molhado, aliado à surpresa de um embate complicado, mais a pressão que tínhamos de garantir uma vitória, terminámos como vencedor mas só com 4 pontos em virtude dos 4 ensaios marcados e de 2 sofridos, apesar do último foi um avant mas os árbitros ajuizaram que se tratou de ensaio. De qualquer maneira surgiu uma equipa com conhecimento de jogo, com jogadores individualmente talentosos, físicos, faltando-lhes um maior entrosamento, e até tivemos umas boas fases do jogo à espera a testar o adversário.

Na 2ª parte conseguimos reproduzir boas fases de ataque, uma situação rara em alguns momentos do encontro e isto aconteceu em virtude de como estava o campo e do desconhecimento em relação ao adversário, exagerando um pouco no jogo ao pé mas a nossa defesa ganhou o jogo, com um grande carácter e só posso estar orgulhoso da postura que os jogadores portugueses tiveram e eles também. Também foi termos exposto algumas situações menos positivas de forma a evoluirmos já para o jogo com a Holanda.

A exibição foi aquela que esperavas? Contra a Holanda o que não pode acontecer na tua opinião?

Não podemos deixar os holandeses acreditar que podem conseguir um resultado positivo, um detalhe importante desta formação. A Federação de rugby holandesa tem investido bem na modalidade, com um excelente trabalho e um dos grandes sonhos é conseguir abater Portugal, uma equipa que vem sendo um dos grandes adversários a nível internacional. Portanto, depois do bom que fizeram no ano passado eles vêm muito confiantes, que nos podem ganhar e teremos de impedir que eles entrem bem no jogo, de retirar da cabeça deles rapidamente que eles nos podem ganhar, para podermos ter um jogo mais tranquilo. A defesa vai ter de estar no mesmo ponto que no jogo com os franceses. A Holanda vai tentar fechar mais o jogo uma vez que quer evitar o nosso jogo mais rápido, de turnovers, de contra-ataque, portanto vamos ter tudo para trabalhar para garantir mais uma boa vitória!

David Gomes da Costa, capitão da Selecção Nacional, em entrevista pós-jogo,

A defesa foi o “segredo” para mais uma vitória nestes sub-20? Como se sentiram ao fim dos primeiros 10 minutos?

Começámos bem o jogo, com confiança na defesa, com bastantes placagens ofensivas e especialmente muito bem na pressão ao pontapé e a explorar o erro do adversário. Conseguimos depois transmitir essa confiança para o ataque e no final atingir a vitória.

O que será preciso fazer mais no cômputo geral? Ficaram felizes com o vosso maul dinâmico?

No decorrer do jogo fizemos bastantes erros, especialmente nos 20 minutos finais de cada parte, mentendo-nos nós próprios em pressão. Acho que se conseguirmos reduzir esta contagem podemos saber superiores a Holanda. Acho que também temos de melhorar a limpeza dos rucks que não foi perfeita neste jogo e em que a Holanda nos vai complicar e nos impede de jogar o jogo rápido de que tanto gostamos. Tivemos muito bem no maul, tanto a defender Como a atacar e é algo que vamos continuar a usar como arma para os próximos jogos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter