5 jogos a seguir com atenção na Janela internacional de Rugby

Francisco IsaacOutubro 7, 20217min0

5 jogos a seguir com atenção na Janela internacional de Rugby

Francisco IsaacOutubro 7, 20217min0
Que jogos a seguir com atenção na próxima janela internacional de Test Matches de rugby? Escolhemos 5 que vão ser grandes espectáculos

5 jogos de uma longa e espectacular janela de jogos internacionais que deves ter toda a atenção possível, com destaque para alguns clássicos do rugby mundial, assim como alguns embates de maiores proporções.

França vs Nova Zelândia

Data: 20 de Novembro | 14h00
Local:  Castres

O jogo de abertura do Campeonato do Mundo de 2023, o encontro talvez mais aguardado desta janela internacional de rugby, muito devido ao choque de estilos e formas de jogar que vai ser proporcionado por este clássico do Planeta da Oval. Fabien Galthié e Shaun Edwards têm estimulado um crescimento fenomenal do rugby francês, tendo criado uma lista de quase 50 jogadores elegíveis para os Les Bleus, que vai desde às fenomenais estrelas como Antoine Dupont ou Grégory Aldritt, até atletas que estão na ProD2 ou na condição de suplente como ??? ???, sendo um quase espelho do que se passa no rugby neozelandês em termos no número anormal de potenciais escolhas à disposição de Ian Foster.

Ou seja, realidades quase iguais no que toca ao universo de escolhas, mas e no que concerne a jogo jogado? Não tendo ambas o mesmo sistema, as duas gostam de embelezar o jogo com uma constante salva de arranques bem apoiados, utilizando quer os offloads, passes rápidos ou pontapés curtos e imprevisíveis, conferindo uma espectacularidade que eleva a modalidade para outro plano. Se a França faz uso de um estilo ligeiramente mais anárquico e muito baseado numa defesa agressiva e que procura se envolver na luta pela bola no breakdown, a Nova Zelândia é uma eterna apaixonada por acelerar os ritmos de jogo, eloquente no uso das suas unidades de ataque e de transformar uma recuperação de bola numa jogada de ensaio iminente, estando disposta a ir a enganar num bom concurso de fisicalidade. É o prato forte deste menu de novembro e é aquele que todos querem acompanhar.

Japão vs Austrália

Data: 23 de Outubro | 05h45
Local: Oita

Uma nação que tem vindo a surpreender tudo e todos na última década (vitória frente aos Springboks no Mundial 2015 para depois chegar aos quartos, pela primeira vez, em 2019) frente a outra que tem estado num caminho de recuperação com um The Rugby Championship 2021 bem sucedido e que oferece sinais promissores. Isto é o Austrália vs Japão, um encontro que promete animar as hostes do rugby Mundial, não só pelos factores individuais, como Kazuki Himeno vs Michael Hooper, mas também pela combinação de maneiras de jogar, com os Wallabies a optar por embelezar e oferecer um multiverso de ideias, enquanto os Brave Blossoms seguem no estilo combativo, de imediata reação e de serem uns autênticos predadores no breakdown.

Dave Rennie quer continuar a compactar a “sua” versão da Austrália, tendo difíceis decisões para fazer pelo caminho em termos de opções (vai optar por Quade Cooper ou James O’Connor, e será Rob Valentini o 8 ou Pete Samu vai roubar um lugar que era supostamente de Harry Wilson?), algo que também deverá estar no pensamento de Jamie Joseph, o seleccionador do Japão, que tem de procurar continuar no caminho da evolução do sistema de ataque, agora sem Kenki Fukuoka no mix. Posto isto, será um embate titânico e promissor desta ronda de Test Matches.

Espanha vs Fiji

Data: 6 de Novembro | 15h00
Local: Madrid

Se Portugal vai ter direito a apresentar-se contra o Japão, então a Espanha vai ter o regalo de medir forças frente às Fiji, impondo-se um encontro complicado para os Leones dentro de campos mas que os colocará aos olhos do público internacional, graças à paixão mundial pela nação que adora primar pelos offloads e placagens de ultra impacto.

Para a seleção europeia será um teste de fogo de proporções épicas, fundamental para perceber se têm os elementos mínimos necessários para lutar contra seleções de maior dimensão, mantendo um nível exibicional de qualidade, mesmo que seja alvo de algum domínio físico, o que vai colocar um desafio aos principais jogadores de Espanha como Alvar Gimeno, Gonzalo Vinuesa, Jon Zabala, Rouet, Malié, Futeu ou Bell sabendo de antemão que deverão jogar frente a uma mescla de estrelas e estreantes das Ilhas Fiji. Será a segunda vez da história que os Leones vão jogar frente aos Flying Fijians (derrota da seleção europeia por 39-20) e, perante a vontade de forçar a World Rugby a expandir o Campeonato do Mundo, é importante mostrar o crescimento da Espanha nos últimos anos.

Itália vs Uruguai

Data: 20 de Novembro | 13h00
Local: Roma

Os azurri estão no processo de renovação, procurando novas estrelas para assumir a batuta depois de dois anos da saída de Sergio Parisse (e não só), com os holofotes a estarem apontados para Jake Polledri, Paolo Garbisi, Carlo Canna, Frederico Mori, Monty Ioane, entre outros, e nesta janela internacional vão estar sob alta pressão. Um dos encontros de suposta maior facilidade é frente ao Uruguai, seleção que procura garantir um lugar no Tier 1 (apesar de ainda estar bem longe desse horizonte) e ser um rival total aos Pumas pelo poderio na América do Sul.

Esta conjugação de factores, aliado ao facto dos italianos estarem em busca de um estilo de jogo que encaixe melhor na qualidade dos seus jogadores, vai oferecer um belo espetáculo de fisicalidade no seu expoente máximo, de constante contra-ataque, com pormenores técnicos que levantam a plateia de forma inesperada, fruto da magia vinda de Garbisi ou Santiago Arata. Num jogo de Mundial sem o peso mental dessa realidade, os Teros têm de tentar fazer o improvável, ou seja, ganhar frente a uma seleção que nunca derrotaram na sua história, depois de já terem realizado três encontros nos últimos 20 anos. A guelra e ganas do Uruguai versus a resiliência e imprevisibilidade da Itália… Vamos ter surpresa?

África do Sul vs Escócia

Data: 13 de Novembro | 13h00
Local: Edinburgo

Poderá a Escócia de Gregor Townsend derrubar os campeões do Mundo em título e mostrar que detêm, neste momento, a melhor variedade ofensiva das Home Nations, carregada de detalhes e pormenores fantásticos que encheram Twickenham e o Stade de France em 2021? Nas asas da “loucura” imprevisível de Finn Russell, Stuart Hogg e Ali Price, alavancados pelo poderio físico de Duhan Van der Merwe, Sam Johnson, Cameron Redpath, Hamish Watson e Huw Jones, a Escócia tem uma das combinações geracionais mais sensacionais dos últimos 20 anos, pronta a impor um desafio intenso, duro e virtuoso a uns Springboks que têm ditado a lei quando menos se espera, continuando a ser o alvo a abater do rugby mundial.

Jacques Nienaber vai entrar no Hemisfério Norte com todo um elam conquistado pela vitória frente aos Lions e por terem surpreendido os All Blacks quando muito poucos acreditavam, resistindo só uma leve dúvida se vamos ter o melhor elenco dos Springboks ou se surgirão várias estreias e novidades, de modo a lançar as próximas etapas do futuro da África do Sul. Um clash de estilos, duas formas de batalhar e tentar obter o domínio no resultado, mas a mesma vontade de silenciar os seus rivais directos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter