Portugal nos Jogos (Dia 8): Liliana Cá gira o disco para a final

Fair PlayJulho 31, 20214min0

Portugal nos Jogos (Dia 8): Liliana Cá gira o disco para a final

Fair PlayJulho 31, 20214min0
Mais uma final para o atletismo português, agora pela força e técnica de Liliana Cá, e contamos como foi possível o feito da atleta lusa neste resumo diário

Num dia de menor actividade portuguesa em termos de números em Tóquio, Liliana Cá obteve o apuramento para a final do lançamento do disco, algo que não era conquistado há mais de 24 anos, oferecendo duas finalistas em finais do atletismo olímpico. Os destaques, resultados e relatório diário neste artigo do Fair Play.

O DESTAQUE DO DIA: LILIANA CÁ NA FINAL DO DISCO

Desde 1996 que Portugal não atingia uma final do lançamento do disco em Jogos Olímpicos (Teresa Machado foi a atleta portuguesa de então a conseguir esse feito), e Liliana Cá tratou de colocar um ponto final na ausência portuguesa na luta pelas medalhas nesta disciplina do atletismo com um arremesso de 62,85 fechando em 6º lugar nesta fase-de-qualificação, numa demonstração de excelência no momento decisivo com este apuramento categórico, que poderá se tornar histórico caso consiga ficar acima do 10º lugar.

Liliana Cá detém o recorde nacional do lançamento do disco, rubricado a 6 de Março deste ano em Leiria, com um arremesso de 66,40, e entra na final com o foco em atingir nova marca pessoal, sendo que a repetição deste extraordinário registo poderá deixá-la mais próxima do medalheiro, apesar da concorrência excepcional naquilo que promete ser uma final emocionante. 2021 tem sido um ano extremamente positivo para a atleta treinada por Luís Herédio Costa, relembrando o 3º lugar nos FBK Games, onde atingiu a sua melhor marca a nível internacional (65,07), e isto prova a evolução e desenvolvimento de um dos principais nomes do atletismo português deste momento.

O QUE ESTÁ EM ABERTO: JORGE LIMA E JOSÉ COSTA ATRÁS DO “SOL” NA MEDAL RACE

Começou difícil o dia para os 49er’s em Tóquio, já que o vento não soprava como se exigia em Fujisawa, forçando um atraso significativo no início das três últimas regatas que decidiam os apurados para a medal race, num dia que acabou por ser decisivo para Jorge Lima e José Costa. O par de velejadores portugueses até nem começou da melhor forma, com um cruzar de meta na 11ª posição da 10ª regata, impondo assim alguma pressão em terem de conseguir resultados de top-5 de modo a atingirem os seis primeiros lugares de acesso à corrida das medalhas, sendo que este atraso já podia ser minimamente problemático.

Puxando os galões, Jorge Lima e José Costa voltaram a colocar o foco do dia anterior, encaixando bem nas condições atmosféricas para cruzar num 4º lugar tanto na 11ª (a 25 segundos do 1º classificado) e 12ª regata (46 segundos do 1º lugar), dobrando bem as boias com um cálculo sempre bem apurado do vento, naquilo que foi uma exibição de boa qualidade neste penúltimo dia de competição. A dupla desta classe da vela tem sido categórico em perseguir o objectivo, nunca se deixando esmorecer mesmo quando a situação pareceu mais complicada à 6ª regata (desqualificação), entrando para a medal race com o Diploma Olímpico garantido.

OUTROS DESTAQUES

Diogo Abreu entrou nos trampolins para fazer melhor que o 16º lugar somado no Rio 2016, e, após a primeira ronda, houve expectativa que ficasse entre os 8 melhores deste exercício da ginástica, conseguindo uma pontuação de 52,135, equivalente ao 7º lugar . Um erro num salto na segunda ronda, acabou por colocar um ponto final na sua participação nos Jogos Olímpicos 2020, com um 11º lugar de clara melhoria em comparação com a sua estreia nas Olimpíadas há 5 anos atrás.

Irina Rodrigues não passou às finais no disco, depois de um lançamento em falso e dois de marca inferior mínima ao acesso e algo longe da sua melhor marca pessoal, com uma classificação final em 25ºlugar (melhor lançamento foi de 57,03).

Carlos Nascimento terminou em 7º na sua série de acesso às meias-finais dos 100 metros, com um tempo de 10,37, nesta sua primeira participação em Jogos Olímpicos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter