28 Mai, 2018

Nacional de Clubes – 2ª Divisão

João BastosDezembro 3, 201712min0

Nacional de Clubes – 2ª Divisão

João BastosDezembro 3, 201712min0
Grande jornada de natação que se assistiu neste fim-de-semana na piscina de Leiria. O Vilacondense e a Académica foram os grandes vencedores da 2ª divisão

Depois de disputada a 3ª divisão, foi a vez de se disputar a 2ª divisão. A cidade de Leiria acolheu o escalão secundário da natação portuguesa, nos dias 2 e 3 de Dezembro. O Fair Play traz-lhe o essencial da competição


À semelhança da 3ª divisão, também a 2ª divisão sofreu alterações ao seu modelo para esta época. Ao invés dos anteriores 16 clubes, competiram 24 clubes masculinos e 24 femininos, com a repescagem dos 3ª e 4ª classificados do ano passado para a 1ª divisão (que passou de 8 para 12 clubes) e da metade superior da tabela da 3ª divisão do ano passado para a 2ª divisão deste ano.

Assim, o horizonte da subida de divisão abriu-se para muitas equipas que, nos moldes anteriores, não teriam como prioridade essa meta. Da mesma forma, a manutenção também foi assegurada com tranquilidade para muitas equipas que antes de ser conhecido o formato desta edição já se estavam a preparar para sofrer grandes emoções ao longo da competição.

Fique com o resumo da competição masculina e feminina:

De volta ao habitat natural

A última vez que o Clube Fluvial Vilacondense esteve na 1ª Divisão foi na época 2012/2013, quando chegou ao fim o ciclo de uma equipa memorável, que foi bi-campeã nacional nas épocas 2007/2008 e 2008/2009, e onde militavam nomes como Adriano Niz, Henrique Neiva e Fábio Pereira.

Este ano, e depois de terminado o vínculo de duas décadas de boa memória para CFV com o técnico António Paulo Vasconcelos, quis o destino que fosse precisamente sob o comando de um histórico do clube que o Vilacondense voltasse ao primeiro escalão da natação portuguesa.

A responsabilidade que recaía sobre os ombros do técnico Fábio Pereira era grande, mas no primeiro grande teste, Fábio teve nota máxima e conduziu o CFV à vitória na 2ª divisão masculina.

A equipa de Vila do Conde totalizou 391 pontos e esteve sempre na liderança.

Grande destaque para Filipe Ramos e a sua tripla vitória a bruços com excelentes novos recordes pessoais de 28.82, 1:01.82 e 2:14.39, aos 50, 100 e 200, respectivamente. Rúben Morim também alcançou uma vitória para o clube de Vila do Conde, no caso aos 200 mariposa, também com um novo record pessoal por larga margem (2:05.07).

Morim ainda foi segundo nos 400 livres e quarto nos 100 livres. Nadaram ainda pelo CFV, o júnior Porfírio Nunes que foi 4º classificado nos 50 livres e nos 200 estilos e 6º classificado nos 200 livres. O treinador Fábio Pereira nadou os 50 mariposa (5º classificado) e os 100 mariposa (8º classificado), Pedro Bessa foi 5º nos 400 estilos, David Lima foi 8º nos 1500 metros livres e Diogo Ramos foi 11º nos 100 e 12º nos 200 costas.

O CFV venceu os 4×200 metros livres e foi 2º classificado nas estafetas de 4×100 livres e 4×100 estilos.

Foto: Luís Filipe Nunes

O Clube Fluvial Portuense junta-se à equipa feminina na 1ª divisão. O clube do Porto foi o segundo classificado final com 366 pontos.

Em destaque esteve o júnior Diogo Nunes, um nadador que, como muitos companheiros de equipa, aposta com regularidade nas águas abertas, e neste nacional foi precisamente na prova mais longa que mais se destacou ao vencer os 1500 metros livres.

Nas provas mais curtas de livres (200 e 400 metros) foi 5º classificado em ambas. Rui Vilar e Sérgio Travanca também estiveram em destaque ao chegarem no 2º lugar nos 200 estilos e 200 mariposa, respectivamente. Rui ainda foi 7º nos 50 e nos 100 bruços e Sérgio foi 3º nos 400 estilos. José Sampaio foi 3º nos 200 costas, 5º nos 100 mariposa e 8º nos 100 costas, o sprinter Gonçalo Paquete foi 6º nos 50 livres, 8º nos 50 mariposa e finalmente 11º nos 100 metros livres. Bruno Machado foi o 10º classificado nos 50 costas e Ivan Amorim o 13º nos 200 bruços.

O CFP foi 4º nos 4×200 livres e 5º nas estafetas 4×100 livres e 4×100 estilos.

Foto: Luís Filipe Nunes

O Leixões viveu uma autêntica montanha russa de emoções nestes campeonatos, quer a equipa feminina (que relataremos mais à frente), quer a masculina, que só selou a passagem à 1ª divisão na última prova.

Até lá, esteve durante muito tempo atrás da FOCA e da Académica de Coimbra, mas com um 1º, 4º e 2º lugares nas últimas três provas, a equipa leixonense superiorizou-se às rivais.

Os espanhóis Diego Molinero e Sergio Arroyo estiveram em destaque ao conseguirem as vitórias do Leixões. Molinero venceu os 200 livres e os 200 costas (ainda foi 2º nos 100 costas) e Arroyo levou os 400 estilos. Juntou-lhe o 3º lugar nos 200 mariposa e o 5º lugar dos 200 estilos.

O brucista André Santos foi 4º aos 50 bruços, 5º aos 100 bruços e 11º nos 50 mariposa. Dário Santos foi o 5º melhor dos 100 livres e chegou em 8º nos 50 livres. Tiago Freire foi o 9º dos 1500 livres e o 12º dos 400 livres. Bruno Barroso classificou-se em 15º nos 50 costas e, quer Diogo Mendes, quer Diogo Ribeiro, foram 17ºs classificados nas suas provas: Mendes nos 200 bruços e Ribeiro nos 100 mariposa.

Nas estafetas, o clube de Leixões foi 2º nos 4×200 livres, 3º nos 4×100 estilos e 8º nos 4×100 livres.

Foto: Luís Filipe Nunes

O FOCA, de Felgueiras e a Académica de Coimbra estiveram sempre na luta pelo último lugar de acesso à 1ª divisão e durante grande parte da competição ocuparam-no alternadamente, mas foi o Leixões que no final ficou com a última vaga.

Com viagem marcada para a 3ª divisão estão o Clube Desportivo de Estarreja, o Colégio de Santa Maria de Lamas, o Académico de Viseu e a Aminata.

Competição feminina imprópria para cardíacos

O final mais dramático estava reservado para a competição feminina. Depois de o Leixões ter estado à frente durante quase toda a competição, na última sessão, a Académica de Coimbra passou para a frente, a apenas 3 provas do fim. As duas equipas foram para última prova separadas por apenas 3 pontos e o Leixões ainda superou a Académica nos 4×200 livres, mas foi mesmo a Briosa a levar o título, por apenas 2 pontos!

A equipa da Associação Académica de Coimbra teve um fim-de-semana agridoce. Depois da equipa masculina ter sido ultrapassada na última prova (pelo Leixões), na competição feminina, a Briosa conseguiu superiorizar-se (ao Leixões) no cair do pano. As estudantes somaram 382 pontos.

A equipa de Coimbra não venceu nenhuma prova, mas sustentou a sua posição final na homogeneidade da equipa. Tirando um 15º lugar, esteve sempre no top-10 em todas as provas, ocupando por quatro vezes o segundo posto.

A costista Ana Neves foi 2ª classificada nos 50 e 100 costas, Matilde Moreira foi 2ª nos 100 livres, 3ª nos 50 livres e ainda 6ª classificada nos 200 metros livres, Beatriz Craveiro também foi segunda classificada, mas nos 200 costas e duplamente 4ª classificada – nos 100 e 200 mariposa -, Beatriz Tejo foi 3ª classificada nos 50 metros mariposa, a brucista Beatriz Dias conseguiu um 4º lugar (nos 200 bruços), um 6º lugar (nos 100 bruços) e um 7º lugar (nos 50 bruços). Tatiana Santos foi a estilista de serviço: foi 7ª nos 400 estilos e 9ª nos 200 estilos e finalmente Mariana Ângelo nadou as provas de fundo: foi 9ª nos 800 livres e 15ª nos 400 livres.

Nas estafetas as coimbrãs classificaram-se no 2º lugar nos 4×100 estilos e no 3º lugar, quer nos 4×100 livres (com o contributo de Madalena Palmeiro), quer nos 4×200 livres.

Foto: Luís Filipe Nunes

A equipa leixonense foi uma digna vencida e lutou até à última.

Com uma equipa melhorada por duas nadadoras da equipa madrilena Real Canoe, Silvia Medica e Paula Nunez, a equipa de Leixões sagrou-se vice-campeã nacional da 2ª divisão com 380 pontos.

Em evidência esteve a costista Alexandra Santos que venceu os 50 e 100 costas, com novo record pessoal na prova de 100, no tempo de 1:03.85. Também foi crucial nas vitórias do Leixões nas estafetas de 4×100 livres e 4×100 estilos (onde voltou a melhorar o seu RP dos 100 costas em 1 centésimo). Nos 200 costas foi a 4ª classificada.

Paula Nunez ofereceu à equipa leixonense um 2º lugar na prova de 200 mariposa, um 3º lugar nos 400 estilos e ainda o 5º posto dos 500 mariposa. Sofia Gonçalves foi a terceira classificada dos 100 bruços, a sexta classificada dos 50 bruços e a oitava dos 200 estilos. Sílvia Medina fixou-se no número 5. Foi 5ª classificada nas três provas que nadou: 200, 400 e 800 metros livres. Marta Rocha foi 11ª nos 50 mariposa e 13ª nos 50 livres. Finalmente, Alexandra Campos foi a 11ª melhor dos 200 metros bruços e Matilde Santos a 12ª dos 100 metros livres.

Para além das vitórias já referidas nos 4×100 livres e 4×100 estilos, o LSC foi 2º nos 4×200 livres.

 

Foto: Luís Filipe Nunes

Outra equipa que passou um fim-de-semana alargado bastante agradável foi a equipa da Fundação Beatriz Santos. Depois de vencer a 3ª divisão no sector masculino, logrou a subida à 1ª divisão com a equipa feminina.

As nadadoras da equipa de Coimbra classificaram-se colectivamente no 3º lugar com 361 pontos.

À semelhança da equipa masculina, também nas senhoras houve o contributo de duas nadadoras oriundas do nosso país vizinho: Maialen Saez, do Bidasoa XXI, foi o maior destaque ao conseguir para a Fundação a única vitória individual. Foi quase ao cair do pano, nos 100 metros livres, selando definitivamente o destino do FBSC, que ainda foi afirmado na derradeira estafeta com a vitória da equipa nos 4×200 livres.

Maialen ainda foi 4ª nos 50 livres e 8ª nos 50 costas.

Ana Rita Queiroz foi 3ª nos 800 metros livres, 4ª nos 400 livres e 10ª nos 200 estilos. Sem Joana Bernardo, foi Alexandra Frazão que teve a missão de nadar costas. Foi 5ª nos 200 e 5ª nos 100, mas a sua melhor classificação foi nos 200 livres, onde foi 4ª; a segunda espanhola, Elena de Toro, nadou as três provas de mariposa, com desempenhos semelhantes: foi 5ª nos 200 mariposa e 6ª nos 50 e 100 mariposa. Beatriz Tomás também foi 6ª, mas nos 200 bruços, juntando-lhe o 12º lugar nos 100 bruços e o 16º nos 50 bruços. Matilde Florêncio completou a equipa com o 11º lugar nos 400 estilos.

Nas estafetas, a Fundação foi 2ª nos 4×100 livres e 6ª nos 4×100 estilos.

Foto: Luís Filipe Nunes

O Laranjeiro e o Famalicão protagonizaram uma luta intensa pelo 4º lugar, até que à entrada da última estafeta (4×200 livres) o Clube Aquático Pacense, vindo de trás, foi empatado com o Fama para a estafeta e a apenas 5 pontos do CIRL. No final, o Famalicão foi 4º na estafeta, o Aquático Pacense e o Laranjeiro empataram no 5º posto e por isso foi o clube da margem sul que venceu este particular, ficando no primeiro lugar das equipas que se mantém na 2ª divisão. Para o Fama só deu para o 5º lugar geral final, com o CAP em 6º, com apenas menos 1 ponto.

No fim da tabela, Gafanha da Encarnação (21º), Clube de Natação da Maia (22º), Amadora (23º) e Estamos Juntos (24º).

Os melhores tempos da segunda

O Fair Play fez o levantamento dos melhores tempos de sempre, em cada prova disputada na 2ª divisão.

A competição não se disputava em piscina curta desde a época 2011/2012 e foi a primeira vez que se nadaram as provas de 50 metros costas, bruços e mariposa em piscina curta, por isso havia logo 6 novos recordes automáticos, pertença dos vencedores dessas provas, este ano.

Para além desses, novos recordes só no feminino. A recordista júnior dos 200 livres esteve em grande plano. Ana Reis Sousa, do Clube de Natação do Litoral Alentejano entrou com os seus tempos para a tabela. Curiosamente, nos 200 metros livres o anterior record da 2ª divisão era o anterior record nacional júnior (antes de Ana Sousa o bater no Meeting Internacional do Algarve este ano), que pertencia a Andreia Gomes. Os 2:02.42 de 2009 da nadadora do Vitória de Guimarães, baixaram agora para os 2:01.17 de Ana Sousa.

Nos 400 metros livres, a alentejana superou um tempo de Angélica André de 2012. O máximo estava fixado em 4:18.24.

Os outros recordes individuais vieram pela mão de outra Ana. Ana Catarina Monteiro limpou dois tempos de Sara Cruz (Bairro dos Anjos), ambos de 2009. Sara detinha os melhores tempos nos 100 e 200 mariposa com 1:00.35 e 2:14.67, respectivamente. Ana Catarina superou o mínimo dos 100 metros de forma tangencial e o dos 200 com muita margem (quase 5 segundos).

A estafeta de 4×200 metros livres femininos da Fundação Beatriz Santos fechou os campeonatos com chave de ouro…e record dos campeonatos. A equipa composta por Maialen Saez, Ana Rita Queiroz, Elena de Toro e Alexandra Frazão marcou 8:31.87, superando os 8:35.39 de uma equipa do Vitória de Guimarães, em 2011, composta por Andreia Gomes, Joana Santos, Daniela Pinto e Amélia Fernandes.

* tempos feitos na abertura de estafetas | Fonte: Fair Play


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter