Arquivo de CIRL - Fair Play

IMG_3154.jpg?fit=1024%2C398&ssl=1
João BastosJaneiro 22, 201710min0

Decorreu no passado dia 21 de Janeiro o IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas”, uma organização do Clube de Natação de Torres Novas que este ano teve a parceria do Fair Play. A edição de 2017 foi pautada de um grande e equilibrado nível competitivo, cujo vencedor permaneceu indefinido até à última prova.

A cidade de Torres Novas acolheu no passado dia 21 de Janeiro, 264 nadadores, representantes de 17 diferentes clubes, provenientes de 5 diferentes Associações regionais de natação.

O IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas” teve até a particularidade de ser um dos poucos torneios disputados em Portugal continental que contou com a presença de uma equipa madeirense, a recentemente criada WOS Team.

No plano competitivo, esta foi uma das mais disputadas edições da Taça Torrejana, com quatro equipas sempre em disputa pelo primeiro lugar e com 10 dos 17 clubes presentes a vencerem provas individuais, o que baralhou as contas e conferiu ao Torneio um ambiente de emoção e indefinição que durou até ao cair do pano.

Foto: Clube de Natação de Torres Novas

Conheça os principais destaques da prova:

Algés conquista a Taça

O Sport Algés e Dafundo foi o grande vencedor do IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas” com 420 pontos. O Algés contou com a melhor equipa feminina em prova – e as quatro provas individuais que venceu foram, precisamente, no sector feminino – e com a quarta melhor equipa masculina.

Rafaela Azevedo nos 50 costas, Carolina Marcelino nos 100 mariposa, Anna Ferreira nos 50 mariposa e a estafeta 4×100 estilos (Rafaela Azevedo, Clara Pereira, Ana Branco e Sara Cruz) ocuparam o lugar mais alto do pódio, que teve ainda ocupação algesina noutras 9 ocasiões.

A prestação da equipa da linha na segunda sessão do Torneio foi determinante, já que o SAD estava no terceiro posto no final da manhã.

O Clube de Natação de Torres Novas esteve muito perto de conquistar o seu torneio pela primeira vez. Quedou-se pelo segundo lugar a escassos 12 pontos do Algés.

No sector masculino, o CNTN foi a equipa que conseguiu a amealhar mais pontos, tendo sido a quarta melhor equipa feminina.

Já em termos de vitórias individuais, o clube da casa conseguiu tantas como o clube vencedor (quatro), com Afonso Rosa em destaque ao subir ao lugar mais alto do pódio por 3 vezes (50 e 200 costas e integrando a estafeta masculina de 4×100 estilos conjuntamente com Miguel Frade, Marco Miguel e José Luz) e Carolina Neves a vencer os 100 livres.

Os nadadores de Torres Novas subiram ao pódio por mais 11 ocasiões.

Foto: Carolina Neves

O Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro fez os mesmos pontos do CNTN, mas pelo primeiro critério de desempate (número de primeiros lugares), o CIRL foi o terceiro classificado.

A equipa do Laranjeiro conseguiu três primeiros lugares individuais: Ricardo Pires nos 100 costas, Bruna Riesenberger nos 100 estilos e a estafeta feminina de 4×100 livres composta por Sofia Nunes, Catarina Belchior, Joana Varandas e Bruna Riesenberger.

Até na classificação parcial por sector, o CIRL teve pontuações próximas do CNTN. No sector masculino fez 214 pontos (o CNTN fez 218) e no sector feminino marcou 194 pontos (“contra” os 190 do CNTN), perfazendo os 408 pontos finais.

Para além dos três primeiros lugares, foram 9 os pódios obtidos pelos nadadores do Laranjeiro.

Pódio final | Fonte: Clube de Natação de Torres Novas

As restantes equipas classificaram-se da seguinte forma:

4. SFUAP;
5. Bairro dos Anjos;
6. Académica de Coimbra;
7. Natação do Tejo;
8. Estrelas de S. João de Brito;
9. Pimpões;
10. Naval Amorense;
11. Náutico da Marinha Grande;
12. A ONDA;
13. Gualdim Pais;
14. CLAC;
15. WOS Team;
16. Náutico de Abrantes;
17. Industrial Vieirense.

João Santos e Eva Carvalho levam a classificação dos pontos

A União Piedense pode ter ficado com o amargo 4º lugar geral final, mas os seus nadadores “desforraram-se” conseguindo para a equipa da Cova da Piedade as melhores classificações FINA, que davam direito a troféu.

No sector masculino, João Carlos Santos conseguiu 642 pontos com a sua prestação dos 200 livres. O tempo final na prova foi de 1:55.18 com os impressionantes parciais de 56.69/58.49.

O nadador da SFUAP superiorizou-se a Frederico Riachos do Estrelas de S. João de Brito que obteve 621 correspondentes ao tempo de 23.74 nos 50 livres e a Nuno Martins, também do Estrelas que nadou os 100 metros mariposa no tempo de 57.04, que lhe valeram 612 pontos e o terceiro lugar do pódio.

Pódio Pontuação FINA masculinos | Foto: Clube de Natação de Torres Novas

Em femininos foi Eva Carvalho, também da SFUAP e também na prova de 200 metros livres, que arrebatou o troféu dos pontos. O seu novo record pessoal – e que ficou estabelecido como novo record do Torneio – de 2:09.34 valeram-lhe 628 pontos na tabela FINA e o primeiro lugar nesta classificação no Torneio Taça Cidade de Torres Novas.

A prova de 200 livres femininos, de resto, foi a que teve o índice técnico mais elevado. A segunda nadadora mais pontuada foi também a segunda classificada desta distância com 619 pontos. Foi a nadadora da casa, Carolina Neves, que nadou no tempo de 2:09.98.

A fechar o pódio ficou a nadadora do Estrelas de São João de Brito, Catarina Sequeira, com a sua vitória na prova de 50 bruços, nadados em 33.92, correspondentes a 612 pontos.

Pódio Pontuação FINA femininos | Foto: Clube de Natação de Torres Novas

Afonso Rosa e Rafaela Azevedo foram os mais medalhados

Como já referimos, o nadador júnior do Clube de Natação de Torres Novas, Afonso Rosa, conquistou três medalhas de ouro – nos 50 e 200 costas e na estafeta 4×100 estilos.

Mas não ficou por aí. Amealhou mais uma prata – nos 100 metros costas – e dois bronzes – 50 mariposa e estafeta 4×100 livres.

O outro nadador que conseguiu três primeiros lugares foi António Carriço, do Clube Desportivo Estrelas de São João de Brito, que sempre que nadou, venceu. 50 metros bruços, 200 metros bruços e 100 metros estilos foram as provas conquistadas pelo nadador do Estrelas.

No sector feminino, a primeira do medalheiro foi a atleta juvenil do Sport Algés e Dafundo, Rafaela Azevedo. Venceu os 50 costas e a estafeta 4×100 estilos, foi segunda classificada na prova de 100 metros livres e terceira na estafeta 4×100 metros livres. Uma boa prenda de anos para atleta que estava a comemorar o seu 15º aniversário no dia da competição.

Mas a nadadora que mais medalhas levou para casa foi Bruna Riesenberger, do Laranjeiro. Venceu o mesmo número de provas que Rafaela (100 estilos e os 4×100 livres), mas conseguiu 5 medalhas no total, com os seus três terceiros lugares nas provas de 50 e 200 bruços e estafeta de 4×100 estilos (onde nadou o percurso de bruços).

Foto: Carolina Neves

7 novos recordes da Taça

A edição de 2017 da Taça Cidade de Torres Novas foi uma das mais competitivas de sempre. Prova disso são os 7 novos recordes da competição estabelecidos no dia 21 de Janeiro.

Para além disso, foram 7 recordes, da responsabilidade de 7 diferentes nadadores, representantes de 7 diferentes clubes, algo inédito na história do troféu. Nem na primeira edição tal se verificou, uma vez que as 24 provas em disputa nesse ano, apenas tiveram 6 diferentes equipas a vencê-las.

Nem mesmo na edição de 2009, que continua a ser a edição que mais recordes preserva (17), mas na qual os mesmos nadadores estabeleceram vários recordes, não havendo uma diversidade tão grande em termos de equipas e de nadadores recordistas como este ano.

Os sete novos recordes da Taça obtidos em 2017 são sintomáticos de que o nível médio da prova esteve bastante elevado e equilibrado entre todas as equipas.

Os novos recordistas são:

  • Afonso Rosa, CNTN: 50 costas – 27.53;
  • António Carriço, ESJB: 200 bruços – 2:25.36;
  • Beatriz Pereira, ANAM: 100 costas – 1:06.80;
  • Bruna Simões, DNMG: 200 mariposa – 2:24.23;
  • CIRL: 4×100 livres femininos – 4:07.46;
  • Eva Carvalho, SFUAP: 200 livres – 2:09.34;
  • Rafaela Azevedo, SAD: 50 costas – 30.23;

Confira a lista completa dos recordes da Taça torrejana:

Fonte: FairPlay

Uma organização de sucesso

Criada em 2007, por ocasião da remodelação das Piscinas Municipais Fernando Cunha, o Torneio de Natação “Taça Cidade de Torres Novas” é hoje uma competição de referência no calendário de competições nacionais.

Inserida numa altura da época competitiva em que os clubes preparam a abordagem às competições em piscina longa e em que existem vários outros torneios pelo país fora, a organização levada a cabo pelo Clube de Natação de Torres Novas tem conseguido, ainda assim, atrair os melhores clubes e nadadores de nível nacional, ano após ano.

A 9ª edição da Taça constituiu uma consolidação do estatuto da competição no panorama nacional ao ter a participação record de 17 clubes.

Para este sucesso organizativo, também contribui indelevelmente a co-organização da Associação de Natação do Distrito de Santarém e o apoio da Câmara Municipal de Torres Novas.

Uma organização à qual o Fair Play se orgulha de se ter associado. (Re)leia os artigos de lançamento e antevisão do Torneio publicados no Fair Play.

Para o ano será a 10ª edição e, certamente, podemos esperar uma forte aposta do CNTN em assinalar de forma especial esse marco no historial de uma competição que já é de referência no contexto da natação nacional.

Rui Simões, Dirigente CNTN e João Loureiro, Presidente ANDS | Foto: Clube de Natação de Torres Novas
CNTN-Team.jpg?fit=960%2C716&ssl=1
João BastosJaneiro 19, 201712min0

Depois do lançamento do IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas”, o Fair Play apresenta os protagonistas. Conheça os 17 clubes que disputarão a Taça Torrejana e o prognóstico do Fair Play sobre os seus principais argumentos para a conquistar

Antes dos nadadores subirem ao bloco, conheça melhor os clubes e o perfil das equipas que estarão no próximo dia 21 de Janeiro a disputar a 9ª edição da Taça Cidade de Torres Novas.

Recordamos que este é um evento com o apoio do Fair Play. Saiba mais sobre o Torneio que decorre já este sábado na cidade ribatejana: https://goo.gl/oaPtSZ

Clube de Natação de Torres Novas

A equipa da casa tem nesta edição do seu torneio uma grande hipótese de garantir que o troféu fica em casa pela primeira vez. Numa época em que sobe de divisão com ambas as equipas (masculina e feminina), vencer o seu torneio seria uma apetitosa cereja em cima de um bolo, já de si, bastante saboroso.

O clube torrejano tem várias provas onde poderá vir a alcançar o lugar mais alto do pódio individual, com particular destaque para Afonso Rosa (50, 100 e 200 costas), Carolina Neves (100 e 200 livres) e as estafetas de 4×100 livres de ambos os géneros que surgem com o melhor tempo da start list.

Recorde a entrevista do Professor Pascoal Mendes, treinador principal do CNTN

Conheça melhor o CNTN aqui.

Fonte: Facebook Clube Natação Torres Novas

Sociedade Filarmónica União Artística Piedense

A SFUAP é outra das equipas candidatas à vitória final. Terá, certamente, muitos pódios e vitórias individuais, sobretudo nas provas masculinas onde aparenta ter os argumentos mais fortes para chegar à vitória final.

João Santos nos 200 livres e a estafeta masculina de 4×100 estilos partem na pole position mas há várias outras provas onde os nadadores da Cova da Piedade têm reais hipóteses de bater na parede primeiro lugar.

Conheça melhor a SFUAP aqui.

Fonte: Facebook SFUAP – Nadadores

Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro

O Laranjeiro é a terceira equipa que destacamos das quatro que consideramos que partem no primeiro patamar de favoritos à conquista da Taça Cidade de Torres Novas.

Rui Horta, nos 100 bruços, é o único nadador do CIRL com o melhor tempo da start list, mas são vários os pódios ao alcance dos nadadores e nadadoras do Laranjeiro.

Recorde a entrevista ao Fair Play dos nadadores Ricardo Pires e Ricardo Estevens que estarão em acção na Piscina de Torres Novas.

Conheça melhor o CIRL aqui.

Fonte: cirlaranjeiro-voleibol.blogspot.pt/

Sport Algés e Dafundo

É, actualmente, a equipa com maiores pergaminhos das presentes em prova. Campeão nacional da 1ª divisão feminina e campeão nacional da 2ª divisão masculina. Mesmo não trazendo todo o seu “arsenal”, o Algés apresenta uma equipa jovem mas de grande qualidade.

A juvenil-A Rafaela Azevedo lidera o line-up dos 50 metros costas e o Algés vê ainda a possibilidade de pódios individuais em mais uma dezena de provas.

Conheça melhor o SAD aqui.

Fonte: ammamagazine.com

Associação Académica de Coimbra

Incluímos a Briosa numa segunda linha de candidatos, mas não pode ser considerada uma surpresa se a Taça for parar a uma vitrina em Coimbra. Principalmente tendo em consideração que a Académica apresenta um dos mais fortes elencos no sector feminino.

Ana Carolina Neves e Matilde Moreira certamente contribuirão com muitos pontos, mas os argumentos dos coimbrões vão muito para além das duas nadadoras juniores.

Conheça melhor o AAC (secção de natação) aqui.

Associação Desportiva, Cultural e Recreativa do Bairro dos Anjos/Bomcar

O clube leiriense apresenta uma equipa bastante equilibrada entre os sectores masculino e feminino. De tal forma, que se a classificação final correspondesse exactamente às posições da start list o Bairro dos Anjos faria os mesmos pontos em masculinos e femininos.

O equilíbrio é tão grande que as provas onde, previsivelmente, o Bairro dos Anjos terá maiores hipóteses de vitória são as provas de mariposa, quer no sector masculino (por Tiago Santos), quer no sector feminino (por Sara Peca).

Conheça melhor o ADBA aqui.

Fonte: Facebook Bairro dos Anjos

Clube de Natação do Tejo

Já o clube de Vila Nova da Barquinha joga os seus maiores trunfos com as suas nadadoras, nomeadamente com Rute Leonardo e Mafalda Marques.

As provas de livres, bruços e estilos no sector feminino vão, com certeza, garantir muitos pontos à equipa do CNTejo.

Conheça melhor o CNTejo aqui.

Fonte: Facebook Clube de Natação do Tejo

 

Sociedade Filarmónica Gualdim Pais

O júnior Bernardo Dionísio já se mostrou a grande nível esta época, por isso contém com ele para disputar as quatro provas em que está inscrito.

Do lado feminino não há nenhuma nadadora tão proeminente como no sector masculino mas a equipa é mais homogénea com Lea Mendes e Catarina Trezentos a terem boas hipóteses de alcançar o pódio nas suas provas.

Conheça melhor a SFGP aqui.

Fonte: Facebook Sociedade Filarmónica Gualdim Pais – Natação

Estrelas de São João de Brito

O Estrelas é apenas a 9ª equipa que apresentamos porque não leva a Torres Novas a constelação toda.

De resto, o clube de Alvalade só inscreveu nadadores em 16 das 30 provas, mas conseguirá uma classificação a meio da tabela, sem grandes sobressaltos. É que praticamente em todas as provas que os nadadores do ESJB nadam, têm reais possibilidades de as ganhar.

Destaque para Frederico Riachos, António Carriço, Nuno Martins, Nuno Rola e Catarina Sequeira que juntos garantem ao Estrelas 9 melhores tempos na start list.

Conheça melhor o ESJB aqui.

Fonte: estrelas-sjb.pt

Clube de Lazer, Aventura e Competição

O CLAC – Entroncamento tem nos juniores Ricardo Leal e Rui Lopes as suas principais armas para garantir uma posição no top-10, ou até algo mais.

Uma equipa que concilia a experiência com a juventude, pode surpreender pelas fortes melhorias de tempos que os seus nadadores mais jovens podem realizar, traduzindo-se em melhores classificações face à start list.

Conheça melhor o CLAC aqui.

Fonte: clac.pt

Associação Naval Amorense

Um equipa que se apresentará muito desfalcada, sobretudo no sector masculino e que por isso não deverá alcançar posições mais cimeiras.

Individualmente poderemos contar com grandes prestações dos nadadores da margem sul, com especial destaque para Beatriz Pereira, Tatiana Pombo e Gonçalo Ferrão, mas a ausência de nadadores amorenses em 11 provas criará a clivagem entre as classificações individuais e a classificação final.

Conheça melhor a ANAM aqui.

Fonte: navalamorense-natacao.blogspot.pt/

Sociedade de Instrução e Recreio Os Pimpões/Cimai

Mais uma equipa que aproveita a Taça Cidade de Torres Novas para dar rodagem aos seus nadadores mais jovens.

Com uma equipa masculina ligeiramente mais forte que a equipa feminina, os destaques da equipa caldense deverão ser os juniores Sebastião Gomes e João Santana.

Conheça melhor Os Pimpões aqui.

Fonte: Facebook Pimpões

Associação Orientadora para a Natação Desportiva em Azeitão

É das equipas com a idade média mais baixa (14,6 anos), sobretudo no sector feminino onde se apresenta com 4 infantis e uma juvenil-B.

Por isso, onde terá maiores aspirações a boas classificações (pódios, inclusivé) é no sector masculino. A melhor posição d’A ONDA é nos 50 mariposa masculinos onde Rúben Leitão surge com o 5º melhor tempo da lista de entrada.

Conheça melhor A ONDA aqui.

Fonte: Facebook A Onda Azeitão

Desportivo Náutico da Marinha Grande

Na sua máxima força, o DNMG seria um grande favorito a conquistar a Taça, sobretudo porque a equipa feminina do Náutico é uma das melhores do país e já esta época ficou a escassos 3 pontos da primeira divisão.

Dessa equipa, apenas Bruna Simões competirá nas Piscinas Municipais Fernando Cunha e poder-se-á esperar dela a luta pela vitória nas suas provas.

Conheça melhor o DNMG aqui.

Fonte: Facebook Dnmg competição

Clube Desportivo WOS Team

É a equipa menos representada em competição. Traz apenas 4 nadadoras, o que se compreende, visto ser a equipa que realizará a viagem mais longa. Virá da ilha da Madeira até Torres Novas.

Apesar de “curta”, será uma equipa muito notada. Tem o melhor tempo da start list em quatro provas, por intermédio de Laura Abreu e Beatriz Rosa.

O clube da World Of Sports pode não voltar à Madeira com a Taça, mas de certo que as suas nadadoras voltarão com muitas medalhas.

Conheça melhor o CDWT aqui.

Fonte: Facebook WOS Team

Industrial Desportivo Vieirense

O clube de Vieira de Leiria em termos colectivos não deverá ter grandes aspirações, mas atenção aos nadadores Sandro Francisco e Sérgio Lamande que deverão baralhar as contas às equipas que lutam pela Taça.

Para os nadadores mais jovens, será certamente uma excelente experiência competitiva.

Conheça melhor a IDV aqui.

Fonte: futeboldistritaldeleiria.pt

Clube de Natação de Abrantes

Um clube em reestruturação que nos últimos anos viu sair vários nadadores e o treinador (actualmente no IDV). Passo a passo voltará a tentar percorrer o percurso que já deu a Abrantes vários campeões nacionais.

O IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas” será certamente um importante passo para os jovens do CNAB dado nesse sentido. Individualmente, Beatriz Moura surge com a melhor posição na start list aos 100 estilos com o seu 9º lugar de entrada.

Conheça melhor o CNAB aqui.

Fonte: Facebook Clube Náutico de Abrantes

E estão apresentadas as 17 equipas que vão estar em Torres Novas no dia 21 de Janeiro a disputar o IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas”. Os prognósticos do Fair Play estão feitos, agora é esperar pelo tiro de partida e assistir ao espectáculo único da natação!

Siga a par e passo todos os desenvolvimentos da competição através do Facebook e Twitter do Fair Play, durante todo o dia de sábado.

Veja também a start list do Torneio.

Ricardos-1.jpg?fit=1024%2C555&ssl=1
João BastosDezembro 8, 201613min2

Quarta-Feira, véspera de feriado e ante-véspera do início do Campeonato Nacional de Juniores e Seniores de Piscina Curta. A 30 mil pés de altitude, o FairPlay foi com a equipa do Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro (CIRL) em direcção ao Funchal (local dos campeonatos nacionais) e esteve à conversa com os nadadores Ricardo Pires e Ricardo Estevens.

Ricardo Pires (RP) tem 18 anos, estuda no Externato Gil Eanes, na área de Economia.

Iniciou-se na prática da natação aos 3 anos por insistência dos pais e é federado há 10. Nada, sobretudo, no estilo Costas e foi sempre atleta do Clube Lisnave até este encerrar portas.

Foto: Ricardo Pires (Arquivo Pessoal)

Ricardo Estevens (RE), 17 anos, estudante da área de ciências na Escola Anselmo de Andrade, compete há 7 anos mas a natação faz parte da sua vida desde sempre, muito pela insistência da mãe.

O seu principal estilo é crawl. Iniciou-se em competições pela Academia Almadense, passou também pelo Lisnave, representando actualmente o Laranjeiro.

Foto: Ricardo Estevens (Arquivo Pessoal)

Ambos treinam na Piscina Municipal do Feijó (nos treinos bi-diários) e no Jamor (segundas, quartas e quintas-feiras) e são treinados pelo Professor Alexandre Serrasqueiro, coadjuvado pelos técnicos Rui França, André Sargento e Diogo Fernandes.

fpO que sentes quando entras ou estás dentro da Piscina?

RP. Gosto muito… sinto alegria. Ir treinar é das melhores partes do meu dia. Tenho objectivos, estou focado em dar o melhor. É também lá que tenho a minha segunda família!

RE. É o escape da escola (risos). É na piscina que me sinto bem, estou onde gosto de estar! O convívio nos treinos também ajuda a sentir-me assim.

fpMaiores dificuldades do vosso dia-a-dia?

RP. Bem, quando treino e esforço-me com afinco e acabo por não conseguir atingir os objectivos traçados. As lesões também me frustram.

RE. O mesmo sentimento que o Ricardo Pires. As lesões são algo que me preocupam, apesar de nunca ter sofrido uma grave.

fpPorquê a natação?

RP. Inicialmente foi para aprender a nadar. A minha irmã, que é atleta do CIRL, começou primeiro e os meus pais acabaram por também me pôr na natação. Depois vi que tinha jeito e decidi arriscar na competição. O Professor Rui França tem-me acompanhado desde o 1º dia!

RE. Uma questão de sobrevivência (risos). Depois de aprender, houve uma professora que me convidou para experimentar a parte mais séria da competição e acabei por gostar.

fpContem-nos como é o vosso dia-a-dia?

Ambos. Nos dias de bi-diários acordamos às 05:40 e entramos na piscina às 06:30, no qual treinamos até às 8. É sair rápido e ir para a escola onde ficamos até às 13:00 (no 11º era bem pior). Descansamos até às 18/19 para depois irmos para o ginásio do CIRL. Voltamos à piscina das 20:30 até às 22:30.

Pronto, e daí é para casa. Nas 2ª, 4ªs e 6ªs os treinos de tarde são em Lisboa, no Estádio do Jamor. As horas são mais “complicadas”, mas lá nos (nós e os outros 13 atletas) arranjamos.

Ricardo Pires | Foto: Facebook Lfnunes

fpSe pudessem pedir algo à vossa escola o que seria?

Ambos. Gostávamos que houvesse um equilíbrio de horários e trabalhos para nos ajudar a vingar no desporto de competição. Não queremos sair prejudicados quer na escola ou nos treinos e achamos que a carga (especialmente no 10º e 11º) é excessiva. Os praticantes de futebol têm uma flexibilidade maior para conseguirem chegar mais longe na carreira.

fpAtletas que mais gostam de seguir a nível nacional e internacional?

RP. Português? O Alexis [Santos] por causa do estilo de natação dele. Assim como o Ryan Murphy!

RE. Sempre gostei do Nuno Quintanilha. É um atleta humilde, trabalhador e que vai chegar mais além. Tem uma técnica excepcional na mariposa. Lá de fora… será que preciso de dizer? Michael Phelps.

fpQual é a pior coisa que vos podem fazer na piscina?

Ambos. Não nos deixarem treinar! Há dois anos, tínhamos um treino combinado para um feriado, já que tínhamos competição nacional importante para nós. Chegámos à piscina e… estava fechada. Tinham posto cloro a mais e não podíamos treinar.

Ricardo Estevens | Foto: CIRL

fpDisseram que a Lisnave foi o vosso primeiro clube… que aconteceu?

Ambos. O clube fechou portas em 2012, no final da temporada. Foi um sufoco porque tínhamos até meados de Setembro para arranjar um clube novo.

Era isso… ou ficar sem competir. A Associação de Pais dos antigos atletas da Lisnave decidiram pôr as mãos ao trabalho e depois de muito tentarem, conseguimos que um clube abrisse as portas: o CIRL, pela muito boa vontade do seu grande presidente, o Sr. Farinha.

Entrámos na 4ª divisão, da qual subimos para a 3ª em 2014. Depois em 2016 conseguimos a subida para a 2ª, algo inédito para este grupo de jovens. Foi fantástico!

Nesse final de época, o bebaagua (blog nacional sobre natação), projectava que íamos ficar em 14º na 3ª divisão, entre 24 equipas. Conseguimos o 4º, contra todas as previsões. Vamos para a 2ª divisão pela primeira vez, estamos com muita vontade de fazer algo diferente!

Equipa do Laranjeiro nos CNC 3ª Divisão 2015 | Foto: Facebook Lfnunes

fpObjectivos em 2017?

RP. Conseguir uma medalha a nível nacional. Quero atingir esse patamar pela primeira vez… tenho ficado sempre em 4º, preciso de atingir o nível acima.

RE. Participar no Campeonato Nacional a nível individual e fazer bons tempos.

fpQual é o estilo que menos gostam?

Ambos. Sem dúvida alguma, bruços! Não conseguimos obter uma coordenação boa, ficamos algo desequilibrados…é terrível. Mas se nos pedirem para nadarmos nesse estilo, claro que o faremos!

fpSonhos que gostavam de atingir?

RP. Tóquio 2020! Conquistar medalhas e dar alegrias ao CIRL!

RE. Queria chegar ao topo, à selecção e ir a uns Jogos. Tudo é possível quando trabalhamos para isso!

fpEm algum momento se sentem cansados de fazer natação?

RP. Nunca. É verdade que o dia-a-dia nos esgota e sentimo-nos cansados, mas é lá, nos treinos e na competição que posso soltar a pressão.

RE. Nunca pensei dessa forma. Adoro a natação e é como se fosse parte do meu corpo. Nunca me senti cansado.

fpHá Fairplay na natação?

Ambos. Claro que sim! Reparem que estes adversários que temos, muitos são da nossa geração, crescemos e lutámos juntos. Há competição, sim, mas leal, conversamos uns com os outros há um grande sentido de empatia e amizade.

fpSe pudessem pedir algo à Federação Portuguesa de Natação, o que seria?

RP. Mais apoios, melhores horários e outro acompanhamento (que não deixa de ser bom, atenção!).

RE. Gostava que tivéssemos uma piscina mais “nossa”, mas havemos de lá chegar. O clube já tem mais de 50 atletas dos 8 aos 30 e vamos continuar a crescer.

fpExemplos para vocês no Mundo da Natação?

Ambos. Os mais “velhos” do CIRL. Desde o Fernando Rosado, que foi vice-campeão de infantis, o Bruno Meireles, Bruno Franco, que trabalha no IPO e marca sempre presença nos treinos. O Daniel Cazeiro, Cristina Ulpiano, Carolina Pires, Rui Horta, todos eles primam pelo excelente exemplo diariamente. Obrigado!

 

Ricardo Pires e Ricardo Estevens | Foto: Arquivo Pessoal

fpUm episódio da vossa vida como nadadores?

RP. A subida de divisão… lembro-me desse dia, ninguém esperava pelo nosso brilharete. Fizemos os nossos melhores tempos pessoais, superámo-nos e atingimos um nível que ninguém pensava ser possível, para além dos nossos treinadores. Lembro-me da festa intensa, de chorarmos, etc (risos).

RE. Infelizmente não estive nesse dia da subida, mas lembro-me de o acompanhar.  Porém, o meu melhor momento foi quando participei pela 1ª vez numa competição como atleta do Lisnave. Intenso, era uma “criança” comparado com alguns que estavam dentro da piscina comigo. Mas “sobrevivi” à pressão, aprendi muito apesar de termos descido de divisão nesse dia.

fpQuão a sério levam isto?

RP. Muito a sério, determinação total. Temos de ter nervos de “aço” para aguentar o cansaço, as dores, os treinos e tudo o que passa por nós. Não bebo, por opção. Tenho vida, claro, sem nunca prejudicar os treinos e a competição. Para mim a natação é uma parte de mim.

RE. É muito raro sair à noite ou jantar com amigos. Gosto muito, atenção, só que não posso falhar comigo ou com a equipa. Estão em primeiro lugar no meu dia-a-dia.

fp.  Deixem-nos uma mensagem para os adeptos da natação e para a Associação de pais do CIRL?

RP. Sigam a natação, é o melhor desporto de todos (risos). Esperem um campeonato intenso, recheado de emoção e com uma competição total. A piscina vai estar cheia e será endurecedor, venham à festa dos Campeonatos Nacionais! Obrigado à Associação de Pais por nos terem metido aqui, sem eles não havia clube, competição e 2ª divisão. Obrigado.

RE. Por tudo o que fizeram e fazem por nós, um grande obrigado. Para nós, enche-nos da alegria o vosso carinho e acompanhamento. Para quem gosta de modalidades, esta competição é perfeita para virem ver e acompanharem-na! Venham!

Ricardo Pires e Ricardo Estevens competirão nos Campeonatos Nacionais de Juniores e Seniores de Piscina Curta entre em 9 e 11 de Dezembro. Acompanhe os resultados em directo do Funchal e as provas dos nadadores do CIRL.

Ricardo Pires será o primeiro a entrar em acção, 6ª feira pelas 10:00 horas nos 200 metros costas. Ricardo Estevens nadará a estafeta júnior de 4×100 estilos no final da mesma sessão (pelas 12 horas).

No sábado, Ricardo Pires nada às 9:45 a prova de 50 metros costas e Ricardo Estevens às 11:10 na estafeta júnior dos 4×200 livres.

Na última jornada, Ricardo Pires nada a prova dos 100 metros costas, agendada para as 9:55. Nas três jornadas pode ainda nadar à tarde, caso consiga o acesso às respectivas finais.

Fonte: FPN

* Entrevista conduzida por Francisco Isaac


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS