No final apenas um pode ser o protagonista

Rafael RaimundoJunho 16, 20185min0

No final apenas um pode ser o protagonista

Rafael RaimundoJunho 16, 20185min0
Estão previstos para os próximos dias excelentes jogos de futsal. Sporting vs Benfica voltam a ser a ser os candidatos a apenas um papel para personagem principal.

Começa hoje mais uma final da liga Sport Zone. Benfica e Sporting voltam a encontrar-se nos derradeiros jogos depois de na época passada ter sido o Braga AAUM, orientado por Paulo Tavares, a marcar presença na final.

Contudo até à final ambas as equipas tiveram que ultrapassar jogos difíceis. Embora tenham ganho sempre as eliminatórias em dois jogos, tanto Benfica como Sporting passaram por dificuldades.

Nos quartos-de-final a Burinhosa, equipa do concelho de Alcobaça, e nas meias-finais o Módicus deram que fazer ao Sporting. Equipas dinâmicas, com futsal de qualidade e de bola no pé, que meteram à prova um Sporting que vinha com o orgulho ferido da final perdida na UEFA Futsal Cup e que tem sido assolado por algumas lesões no plantel. A de maior destaque é a do capitão João Matos que não irá participar em qualquer jogo da final.

Também o Benfica, ainda que mais nas meias-finais do que na primeira eliminatória, teve de praticar o seu melhor futsal para ultrapassar a equipa da Quinta dos Lombos e depois o Braga. Contra os vice-campeões da época passada o Benfica venceu os dois jogos sempre pela margem mínima. 3-2 em Braga e 2-1 em Lisboa fazem do Benfica o companheiro do rival na final do campeonato. A equipa de Braga, ainda que algo desfalcada face à época anterior, soube encostar os encarnados ao seu meio-campo e houve momentos em que se pensou que a eliminatória apenas se iria decidir na “negra”.

A sempre tão esperada final

Por serem os eternos rivais, por terem ambas conquistado o campeonato por 21 vezes – 14 o Sporting e o Benfica por sete – é sempre a final que a grande maioria dos adeptos desejam. Contudo, este será dos jogos mais equilibrados que temos vistos nos últimos anos entre as duas equipas.

Num artigo que escrevi anteriormente, e em que referi que o Sporting era claramente superior a qualquer equipa portuguesa, deixei também uma nota de rodapé para um futuro em que o Benfica podia ganhar vida nova. E ganhou.

Do lado sportinguista pode esperar-se sempre uma equipa à imagem do técnico Nuno Dias. Intensidade alta, quadras sempre dinâmicas com e sem posse e bolas paradas eximiamente estudadas fazem prever um Sporting a jogar com níveis de agressividade altíssimos. Note-se a expressão agressividade nunca no sentido pejorativo do termo.

A conquista do 15º campeonato nacional, a juntar à Taça de Portugal já conquistada, podem aliviar a “dor” de nova derrota da UEFA Futsal Cup.

Alex Merlim, a nível individual, é um dos jogadores a que os jogadores encarnados devem dedicar grande atenção. A facilidade com que joga com ambos os pés aliada à sua forte capacidade no 1×1 nas alas fazem dele um jogador letal para a equipa de Nuno Dias. À semelhança do italiano há jogadores como Dieguinho, Divanei, Deo, Fortino e Pany Varela que a qualquer momento podem desequilibrar um jogo.

Se de um dos lados da 2ª Circular esta é uma final para apagar a final europeia perdida do outro esta é a oportunidade de “vingar” a final perdida há dois anos por 3-1 e a ausência na fase decisiva em 2017.

Joel Rocha tem conseguido esta temporada criar um plantel mais equilibrado. Com a veia goleadora de Deives – leva já 29 golos marcados -, o acrescento de qualidade com a chegada, em janeiro, do brasileiro Fernandinho e o desenvolvimento de jogadores como André Coelho e Tiago Brito a equipa pode ter mais razões para sorrir. Sorrir, contudo, sem facilitar. O Sporting é a segunda melhor equipa europeia há duas épocas consecutivas.

No entanto, se este equilíbrio no plantel faz a equipa depender menos de jogadores como Robinho também há fatores que não ajudam os encarnados. O guarda-redes Roncaglio acaba de ser suspenso por três jogos, estando assim impedido de jogar qualquer jogo da final caso não seja preciso fazer um quarto e quinto jogo.

Já se sabe que estes jogos são sempre imprevisíveis, tanto mais quando se trata de uma final, por isso não se espera menos do que, pelo menos, três fantásticos jogos de futsal.

Aqui do lado

Em Portugal começa daqui a pouco a eliminatória decisiva, mas em Espanha, e à hora a que este artigo é lançado, pode estar prestes a haver já campeão. Caso o Inter Movistar conquiste a vitória no Palau Blaugrana, pavilhão da equipa do Barcelona, a equipa do português Ricardinho sagra-se pentacampeã de Espanha.

Nos três primeiros encontros foi possível observar verdadeiros lances de contra-ataque rápido, rotações de pivô sem que se desse quase conta e passes milimétricos que não sendo golos, acabaram muitas vezes por resultar em enormes defesas de ambos os guardiões.

Destaque ainda para Paco Sedano. Se daqui a pouco houver campeão espanhol, isto significa que este foi o último jogo da carreira do guarda-redes e capitão do Barcelona. Com uma carreira repleta de títulos, o jogador anunciou que ia retirar-se no final desta temporada.

Paco Sedano e Miguelín. Fotografia: UEFA

No final de tudo, será sempre relembrado pelas defesas incríveis, pelos inteligentes tempos de saída à bola, pelas paredes (movimento defensivo característico de um guarda-redes de futsal) que ocupava quase a baliza inteira e pelos títulos que podia ter conquistado não houvesse em Madrid uma equipa que tem no seu plantel o melhor do mundo por cinco vezes.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter