Sorteio do Mundial de Futebol de Praia 2021 definido!

André CoroadoJulho 9, 20218min0

Sorteio do Mundial de Futebol de Praia 2021 definido!

André CoroadoJulho 9, 20218min0
Portugal ficou a conhecer os adversários da fase de grupos do Mundial FIFA 2021, na Rússia. Que duelos nos reserva a primeira fase do mundial?

Na semana em que ficámos a conhecer os grupos do Mundial de futebol de praia, que se realiza em Moscovo entre 19 e 29 de Agosto, lançamos um olhar aos agrupamentos e antevemos um pouco da fase de grupos do Mundial FIFA 2021

Grupo A: Rússia, Japão, Paraguai, EUA

Num grupo que parece quase uma reedição do grupo A do mundial 2019, Japão, Paraguai e EUA voltam a encontrar-se, desta vez acompanhados por um rival de peso: a anfitriã Rússia, que deverá ser considerada favorita. Um conjunto interessante, se atentarmos que russos e nipónicos foram, respectivamente, 3º e 4º classificados em Assunção há dois anos. O Japão será, de facto, o favorito à passagem na fase de grupos juntamente com a selecção da casa, agora orientados pelo mítico capitão Ozu Moreira. No entanto, a condição actual da selecção nipónica será uma incógnita, volvidos dois anos desde as últimas partidas oficiais.

Por outro lado, o Paraguai, que desiludiu no mundial jogado em casa ao não lograr o apuramento para os quartos de final, chega à Rússia como 3º classificado das eliminatórias sul-americanas, após uma derrota diante do Uruguai nas meias-finais e um triunfo suado contra a Colômbia no jogo decisivo, para o 3º lugar. A equipa treinada pelo brasileiro Guga é experiente, bem organizada tacticamente e reúne bons executantes, no entanto terá de inovar algo no seu jogo se tiver pretensões à qualificação para a segunda fase. Os EUA, por seu turno, viajam para Moscovo como vice-campeões da CONCACAF, numa caminhada com alguma sorte à mistura, e são claramente a equipa menos cotada do grupo, tal como há dois anos.

Grupo B: Taiti, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Moçambique

O Taiti, que em 2019 não conseguiu marcar presença nos quartos de final, constitui-se com cabeça de série de um grupo onde irá reencontrar a Espanha e os Emirados Árabes Unidos. As três equipas já se defrontaram na fase de grupos do mundial 2013, realizado justamente na Polinésia Francesa, na altura com a qualificação da Espanha em 1º lugar e do Taiti em 2º. Desta feita, a nação ibérica pode ser considerada favorita, após a vítória retumbante na qualificação europeia alcançada há semanas na Nazaré. A nova Espanha de Christian Méndez Lacárcel terá pela frente duas selecções tradicionalmente fortes, mas de quem não se sabe bem o que esperar, atendendo à ausência de competição na Oceania e na Ásia nos últimos dois anos.

Sabemos, porém, que os Emirados Árabes Unidos têm realizado jogos de preparação no seu país, contra as formações de Omã e Senegal, disputando partidas equilibradas em todas as ocasiões. Além disso, as prestação de 2019 foi indicativa de um crescimento inequívoco, numa ocasião em que a nação do Médio Oriente falhou a qualificação para os quartos de final, mas venceu a Rússia na fase de grupos. Acreditamos que desta feita os Emirados terão uma boa oportunidade para alcançar a histórica qualificação, embora o Taiti e a Espanha sejam adversários de peso. Por seu turno, Moçambique ostenta a bandeira de ser a única estreante neste mundial e irá procurar surpreender.

Grupo C: Brasil, Suíça, El Salvador, Bielorrússia

Trata-se do grupo mais forte do mundial, não apenas por incluir o sempre poderoso Brasil, mas porque todas as equipas que o compõem seriam, em condições normais, favoritas à passagem aos quartos. A Bielorrússia, única equipa que bateu a Espanha na qualificação europeia, dispensa apresentações, assim com a formação helvética, que marcou presença nos quartos de final dos últimos 3 mundiais. Por outro lado, El Salvador deslumbrou o mundo com uma prestação ultra-consistente na qualificação da CONCACAF, mostrando um nível exibicional que voltou a fazer sonhar os salvadorenhos, 10 anos depois do mítico 4º lugar alcançado em Ravenna.

Acreditamos que o Brasil de Gilberto Costa, independentemente da caminhada mais ou menos impressionante que possa ter feito na qualificação com um plantel adaptado, é favorito a vencer todas as partidas do seu grupo. No entanto, não seria de todo inverosímil que a Canarinha fosse surpreendida por tão insignes adversários. Por outro lado, esperamos uma luta acérrima pelo segundo lugar. Atendendo aos estilos de jogo das equipas, pensamos que El Salvador poderá levar vantagem diante da Suíça, mercê da sua organização táctica e velocidade, mas a Bielorrússia poderá causar muitas dificuldades aos salvadorenhos com o seu jogo directo e muito físico. Por seu turno, um Bielorrússia vs Suíça é um confronto incerto, porventura com alguma vantagem histórica do lado helvético. Por estas razões, torna-se difícil encontrar uma aposta para este grupos, mas acreditamos que a Bielorrússia de Nico pode levar uma ligeira vantagem para se apurar, juntamente com o Brasil. Claro que cada jogo conta uma história diferente e, num grupo destes, o desfecho será imprevisível.

Grupo D: Portugal, Senegal, Uruguai, Omã

O campeão do mundo Portugal acaba por ser integrado num grupo de dificuldade intermédia, se analisado comparativamente com os outros grupos, mas onde o esperam três jogos complicados. O Senegal, embora não se tenha mostrado tão demolidor na qualificação africana como em ocasiões anteriores, apresenta-se tradicionalmente numa forma muito forte em campeonatos do mundo e interpõe um obstáculo de respeito perante qualquer equipa. Mesmo vencendo, um jogo contra o Senegal é sinónimo de grande desgaste físico e psicológico. Além disso, os lusos mantêm na memória a derrota na fase de grupos do mundial 2015, quando os Leões de Teranga impuseram o seu rugido nas areias de Espinho, numa competição em que Portugal acabaria por triunfar.

Por outro lado, Omã pode parecer uma selecção inofensiva, mas relembramos que já se mostrou capaz de eliminar grandes nomes do panorama internacional, como o Irão, e em 2019 representou um osso duro de roer para Portugal no último jogo da fase de grupos, porventura a partida menos conseguida da equipa comandada por Mário Narciso. Razões, por isso, para respeitar esta equipa que fará em Moscovo a sua quarta participação em mundiais. Finalmente, o Uruguai surge como vice-campeão sul-americano e irá, seguramente, procurar repetir a presença nos quartos de final do mundial 2019, quando venceu inclusivamente a formação italiana.

Acreditamos que Portugal tem condições para vencer qualquer adversário, sendo favorito à passagem no 1º lugar do grupo, no entanto esperam-nos 3 jogos complicados em que qualquer desatenção pode ser fatal. Como favoritos a acompanhar Portugal no acesso à segunda fase elegemos o Senegal, pela experiência em grandes palcos e pela preponderância do factor físico, embora a condição da equipa africana em 2021 não nos tenha convencido até agora.

Cruzamentos na segunda fase

Embora a prioridade de todas as equipas tenha de passar pelas três partidas da fase de grupos, não podemos deixar de pensar no seguimento da prova. Assim, a conquista do primeiro lugar poderá revelar-se de particular importância, no sentido de evitar o cruzamento com potenciais candidatos ao título nos quartos de final. Por esta razão, russos e espanhóis não terão outra ideia em mente quando entrarem em campo que não seja vencer os três jogos e alcançar o 1º lugar do grupo, por forma a evitar um indesejável Rússia vs Espanha nos quartos.

De forma semelhante, e assumindo que o Brasil alcança o 1º lugar no grupo C, Portugal irá certamente procurar chegar ao primeiro posto no grupo D, dado que o segundo lugar significaria um Portugal vs Brasil nos quartos, à semelhança do que sucedeu no Mundial Bahamas 2017 (vitória Canarinha por 4-3). Claro está que num mundial não se escolhe adversários, e que tanto Suíça como Bielorrússia ou El Salvador seriam adversários muito complicados para qualquer formação. No entanto, manter uma dinâmica de vitória e chegar aos quartos de final como líder do grupo tem de ser um objectivo para qualquer selecção com ambições à revalidação do troféu.

A título de curiosidade, notamos que os primeiros classificados dos grupos A e C se cruzam nas meias finais (assumindo que atingem essa fase), enquanto os primeiros classificados dos grupos B e D poderiam ter enocntro marcado na outra meia final. Tal poderia significar que, se Portugal, Brasil e Rússia vencerem todas as suas partidas, Portugal só defrontaria o vencedor do Brasil vs Rússia na final, o que seria sempre uma final inédita no campeonato do mundo. No entanto, lembramos que há mais 13 equipas nos mundiais, e é quase inevitável que alguma destas previsões acabe por falhar. A título de exemplo, notamos que, em todos os 10 campeonatos do mundo FIFA disputados até ao momento, o Top 4 incluiu SEMPRE uma equipa classificada na segunda posição do respectivo grupo. A única certeza que podemos alimentar é a de que, seguramente, o equilíbrio e a incerteza marcarão presença em Moscovo…

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter