FIBA Europe Cup – Portugueses muito perto em conquista Turca histórica

José AndradeMaio 9, 20229min0

FIBA Europe Cup – Portugueses muito perto em conquista Turca histórica

José AndradeMaio 9, 20229min0

Novo texto e novo tema em mais uma competição europeia que vos trazemos aqui, hoje vamos falar sobre a FIBA Europe Cup competição ganha pelos turcos do Bahcesehir e que ficou marcada pela presença de 3 equipas portuguesas, com o Sporting CP a chegar muito longe, por isso venham connosco para entenderem o que aconteceu nesta competição europeia.

Ronda de qualificação – Portugueses obrigados a suar, mas qualificados

A ronda de qualificação começou com destaque para o SL Benfica e o FC Porto, as duas equipas portuguesas conseguiram deixar para trás, o Voluntari e Groningen no caso dos encarnados, já do lado portista foram o Keravnos e NES-Ziona, duelos muito complicados, com Betinho Gomes e Max Landis a serem as maiores figuras das equipas portuguesas nestes dois jogos que já deixavam à vista o que seria uma boa época das equipas nacionais nesta competição.

Fase de grupos – Equipas portuguesas a dominar

Na fase de grupos, tivemos Sporting que havia caído diretamente da fase de qualificação da Basbetball Champions League para esta fase de grupos juntando-se a Benfica e Porto. As equipas portuguesas começaram mal, três derrotas na primeira jornada, mas depois conseguiram dar a volta ao ponto do SL Benfica ter vencido o Grupo C na frente do Parma, o Sporting venceu o seu Grupo F à frente do Antuérpia, já o FC Porto acabou por desiludir e não conseguir passar no Grupo H ficando atrás do Legia de Varsóvia e Oradea com estes últimos a garantirem a vaga que iria permitir que tivéssemos três equipas no mesmo grupo na segunda fase.

Segunda fase – Leões protagonistas

Quatro grupos, com as duas equipas portuguesas a estrem na discussão pela passagem até ao fim, a maior rivalidade do desporto português presente até na Europa. Oradea que tinha deixado o FC Porto para trás, colocou grandes dificuldades aos rivais de Lisboa conseguindo o primeiro lugar, Sporting em discussão direta com o Benfica garantiu o segundo lugar no Grupo K e passagem aos quartos de final deixando para trás o seu maior rival. Nos outros grupos, ZZ Leiden já era uma das melhores equipas e com o triunfo no I assumiram-se como uma das equipas favoritas a vencer no final. Reggio Emilia triunfou no Grupo J e Avtodor Saratov no Grupo L, estes últimos acabaram por cair devido ao conflito armado na Ucrânia e as sanções aplicadas às equipas russas, com isso acabaram a ser os turcos do Bahcesehir a conseguir vencer este último grupo nesta segunda fase da FIBA Europe Cup.

Fase final – Sporting perto do sonho

Nesta fase final da FIBA Europe Cup, o Sporting acabou por cair dentro das 8 melhores equipas e frente aqueles que viriam a ser os campeões. Derrota por 70-73 no Pavilhão João Rocha e depois por 66-54 na Turquia, a equipa portuguesa conseguiu criar dificuldades aos turcos, a lesão de Travante Williams no segundo jogo complicou, mas mesmo caindo nos quartos, ficou uma campanha história e importante para o basquetebol português. Além dos Turcos, os italianos do Reggio Emilia, os holandeses do ZZ Leiden sem surpresas conseguiram passar às meias-finais, a surpresa foram os dinamarqueses do Bakken Bears que conseguiram eliminar os romenos do Oradea em dois grandes jogos com Marvelle Harris a ser o maior destaque. Falamos de um dos melhores jogadores desta edição da FIBA Europe Cup e que nestes dois duelos conseguiu 50 pontos, carregando os dinamarqueses no ponto de vista ofensivo. Nas meias-finais, sem surpresas o Bahcesehir eliminou o Leiden e o Emilia deixou para trás o Bears, terminando assim a caminhada histórica e fantástica dos dinamarqueses. Quatro grandes jogos, se os turcos mesmo obrigados a suar conseguiram vencer os dois duelos, os italianos perderam o primeiro e foram obrigados a um triunfo catedrático no segundo duelo.

Na grande final, favoritismo para os italianos mesmo depois do sofrimento com os dinamarqueses, a verdade é que os turcos não deram hipóteses e conseguiram vencer os dois duelos da final e conseguir assim levantar a FIBA Europe Cup. No primeiro jogo os maiores destaques foram as defesas, as duas equipas tentavam não perder e os turcos mantinham a sua arma até então na competição, os processos simples e coletivos frente a uma equipa que estava mais dependente das individualidades. Neste primeiro duelo, muito equilíbrio, mas a defesa turca a fazer maior diferença. Dificuldades para pontuar, ninguém conseguia criar uma grande vantagem até ao quarto período quando os turcos conseguiram abrir um diferencial maior que chegou aos 11 pontos. Os italianos no seu melhor momento neste jogo conseguiram deixar tudo a apenas uma posse quando faltavam 3 minutos para o fim do jogo, mas no último ataque os italianos não converteram e o Bahcesehir saindo muito rápido em direção ao cesto conseguiu pontuar e assim vencer este primeiro jogo por 69-72.

No segundo jogo, a primeira nota foram os 13,485 adeptos nas bancadas que assim definiram um novo recorde de espetadores nesta FIBA Europe Cup. No segundo duelo, foram os italianos a entrar melhor, abriram com um 5-0, mas os turcos responderam rapidamente e assumiram o controlo do jogo conseguindo mesmo uma vantagem de 43-37 ao intervalo, depois de terem conseguindo 14 de vantagem no final do primeiro quarto, mas a defesa turca começou a cometer erros que até então não tínhamos visto e com isso ao intervalo, vantagem dos turcos, mas os italianos a acreditar cada vez mais. A segunda-parte foi bem diferente, o ataque italiano deixou de funcionar, a equipa começou a errar bem mais e o ataque coletivo que tínhamos visto no primeiro tempo, desapareceu fruto da defesa turca que voltou a ser fundamental. Boa defesa e transições mostíferas deixaram os turcos com uma vantagem segura que nunca mais perderam e com isso triunfaram por 90-74 conseguindo assim o primeiro título europeu da sua história.

5 jogadores em destaque desta competição

  • TJ Shorts – Base de outro nível

Começamos por TJ Shorts, um base dos alemães do Hakro Merlins Crailsheim, equipa que venceu o Grupo G na fase de grupos na frente do Bakken Bears, mas que depois desiludiu na fase seguinte. TJ terminou com o jogador com melhor média de pontos por jogo nesta FIBA Europe Cup. Um base de outro nível, de muita qualidade, que tem brilhado muito na liga alemã e que termina como um dos jogadores que mais brilhou nesta competição. TJ Shorts conseguiu 17.6 pontos, 3.7 ressaltos, 6.0 assistências e 1.6 roubos de bola de média por jogo nesta Europe Cup.

  • Travante Williams – Estrela bem conhecida da nossa liga

Vamos até Travante Williams, jogador do Sporting CP e que já bem conhecemos, é o melhor jogador da nossa liga e por isso não é novidade que brilhe e que jogue muito bem, aqui o destaque é por se ter assumido como um dos melhores nesta edição da FIBA Europe Cup. Terminou com a eliminação do Sporting e com este jogador lesionado e a não conseguir ajudar os leões, mas nada disso apaga a excelente campanha da equipa e de Travante nesta competição. Travante Williams conseguiu, 16.4 pontos, 5.4 ressaltos, 3.1 assistências e 2.3 roubos de bola de média por jogo, terminando como o segundo jogador com melhor média de pontos e de roubos de bola desta FIBA Europe Cup.

  • Travis Taylor – O melhor poste da competição

Vamos até à Dinamarca, se o Bakken Bears foi a equipa surpresa da FIBA Europe Cup, Travis Taylor foi um dos melhores, no caso e de forma inequívoca, o melhor poste desta edição da quarta maior competição europeia. Travis Taylor foi a peça mais regular da sua equipa e o jogador mais dominante no jogo interior de todas as fases desta competição. Jogador já com muita experiência e que voltou a mostrar que é de um patamar bem mais acima que este. Travis Taylor conseguiu, 8.3 pontos, 9.1 ressaltos, 0.9 assistências, 0.3 desarmes de lançamento e 1.4 roubos de bola de média por jogo na FIBA Europe Cup, terminando como o melhor jogador em relação aos ressaltos.

  • Andrea Cinciarini – Classe absurda

O nosso penúltimo destaque, é o base italiano Andrea Cinciarini do Reggio Emilia. Jogador que nunca saiu de Itália, toda uma carreira de sucesso e de qualidade no seu país, mas a verdade é que uma base de altíssimo nível e que nesta temporada voltou a mostrar na europa que é um dos melhores bases das competições abaixo da Euroleague. Andrea Cinciarini foi uma das peças mais preponderantes nos vice-campeões, sendo o mais regular e aquele que menos falhou nesta caminhada que terminou com a prata da FIBA Europe Cup, além disso Andrea terminou como o jogador com melhor média de assistências nesta competição. Andrea Cinciarini conseguiu, 9.9 pontos, 3.1 ressaltos, 9.9 assistências e 1.4 roubos de bola de média por jogo na Europe Cup.

  • Isaiah Reese – Tudo para chegar a outro patamar

Chegamos ao último destaque da FIBA Europe Cup, falamos de Isaiah Reese que cumpre nesta temporada a sua primeira fora dos Estados Unidos da América, um jogador que teve contrato com os Houston Rockets e que jogou na NBA G League, os Santa Cruz Warrios onde acabou por se destacar vindo para a Europa para jogar nos Londos Lions. Reese tem sido um dos destaques no basquetebol britânico e que na Europa, mesmo numa equipa que não chegou longe, mas que ainda conseguiu atingir a segunda fase, Reese assumiu-se como um dos protagonistas maiores desta temporada na FIBA Europe Cup. Isaiah Reese conseguiu terminar como o terceiro melhor em relação à média de pontos, segundo no que diz respeito às assistências e ainda o primeiro nos roubos de bola. Isaiah Reese conseguiu 16.4 pontos, 5.6 ressaltos, 7.1 assistências e 2.3 roubos de bola de média por jogo, um jogador que deixou claro que o seu lugar é em competições e equipas superiores.

Ficou aqui tudo sobre a FIBA Europe Cup, uma competição marcada por recordes, novos campeões e muito pelas equipas portuguesas que conseguiram chegar muito perto do sonho.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter