Volta ao Algarve 2021: Sem João Almeida, todas as fichas em Rui Costa

Gonçalo MeloMaio 3, 20215min0

Volta ao Algarve 2021: Sem João Almeida, todas as fichas em Rui Costa

Gonçalo MeloMaio 3, 20215min0
Artigo com a antevisão de mais uma Volta ao Algarve em bicicleta, que terá 7 equipas World Tour, e tem em Rui Costa um dos grandes favoritos.

Está quase na estrada mais uma edição da algarvia, a Volta ao Algarve em bicicleta. Normalmente discutida em Fevereiro, a situação pandémica em Portugal motivou o seu adiamento para o mês de Maio. Ora, coincidindo com o arranque da primeira grande volta do ano, muitas das equipas World Tour não vão marcar presença. Ainda assim, vamos poder ver nas estradas algarvias 7 equipas do World Tour, com alguns ciclistas de renome.

A prova terá como é hábito 5 etapas. A mítica chegada ao Alto da Fóia acontece na segunda etapa, e logo aí deverão ser feitas diferenças grandes na classificação geral. É sem dúvida a etapa rainha da prova, embora o Malhão da quinta etapa também mereça menção devido às pendentes próximas dos 10% ao longo da etapa. Os candidatos à geral terão ainda o contra relógio individual da 4ª etapa para fazer ganhar tempo à concorrência

As etapas 1 e 3 serão muito provavelmente discutidas ao sprint, e há grandes nomes para estas discussões!

Equipas e nomes fortes para o Algarve

Como já referimos, vão estar no Algarve 7 equipas do escalão máximo do ciclismo. A UAE Emirates é a grande candidata a arrebatar a geral. O campeão nacional Rui Costa é o líder da equipa, e tem como objetivo vencer em solo luso e preparar-se da melhor forma para a Volta à Suíça. Para o ajudar terá os gémeos Rui e Ivo Oliveira, mas serão sobretudo o jovem colombiano Andrés Camilo Ardilla e o experimentado norueguês Vegard Staeke Langen a ajudar quando o terreno inclinar.

Lennard Kamna da Bora Hansgrohe será provavelmente a grande pedra no sapato de Rui Costa. O jovem alemão está a subir cada vez melhor, e anda muito bem nos contra relógios. Foi sétimo no ano passado, e quererá sair de Portugal com a vitória. Nils Politt é outro nome forte da equipa, mas as etapas 2 e 5 deverão ser demasiado duras para ele. Na equipa da Bora, destaque para o sprinter alemão Pascal Ackermann, um dos nomes a seguir nas etapas 1 e 3.

A INEOS vem ao Algarve com uma espécie de equipa D. No entanto, há talento como Sergio Henao, mas sobretudo Iván Ramiro Sosa, que deverão estar na luta pela geral. Owain Doull e o jovem Ethan Hayter poderão estar na disputa das etapas terminadas ao sprint, e atenção ao jovem Carlos Rodríguez de apenas 19 anos.

A super Deceunick Quick-Step vai estar no Algarve, mas dificilmente irá revalidar o título de Remco Evenepoel. O jovem belga vai correr o Giro, e os 7 elementos que vão estar em solo luso não têm características para arrebatar a geral. Seria preciso um super Kasper Asgreen na montanha para minimizar as perdas para os trepadores. No entanto, atenção ao dinamarquês, tanto no contra relógio como nas etapas mais planas, pois já provou ser capaz de estragar os dias aos homens rápidos.

A equipa belga tem ainda o melhor sprinter da atualidade, Sam Bennett, apoiado pelos experientes Michael Morkov e Shane Archbold. Como se não bastasse, os belgas ainda contam com David Ballerini e Fabio Jakobsen, que está de volta depois do seu brutal acidente.

Kasper Asgreen (Foto: Imago Images)

As francesas Ag2r Citroen e Groupama FDJ também estarão presentes. O classicómano Oliver Naesen lidera uma Ag2r que conta ainda com Damian Touzé, Gijs Van Hoecke ou Marc Sarreau. Já na Groupama FDJ, Benjamin Thomas é um dos grandes favoritos a vencer o contra relógio da etapa 4, numa equipa onde devemos estar atentos aos jovens Davy Clement e Kevin Geniets.

A Intermarché Wanty Goubert vem com dois objetivos. Lutar pelo top 5 com o noruguês Odd Christian Eiking, e estar nas discussões ao sprint com o holandês Danny Van Poppel, apoiado por Boy Van Poppel e Baptiste Planckaert.

Outsiders

A Arkéa Samsic tem de ser considerada uma equipa “semi” World Tour. Sem os seus principais nomes, a equipa francesa, ainda assim, apresenta-se com nomes como o italiano Diego Rosa, Élie Gesbert ou Maxime Bouet, todos capazes de aguentar as subidas com os melhores.

As equipas pro-continentais espanholas aparecerão no Algarve em força, com o veterano Daniel Navarro a liderar a Burgos ao lado de Edwin Ávila, e a Caja Rural a apresentar-se com Jon Aberasturi, Jonatham Lastra ou Héctor Saéz. A Ken Pharma, Euskatel e Rally Racing também tentarão agitar as águas.

Quanto às equipas nacionais, o destaque tem de ir para a W52 FC Porto. João Rodrigues, Joni Brandão, Ricardo Mestre e Amaro Antunes têm capacidade para fazer top 10, e vão querer estar nas chegadas em alto.

Gustavo Veloso da Tavira deverá ter os olhos postos no contra relógio da etapa 4, à semelhança de Tiago Machado da Radio Popular Boavista. A Efapel com Frederico Figueiredo apoiado pelo checo Karel Hník e pelo espanhol Javier Moreno também não pode ser descartada. Menção ainda para o eterno Sérgio Paulinho, agora ao serviço da L.A. Alumínios.

25 equipas, 7 do World Tour, 9 equipas portuguesas, 5 etapas. Conseguirá Rui Costa levar a algarvia para casa?

A W52 tem nomes para discutir a geral (Foto: W52)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter