Mundial de Basquetebol FIBA 2019: Grupo G e H

Tiago MagalhãesAgosto 29, 20195min0

Mundial de Basquetebol FIBA 2019: Grupo G e H

Tiago MagalhãesAgosto 29, 20195min0
O Mundial FIBA está aí à porta e fazemos aqui a análise a dois dos grupos da competição! Da França à Austrália, descobre tudo aqui!

O Mundial de basquetebol está aí à porta e o Fair Play vai passar os olhos por todas as equipas que nele participam. Não percas nada e vê todas as análises aqui!

GRUPO G

Republica Dominicana

A seleção dominicana chega aqui sem as suas duas grandes estrelas nos interiores Karl Anthony Towns e Al Horford e num grupo com duas seleções muito fortes, não existem grandes ambições para os sul americanos.

O base Edgar Sosa assume a liderança no conjunto dentro do campo, onde existem mais dois jogadores claramente destacados, sobretudo pela sua presença ofensiva, em Ronald Roberts e o veteranissimo Eulis Baez.

França

Incrivelmente não existe um grande “buzz” à volta desta seleção francesa e este conjunto possui um dos planteis mais profundos de todo este Mundial com muita experiência NBA e muitos jogadores de grande nível a atuar na Europa que certamente quererão repetir uma medalha, como na edição anterior.

Nicolas Batum, Rudy Gobert, Evan Fournier e Nando de Colo são os nomes mais sonantes deste conjunto, porém todos os jogadores são de grande nível, onde começa a emergir o jovem Theo Maledon, que será uma escolha no próximo Draft.

Gobert é o pilar da equipa francesa (Foto: Basket Europe)

Alemanha

Os alemães atravessam o período “pós Dirk Nowitzki” e para ajudar nessa transição, Dennis Schroeder, base dos OKC Thunder, irá certamente ser o timoneiro de uma seleção que tem expectativas de avançar para a fase seguinte.

Maxi Kleber, Isaac Bonga, Daniel Theis e Moritz Wagner são outros jogadores de cariz NBA que irão querer mostrar-se na sua primeira competição a sério juntos, depois de não terem marcado presença no último Mundial.

Jordânia

A seleção da Jordânia volta ao Mundial depois de uma fase de qualificação que foi decidida apenas na última partida, onde conseguiram superar o Líbano na tabela classificativa e garantir uma posição com a China pelo meio na luta.

O veteraníssimo Abbas continua a jogar e a ser influente nesta seleção que tem nos seus grandes destaques o americano naturalizado Tucker e os talentosos Kayed e Al Dwairi.

Num grupo extremamente difícil, as ambições estarão voltas para a melhor classificação final.

GRUPO H

Senegal

Os senegaleses chegam a esta competição como os terceiros melhores classificados do último AfroBasket, porém para este torneio chegam na máxima forma, com praticamente todo o seu contingente. Gorgui Dieng, Maurice NDour e Yusupha Fall formam uma tremenda parede na defesa dos africanos que deixaram de fora a sua coqueluche em Tacko Fall, apesar de estado no plantel preliminar.

Será extremamente difícil melhorarem a sua classificação na idade passada com a décima sexta posição que obtiveram.

Canadá

O Canadá volta a alta ronda dos Mundiais da FIBA mas não contarão com duas das suas maiores estrelas em Jamal Murray e Shai Gildeous Alexander, dois bases da NBA.

Apesar das ausências, os canadianos comandados pelo treinador atualmente campeão da NBA em Nick Nurse, contam com jogadores de renome como Corey Joseph, Khem Birch e Kelly Olynik a que juntam jogadores a atuar em grandes clubes europeus como Kevin Pangos, Kyle Wiltjer e Melvin Ejim.

Num dos grupos mais combativos, quem sair deste grupo para a fase seguinte, certamente que terá ambições futuras de medalhas.

Nick Nurse sonha repetir a façanha que cumpriu com os Toronto Raptors (Foto: SportsNet)

Lituânia

Os lituanos ficaram a porta das medalhas na edição anterior ao ter perdido o jogo dos terceiros e quartos frente a França, e procuram vingança na competição deste ano.

Com a dupla Domantas Sabonis e Jonas Valanciunas a encabeçar um grupo muito sólido e experiente ao nível de competições de seleções, a versatilidade defensiva dos lituanos será a sua maior arma e bem precisarão dela nestes jogos da fase de grupos.

Austrália

Com seis jogadores NBA no seu plantel, a Austrália terá testes de fogo logo na fase de grupos onde encontrará três seleções de grande qualidade e com expectativas de avançar para a fase seguinte.

Os “Boomers” chegam a esta competição com legétimas expectativas de entrarem pela luta das medalhas apesar da ausência da sua maior estrela atualmente em Ben Simmons, o base dos Philadelphia 76ers. A esta ausência também se junta outra de calibre NBA em Dante Exum, que tem vindo a ser uma escolha recorrente na seleção australiana.

Joe Ingles e Patty Mills serão os líderes deste conjunto com enorme experiência ao mais alto nível mundial que pretendem melhorar o 12º lugar que obtiveram na edição anterior.

A seleção australiana é uma das mais entusiasmantes do Mundial (Foto: Bombala Times)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter