NBA “Diamonds” 2018 – Luka Doncic, The Wonderboy

Tiago MagalhãesJulho 10, 20184min0

NBA “Diamonds” 2018 – Luka Doncic, The Wonderboy

Tiago MagalhãesJulho 10, 20184min0
O Fair Play apresenta uma das estrelas do Draft da NBA que poderá brilhar com mais intensidade: Luka Doncic. O Wonderboy analisado ao milímetro

Possivelmente um dos maiores talentos de sempre do Velho Continente está pronto para dar o salto em direcção à melhor Liga do mundo, a NBA. No FairPlay fazemos o perfil deste diamante do basquetebol antes da sua época de rookie, pelos Dallas Mavericks.

Ljubljana, 28 de Fevereiro de 1999, nascia aqui mais uma estrela do basquetebol mundial. Mais um diamante em bruto desta zona particular da Europa, os balcãs, que já nos deu tantos jogadores para a história que nunca iremos esquecer como Drazen Petrovic, Dejan Bodiroga, Goran Dragic, entre tantos outros que podíamos enumerar.

Luka Doncic nasce no seio de uma família intrinscamente relacionada ao desporto não fosse o seu pai Sasa Doncic, um ex internacional pela selecção eslovena durante largos anos e a sua mãe Mirjam Poterbin uma ex campeão do mundo de dança.

O seu instinto para o basquetebol foi notório desde pequeno onde se via o jovem nas bancadas a torcer pelo pai e nos descontos de tempo a lançar bolas ao cesto para seu regozijo, até que resolveu iniciar a prática no mítico Olimpija Ljubljana.

Esta academia de basquetebol na capital eslovena é das mais famosas da Europa e já nos presentou com grandes nomes e Luka, muito precocemente, mostraria que tinha tudo para ser mais um talento a despoletar.

Recentemente foram recolhidos vários depoimentos de companheiros de infância e de treinadores de formação do clube que disseram que no final do primeiro treino que realizou com a sua idade (8 anos na altura), Luka foi considerado completamente acima da média e deveria de treinar com a equipa de sub 12. E assim aconteceu.

Fisicamente, Luka ainda era um miúdo escanzelado e com poucos atributos físicos até que em 2012 começou a desenvolver a nível estrutural o que começou a criar grandes vantagens para além do seu talento natural que mostrou no torneio de Roma, obtendo o prémio MVP com uma performance fantástica frente a equipa da casa, a Lazio, onde obteve um triplo-duplo com 54 pontos, 11 ressaltos e 10 assistências.

Este foi o primeiro passo de gigante para o esloveno já que nesse mesmo ano viria a receber um convite para representar o Real Madrid na Minicopa Endesa (onde se encontram as melhores equipas de sub 14 do país, e que podem assinar um jogador de fora para essa competição) tendo assim sido emprestado pelo Olimpija.

Porém, este também foi o momento das decisões. Depois de ter sido considerado o MVP da Minicopa o Real Madrid ofereceu um contrato de formação com a duração de 5 anos que faria com que tivesse de deixar a sua terra natal em busca do sonho, e Luka não olhou mais para trás.

Paco Redondo (actual treinador adjunto da equipa principal) e na altura coordenador de formação foi a principal pedra para o jovem esloveno, que apesar do enorme talento chegava a um país completamente distinto onde não conhecia ninguém e muito menos sabia a língua.

De 2012 a 2015, Doncic começou a mostrar todo o seu potencial e a chegar às bocas do mundo sendo MVP de competições como os prestigiados torneios jovens de L´Hospitalet, Minicopa Endesa, Campeonato Nacional de Selecções Autonómicas, Campeonato Nacional Espanhol, entre outros.

Entre isto tudo, a dúvida que pairava no ar no momento era, que selecção quereria representar Luka Doncic no futuro? Eslovénia? Ou o país que o acolheu, Espanha?

Este escolheu a Eslovénia, que queria representar no FIBA EuroBasket U16, porém devido a uma lesão não o fez o que deixou em aberto ainda uma possível mudança de pensamento que o trouxesse para a selecção ibérica.

A 17 de Maio de 2015, o “Wonderboy” mostrava que estava pronto para o máximo nível sendo que no Adidas Next Generation Tournament (vulgarmente chamada Euroleague u18), frente a jogadores 2 anos mais velhos que ele, garantiu o título para os espanhóis e o MVP da competição com uma performance fantástica frente ao Crvena Zvezda na final.

Na segunda parte deste artigo entraremos pela carreira profissional do jovem esloveno, o seu dia-a-dia e o seu futuro agora que estará na NBA na próxima temporada.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter