EuroLeague: A caminho de Victoria

Tiago MagalhãesOutubro 10, 20188min0

EuroLeague: A caminho de Victoria

Tiago MagalhãesOutubro 10, 20188min0
Inicia-se esta semana a EuroLeague, a melhor liga do mundo fora da NBA e teremos imensos destaques individuais e coletivos a seguir nesta época que será dura e com muitos jogos para estes conjuntos de topo.

Real sem Doncic e outros candidatos

Os campeões em título Real Madrid perderam o MVP da competição em Luka Doncic que rumou a NBA mas manteve a maioria do plantel que fez a campanha da temporada passada provando que Pablo Laso prefere manter uma estrutura interna sólida do que andar na contratação de super estrelas. Sérgio Llull será novamente o líder do conjunto onde as chegadas do campeão europeu Klemen Prepelic e do MVP da Liga Américas em Gabriel Deck tornam a rotação deste plantel ainda mais profunda.

Os russos do CSKA Moscow continuam a sua senda da equipa com maior orçamento a nível europeu mas que nos momentos finais parece claudicar por vezes. Itoudis teve o seu lugar algo tremido mas será o timoneiro para a próxima temporada onde as entradas de Alec Peters (ex G League) e do base italiano Daniel Hackett são as chegadas mais relevantes num conjunto já de si fenomenal.

O CSKA é uma das equipas mais fortes na competição (Foto: EuroLeague)

Na Turquia, Zeljko Obradovic continua a perder sucessivamente o melhor jogador da temporada anterior e com a saída de Brad Wanamaker para a NBA chega o base Tyler Ennis, que vai realizar a sua primeira investida na Europa e sendo assim muitas questões estão levantadas. Depois de duas épocas aquém das expectativas Jason Thompson também deixa a equipa e chega Joffrey Lauvergne, um poste francês com grande experiência NBA.

Para Jasikevicius e o Zalgiris Kaunas esta será uma época muito diferente das anteriores já que chegam a Euroleague com o “chip on the shoulder” de terem chegado a final4 sem serem de todo favoritos a fazê-lo. A saída de Kevin Pangos é uma grande perda mas entra Nate Wolters que já demonstrou talento no Crvena Zvezda. Westerman fecha o buraco deixado por Micic que rumou a Turquia  e as chegadas de Thomas Walkup e de Grigonis para as posições exteriores serão muito importantes.

Gregos a lutar pela final4

Na Grécia, o Olympiacos e o Panathinaikos serão sempre equipas que deverão estar presentes nos playoffs e a lutar pelas vagas na final4. A equipa de Piraeus reforçou-se muito neste defeso com a chegada do base Nigel Williams Gloss (um destaque no Partizan o ano passado), Axel Toupane (parte importante na rotação do Zalgiris), Janis Timma (um dos melhores defensores da competição), Sasha Vezenkov (que quer relançar a sua carreira depois do falhanço em Barcelona) e Zach Leday que dá assim o grande salto na sua carreira.

Os gregos do Olympiacos querem estar presentes na final 4 para decidir o título (Foto: EuroCup)

No lado dos verdes, Nick Calathes é o líder incontestável mas a chegada de jogadores experientes como Deshaun Thomas e Keith Langford a nível ofensivo que se juntam a jogadores de elite como James Gist, Ian Vougioskas, Stephanie Lasme entre outros fará deste um conjunto super atlético a bater.

Espanhóis e turcos na luta

Em Victoria, o Kirolbet Baskonia mantém muito de estrutura da época passada onde Pedro Martinez fez uma época extremamente sólida. A chegada dos americanos ex G League Shavon Fields e Darrun Hillard acaba por ser muito importante para uma rotação que chegou a ser curta no backourt na temporada passada. Atenção também a evolução dos jovens Ajdin Penca, Arturs Kurucs e Taxas Sederkerskis que quererão mostrar o seu valor.

O Barcelona tenta recuperar do desastre que foi a temporada passada e propôs uma pequena revolução no seu plantel, apesar de manterem o veterano Pesic no comando (algo que parecia impossível no fim do ano passado). As contratações de Kevin Pangos e Chris Singleton são claramente os maiores movimentos deste Verão e muitas expectativas são depositadas nestes jogadores que se destacaram na temporada passada.

Despois da tempestade, o Barcelona quer voltar em força nesta temporada (Foto: La Vanguardia)

Ainda por Espanha, o Gran Canaria volta a EuroLeague depois de uma ausência onde andou a dominar as competições europeias secundárias durante a maioria do ano. O “jovem de 40 anos” Albert Oliver faz assim a sua estreia na competição nesta tenra idade com um conjunto de jogadores que muitos deles tentam revigorar a sua carreira como DJ Strawberry, Kim Tillie e Clevin Hannah.

O Darussafaka e o Anadolu Efes são equipas outsiders a luta pelos playoff mas como equipas turcas que são, irão certamente complicar as contas sobretudo nos jogos em sua casa onde o público domina. Depois de um Verão difícil o Darussafaka possui um dos plantéis com mais incógnitas nesta competição com vários jogadores que irão realizar a sua experiência Euroleague com Markel Browb a cabeça.

O Efes foi provavelmente o plantel que se reforçou com nomes mais sonantes, as entradas de Shane Larkin (ex Boston Celtics), Rodrigue Beabouis (ex Baskonia), Adrien Moerman (ex Barcelona), Vasilije Micic (ex Zalgiris) faz deste plantel um dos mais experientes ao mais alto nível mas que conta com o rótulo de underachievers desde sempre.

Milão, Bartzokas e o regresso do Bayern à EuroLeague

Por Itália, o Milano voltou a abrir as cordas a bolsa. Depois de mais uma época paupérrima a nível europeu, a equipa do estilista Armani encaixou jogadores de topo como Nemanja Nedovic, Mike James, Amedeo Della Valle (que finalmente volta a EuroLeague) a que se junta um plantel já muito sólido de jogadores que pareceram não clicar na época passada mas que Pianigiani tentará levar até aos playoffs pelo menos.

Bartzokas e o Khimki Moscow são a equipa que mais gente espera que dê o salto este ano. Para além de terem um dos melhores jogadores a nível ofensivo fora da NBA em Alexey Shved, a equipa russa juntou um conjunto de americanos bastante interessante que poderá surpreender com as suas características atléticas e com o poder ofensivo que já lhes é conhecido de outras competições.

Estará o Khimki pronto para dar o salto? (Foto: EuroLeague)

Os alemães do Bayern Munchen voltam a EuroLeague depois de uma grande temporada na BBL alemã e onde chegaram muito longe na Eurocup. A surpreendente chegada de Derrick Williams que tenta relançar a sua carreira e a presença de jogadores como Stefan Jovic, Nihad Dedovic, Vladimir Lucic, Peterri Koponen, entre outros faz dos bávaros uma equipa a ter em conta sobretudo a jogar na Alemanha.

Estreantes que podem trazer surpresas

Para finalizar temos os estreantes na competição no Buducnost Podgorica do Montenegro que depois de terem vencido de forma fantástica a Liga Adriatica têm aqui uma primeira excursão na máxima competição europeia com um dos plantéis com maior potencial defensivo desta competição liderados pelo base americano Aaron Craft e outros jogadores interessantes como Edwin Jackson, Earl Clark e Alen Omic.

Os estreantes do Budunost podem surpreender a EuroLeague? (Foto: EuroLeague)

Teremos esta temporada uma das competições mais abertas dos últimos anos com várias equipas a lutarem por lugares de playoff e com um prémio em vista – a presença na final4, que este ano se realizará em Victoria, Espanha.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter