Basquetebol feminino italiano e a busca pelo domínio europeu

José AndradeJulho 5, 20225min0

Basquetebol feminino italiano e a busca pelo domínio europeu

José AndradeJulho 5, 20225min0

Neste novo texto vamos falar do basquetebol feminino italiano que pretende recuperar o protagonismo maior na Europa aproveitando todas as novas oportunidades que surgiram.

Familia Schio: Pensar ainda mais em grande

Nesta altura já temos algumas das melhores do mundo a serem confirmadas na liga italiana, isto porque com as sanções às equipas russas muitas jogadoras que eram até então “inacessíveis” passaram a ser possíveis e com isso surge esta nova vida do basquetebol feminino italiano. As últimas semanas trouxeram várias confirmações que vão ao encontro das ambições italianas para a próxima temporada nas competições europeias. Nas equipas, o Familia Schio surge como a equipa mais ativa no mercado, as atuas campeãs já anunciaram Rhyne Howard – a primeira escolha do último draft – e uma jogadora que tem estado em destaque nesta temporada na WNBA ao serviço das Atlanta Dream nesta sua época de estreia já conseguiu lugar no all-star.

Para além de Howard, estão confirmadas também Amanda Zahui que vai chegar do Fenerbahçe, e Astou Ndour, uma das melhores postes do mundo. Ndour foi finalista na Eurocup ao serviço do Venezia e semifinalista em Itália, sendo uma das melhores da temporada no basquetebol europeu conseguindo 15.1 pontos, 8.1 ressaltos, 0.8 assistências, 0.9 desarmes de lançamento e 1.7 roubos de bola de média por jogo na Liga italiana, números que refletem mais uma época de luxo e que reforçam o acerto que é esta entrada para o Schio. Marina Mabrey base que está nesta altura a brilhar na WNBA com as cores das Dallas Wings e que na última temporada esteve na Austrália ao serviço das Perth Lynx conseguindo médias de 19.1 pontos, 4.3 ressaltos, 2.8 assistências e 1.4 roubos de bola por jogo na WNBL. Ainda garantiram, Elisa Penna que também esteve no Venezia. Todas estas entradas colocam já o Schio como uma das favoritas à Euroleague na próxima época.

Virtus Bologna: Começa a surgir algum favoritismo

O Virtus Bologna surge como uma das equipas que mais investe tanto no feminino e no masculino e procura ganhar outro protagonismo internacional. A equipa de Bolonha perdeu a final da Liga Italiana e depois disso decidiu subir o seu orçamento e ambicionar ainda mais na Europa. As vice-campeãs de Itália começaram por renovar com Cecilia Zandalasini uma das estrelas e das peças mais importantes neste conjunto.

Depois anunciaram a entrada de Kitija Laksa, extremo que estava no Schio, em seguida ainda Iliana Rupert, a poste francesa que estava no Bourges e que atualmente está nas Las Vegas Aces, considerada uma das melhores jovens do mundo e que vai chegar a Itália como MVP da Eurocup que conquistou este ano, com o bronze ganho em Tóquio, a prata do Europeu em 2021, melhor jovem na Euroleague em 19-20 e como a 12ª escolha do draft da WNBA em 2021. Mencionar ainda Olbis Futo Andrè, internacional italiana com origens angolanas e que também chega do Schio, poste de 23 anos que na última época conseguiu médias de 9.5 pontos, 6,2 ressaltos e 1.4 roubos de bola por jogo, mesmo com muita concorrência conseguiu destacar-se, é mais uma aposta acertada deste conjunto do Virtus que irá também ser uma equipa a ter em conta para uma conquista nas competições europeias nesta nova época.

Outras transferências em destaque

Mencionar ainda a chegada de jogadoras como Ana-Marija Begic e Tinara Moore ao San Giovanni; ao Dinamo Sassari vão chegar duas extremos de qualidade como Janae Smith e Giulia Ciavarella, esta última vinda do Virtus Bologna, além de duas bases, Anna Makurat uma jovem polaca de imenso potencial e ainda Debora Carangelo que estava no Venezia e é uma base de créditos firmados no basquetebol italiano. Nina Dedic poste croata que assinou pelo San Martino depois de uma boa temporada nas também italianas do Broni; Que Morrison base que era uma das melhores no último draft da WNBA e que se vai estrear fora dos EUA na liga italiana ao serviço do Lucca, algo que vai ser das maiores atrações da próxima temporada.

Marie-Michelle Milapie, interior francesa que vai deixar o Flames da Liga francesa para rumar ao Campobasso e ainda o Venezia que também vai em busca de títulos em Itália e na Europa, para isso vão chegar Antonia Delaere, base belga que estava no Zaragoza onde era colega das portuguesas Maria Kostourkova e Maria João Correia, mas além da belga vai chegar a japonesa base que brilhou muito na liga alemã, ainda Laura Meldere interior letã que estava no Riga e que se juntou a Martina Fassina, extremo que era uma das melhores das polacas do Lublin e por fim Lorela Cubaj uma extremo que está na WNBA ao serviço das Seattle Storm e que vai regressar à Europa e a Itália como grande aposta deste Venezia. São algumas das entradas anunciadas que reforçam o crescimento do basquetebol italiano na próxima temporada.

Ficou aqui um primeiro olhar para o basquetebol feminino italiano que respira uma nova vida com elevadas ambições europeias para esta e as próximas temporadas.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter