MLB: A arma secreta da temporada histórica do San Francisco Giants

Felipe MartinsJaneiro 16, 20224min0

MLB: A arma secreta da temporada histórica do San Francisco Giants

Felipe MartinsJaneiro 16, 20224min0
Descubra, pelo artigo de Natan Pires, como o San Francisco Giants se preparou dentro e fora do relvado para essa época histórica.

Repetidamente as pessoas procuraram um ingrediente secreto na fórmula por trás da temporada de 107 vitórias do San Francisco Giants. O treinador da tradicional franquia californiana, Gabe Kapler, insistiu que a equipe não estava reiventando a roda. Mas de fato, houve uma coisa que San Francisco fazia de forma diferente: levar a saúde mental a sério.

Quando se analisa a temporada do Giants, tende-se a olhar as estratégias de Gabe Kapler, a organização do executivo Farhan Zaidi, ou até mesmo os talentos individuais contidos no elenco. Porém, existe um outro aspecto revolucionário na franquia da Bay Area. Natan Pires escreve ao Fair Play os detalhes desta equipa e de sua gloriosa época.

O técnico Gabe Kapler soube identificar muito além das questões técnicas da própria equipe (Foto: Divulgação)

Kapler esteve convencido que a saúde mental e física são igualmente importantes no beisebol, portanto, devem ser tratadas com igualdade. O manuseio e compreensão da saúde mental de seus jogadores – e às vezes vice-versa – resultou em vitórias reais no esporte. “No beisebol, acho que tendemos a ter a saúde física dos atletas em um nível e a saúde mental e bem-estar em um nível muito, muito mais baixo”, disse Kapler à rádio KNBR, de San Francisco.

Durante toda a temporada não era uma cena incomum ver os jogadores e membros da comissão técnica do San Francisco Giants usando camisas com frases como “Você não está sozinho” e “Acabe com o estigma, saúde mental importa”. Tais atitudes se concretizaram em um vestiário agradável e unido, como dito pelos jogadores durante todo o ano.

O San Francisco Giants superou elencos mais caros com bom desempenho em campo e fora dele. (Foto: Getty Images)

No dia 3 de outubro, o San Francisco Giants triunfou sobre o rival San Diego Padres, concretizando assim o título da divisão oeste da Liga Nacional. Entre os jatos de champagne da comemoração e todo o êxtase de vitória, estava Drew Robinson, ex-jogador das equipes da base de San Francisco. Robinson havia tentando cometer suicídio pela pressão sofrida nas ligas menores. Na ocasião, o atleta perdeu um de seus olhos, porém voltou a jogar beisebol pelo Sacramento Rivercats (afiliado das ligas menores dos Giants).

No ano de 2021, Robinson decidiu se aposentar como jogador e focar em ajudar os futuros jogadores com sua saúde mental. A ideia foi rapidamente abraçada pelo Giants, que logo o contratou para o corpo técnico da franquia. “Robinson realmente liderou o caminho em nossa organização ao longo do último ano, porque a experiência que ele teve, eu acho, fez com que muitas pessoas ao redor do esporte e na sociedade se sentissem menos sozinhas”, disse Kapler.

A história de Drew Robinson foi outro ponto de destaque que contribuiu para a campanha de 2021 do Giants (Foto: San Francisco Giants)

Certamente ter veteranos calmos como Buster Posey e Brandon Crawford é uma grande ajuda. Porém, pessoas conscientes e acessíveis como Kapler e Robinson, fazem toda a diferença. Uma coisa ficou clara nessa temporada de San Francisco: Você nunca estará sozinho. Em uma liga onde a maioria dos jogadores sequer consegue chegar ao grande palco e passam anos lutando por uma oportunidade nas ligas menores, cuidar da saúde mental dos atletas – que também são pessoas – se faz de vital importância e se torna um grande diferencial dentro da franquia.

Descubra mais artigos sobre o beisebol norte americano, o melhor da MLB, clicando aqui.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter