Portugal e o problema de achar que vive só do futebol da Primeira Liga

Fair PlayOutubro 14, 20215min0

Portugal e o problema de achar que vive só do futebol da Primeira Liga

Fair PlayOutubro 14, 20215min0
O futebol português não é só a Primeira Liga e neste artigo de opinião relembramos da importância de todos para a bola redonda em Portugal

Artigo de opinião de Carlos Teixeira sobre a diferença de tratamentos entre as várias ligas de futebol em Portugal

As pessoas que me conhecem muito bem sabem que eu vejo qualquer transmissão futebolística que esteja a passar, independentemente da liga ou clube. Sou um apaixonado pelo futebol, das curiosidades, dos bastidores, tudo que envolva o jogo. Tudo começou bem cedo, como um miúdo normal que cresce no seio de uma família que vive o futebol. Jogava com outros miúdos da minha idade, mas nunca passou mais do que isso.

O bichinho pelo jogo e vontade em ganhar mais conhecimento permaneceu obviamente. Comecei a seguir o clube da minha aldeia para todos os jogos que disputa na liga amadora da minha localidade. Sim, a minha localidade (Amarante) tem 1ª e 2ª Divisão de uma liga amadora, constituída por 13 e 12 equipas respetivamente. Por vezes os jogos eram em sítios longínquos, ao domingo de manhã e por isso tinha que acordar bem cedo em manhãs chuvosas e seguir para os pelados mais lamacentos que possam imaginar. Ia todo contente e voltava com a mesa boa disposição, mesmo quando a derrota vinha na mala. Só por aqui podem ver a minha loucura e acima de tudo paixão pelo clube da terra. Para onde fosse o Vilarinho, eu estava lá.

O futebol sempre fez parte da minha vida. Não consigo passar sem ele. Se tenho oportunidade, aproveito. É uma felicidade imensa ver jogos ao vivo, estar no ambiente pré e pós jogo, a adrenalina nos festejos e na hora de abraçar os jogadores que se aproximam da linha lateral. Enfim, é todo um mundo que se vê envolvido por diversas emoções. O empenho em manter os clubes a todo o custo é de enorme louvor. As dificuldades são muitas na maior parte das vezes e quando se gosta e luta, a maior dificuldade ultrapassa-se mesmo com muitos esforços. Basicamente, com isto quero dizer que existiam/existem muitos malucos como eu, que mereciam mais apoio, mas que falha na maior parte destas vezes. Quantos viram os seus clubes destruídos? Nestes clubes amadores o apoio das pessoas da terra e até de alguns patrocínios das freguesias é quase insuficiente.

As inscrições dos jogadores, as multas, a manutenção das instalações torna o dinheiro existente escasso. E às vezes o maior ganho são a venda das bifanas e bebidas antes, no intervalo e depois do jogo. E se em clubes amadores em que os gastos são estes e se vê tantas dificuldades, quanto mais nos clubes já profissionalizados que têm mais custos e poucos apoios também. Fico desanimado, para não dizer triste, quando vejo por esse país fora tantas pessoas apaixonadas pelos seus clubes da região, como eu, nas mãos de quase nada.

Não há um apoio merecido e um interesse maior por quem tem o maior poder. É dar melhores condições aos verdadeiros apaixonados verem e terem um futebol mais alegre. Em coisas mais concretas vimos nas divisões inferiores pouco interesse em possibilitar melhores condições para que os clubes singrem desportivamente e financeiramente. Desde horários de jogos sem fundamento, calendarização “descontrolada” ou mesmo uma maior divulgação televisiva. É certo que apareceu um canal oficial da Federação Portuguesa de Futebol para ajudar nisso, e bem, pois têm feito um trabalho excelente mas chega tarde porque antes disso já tínhamos os malucos como eu que semana após semana estavam por esse país fora, com o maior orgulho, gosto e afinco e de forma gratuita mostrar os nossos campeonatos inferiores, o quão bem se joga por lá e acima de tudo o amor puro dos seus adeptos.

Durante esta semana tornou a acontecer o que acontece noutras vezes e que me levou a refletir sobre isso. Deparei-me, novamente, com seguinte: o principal campeonato do Brasil não pára durante os jogos da sua e outras seleções. Porque é que em Portugal as divisões inferiores têm que parar? Aqui nem coloco a Primeira Liga em causa mas pergunto-me porque é que tem que acontecer nas outras divisões?

Durante o dia de 11 de Outubro deste ano apenas tivemos 6 jogos da Segunda, 1 da Liga 3 e 5 do Campeonato Portugal, o que me faz levantar outra questão: porquê é que só entraram em campo estas equipas? Porque foi decidido desta maneira? Sei que, e ainda bem, a Segunda tem actualmente alguns jogadores em seleções mas acredito que todas as equipas preferiam jogar ao mesmo tempo e até ter uma maior visibilidade, uma maior atenção visto que os ditos grandes pararam.

No Twitter dei exemplo do Amarante do Campeonato de Portugal que até ao momento tem 4 jogos oficiais (3 para o Campeonato e 1 para a Taça de Portugal, onde já foi eliminado), tendo o último encontro sido a 3 de outubro. Até ao próximo jogo serão 21 dias de paragem. Não era neste tempo de colocar 2 jogos, pelo menos, e tentar transmitir o jogo de alguma maneira? Sei que envolve muita coisa e não seria fácil concretizar tal mas havendo uma tentativa só mostrava preocupação e respeito pelo clube e seus adeptos. E quando falo do Amarante falo também de todos os outros na mesma situação. Os clubes das divisões inferiores merecem uma maior preocupação interesse, mas, e infelizmente, o que se vê é muito pouco. As dificuldades são enormes e o trabalho árduo que se vê por aí fora deveriam ser recompensados por quem tem o maior poder. Não menosprezem o nosso futebol porque Portugal não é só sobre os “3 grandes”.

A chegada do Canal 11 veio ajudar e fico felicíssimo por ver a alegria da equipa envolvida nas várias transmissões. Aquelas imagens levam-me a pensar nos meus tempos nos campos mais modestos que se pode imaginar. Não há nada mais belo que ver o trabalho árduo, humildade e genuinidade no futebol.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter