Será Filip Krovinovic o herói que o Benfica precisa?

Rui MesquitaNovembro 22, 20187min0

Será Filip Krovinovic o herói que o Benfica precisa?

Rui MesquitaNovembro 22, 20187min0
O Benfica atravessa uma "crise" de resultados e exibições, será o regresso de Krovinovic a solução para todos os males? Descobre aqui!

A vitória do Benfica em Tondela apareceu como um balão de oxigénio para Rui Vitória depois de 4 jogos seguidos sem vencer. Mas mesmo com o regresso às vitórias, a esperança na Luz não é elevada. O futebol praticado pela equipa encarnada não deslumbra os adeptos e as derrotas com o Belenenses e o Moreirense deixaram o clube em alerta.

Apesar de estar ainda a lutar por todas as competições, a situação nos principais objetivos já não é ideal. Na Liga NOS está a 4 pontos do líder Porto, depois de ter vencido o rival em casa. Na Liga dos Campeões, o apuramento para a fase seguinte parece inalcançável e a Liga Europa deve ser o próximo destino.

Com o mercado de inverno ainda longe e com problemas por resolver, o regresso de Krovinovic pode ser a solução algumas das questões. O médio croata não joga desde o dia 20 de janeiro quando era um dos jogadores mais influentes na estratégia de Rui Vitória. Agora, com o regresso (já confirmado por Vitória) contra o Arouca, o que pode mudar na Luz?

Krovinovic pode aumentar o rendimento da equipa com o seu talento (Foto: Tribuna Expresso)

Krovi e a influência na época passada

Na época passada (a de estreia do croata no Benfica), Krovinovic fez 19 jogos, 14 deles como titular. Nesses 14 jogos, os encarnados venceram 9 e empataram 4 (num deles perderam no prolongamento com o Rio Ave). 64,3% de vitórias com Krovinovic e, na restante época, 57,6%. A influência de Krovi é notória mas não parece revolucionária. Tal como não parecem os 2 golos marcados nesses 14 jogos. Mas então de onde vem a ideia de um super Krovinovic que podia ter levado os encarnados ao desejado penta não fosse aquela lesão?

A diferença notou-se principalmente na facilidade e na fluidez do jogo do Benfica. A construção de jogo era mais simples e eficaz, sempre com mais soluções. As tabelas de Krovinovic com Pizzi, Cervi, Grimaldo e Jonas eram o motor da equipa e o jogo passava todo pelos seus pés. Era sempre solução do passe, nunca se escondendo do jogo e decidia quase sempre bem. Com ele o Benfica marcou uma média impressionante de 2,43 golos por jogo, sem ele (na época passada) esse número baixou para os 1,82 golos por jogo. Um indicador claro da influência do médio na manobra ofensiva encarnada que, com ele, estava sempre mais perto de chegar ao golo.

O médio croata pode revolucionar o jogo dos encarnados (Foto: Tribuna Expresso)

Krovinovic não tem o pulmão de Renato Sanches, a versatilidade de Gedson nem o remate de Gabriel mas o que dá em passe, capacidade de construção e de decisão é determinante. Poderia pensar-se que a sua presença tornaria a equipa mais débil defensivamente mas não é o caso. Com o croata, o Benfica consentiu 0,93 golos por jogo e sem ele esse número subiu para 0,97 golos por jogo. A pressão de Krovi era eficaz e bem orquestrada com a equipa e a maior ajuda de Pizzi no miolo mostrou dar equilíbrio defensivo à equipa.

O regresso do mágico será o regresso do bom futebol?

É clara a falta de ideias da equipa de Rui Vitória. A construção é lenta e, na chegada à área, as soluções são escassas e previsíveis. O regresso de Jonas não teve o condão de, por si só, mudar o rumo das coisas, seja por o brasileiro não estar a 100% seja pela raiz dos problemas estar mais atrás.

Krovinovic entraria (caso passe a ser titular no esquema do Benfica) para o lugar de Gedson/Gabriel já que Pizzi parece intocável e, pelo que traz à equipa, é percetível o porquê. Desta forma regressaria o meio-campo com que Krovinovic deslumbrou. Mas será esta a solução? O que Krovi poderá trazer ao jogo e à construção do Benfica é assim tão diferente e melhor do que o que têm trazido Gedson ou Gabriel?

O regresso de Jonas não salvou o futebol da equipa, conseguirá Krovinovic fazer diferente? (Foto: Globo Esporte)

A resposta curta é: sim. Mas a “troca” tem mais que se lhe diga, até porque não seria uma simples troca. Krovinovic tem mais chegada à área que o jovem português e o brasileiro, por isso a sua posição seria mais a que Pizzi ocupa neste momento. As subidas e os apoios a Fejsa seriam divididos pelo croata e pelo internacional português e, como vimos no ano passado, essa gestão é possível e eficaz. Ter dois médios distintos a chegar às zonas de decisão traz mais imprevisibilidade e mais soluções. Gedson/Gabriel não oferecem soluções criativas como Krovinovic pode fazer e isso pode fazer toda a diferença.

Para além disso há a capacidade de decisão do croata. Os dois médios acima mencionados não têm conseguido pegar no jogo e descobrir passes e soluções que ninguém vê. Ninguém exceto Krovinovic que, nos 14 jogos, foi sempre capaz de pegar no jogo e decidir bem, principalmente na fase de construção.

A solução para todos os males?

Como afirmamos acima, a inclusão do croata traria (trará?) mais e melhores soluções à construção e ao último terço do terreno. Mas será isso suficiente para resolver a “crise” exibicional e de resultados que se vive na Luz? Os encarnados apresentam, esta época, uma média de 1,82 golos por jogo, um número muito semelhante ao da época passada sem Krovinovic. A sua presença poderá não elevar a média para os 2,43 do ano passado mas certamente aumentará o registo atual.

Krovi não pode ser visto como o “salvador da pátria”, até porque essa pressão não é de todo saudável, mas deve ser encarado como uma alternativa muito viável. Deve ser encarado como uma oportunidade para Rui Vitória alterar dinâmicas, criar um modelo mais definido e eficaz, aproveitando as soluções que o croata oferece.

Deste lado, resta-nos esperar para ver em que forma e de que forma Krovinovic voltará aos relvados, se trará o mesmo perfume e qualidade de antes. Ver de que forma a lesão o afetou e como entrará numa equipa tão pobre de ideias. Ver se a sua magia e o seu talento melhorarão o futebol encarnado ou se serão “traídos” pela falta de soluções. E resta-os esperar, claro, que não seja mais um caso de talento desaproveitado pelo técnico encarnado (sim, estamos a pensar noutro “vic” deste plantel).

Krovi traz imensas soluções à equipa, conseguirá Rui Vitória aproveitá-las? (Foto: Público)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter