A chegada do “Sol Nascente” à Liga NOS: Nakajima, Anzai e Maeda

Francisco IsaacJulho 29, 20196min0

A chegada do “Sol Nascente” à Liga NOS: Nakajima, Anzai e Maeda

Francisco IsaacJulho 29, 20196min0
O contingente japonês aumentou na Liga NOS 2019/2020 e a chegada de Maeda e Anzai, a par do regresso de Nakajima, significam algo? Uma análise aos reforços do FC Porto, Marítimo e Portimonense

O Mercado de Transferências está no seu pico mais alto, mas as equipas da Primeira Liga já estão 90% prontas para começar a temporada com algumas curiosidades a reter. Entre as várias nacionalidades de jogadores que reforçaram as equipas nacionais, a japonesa é das menos representadas com apenas 3 atletas que, curiosamente, são todos internacionais pela selecção principal.

A descoberta do futebol do país do Sol Nascente é um dos destaques actuais da liga, que passou de Shoya Nakajima para o lateral-esquerdo Koki Anzai e o avançado Daizen Maeda. Quem são estes reforços? Têm qualidade para alinhar em Portugal? E poderá ser uma tendência no futuro?

SHOYA NAKAJIMA – PARA NÃO SÓ FAZER ESQUECER BRAHIMI MAS PARA COMEÇAR UMA NOVA ERA?

O pequeno génio nipónico chega ao Dragão depois de uma curta (muito curta) passagem pelo Catar e é, para já, o reforço mais sonante por parte da “turma” de Sérgio Conceição para a temporada 2019/2020, substituindo desde logo na camisola e na lógica de jogo jogado Yacine Brahimi, com as devidas diferenças. Nakajima é um atleta mais veloz que o argelino, munido de um poder de explosão genial que é acompanhado por um par de fintas diabólicas, prometendo assim fazer a diferença nas alas do FC Porto.

Apesar de não ter a mesma fisicalidade de Brahimi, que aguentava bem com as cargas de adversários de equipas mais possantes, Nakajima é um jogador de equipa mais completo, mais solidário e fadado para assistir os colegas dentro da área, sendo necessário que quer Soares, Marega ou Zé Luís compreendam como se movimenta o novo nº8 dos azuis-e-brancos.

Posta de parte esta análise, em termos do que vai trazer Nakajima em termos da lógica atacante e no trabalho nos corredores (que pode cair para o meio, já que o fantasista tem esta facilidade de vaguear facilmente entre estas duas zonas), é preciso perceber se vai ser realmente útil para Sérgio Conceição, para além do valor em termos de marketing e visibilidade.

Shoya Nakajima é uma unidade que o FC Porto procurava há algum tempo, oferecendo imprevisibilidade ao sector ofensivo, auxiliando também o corredor defensivo quando necessário, sendo portanto um tipo de jogador que Conceição gosta de ter no plantel para usar no onze titular ou a partir do banco de suplentes.

A chegada de Nakajima também representa o chegar a um mercado exótico em termos de jogadores, mas altamente apaixonado quando se fala em adeptos, colocando o clube na rota do interesse do Japão.

A grande questão é o valor do negócio, que custou aos cofres “débeis” do FC Porto quase 13M€, sem contar com o salário e possíveis bónus ou compra da restante percentagem do passe. Nakajima é o primeiro jogador japonês ao serviço do clube da Invicta, mas não é o primeiro atleta a ter passado pela J-League e a chegar ao Dragão, já que essa estreia veio pelo nome de Hulk.

DAIZEN MAEDA – UM FACILITADOR NO ATAQUE DOS ILHÉUS?

Daizen Maeda, internacional pelo Japão por duas ocasiões, foi um dos notáveis do Matsumoto Yamaga, emblema promovido à J-League em 2018 com uma ajuda inestimável deste avançado. Maeda chega ao Marítimo de forma inesperada por empréstimo num negócio que poderá vir a ser feito a troco por 3M€ no final da temporada (ou quando os verde-rubros desejarem), um valor minimamente alto para a realidade do clube presidido por Carlos Pereira.

Maeda chega debaixo de uma “nuvem” de dúvida, perante o seu real valor e como se pode encaixar no futebol português. Desde logo é importante que não se queiram fazer comparações com Shoya Nakajima, até porque são jogadores amplamente diferentes tanto em termos físicos, técnicos ou de colocação táctica… portanto, são diferentes em 90% dos seus aspectos (partilham os malabarismos e fantasia nos dribles) e actuam em áreas de jogo contrárias, apesar de se ligarem. Por isso como joga o reforço do Marítimo?

É um avançado de trabalho junto e dentro de área, de apoio ao ponta-de-lança, efectuando boas manobras que forçam um acompanhamento directo por parte dos defesas contrários, abrindo espaço suficiente para se criar boas situações de perigo.

A somar a estas capacidades, Maeda tem um jeito diabólico para vadiar pelo meio-campo ofensivo, incitando os seus colegas a aproveitar as possibilidades desenvolvidas, abrindo assim um estilo de jogo emocionante mas que pode descender para o “caótico”. O reforço da formação madeirense tem se adaptar aos timings e ritmos de jogo próprios do futebol português, não podendo desresponsabilizar-se das obrigações tácticas ou das decisões estratégicas, de forma a ser visto como um jogador não só interessante no aspecto ofensivo, mas no envolvimento táctico.

Maeda não é  um goleador, mas é um facilitador, cria soluções, abre espaços e expõe as fragilidades do adversário, não é um velocista ao quadrado mas quando ganha embalo é difícil de bloqueá-lo “legalmente”… portanto, é um avançado que sabe se mexer, tem aquele estilo “louco” próprio dos jogadores nipónicos e tem capacidade de fazer a diferença quando adaptado. Conseguirá o Marítimo descobrir um diamante em bruto?

KOKI ANZAI – VELOCISTA PARA ANIMAR A LATERAL DE ANTÓNIO FOLHA?

Depois de uma temporada minimamente complicada na defesa, o Portimonense de António Folha recebeu um reforço para a posição de lateral-esquerdo que poderá ser uma das revelações da Liga NOS 2019/2020.

Koki Anzai tem 24 anos e já completou mais de 225 jogos na carreira, tendo surgido no futebol profissional ao serviço do Tokyo Verdi. Nos últimos anos alinhou pelo Kashima Antlers, clube pelo qual ganhou uma Liga dos Campeões da Ásia, e a qualidade exibicional foi boa o suficiente para ser incluído nos trabalhos da selecção japonesa em 2019.

Portanto, em termos de historial pré-Portimonense Koki Anzai é uma contratação de elevada qualidade e algo inesperada, mas devido ao poder económico da direcção da SAD do clube algarvio e as ligações ao futebol asiático, foi possível adquirir o defesa japonês por 2M€. Mas na realidade o que vale o defesa?

Koki Anzai é um lateral-esquerdo com poder físico suficiente para subir e descer no corredor, combinando bem nas acções atacantes, onde o “faro” para encontrar o alvo certo na área é um dos claros destaques. Rápido, seguro na saída de bola a partir da defesa, consegue fechar bem o “portão” da ala esquerda, mostrando-se tacticamente adaptável perante as necessidades de equipa.

É o tipo de jogador que António Folha aprecia e o facto de combinar uma técnica de ponta, visão de jogo trabalhada e elegância na condução de bola só vai elevá-lo para um patamar de grande importância em Portimão. Anzai vai preencher uma lacuna e pode vir a ser o próximo japonês a arrebatar o público português, dependendo se consegue ou não apresentar as qualidades pelo qual ficou conhecido no Kashima Antlers.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter