Candidatos Euro 2020: Espanha e Itália

Gonçalo MeloJunho 9, 20218min0

Candidatos Euro 2020: Espanha e Itália

Gonçalo MeloJunho 9, 20218min0
É a ver de Espanha e Itália ganharem espaço entre os nossos candidatos à glória no Euro 2020. Qual delas chegará mais longe?

Está aí à porta o tão aguardado Euro 2020, disputado em 2021, graças ao adiamento provocado pela Covid-19. Uma edição especial, que comemora os 60 (agora 61) anos da primeira edição desta competição, na altura Taça das Nações Europeias, disputado em 1960 em França.

Nesta rúbrica, expomos aqueles que serão para nós os principais candidatos a levantar o troféu no dia 11 de Julho em Wembley. Depois de Portugal, e da talentosa Bélgica, concluímos esta rúbrica com a 3 vezes campeã Espanha, e a subestimada Itália, os últimos grandes candidatos (para nós) a chegar longe na competição.

A Inglaterra (tem centrais medianos), a Holanda (sem o principal jogador) e a Croácia (agora sem Rakitic e Mandzukic) também poderiam ter sido abordadas, mas é da nossa opinião que os elencos convocados são ligeiramente/substancialmente mais frágeis e desequilibrados que os restantes, num ou mais setores.

Espanha

Convocatória:

A Espanha tem de ser forçosamente colocada entre os candidatos à vitória, mesmo que não apresente um elenco ao nível do de 2012. La Roja tem um grupo de jogadores de elevada qualidade, com opções de valor para quase todas as posições.

Luis Enrique quis “inventar” na convocatória, ao chamar apenas 24 jogadores quando podia chamar 26. Ironicamente, foi forçado a convocar para treinarem à parte, Kepa Arrizabalaga, Raúl Albiol, Braiz Méndez, Carlos Soler, Pablo Fornals e Rodrigo Moreno, chamados de prevenção, pelo que pelo menos dois destes elementos devem ainda garantir bilhete para o Euro, isto depois do capitão Sergio Busquets ter testado positivo para a covid-19 (um par de dias depois, o central Diego Llorente também deu positivo).

Na convocatória, dois claros destaques. Primeiro, nenhum jogador do Real Madrid mereceu a confiança do selecionador espanhol (Nacho e Asensio cabiam prefeitamente neste lote), com Sérgio Ramos a falhar a lista devido ao pouco ritmo de jogo, muito por culpa das lesões que sofreu durante a época. O segundo destaque prende-se com o facto de Luis Enrique não levar qualquer lateral direito de raiz. A ideia passa por colocar Marcos Llorente na posição mas,  se correr mal, a única alternativa é César Azpilicueta, que no Chelsea tem jogado como central numa defesa a 3, ou recorrer a um dos centrais destros, Eric Garcia ou Diego Llorente.

Unai Simón deve relegar David De Gea para o banco, comandando uma defesa que terá o estreante Aymeric Laporte (grande roubo à seleção francesa) e Pau Torres, com Jordi Alba responsável pelo lado esquerdo. Sem Busquets nos primeiros jogos, Rodri Hernández assumirá a posição 6, com Thiago Alcântara e Koke ou Fabián Ruiz a acompanharem o jovem médio do City.

No trio mais ofensivo, Ferrán Torres parece certo à direita. À esquerda, Mikel Oyarzabal deve partir à frente depois de uma grande época ao serviço da Real Sociedad, mas Dani Olmo e Pablo Sarabia prometem luta feroz pela titularidade. Na frente, Gerard Moreno teve uma época com números superiores a Álvaro Morata (23 golos e 7 assistências na liga espanhola), mas o dianteiro da Juventus parece ter a confiança do antigo timoneiro de Barcelona e Roma.

Onze Provável: Unai Simón, Marcos Llorente, Aymeric Laporte, Pau Torres, Jordi Alba, Rodri Hernández, Koke, Thiago Alcântara, Ferrán Torres, Mikel Oyarzabal e Álvaro Morata.

Principal jogador: Thiago Alcântara (Liverpool)

Jovem a seguir: Pedri González (Barcelona)

Principal surpresa da convocatória: Pablo Sarabia (PSG)

Principal ausência da convocatória: Sérgio Ramos (Real Madrid)

Previsão para o Euro

A seleção espanhola voltou a apresentar o futebol de posse constante desde a chegada de Luis Henriqu, com jogadores extremamente dotados tecnicamente, é de esperar uma Espanha a querer ter sempre bola, e a aproveitar a largura e velocidade dadas por Llorente e Alba para conseguir desequilíbrios pelas faixas, podendo dominar neste Euro.

Laporte e Pau Torres terão de rapidamente adquirir rotinas, enquanto no meio campo é de esperar que Rodri, Koke, Thiago, Fabián Ruiz e o prodígio Pedri criem dificuldades com a sua criatividade e qualidade de passe.

Oyarzabal, Olmo e Sarabia são extremos/criativos mais cerebrais, que se enquadram melhor no futebol de posse dos espanhóes, mas Ferrán Torres deve funcionar como acelerador da equipa, dando verticalidade e agressividade no último terço, não esquecendo ainda o supersónico Adama Traoré, que vindo do banco pode ser muito perigoso.

Previsão final: Quartos de Final

Itália

Convocatória:

A Squadra Azurra já foi anteriormente analisada ao detalhe pelo Fair Play , e apesar de muitos não a colocarem entre as favoritas, a turma de Mancini poderá ser o verdadeiro outsider deste torneio. A formação transalpina não perde há 27 jogos, sendo que na qualificação para o Euro venceu os 10 jogos sem qualquer dificuldade, somando exibições de grande qualidade e apontando 37 golos (média de quase 4 golos por jogo).

Numa seleção que junta muita experiência a jovens talentos empolgantes, a seleção italiana promete trazer para os palcos do Euro 2020 um futebol atrativo, de posse e de combinações criativas entre os seus homens mais adiantados. Sem um dos maiores talentos da nova geração italiana, Nicoló Zaniolo, devido a lesão, a Itália confia nos craques Marco Verrati, Jorginho, Ciro Immobile e Lorenzo Insigne para chegar longe.

Gianluigi Donnaruma terá aqui a sua primeira oportunidade de defender a baliza italiana numa grande competição sénior, ele que deverá ter à frente a experiente dupla de centrais da Juventus, formada por Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini, com Alessandro Florenzi e Leonardo Spinazzola nas laterais.

Jorginho, Marco Verrati e Nicolò Barella serão o trio do meio campo, com Lorenzo Pellegrini e Manuel Locatelli a perfilarem-se como alternativas de luxo.

Lorenzo Insigne e Federico Chiesa serão duas setas apontadas às balizas contrárias, sendo que Mancini conta ainda com o inspirado Domenico Berardi (o extremo do Sassuolo apontou 4 golos nas suas últimas 5 internacionalizações) como alternativa de peso para as alas. Ciro Immobile e Andrea Belotti disputarão o lugar de homem mais adiantado.

Onze provável: Donnaruma, Florenzi, Bonucci, Chiellini, Spinnazola, Jorginho, Barella, Verrati, Chiesa, Insigne e Immobile.

Principal Jogador: Lorenzo Insigne (Nápoles)

Jovem a seguir: Nicolò Barella (Inter)

Principal surpresa da convocatória: Giacomo Raspadori (Sassuolo)

Principal ausência: Nicolò Zaniolo (Roma)

Previsão para o Euro

A Itália é uma das equipas que melhor futebol pratica, e quem subestimar a turma de Mancini poderá ter um grave dissabor, especialmente neste Euro 2020. Com um guarda redes fabuloso, e centrais experientes, é esperado que a Squadra Azurra seja forte do ponto de vista defensivo, algo tradicionalmente associado aos italianos.

As laterais são talvez o ponto mais fraco desta formação, apesar de Florenzi, Spinazzola, Di Lorenzo e Emerson serem jogadores de qualidade.

É no miolo que reside a grande força desta seleção. Jorginho, médio mais recuado, não tem a agressividade e capacidade de desarme de antigos médios como De Rossi e Gattuso, mas compensa com uma cultura tática enorme e uma qualidade de passe e visão de jogo ao nível dos melhores do mundo. Verrati dispensa apresentações. O pequenino médio do PSG guarda a bola como poucos, sendo fundamental para o futebol de posse dos transalpinos.

O trio fica completo com o jovem Barella, fundamental no meio campo do campeão Inter de Milão, dono de uma frescura física impressionante, capacidade de pressão, técnica e chegada a zonas de finalização. Um autêntico faz tudo no meio campo.

Chiesa e Insigne serão os grandes agitadores dos italianos, velozes, tecnicamente dotados, com visão de jogo e qualidade de passe para se associarem com os médios, não esquecendo a qualidade na finalização, eles que podem graças a essa característica tirar pressão dos ombros de Immobile, que chega ao Euro depois de uma época menos positiva pela Lazio.

Previsão Final: Meia-Final


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter