São Paulo decepciona na volta dos adeptos ao Morumbi

Renato SalgadoOutubro 8, 20216min0

São Paulo decepciona na volta dos adeptos ao Morumbi

Renato SalgadoOutubro 8, 20216min0
Em clássico com torcida, São Paulo e Santos empatam e seguem pressionados. Pouco mais de 5 mil pessoas foram ao Morumbi e se frustraram com 1 a 1. O preço alto dos ingressos, além de toda dificuldade criada pela diretoria do São Paulo no processo de check-in, inibiram a presença de um público maior

Nesta quinta-feira (7), o São Paulo voltou a contar com sua torcida no Morumbi. Após a permissão de 30% da capacidade do estádio, os são-paulinos puderam prestigiar seu clube pela primeira vez em um ano e sete meses. O retorno, porém, dividiu opiniões, sendo problemático para uns e tranquilo para outros. Durante os 90 minutos de bola rolando entre São Paulo e Santos, pela 24ª rodada do Brasileirão, a boa atuação do Tricolor pode ter deixado o torcedor satisfeito, embora o resultado de 1 a 1 não tenha colocado um sorriso no rosto dos 5.529 torcedores que compareceram ao estádio. Entretanto, a situação que realmente dividiu opiniões aconteceu fora do Morumbi e, inclusive as minha, dias antes da partida começar.

Com reclamações que iam desde o preço dos ingressos até a maneira que o clube montou a logística para receber a torcida tomaram conta das redes sociais nos últimos dias. Para poder ir ao jogo, o torcedor precisaria fazer um check-in para pegar seu ingresso. O check-in, porém, seria realizado apenas no próprio Estádio do Morumbi ou no Ginásio Ibirapuera. A falta de opções em diferentes locais da capital paulista gerou revolta e o clube disponibilizou outros pontos. A logística, porém, era complicada. O torcedor precisou apresentar o comprovante de compra do ingresso (voucher), uma cópia de seu documento de identidade, além da cópia do comprovante de vacinação completa, ou um teste de Covid-19 que pode ser de antígeno (realizado até 24 horas antes do jogo) ou um teste de PCR (realizado até 48h) antes do jogo para quem só tinha tomado uma dose da vacina.

O check-in foi disponibilizado até o dia 6 de outubro às 18h, na maioria dos postos, sendo impossível apresentar um teste de antígeno válido. Este seria aceito somente nos pontos abertos até às 20h ou 22h, ou no Morumbi, que teve check-in aberto até o dia do jogo. Além disso, as cópias foram requisitadas em forma impressa, o que também gerou insatisfação. Como fui ao jogo, achei muito arcaico o sistema, além de não contribuir com o meio ambiente. Poderia ter sido muito mais simples, ter ligado o sistema do Sócio Torcedor ao sistema da vacinação, ao invés de ter que imprimir, tirar xerox e tudo mais.

No dia do jogo, porém, tirando o trânsito para chegar ao estádio, tudo correu com tranquilidade para entrar no estádio. A parte da torcida que havia feito o check-in antes do dia da partida se dirigiu diretamente a seu portão de acesso, com a pulseira identificando a entrada autorizada no estádio.

Aglomerações marcaram o check-in (Foto: Pedro Alvarez)

– Tem que trazer o xerox da documentação do Total Acesso e a xerox da vacinação e eles liberam a pulseira para entrar na catraca. Está sendo tranquilo por enquanto – relatou um torcedor. Porém, cenas de aglomeração nos pontos de check-in antes do jogo foram relatadas além de demoras nas longas filas. Uma das maiores reclamações foi a organização, que se atribulou conforme o horário da partida se tornou mais próximo, devido à quantidade de torcedores. Nas redes sociais, um torcedor se manifestou sobre a situação.

E assim, o São Paulo perdeu uma grande chance de vender os 18-20 mil ingressos colocados a venda, faturar uma boa renda das bilheterias e principalmente, realizar uma grande festa ao Campeão Paulista de 2021.

Agora, a diretoria já repensa sobre os valores dos ingressos e principalmente, sobre o protocolo absurdo de checkin adotado no jogo contra o Santos. ANTES TARDE DO QUE NUNCA!!!

Calleri desencanta em 1º jogo como titular pelo São Paulo, e admite não estar 100%: ‘Não estou no melhor momento’

Após 80 minutos e quatro jogos saindo do banco de reservas, Jonathan Calleri voltou a marcar um gol pelo São Paulo. O atacante começou sua primeira partida como titular no retorno ao Tricolor, e fez o tento da equipe no empate diante do Santos, pelo Brasileirão. Apesar de ter balançado as redes e atuado por 85 minutos, o argentino sentiu o ritmo da partida, e admitiu na entrevista coletiva ainda não estar nas melhores condições físicas.

– Fazia muito tempo que eu não jogava. Eu senti o ritmo da partida, meus companheiros estavam duas marchas acima de mim. Se nota na intensidade, na velocidade de execução. Hoje foi minha primeira partida com 85 minutos, então tratei dar o meu melhor até meu corpo doer. Espero ajudar a equipe do jeito que eu puder. Se o mister decidir que estou pronto para uma sequência, perfeito. Se disser outra coisa, tenho que apoiar meu companheiro para que a gente possa ganhar. – revelou o atleta.

O camisa 30 ressaltou a importância de seguir trabalhando, e confessou ter ficado “sem perna” nos minutos finais do jogo. Ele foi substituído aos 40 minutos da etapa final, por Benítez.

– Eu venho trabalhando há um mês. Como eu disse, não estou no melhor momento, mas com ritmo de jogo, minutos como hoje, fico melhor a cada dia. Me senti bem, um pouco cansado, sem perna no final, mas contente com os minutos. – ponderou.

O argentino também falou sobre a discussão com Luciano na decisão sobre quem bateria a penalidade marcada por Raphael Claus, aos 35 minutos do primeiro tempo. Ele destacou o profissionalismo do companheiro.

– Sobre o pênalti, quero agradecer o Luciano, se comportou como um grande profissional. Não tenho palavras para agradecer ele, que me deixou bater o pênalti. Nós dois queremos fazer gols e ajudar o São Paulo. Hoje ficou para mim, quem sabe no outro fica para ele. – disse.

Na comemoração, o camisa 11 foi o primeiro a abraçar Calleri, que exaltou a postura da equipe durante os 90 minutos.

– Jogamos com intensidade e em busca de fazer gol. Fomos protagonistas, fomos para frente a todo o momento. O resultado é o que é, um empate. Mas tivemos méritos para chegar nos três pontos. Infelizmente empatamos mais uma partida. Queríamos ir pelos três pontos. Vamos com a mesma atitude de hoje, e os torcedores ajudaram muito. – finalizou.

Atacantes discutiram na hora do pênalti (Foto: Reprodução / Premiere)

Segundo o site Footstats, o camisa 30 terminou a partida com duas finalizações certas e três desarmes, sendo o líder da equipe na partida em ambas categorias.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter