Brasileiros do Shakhtar aumentariam a qualidade do futebol no Brasil

Rafael RibeiroMarço 12, 20225min0

Brasileiros do Shakhtar aumentariam a qualidade do futebol no Brasil

Rafael RibeiroMarço 12, 20225min0
Na delicada situação de brasileiros no Shakhtar, os atletas não sabem onde jogar. Se optarem pelo Brasil, seriam acima da média.

O mundo acompanha de forma perplexa o desdobramentos da guerra envolvendo a Rússia e a Ucrânia. Não apenas no âmbito político e social, há também questões esportivas que os fãs de diversas modalidades estão seguindo. No caso do futebol, a FIFA decidiu recentemente que jogadores estrangeiros desses países poderão ter seu contrato suspenso por um pequeno período, para então avaliar novamente o que poderá ser decidido. Neste cenário, jogadores brasileiros neste local, e principalmente na Ucrânia, após passarem por muitas dificuldades para deixar a zona de guerra, agora em segurança podem pensar em retomar a carreira. Os 13 brasileiros do Shakhtar estão entre os que já podem se movimentar, mas será que alguns deles permanecerão em terras canarinhas?

A lista é das maiores entre times europeus: são 13 brasileiros com contrato vigente junto ao Shakhtar Donetsk. Marlon e Vitão (defesas), Ismaily, Dodo e Vinícius (laterais), Marcos Antônio, Alan Patrick e Maycon (médios), Pedrinho, David Neres, Tetê, Fernando e Júnior Moraes (extremos/avançados). Muitos já estão agitando o mercado do futebol brasileiro, ainda que a FIFA tenha determinado a reabertura de diversos mercados europeus que já estavam fechados, o que favoreceria o retorno de muitos deles ao Brasil. O Fair Play conta quais equipas estão de olho em quais atletas, e como eles poderiam se destacar em terra natal.

Pacote de reforços

Equipas como São Paulo, Corinthians, Palmeiras, Internacional e outras chegaram a entrar em contato com muitos dos jogadores e seus staffs. A ligação de David Neres com o tricolor Paulista fez com que conversas fossem iniciadas, mas até o momento a indicação é de que o jogador queira permanecer na Europa (até pela reabertura das janelas). Um extremo habilidoso pelos lados do campo, uma peça rara e exatamente a pedida por Rogério Ceni desde que a época recomeçou, e que não está presente no plantel do ex guarda redes ídolo do clube. Mesmo que ficasse até o meio do ano, os benefícios seriam muito maiores do que os pontos negativos de uma possível saída abrupta no meio da época brasileira.

Já Pedrinho, ex jogador do Corinthians e com ligações no time alvinegro, também chegou a ter contato de Rogério Ceni, mas uma rápida ligação e desentendimentos com o staff fizeram o jogador ser carta fora do baralho no São Paulo. Mas ainda desperta interesse de outros clubes paulistas, também Botafogo e Flamengo. Também seria um excelente nome para o ataque de qualquer equipa no Brasil, ainda que não tenha justificado toda a expectativa dele em sua ida ao Benfica, e depois em sua venda com valores altos (em torno de 18 milhões de euros) para o Shkhtar Donetsk. O time ucraniano já acenou com a possibilidade de um empréstimo até o fim de 2022, mas o salário dele (assim como de outros, inviáveis para o mercado brasileiro no momento) pode ser um empecilho para a maioria dos times no Brasil.

Pedrinho e David Neres são dois dos mais especulados nesta janela excepcional devido ao conflito (Foto: Divulgação/Shakhtar Donetsk)

Especulações em estágio inicial

Outros nomes também interessam aos times brasileiros. O Grêmio, por exemplo, mesmo se preparando para a disputa da Série B no Campeonato Brasileiro, monitora a situação de Tetê. Já Vinicius interessa ao Internacional em um retorno para, no mínimo cumprir um empréstimo enquanto define sua volta ao mercado europeu. Alan Patrick, já com 30 anos de idade e uma carreira consolidade, também estuda uma volta mais longa ao Brasil, até para poder pensar nos passos de encerramento de sua carreira, e interessa diversos times, como São Paulo, Internacional e Botafogo.

Já o Corinthians avança com maior efetividade no nome de Júnior Moraes. O jogador, que foi naturalizado ucraniano ao ir para o Shakhtar e foi o último a deixar o solo de guerra, ainda com o temor de ser obrigado a ficar devido a sua naturalização e a convocação de homens acima de 18 anos, pode reforçar o time alvinegro em breve. A equipa ainda monitora a situação de seus ex jogadores Pedrinho e Maycon, na tentativa de contar com ambos também durante esta época. Se todos eles fecharem com o Timão, certamente o plantel, que já conta com Renato Augusto, Willian, Giuliano, Paulinho e Roger Guedes, terá um plantel estrelado, e certamente baterá de frente com Flamengo e Atlético MIneiro. Resta saber se haverá aporte financeiro suficiente para isso, em meio a tantas dívidas.

Como a situação ainda não está totalmente esclarecida, e muitos dos staffs destes jogadores no Shakhtar ainda aconselham seus jogadores a esperarem mais definições nas próximas semanas, alguns jogadores dessa lista também já estão descartando possíveis retornos. São os casos de Dodo, Marlon e Fernando, além de David Neres, já citado acima. A principal questão é o movimento de equipas europeias que já estão em planejamento para a próxima época, e que já manifestaram de forma sigilosa o interesse nesses atletas. Além disso, o salário e a possibilidade de uma transferência definitiva para algum grande clube europeu são os grandes entraves para que os brasileiros retornem a brilhar no Brasileirão. Certamente estariam acima da média e poderiam causar grande impacto no clubes que estivessem. Resta aguardar novas definições e, porque não, torcer para que alguns deles estejam por aqui ainda este ano.

Acompanhe todos os artigos em texto dos comentadores brasileiros clicando aqui!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter