Arquivo de Corinthians - Fair Play

taca_lucas-figueiredo_cbf.jpeg?fit=1200%2C800&ssl=1
Rafael RibeiroAbril 30, 20196min0

É início de época no Brasil e as equipas despontam rumo ao estrelato. Depois de campeonatos estaduais, chegou a vez das equipas de todo o território se enfrentarem na principal competição nacional!

democracia1.jpg?fit=970%2C600&ssl=1
Virgílio NetoJaneiro 18, 20193min0

"Ganhar ou perder, mas sempre com democracia", era o lema de um movimento de futebolistas do Corinthians, que inspirou gerações. A conhecida "Democracia Corinthiana" é exemplo de autogestão e de manifestação de ideais.

08-socrates.jpg?fit=946%2C647&ssl=1
Pedro PereiraJaneiro 3, 20194min0

SÓCRATES: BI DE UM CROMO RARO E LENDÁRIO

Um jogador de ideias, de filosofia e democracia. 1.90m de altura e calçava o 42 (40 no Brasil). Dizia ele que se se virasse para fazer um passe, caía, então assinava os seus lances com o calcanhar. Passe curto, passe longo, remates, tudo de calcanhar ele sabia fazer. Era a cultura da criação, de ultrapassar barreiras. Era o espírito de uma criança capaz de saltar um muro para jogar futebol com o amigos.

Odiava treinar e estudar. Foi dos melhores jogadores do futebol brasileiro e foi médico. O seu intelecto tornava-o adaptável ao meio. Alimentava-se através da paixão das pessoas pelo (seu) jogo e procurava diferentes palcos para poder ajudar os outros. Nascido no Belém do Pará, foi em São Paulo com a camisola do Corinthians, que começou a ver em si a capacidade para influenciar o meio, o seu bairro, o seu povo, o Brasil e a política que conecta estes mundos.

Foi o primeiro jogador do Mundo que treinou os adeptos. Quando chegou ao Corinthians, ele não comemorava golos. Os jornalistas e os adeptos começaram a questionar-lo porquê. Ele respondeu,

“Como vou celebrar um golo quando na semana passada vocês me queriam bater por eu ter perdido? A claque tem de acompanhar o ritmo da equipa, ajudá-la quando estamos em baixo. Aí festejaremos quando estivermos no topo”.

A torcida corithiana começou a ter paciência com a equipa, a compreender o fracasso.

A LUTA PELOS DIREITOS DE CADA UM NO CORINTHIANS

Na década de 70 e 80, Brasil vivia uma ditadura militar. O Bolsonaro é ignorante e diz que não, não honrando quem lutou pela democracia naquele país. Sócrates foi uma dessas pessoas. E utilizou o futebol para disseminar a voz do povo e da vontade democrática. Na impossibilidade de mudar o mundo num estalar de dedos, Socrates começa a mudar o seu pequeno mundo, dentro do Coritnthians.

O clube estava numa competição equivalente na altura a uma segunda divisão nos dias de hoje. Sócrates começou a implementar a democracia dentro do clube.

Com reuniões semanais, todos os elementos do clube se reuniam para tomar decisões sobre a equipa. Se os jogadores estavam satisfeitos; os jogadores casados passaram a não integrar os estágios antes dos jogos para poder estar mais com a família; quando se ia decidir sobre contratações de jogadores ou treinadores, todos votavam; implementou sessões de yoga no clube para ajudar os jogadores a lidar com a ansiedade da competição.

Do presidente ao roupeiro, todos votavam e cada voto tinha o mesmo peso.  Com esta democracia, Sócrates conseguiu transmitir uma ideologia através de uma língua que todo o brasileiro entende: o futebol. Antes dos jogos, a equipa mostrava uma tarja que dizia,

“Ganhar ou perder, mas sempre com democracia”.

Para um povo sufocado pela ditadura, o perfume da democracia corinthiana servia como oportunidade para pensar sobre os moldes políticos da sociedade.

AS EXIGÊNCIAS VIOLA QUE TIRARAM O SOSSEGO DO DOUTOR

Sócrates jogou na Fiorentina na época de 84/85. Não foi uma transição fácil. Filho da liberdade, da diversão e dos pecados humanos, Sócrates não conviveu bem com a transição de um Corinthians onde era ele para uma Fiorentina onde era mais um. Em Florença, Sócrates sentiu o amargo sabor do futebol como trabalho e não, como ele gostava, de diversão. Havia regras para deitar, para não fumar, para não beber cerveja e até almoços cronometrados.

Nos almoços antes dos jogos, o treinador da Fiorentina da altura, Giancarlo de Sisti, não deixava que os jogadores acabassem a refeição depois de determinada hora para que não fossem com estômago demasiado cheio para o jogo.

Giovanni Galli, guarda redes italiano, na altura companheiro de equipa de Sócrates, conta que não foram poucas as vezes que, quando o treinador dizia que já tinha terminado o tempo de refeição, Sócrates levantava-se, pegava no prato de pasta, na sua cerveja e continuava a comer, sem que o seu treinador o apanhasse. Muitas regras, pouca liberdade. O suficiente para o fazer regressar a casa.

Um Doutor que jogou para passar reais valores do desportivismo. Cromo raro.  Faz hoje sete anos que o seu corpo decidiu descansar.

Foto: Pinterest

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS