Jovens estrelas que caíram cedo demais: Macauley Chrisantus

Francisco IsaacNovembro 23, 20215min0

Jovens estrelas que caíram cedo demais: Macauley Chrisantus

Francisco IsaacNovembro 23, 20215min0
Goleador no Mundial de 2007, Macauley Chrisantus acabou por não atingir o seu máximo potencial e contamos o que se passou com o avançado nigeriano

Quantas jovens estrelas atingiram o patamar mais alto do futebol mundial para depois caírem abruptamente ou, pior, devagar sem nunca encontrarem um rumo de regresso aos títulos internacionais e aos grandes palcos?

Nesta rubrica não procuramos descobrir quem tem culpa, mas sim as razões dessa desaparecimento, perceber onde foram parar e se há alguma hipótese de redenção. E atenção, não dissemos desaparecemos porque ainda jogam seja numa primeira, segunda ou terceira divisão.

Se conheces mais casos deixa nos comentários para investigarmos e falarmos desses nomes.

DE PRATA DO MUNDIAL DE SUB-17 AO ECLIPSE TOTAL

Estamos no dia 9 de Setembro de 2007, mais precisamente em Seul na Coreia do Sul, local onde se está a passar a final do Mundial de Futebol sub-17, encontro que opunha a Espanha e Nigéria num frente-a-frente emotivo, surpreendente e disputado, tendo terminado num empate a zero golos tanto no tempo regulamentar como extra, o que forçou uma ida até aos penaltis. Os nigerianos guiados por Ladan Bosso (um perfeito desconhecido) acabariam por sobreviver a esta última provação, levantando o título de campeões do Mundo desta faixa etária, conquistando igualmente o título individual de melhor marcador pelo seu matador, Macauley Chrisantus, que também somaria o prémio de bola de prata (Toni Kroos acabou considerado como o melhor atleta dessa edição do campeonato do Mundo), isto graças aos 7 golos e 3 assistências rubricadas em 7 aparições na competição Quem era este goleador de 17 anos que parecia ter as condições mínimas para apaixonar clubes e adeptos?

Bem, de certa forma era um total desconhecido, pois Macauley Chrisantus jogou até 2007 ao serviço dos Hearts of Abuja, clube da primeira divisão nigeriana, dando o salto para Europa só após o fim do Mundial, isto quando assinou pelo Hamburgo da Bundesliga, com vários olhos curiosos a assentarem a atenção na carreira deste promissor ponta-de-lança que se mexia como veludo, detendo um condão especial para aproveitar os espaços e fazer sentir a sua presença, impondo ainda uma capacidade aérea de relativa qualidade. Por isso, o ano de 2007 ficou para sempre como o arranque de carreira profissional, fazendo a sua estreia como sénior pela equipa secundária do Hamburgo em 2008 (14 jogos e 3 golos).

Porém, a qualidade e capacidade de artilheiro demonstrada no tal mundial que o empurrou para a ribalta sofreram alguns problemas, revelando problemas de conhecimento táctico, análise rápida de como ultrapassar os defesas europeus e manter a sua maior efusividade e sentido de ataque quando era apertado pela pressão da marcação à zona, impedindo-o de lograr realizar qualquer minuto como membro da equipa principal do clube alemão e acabou, assim, emprestado ao Karlsruher SC e FSV Frankfurt (ambos da Bundesliga 2).

O registo de 19 golos em 75 jogos, não convenceu qualquer um destes clubes alemães a manter a aposta no seu concurso e o Hamburgo, que não via evolução ou melhoria neste seu activo, optou por não avançar para a renovação, libertando-o como free agent. Naquilo que poderia ser um golpe tremendo nas aspirações do jovem internacional nigeriano de 22 anos (tinham se passado 5 anos desde aquele Mundial glorioso), Macauley Chrisantus acabou por chegar ao Las Palmas e atravessar o seu melhor período enquanto futebolista profissional, já que conquistou rapidamente a titularidade no ataque do emblema que militava na segunda divisão espanhola.

Naquilo que parecia ser uma carreira à beira da ruína tudo mudou num par de meses e atingiu a felicidade imensa, pois o ex-bota de ouro do Mundial de 2007 de sub-17 foi fundamental para 10 jogos do Las Palmas, conseguindo marcar o golo da vitória (ou mais que um, como aconteceu com o seu primeiro e único hatrick até à data, frente ao Sporting Gijón em 2013) ou garantir o empate com um tento certeiro numa dezena de jogos, totalizando 22 golos e 6 assistências ao serviço deste histórico emblema das Canárias.

Mesmo sem revelar evolução no encaixe táctico, no approach sem bola ou no afinar de alguns apontamentos técnicos, Macauley Chrisantus parecia estar a entrar num novo período de qualidade futebolística média, podendo mesmo almejar chegar a outro patamar, desde que concluísse o seu progresso no Cádiz… infelizmente, não seria assim. Uma proposta do Sivasspor da Super Lïg turca motivou a sua saída de Espanha, atraído pela possibilidade de garantir um contrato melhor e a possibilidade de disputar algo superior, onde se incluía provas europeias. O risco acabou por não compensar e o nigeriano acabou por jogar um máximo de 10 encontros na Turquia, saindo a custo-zero para o AEK de Atenas, clube pelo qual ainda chegou a voltar a marcar golos (6 na primeira temporada em 2014/2015) sem nunca conseguir ser uma peça de referência de um dos emblemas de maior história da Grécia.

Desde então partiu para uma viagem imensa à escala global, jogando em Espanha (Reus ou Conquense por exemplo), Arábia Saudita, Irão e Finlândia, estando ainda a jogar neste país nórdico ao serviço do FF Jaro. De um ponta-de-lança altamente promissor que conquistou uma das maiores honras da Nigéria na senda internacional e que até foi considerado o 2º melhor atleta dessa prova (à frente de jogadores como Bojan Krkic, Fábio, Victor Moses, Damien Le Tallec ou Christian Benteke), para um perfeito desconhecido e globetrotter, Macauley Chrisantus demonstra que as glórias da juventude de nada servem se não forem bem capitalizadas no trabalho para o crescimento e evolução.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter