De Rodrigo Dourado a Gino Peruzzi: por onde andam as nossas apostas?

Fair PlayMarço 28, 201812min0

De Rodrigo Dourado a Gino Peruzzi: por onde andam as nossas apostas?

Fair PlayMarço 28, 201812min0
O ponto de situação de dez jogadores destacados previamente no Fair Play, feito pelos próprios observadores.

Em parceria com a Talent Spy, vários autores do Fair Play têm vindo a desvendar perfis de futebolistas promissores, ao longo do último ano e meio. Está na hora de revisitar estes nomes, perceber de que forma evoluíram, e conferir a eficácia das nossas observações.

RODRIGO DOURADO

(por Bruno Dias, a 18/03/2017)

Desde que destacámos Rodrigo Dourado como um valor emergente da posição “6” no futebol brasileiro e sul-americano, há cerca de um ano, pouco mudou. E essa ausência de mudança, no seu caso específico, é claramente um factor negativo para a sua carreira.

Rodrigo continua a alinhar pelo Internacional de Porto Alegre, que esta época se encontra de regresso ao “Brasileirão”, depois de uma temporada histórica pelos piores motivos, dado que foi a única na história do “Inter” em que não disputaram o principal campeonato do Brasil. A sua importância no colectivo mantém-se elevada, tendo realizado 31 jogos na Série B na época transacta, sempre como titular e dono da posição mais recuada do miolo. Mas a sua cotação no mercado tem-se dissipado com o passar do tempo, até porque Rodrigo é um atleta já com 23 anos que nunca jogou na Europa.

Com o regresso do Internacional ao “Brasileirão”, Rodrigo pode ter nesta temporada que recentemente se iniciou (com os campeonatos estaduais) a sua derradeira oportunidade para brilhar e voltar a ser o centro dos holofotes europeus, que assim lhe permitam “dar o salto” para um patamar competitivo condizente com a qualidade e o potencial que ele possui.

ANDREA BELOTTI

(por Tomás da Cunha, 31/03/2017)

Há um ano, por esta altura, Andrea Belotti era possivelmente o avançado italiano em melhor forma. Caminhava a passos largos para ser o capocannoniere do calcio, com uma concorrência ferocíssima, era titular de uma Squadra Azurra que ainda sonhava com o Mundial’2018 e despertava a cobiça de diversos emblemas de topo no futebol europeu.

Agora, o cenário não é tão favorável. A possível perda de protagonismo do italiano começou a adivinhar-se no mercado de transferências, quando a cláusula de rescisão de 100 milhões de euros impediu a mudança para a Premier League. Mesmo sendo uma das figuras do Torino, o “galo” certamente veria com bons olhos um salto para outro patamar, que lhe permitisse disputar a Liga dos Campeões. Não sendo o único factor, pode ajudar a explicar uma temporada menos produtiva.

Comparando com o ano anterior, a época de Belotti é uma completa desilusão. Leva apenas 6 golos em 22 jogos no campeonato, números aquém do expectável para um ponta-de-lança que já deu provas de que consegue atingir registos extraordinários. Embora tenha estado algum tempo lesionado, a quebra de rendimento é indesmentível.

Aos 24 anos, o que falta a Belotti parece ser um desafio mais de acordo com as suas capacidades. Pelas características que possui, poderia ser um substituto à altura de Icardi (também muito desejado) no Inter ou, saindo de Itália, um avançado para deixar marca na liga inglesa. O “galo”, alcunha pela qual é conhecido, tem uma relação com o golo excepcional, que não pode passar ao lado dos grandes palcos.

PRZEMYSLAW FRANKOWSKI

(por Francisco da Silva, a 14/04/2017)

Em Abril de 2017, Przemyslaw Frankowski era a principal pérola da formação do Jagiellonia de Bialystok e procurava conquistar o maior título coletivo na sua ainda curta carreira. Ora, apesar do forte contributo do jovem polaco na reta final da Ekstraklasa, o Jagiellonia não foi capaz de se superar ao favorito Légia de Varsóvia, adiando por mais uma temporada o sonho de Frankowski.

Apesar de alguns rumores de que o extremo de 22 anos poderia estar de saída de Bialystok, Przemyslaw Frankowski manteve-se no nordeste da Polónia e parece estar a ser devidamente compensado pela aposta certo. A temporada 2017/2018 até não começou da melhor forma, no entanto, assim que Frankowski recuperou o seu lugar no onze titular, o seu crescimento futebolístico tem sido bastante sólido com o polaco a melhorar inúmeras lacunas mentais e táticas que apresentava.

Até ao momento, Frankowski já faturou por 4 vezes e assistiu os seus colegas de equipa em 4 ocasiões, afirmando-se novamente como peça fundamental do xadrez de Ireneusz Mamrot. A liderança do Jagiellonia de Bialystok deve-se também em boa parte à dinâmica e influência ofensiva do extremo polaco que, com a sua qualidade de passe e visão de jogo, é um desequilibrador nato na frente de ataque. As inúmeras virtudes de Frankowski conseguem esconder certas debilidades táticas e um “teimoso” individualismo, contudo, importa referir que o criativo tem de facto melhorado na sua tomada de decisão e posicionamento tático.

Com Frankowski em franco desenvolvimento futebolístico e com o Jagiellonia Bialystok a sonhar novamente com o título da Ekstraklasa, a saída do polaco para um campeonato mais competitivo pode estar próxima.

AYMEN BARKOK

(por Gonçalo Melo, a 30/04/2017)

Passado sensivelmente um ano desde a parceria com a Talent Spy, a situação do jovem internacional sub-20 alemão mudou bastante, e não foi para melhor. Se o ano passado o jovem talento apareceu em grande na ponta final da época, tendo sido muitas vezes titular no Eintracht de Niko Kovac, este ano o jovem médio-ofensivo sofreu um terrível apagão. Apenas 9 jogos esta época, 8 na Bundesliga, e uns medíocres 294 minutos, onde conseguiu fazer uma assistência. A concorrência não tem ajudado o jovem alemão de ascendência marroquina, pois ultrapassar nomes como Kevin Prince Boateng, Marco Fabian, Gacinovic ou Ante Rebic não é tarefa fácil. Para o bem do futuro de Barkok, um empréstimo pode ser a melhor opção, pois um jovem rápido e criativo com apenas 19 anos precisava fundamentalmente de minutos de jogo.

OMAR ABDULRAHMAN

(por Ricardo Lestre, a 20/05/2017)

Os anos passam e Omar Abdulrahman mantém-se com o grande esteio do Al Ain. Perante a seca de títulos que o seu clube atravessa, o camisola 10 parece, mais do que nunca, mais perto da saída. Mantém registos individuais excelentes, a titularidade assegurada e, mais do que tudo, continua a alimentar a esperança dos adeptos de futebol com uma possível mudança para a Europa. O contrato termina no presente ano e ambição de rumar ao Velho Continente é a sua grande prioridade. Al Hilal, OGC Nice, Fenerbahçe e Besiktas já demonstraram interesse e continuam muito atentos à situação. No mercado de verão poderemos ter novidades relativamente a um dos jogadores mais brilhantes que atuam por esse mundo fora.

Um detalhe do “Messi das Arábias” contra o Al Wahda

JIMMY MEDRANDA

(por António Pereira Ribeiro, a 25/06/2017)

O polivalente colombiano perfez a sua segunda temporada consecutiva sem problemas físicos significativos, factor que contribuiu para o sucesso individual e colectivo. Ajudou o Sporting Kansas City a alcançar os Playoffs, mas a equipa de Medranda acabou a sua campanha logo na eliminatória de repescagem, após prolongamento. Começou nova temporada no início do mês, com bastante vigor, sendo peça titular em todos os jogos de um conjunto que ocupa os lugares cimeiros da Conferência Oeste.

DAVID ACCAM

(por António Pereira Ribeiro, a 29/06/2017)

2017 acabaria por se revelar um dos anos mais prolíferos do avançado ganês, ao ter assinado 14 golos e 8 assistências. As suas incursões rápidas pela faixa esquerda contribuíram para que o homem-golo dos Chicago Fire, Nemanja Nikolic, se tornasse o melhor marcador da MLS. Chegou com os Fire aos Playoffs, mas uma goleada imposta pelos New York Red Bulls na fase de repescagem terminou com quaisquer aspirações. Apesar do interesse demonstrado por alguns clubes europeus, a mudança de ares aconteceu internamente, com o Philadelphia Union a chegar-se à frente para a sua contratação.

SANTIAGO ASCACÍBAR

(por Diogo Alves, a 17/07/2017)

Destacado em meados de Julho de 2017, Santiago Ascacíbar abandonou umas semanas depois a sua Argentina, e, o Estudiantes. O médio-defensivo, de enorme qualidade foi recrutado pelos alemães do Estugarda. O recém promovido à Bundesliga viu nele qualidade e não hesitaram nem um segundo em pagar os cerca de 5,75M€ no verão passado. Desde a sua chegada que Ascaíbar tem sido pedra basilar no meio campo do Estugarda, titular absoluto desde a 3ª jornada, desde então só falhou uma partida na Bundesliga. À data, cumpria uma suspensão por acumulação de amarelos. Ainda não regressou à selecção, onde era absoluto na formação, mas certamente que Jorge Sampaoli olhará para ele num futuro próximo, concretamente depois do Mundial, onde a saída de Mascherano poderá abrir vaga para o jovem de La Plata.

Os melhores momentos contra o Wolfsburgo

GUILHERME ARANA

(por Rafael Ribeiro, a 25/07/2017)

Desde que citamos Guilherme Arana como um dos potenciais brasileiros, alguns novos capítulos já foram escritos na carreira deste lateral esquerdo, cria alvinegra do Corinthians campeão nacional em 2017. Seu segundo semestre pelo clube sofreu mais oscilações do que o esperado (assim como o time todo), porém oscilações não suficientes para tirar o prestígio do jovem, ou o título do Corinthians.

Considerado o melhor lateral esquerdo do Campeonato Brasileiro, além do título da competição e este individual, Arana levou outro prêmio: um contrato com o Sevilla. Logo após o término do Brasileirão, em Dezembro de 2017, Arana anunciou a transferência ao time espanhol por um contrato até 2022, em valores próximos a 11 milhões de euros. Somente se apresentou em Janeiro de 2018, após a abertura da janela e as merecidas férias após a competição brasileira.

Treinando com o time desde então, Arana foi apresentando com a camisa 8 e disse ter Roberto Carlos como seu principal exemplo. Estreou pelo time em 28 de fevereiro, pela 26ª rodada do Campeonato Espanhol, em vitória do Sevilla frente ao Málaga, por 1 a 0. Foi titular, atuando os 90 minutos e agradando o técnico Vincenzo Montella. Tanto que foi inscrito pelo time para a fase de eliminação da Champions League, integrando o elenco já inscrito (tomando inclusive a vaga de Paulo Henrique Ganso, que deve sair do clube).

Tendo eliminado o Manchester United nas oitavas, onde esteve no banco de reservas na partida de volta, aguarda o confronto contra o Bayern de Munique nas quartas, para quem sabe poder estrear na competição europeia. Fato é que Arana está em fase de adaptação ao novo clube, ao estilo de jogo europeu, e temos que aguardar uma evolução maior em seu futebol para vê-lo ter uma sequência de jogos no time sevilista.

GINO PERUZZI

(por Diogo Alves, a 07/08/2017)

O lateral argentino não conseguiu ainda ter a projecção que especulou-se na hora de escrever sobre ele. Manteve-se no Boca Juniors até ao final do ano de 2017, mas com um rendimento menor e com uma utilização mais parca. A escassa utilização no clube da Ribeira, levaram o lateral-direito abandonar Buenos Aires e a viajar até ao Uruguai para representar o Nacional. Empréstimo até ao final da presente temporada. No Nacional tem sido titular indiscutível na ala direita, onde disputa o lugar com Jorge Fucile. O clube vê nele um elemento fundamental para chegarem longe na Libertadores, a sua experiência é fundamental.

Alguns dos melhores momentos de Peruzzi no Boca antes de ir para o Nacional


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter