FM08: um desafio para todos os fãs e gamers pt.3

Francisco IsaacDezembro 9, 20187min1

FM08: um desafio para todos os fãs e gamers pt.3

Francisco IsaacDezembro 9, 20187min1
Continuamos na nossa viagem pelo FM08 com a experiência pessoal de um dos nossos autores! E tu como tens acompanhado esta aventura?

Continua a experiência de Francisco Isaac no Mundo do FM08 ao serviço do FC Porto. Para dúvidas do que se trata este artigo, ler aqui: FM08 Pt.1 e FM08 Pt.2 

PRESSÃO DE CHAMPIONS COM O CAMPEONATO SOB CONTROLO

Estamos de regresso à refrega do Football Manager 08 (como está a se o 18 para os que adquiriram essa modernice?) e depois de uma derrota algo desoladora frente aos Reds de Anfield Road, foi necessário “castigar” o adversário que se seguiu: o Sporting Clube de Portugal.

Não foi uma, mas duas vitórias frente aos Leões, primeiro por 2-1 para a Bwin Liga e 3-0 na Taça da Liga com Danny em super-forma a fazer dois golos, um em cada ocasião, para além de uma exibição consistente de Sören Halfar, José Bosingwa e Leandro Lima.

Sem lesões e com o plantel “fresco”, o apuramento para a 3ª fase da Taça da Liga foi garantido, com o primeiro lugar do campeonato nacional completamente controlado, apesar da perseguição do SL Benfica de Jose Antonio Camacho e Vitória Sport Clube do grande Manuel Cajuda.

Ambos os plantéis destes rivais têm elementos bem interessantes e que valem a pena serem referenciados (façam uma comparação com o vosso “save” caso estejam também nesta brincadeira):

– SL Benfica: Kostas Katsouranis, Rodrigo (foi contratado ao Dynamo de Kiev a custo-zero, joga a defesa-central), Rui Costa, Nuno Gomes, Sergey Ignashevich (o defesa polivalente veio do CSKA Moscovo sem qualquer custo) e Léo;

– Vitória SC: Miljan Mradkovic (o ponta-de-lança sérvio proveio do M. Tel-Aviv), Wellinton (H. Tel-Aviv), Yves Desmarets (o extremo-esquerdo na vida real foi um dos grandes nomes dos vimaranenses), Fernando (central ex-Artsul, bom reforço para qualquer um dos emblemas da Primeira Liga), João Alves (outro que na realidade foi um dos grandes jogadores dos “guerreiros”);

As “águias” receberam o tal input do “meu” FC Porto, com a transferência de Lucho Gonzalez e Lisandro Lopez, dois argentinos que já proporcionaram golos, assistências e vitórias ao clube da Luz. Curiosamente, nesta parte 3 ainda não houve jogo contra algum destes candidatos ao título e serão decisivos esses jogos, apesar de o FC Porto estar com 5 pontos de avanço para o 2º lugar.

Neste momento, mantenho os mesmos níveis de treino, focados na gestão de bola, ataque e remate, garantindo assim um futebol rápido mas de domínio das operações de ataque, impedindo que o adversário domine o território de jogo de forma constante, como podem ver pela imagem. Concedo folgas dependendo dos dias entre jogos, mas pelo menos 1 de forma a ter a equipa mais “fresca”.

Foto: FM08

Para além dos treinos, tento efectuar uma rotação de plantel à la Lopetegui, sem descurar a parte nevrálgica da equipa assente em Paulo Assunção (tenho dado também tempo de antena a Mario Bolatti, mas em jogos mais físicos compromete sempre o processo intermediário da equipa), Danny e Daniel Carvalho (o brasileiro ainda não está a render os quase 4M€ pagos pela sua aquisição) ou Leandro Lima (para quem gosta de nº10’s puros, com velocidade optem pelo brasileiro que neste FM rende bastante numa equipa sustentada por dois médios).

Contudo, tenho também alguns favoritos que não consigo prescindir como Aílton (20 jogos, 14 golos e 4 assistências), John Goossens (o holandês é um diamante com um estilo de jogo similar ao de Damian Duff), Fabiano Santacroce e José Bosingwa.

É por assim dizer, um FC Porto completo, dotado de futebol fácil e ágil com bons finalizadores (Hélder Postiga começa sempre no banco, mas consegue ser decisivo nos encontros mais difíceis) e frente à Lazio de Roma (4-2 na Cidade Eterna com um hatrick do novo Fenómeno Aílton) e Rosenborg (primeira vitória difícil na Noruega, mas no Dragão já foi mais facilitada pelo grande jogo de Stefan Babovic).

Com 9 pontos somados na Liga dos Campeões, na 4ª parte vamos ver se consegui conquistar a passagem aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões Europeus… um empate em casa frente aos Biancocelesti chega, mas já sabemos o que dá em fazer os mínimos em competições europeias.

De resto, mantenho o controlo na Bwin Liga com vários solucionadores de problemas como Ricardo Quaresma (de longe um dos melhores jogadores deste FM08, um bocado overpowered em termos de números), Stefan Babovic (outro bom reforço, como já vos tinha dito…facilmente o contratam ao OFK Belgrad), Danny (8 em 10 inícios de época apresenta lesões, mas quando entra no ritmo certo é um activo de qualidade) e Sören Halfar.

Mas entre este sucesso todo do início de época, houve algum calafrio na Bwin Liga? E há equipas difíceis de jogar contra? Ambas as perguntas recebem respostas afirmativas e explico com quem devem ter cuidado (ou com quem eu tenho mais dificuldades em montar um esquema minimamente bom para ganhar sem sofrer muito): Académica de Coimbra, SC Braga e Vitória FC.

A Briosa é das equipas mais complicadas de derrotar, especialmente quando se tratam em jogos como visitantes, muito pela forma intensa com que atacam o meio-campo, munidos de uma facilidade em encontrar espaço nas alas e extremamente eficaz no ataque. Cleber Gaúcho (os 33 anos enganam, pois é um trinco altamente activo no pegar de jogo e levá-lo para zonas mais altas), Pedro Roma, Kaká, Joeano e Vítor Vinha são os jogadores a tomar cuidado, especialmente o avançado que tem uma das melhores percentagens de sucesso em remates às redes.

Os bracarenses têm um plantel muito baseado na “agressividade” táctica, sempre predispostos a assumir o protagonismo no ataque e foi por muito pouco que não conquistaram um empate em casa frente a este super-Porto. Como a Académica deixo alguns nomes para seguirem com atenção: César Peixoto, Alberto Rodriguez, Roberto Brum, Jair Baylón, Lenny e Vandinho. É uma equipa adulta e vale a pena começar um “save” com este Braga treinado por Jorge Costa.

O Vitória Futebol Clube não tem grandes individualidades, mas apresente sempre um composto muito focado no físico e em suprir o avanço pelas alas, o que força aos adversários arriscar pelo meio do terreno de jogo… sorte “minha” que tenho os melhores médios do campeonato em termos de condução de bola, risco no remate e intensidade nos dinamismos pelo meio.

Só a Académica arrancou um empate e advirto para a dificuldade em jogar na Pedreira ou em Coimbra. Como da última vez, deixo aqui o melhor onze da Bwin Liga e, pela primeira vez, da Liga dos Campeões.

BWIN LIGA: Peçanha (FC Paços de Ferreira), Soren Halfar (FC Porto), Rodrigo (SL Benfica), Fabiano Santacroce (FC Porto), João Pereira (SC Braga), Cléber Gaúcho (Académica de Coimbra), Lucho Gonzalez (SL Benfica), Bruno Lazaroni (Naval), Ousmane N’Doye (Académica de Coimbra) Ricardo Quaresma (FC Porto) e Joeano (Académica de Coimbra);

LIGA DOS CAMPEÕES: Victor Valdés (FC Barcelona), Eric Abidal (FC Barcelona), Andea Barzagli (Real Madrid), Sébastian Squillaci (Lyon), Maicon (Inter), Michael Essien (FC Chelsea), Kaka (AC Milan), Ibrahim Affelay (PSV), Cristiano Ronaldo (Manchester United), Djibril Cissé (O. Marseille) e Jean-Claude Darcheville (FC Rangers)

Nota para Jean-Claude Darcheville…avançado móvel, duro e muito eficiente na frente de ataque. Está a ser decisivo num Rangers que costuma ter neste FM08 alguns nomes bem interessantes. Deitem um olho!

Foto: FM08

One comment

  • Carlos Fernandes

    Fevereiro 12, 2019 at 6:53 pm

    Desde já parabéns pela excelente iniciativa, pensei que era o único que ainda jogava esta verdadeira pérola!
    Após o regresso do grande Estrela da Amadora à futebol sénior (Mundo Real xD), decidi iniciar uma época e alterar o rumo da história.
    Neste momento estou a lutar para a manutenção na liga bwin.
    Fico contente por ao fim de tantos anos ainda ser um jogo que “agarra”!

    Abraço e bons jogos

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter