Arquivo de SFUAP - Fair Play

João-Machado-1.jpg?fit=960%2C640&ssl=1
João BastosJunho 20, 20174min0

Com a convocatória da selecção portuguesa para os campeonatos da Europa de Juniores, o Fair Play inicia uma série de 13 artigos para apresentar os 13 nadadores presentes em Netanya (Israel)

O Meeting Internacional do Porto constituiu a última oportunidade para os nadadores juniores portugueses fazerem marcas de acesso aos Europeus do escalão. Com a selecção definida, iniciaremos o desfile dos nadadores que representarão Portugal no certame. Fá-lo-emos diariamente até dia 28 de Junho (primeiro dia de competições em Netanya) e por ordem alfabética.

João Machado

Nome: João Daniel Machado
Data de Nascimento: 20 de Maio de 1999
Clube: Sociedade Filarmónica União Artística Piedense
Treinador: Ricardo Santos
Provas: 400 metros estilos

Foto: Facebook SFUAP – nadadores

Historial

Desde sempre que João Machado nada no histórico clube da Cova da Piedade. Esta época evoluiu bastante na sua melhor prova e assim conquistou a sua presença nos Europeus de Juniores.

Mas puxemos o filme atrás.

João Machado participou no zonal da zona sul, como infantil-B, em Março de 2012. Aí ficou à porta do pódio nos 100 costas, numa competição onde nadou costas, livres e bruços. No mesmo ano, nos campeonatos nacionais de infantis, o seu melhor resultado foi igualmente nos 100 costas com o 12º lugar.

No ano seguinte, voltou a ficar perto do pódio no zonal (5º lugar), mas desta vez nos 200 costas, e nos nacionais já melhorou um pouco as suas posições – fez 9º nos 100 costas e 10º nos 200.

Foi na categoria de juvenil-B que o seu nome começou a constar da lista de medalhados. Foi vice-campeão zonal das suas duas provas de eleição até então (100 e 200 costas), sofrendo posteriormente uma paragem que o impediu de participar no nacional de juvenis. No final do ano, no Open de Portugal, foi o segundo melhor juvenil-B na eliminatória.

Virando a época, na categoria de juvenil-A, João Machado continua com a sua trajectória ascendente. Foi nesta categoria que foi campeão zonal (nos 100 costas), sendo ainda medalhado de bronze nos 200 costas e 200 estilos, e foi também nesta categoria que alcançou o seu primeiro pódio nacional. Foi nos 200 costas no campeonato nacional de juvenis de categorias.

Em Julho do mesmo ano veio o primeiro título nacional. Assim como o título zonal, foi nos 100 costas, nos campeonatos nacionais de juvenis (escalão A+B). Ainda conseguiu o bronze nos 200 costas.

2015/2016 marca a sua entrada no escalão de juniores e marca também a introdução da prova de 400 metros estilos no seu menu de provas em campeonatos nacionais. Foi precisamente nessa prova que conseguiu a sua melhor posição nos campeonatos nacionais de Juniores (4º lugar), assim como nos campeonatos nacionais absolutos, onde venceu a final B.

Por esta altura já João Machado tinha deixado de ser um costista, dedicando-se às provas de fundo (400, 800 e 1500 livres) e estilos.

De degrau a degrau, o nadador piedense foi subindo na hierarquia da natação nacional e chegou a esta sua segunda época no escalão de juniores logo com o título dos 400 estilos em piscina curta e mais 3 vice-campeonatos.

Nos nacionais de juniores, em Coimbra, superou-se grandemente e conseguiu o mínimo para os Europeus, logo na eliminatória. 4:33.46, uma melhoria de mais de 4 segundos do seu record pessoal e ida para Israel garantida.

A sua progressão na prova que nadará em Israel foi a seguinte:

Fonte: Swimrankings

Antevisão

Como se percebe pelo historial do nadador da SFUAP, a sua evolução tem sido constante e nos últimos ano bastante acelerada. Na prova que nadará em Netanya já retirou praticamente 9 segundos este ano, depois de ter tirado 20 segundo o ano passado.

Por isso, melhorar o seu record pessoal deverá ser algo natural.

Com o seu melhor tempo, nos Europeus do ano passado seria 29º, mas nas duas edições anteriores ficaria no 19º, por isso antever objectivos de classificação não é fácil. Para João Machado será, certamente, melhorar o seu tempo e ver até onde chega.

IMG_3154.jpg?fit=1024%2C398&ssl=1
João BastosJaneiro 22, 201710min0

Decorreu no passado dia 21 de Janeiro o IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas”, uma organização do Clube de Natação de Torres Novas que este ano teve a parceria do Fair Play. A edição de 2017 foi pautada de um grande e equilibrado nível competitivo, cujo vencedor permaneceu indefinido até à última prova.

A cidade de Torres Novas acolheu no passado dia 21 de Janeiro, 264 nadadores, representantes de 17 diferentes clubes, provenientes de 5 diferentes Associações regionais de natação.

O IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas” teve até a particularidade de ser um dos poucos torneios disputados em Portugal continental que contou com a presença de uma equipa madeirense, a recentemente criada WOS Team.

No plano competitivo, esta foi uma das mais disputadas edições da Taça Torrejana, com quatro equipas sempre em disputa pelo primeiro lugar e com 10 dos 17 clubes presentes a vencerem provas individuais, o que baralhou as contas e conferiu ao Torneio um ambiente de emoção e indefinição que durou até ao cair do pano.

Foto: Clube de Natação de Torres Novas

Conheça os principais destaques da prova:

Algés conquista a Taça

O Sport Algés e Dafundo foi o grande vencedor do IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas” com 420 pontos. O Algés contou com a melhor equipa feminina em prova – e as quatro provas individuais que venceu foram, precisamente, no sector feminino – e com a quarta melhor equipa masculina.

Rafaela Azevedo nos 50 costas, Carolina Marcelino nos 100 mariposa, Anna Ferreira nos 50 mariposa e a estafeta 4×100 estilos (Rafaela Azevedo, Clara Pereira, Ana Branco e Sara Cruz) ocuparam o lugar mais alto do pódio, que teve ainda ocupação algesina noutras 9 ocasiões.

A prestação da equipa da linha na segunda sessão do Torneio foi determinante, já que o SAD estava no terceiro posto no final da manhã.

O Clube de Natação de Torres Novas esteve muito perto de conquistar o seu torneio pela primeira vez. Quedou-se pelo segundo lugar a escassos 12 pontos do Algés.

No sector masculino, o CNTN foi a equipa que conseguiu a amealhar mais pontos, tendo sido a quarta melhor equipa feminina.

Já em termos de vitórias individuais, o clube da casa conseguiu tantas como o clube vencedor (quatro), com Afonso Rosa em destaque ao subir ao lugar mais alto do pódio por 3 vezes (50 e 200 costas e integrando a estafeta masculina de 4×100 estilos conjuntamente com Miguel Frade, Marco Miguel e José Luz) e Carolina Neves a vencer os 100 livres.

Os nadadores de Torres Novas subiram ao pódio por mais 11 ocasiões.

Foto: Carolina Neves

O Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro fez os mesmos pontos do CNTN, mas pelo primeiro critério de desempate (número de primeiros lugares), o CIRL foi o terceiro classificado.

A equipa do Laranjeiro conseguiu três primeiros lugares individuais: Ricardo Pires nos 100 costas, Bruna Riesenberger nos 100 estilos e a estafeta feminina de 4×100 livres composta por Sofia Nunes, Catarina Belchior, Joana Varandas e Bruna Riesenberger.

Até na classificação parcial por sector, o CIRL teve pontuações próximas do CNTN. No sector masculino fez 214 pontos (o CNTN fez 218) e no sector feminino marcou 194 pontos (“contra” os 190 do CNTN), perfazendo os 408 pontos finais.

Para além dos três primeiros lugares, foram 9 os pódios obtidos pelos nadadores do Laranjeiro.

Pódio final | Fonte: Clube de Natação de Torres Novas

As restantes equipas classificaram-se da seguinte forma:

4. SFUAP;
5. Bairro dos Anjos;
6. Académica de Coimbra;
7. Natação do Tejo;
8. Estrelas de S. João de Brito;
9. Pimpões;
10. Naval Amorense;
11. Náutico da Marinha Grande;
12. A ONDA;
13. Gualdim Pais;
14. CLAC;
15. WOS Team;
16. Náutico de Abrantes;
17. Industrial Vieirense.

João Santos e Eva Carvalho levam a classificação dos pontos

A União Piedense pode ter ficado com o amargo 4º lugar geral final, mas os seus nadadores “desforraram-se” conseguindo para a equipa da Cova da Piedade as melhores classificações FINA, que davam direito a troféu.

No sector masculino, João Carlos Santos conseguiu 642 pontos com a sua prestação dos 200 livres. O tempo final na prova foi de 1:55.18 com os impressionantes parciais de 56.69/58.49.

O nadador da SFUAP superiorizou-se a Frederico Riachos do Estrelas de S. João de Brito que obteve 621 correspondentes ao tempo de 23.74 nos 50 livres e a Nuno Martins, também do Estrelas que nadou os 100 metros mariposa no tempo de 57.04, que lhe valeram 612 pontos e o terceiro lugar do pódio.

Pódio Pontuação FINA masculinos | Foto: Clube de Natação de Torres Novas

Em femininos foi Eva Carvalho, também da SFUAP e também na prova de 200 metros livres, que arrebatou o troféu dos pontos. O seu novo record pessoal – e que ficou estabelecido como novo record do Torneio – de 2:09.34 valeram-lhe 628 pontos na tabela FINA e o primeiro lugar nesta classificação no Torneio Taça Cidade de Torres Novas.

A prova de 200 livres femininos, de resto, foi a que teve o índice técnico mais elevado. A segunda nadadora mais pontuada foi também a segunda classificada desta distância com 619 pontos. Foi a nadadora da casa, Carolina Neves, que nadou no tempo de 2:09.98.

A fechar o pódio ficou a nadadora do Estrelas de São João de Brito, Catarina Sequeira, com a sua vitória na prova de 50 bruços, nadados em 33.92, correspondentes a 612 pontos.

Pódio Pontuação FINA femininos | Foto: Clube de Natação de Torres Novas

Afonso Rosa e Rafaela Azevedo foram os mais medalhados

Como já referimos, o nadador júnior do Clube de Natação de Torres Novas, Afonso Rosa, conquistou três medalhas de ouro – nos 50 e 200 costas e na estafeta 4×100 estilos.

Mas não ficou por aí. Amealhou mais uma prata – nos 100 metros costas – e dois bronzes – 50 mariposa e estafeta 4×100 livres.

O outro nadador que conseguiu três primeiros lugares foi António Carriço, do Clube Desportivo Estrelas de São João de Brito, que sempre que nadou, venceu. 50 metros bruços, 200 metros bruços e 100 metros estilos foram as provas conquistadas pelo nadador do Estrelas.

No sector feminino, a primeira do medalheiro foi a atleta juvenil do Sport Algés e Dafundo, Rafaela Azevedo. Venceu os 50 costas e a estafeta 4×100 estilos, foi segunda classificada na prova de 100 metros livres e terceira na estafeta 4×100 metros livres. Uma boa prenda de anos para atleta que estava a comemorar o seu 15º aniversário no dia da competição.

Mas a nadadora que mais medalhas levou para casa foi Bruna Riesenberger, do Laranjeiro. Venceu o mesmo número de provas que Rafaela (100 estilos e os 4×100 livres), mas conseguiu 5 medalhas no total, com os seus três terceiros lugares nas provas de 50 e 200 bruços e estafeta de 4×100 estilos (onde nadou o percurso de bruços).

Foto: Carolina Neves

7 novos recordes da Taça

A edição de 2017 da Taça Cidade de Torres Novas foi uma das mais competitivas de sempre. Prova disso são os 7 novos recordes da competição estabelecidos no dia 21 de Janeiro.

Para além disso, foram 7 recordes, da responsabilidade de 7 diferentes nadadores, representantes de 7 diferentes clubes, algo inédito na história do troféu. Nem na primeira edição tal se verificou, uma vez que as 24 provas em disputa nesse ano, apenas tiveram 6 diferentes equipas a vencê-las.

Nem mesmo na edição de 2009, que continua a ser a edição que mais recordes preserva (17), mas na qual os mesmos nadadores estabeleceram vários recordes, não havendo uma diversidade tão grande em termos de equipas e de nadadores recordistas como este ano.

Os sete novos recordes da Taça obtidos em 2017 são sintomáticos de que o nível médio da prova esteve bastante elevado e equilibrado entre todas as equipas.

Os novos recordistas são:

  • Afonso Rosa, CNTN: 50 costas – 27.53;
  • António Carriço, ESJB: 200 bruços – 2:25.36;
  • Beatriz Pereira, ANAM: 100 costas – 1:06.80;
  • Bruna Simões, DNMG: 200 mariposa – 2:24.23;
  • CIRL: 4×100 livres femininos – 4:07.46;
  • Eva Carvalho, SFUAP: 200 livres – 2:09.34;
  • Rafaela Azevedo, SAD: 50 costas – 30.23;

Confira a lista completa dos recordes da Taça torrejana:

Fonte: FairPlay

Uma organização de sucesso

Criada em 2007, por ocasião da remodelação das Piscinas Municipais Fernando Cunha, o Torneio de Natação “Taça Cidade de Torres Novas” é hoje uma competição de referência no calendário de competições nacionais.

Inserida numa altura da época competitiva em que os clubes preparam a abordagem às competições em piscina longa e em que existem vários outros torneios pelo país fora, a organização levada a cabo pelo Clube de Natação de Torres Novas tem conseguido, ainda assim, atrair os melhores clubes e nadadores de nível nacional, ano após ano.

A 9ª edição da Taça constituiu uma consolidação do estatuto da competição no panorama nacional ao ter a participação record de 17 clubes.

Para este sucesso organizativo, também contribui indelevelmente a co-organização da Associação de Natação do Distrito de Santarém e o apoio da Câmara Municipal de Torres Novas.

Uma organização à qual o Fair Play se orgulha de se ter associado. (Re)leia os artigos de lançamento e antevisão do Torneio publicados no Fair Play.

Para o ano será a 10ª edição e, certamente, podemos esperar uma forte aposta do CNTN em assinalar de forma especial esse marco no historial de uma competição que já é de referência no contexto da natação nacional.

Rui Simões, Dirigente CNTN e João Loureiro, Presidente ANDS | Foto: Clube de Natação de Torres Novas
CNTN-Team.jpg?fit=960%2C716&ssl=1
João BastosJaneiro 19, 201712min0

Depois do lançamento do IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas”, o Fair Play apresenta os protagonistas. Conheça os 17 clubes que disputarão a Taça Torrejana e o prognóstico do Fair Play sobre os seus principais argumentos para a conquistar

Antes dos nadadores subirem ao bloco, conheça melhor os clubes e o perfil das equipas que estarão no próximo dia 21 de Janeiro a disputar a 9ª edição da Taça Cidade de Torres Novas.

Recordamos que este é um evento com o apoio do Fair Play. Saiba mais sobre o Torneio que decorre já este sábado na cidade ribatejana: https://goo.gl/oaPtSZ

Clube de Natação de Torres Novas

A equipa da casa tem nesta edição do seu torneio uma grande hipótese de garantir que o troféu fica em casa pela primeira vez. Numa época em que sobe de divisão com ambas as equipas (masculina e feminina), vencer o seu torneio seria uma apetitosa cereja em cima de um bolo, já de si, bastante saboroso.

O clube torrejano tem várias provas onde poderá vir a alcançar o lugar mais alto do pódio individual, com particular destaque para Afonso Rosa (50, 100 e 200 costas), Carolina Neves (100 e 200 livres) e as estafetas de 4×100 livres de ambos os géneros que surgem com o melhor tempo da start list.

Recorde a entrevista do Professor Pascoal Mendes, treinador principal do CNTN

Conheça melhor o CNTN aqui.

Fonte: Facebook Clube Natação Torres Novas

Sociedade Filarmónica União Artística Piedense

A SFUAP é outra das equipas candidatas à vitória final. Terá, certamente, muitos pódios e vitórias individuais, sobretudo nas provas masculinas onde aparenta ter os argumentos mais fortes para chegar à vitória final.

João Santos nos 200 livres e a estafeta masculina de 4×100 estilos partem na pole position mas há várias outras provas onde os nadadores da Cova da Piedade têm reais hipóteses de bater na parede primeiro lugar.

Conheça melhor a SFUAP aqui.

Fonte: Facebook SFUAP – Nadadores

Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro

O Laranjeiro é a terceira equipa que destacamos das quatro que consideramos que partem no primeiro patamar de favoritos à conquista da Taça Cidade de Torres Novas.

Rui Horta, nos 100 bruços, é o único nadador do CIRL com o melhor tempo da start list, mas são vários os pódios ao alcance dos nadadores e nadadoras do Laranjeiro.

Recorde a entrevista ao Fair Play dos nadadores Ricardo Pires e Ricardo Estevens que estarão em acção na Piscina de Torres Novas.

Conheça melhor o CIRL aqui.

Fonte: cirlaranjeiro-voleibol.blogspot.pt/

Sport Algés e Dafundo

É, actualmente, a equipa com maiores pergaminhos das presentes em prova. Campeão nacional da 1ª divisão feminina e campeão nacional da 2ª divisão masculina. Mesmo não trazendo todo o seu “arsenal”, o Algés apresenta uma equipa jovem mas de grande qualidade.

A juvenil-A Rafaela Azevedo lidera o line-up dos 50 metros costas e o Algés vê ainda a possibilidade de pódios individuais em mais uma dezena de provas.

Conheça melhor o SAD aqui.

Fonte: ammamagazine.com

Associação Académica de Coimbra

Incluímos a Briosa numa segunda linha de candidatos, mas não pode ser considerada uma surpresa se a Taça for parar a uma vitrina em Coimbra. Principalmente tendo em consideração que a Académica apresenta um dos mais fortes elencos no sector feminino.

Ana Carolina Neves e Matilde Moreira certamente contribuirão com muitos pontos, mas os argumentos dos coimbrões vão muito para além das duas nadadoras juniores.

Conheça melhor o AAC (secção de natação) aqui.

Associação Desportiva, Cultural e Recreativa do Bairro dos Anjos/Bomcar

O clube leiriense apresenta uma equipa bastante equilibrada entre os sectores masculino e feminino. De tal forma, que se a classificação final correspondesse exactamente às posições da start list o Bairro dos Anjos faria os mesmos pontos em masculinos e femininos.

O equilíbrio é tão grande que as provas onde, previsivelmente, o Bairro dos Anjos terá maiores hipóteses de vitória são as provas de mariposa, quer no sector masculino (por Tiago Santos), quer no sector feminino (por Sara Peca).

Conheça melhor o ADBA aqui.

Fonte: Facebook Bairro dos Anjos

Clube de Natação do Tejo

Já o clube de Vila Nova da Barquinha joga os seus maiores trunfos com as suas nadadoras, nomeadamente com Rute Leonardo e Mafalda Marques.

As provas de livres, bruços e estilos no sector feminino vão, com certeza, garantir muitos pontos à equipa do CNTejo.

Conheça melhor o CNTejo aqui.

Fonte: Facebook Clube de Natação do Tejo

 

Sociedade Filarmónica Gualdim Pais

O júnior Bernardo Dionísio já se mostrou a grande nível esta época, por isso contém com ele para disputar as quatro provas em que está inscrito.

Do lado feminino não há nenhuma nadadora tão proeminente como no sector masculino mas a equipa é mais homogénea com Lea Mendes e Catarina Trezentos a terem boas hipóteses de alcançar o pódio nas suas provas.

Conheça melhor a SFGP aqui.

Fonte: Facebook Sociedade Filarmónica Gualdim Pais – Natação

Estrelas de São João de Brito

O Estrelas é apenas a 9ª equipa que apresentamos porque não leva a Torres Novas a constelação toda.

De resto, o clube de Alvalade só inscreveu nadadores em 16 das 30 provas, mas conseguirá uma classificação a meio da tabela, sem grandes sobressaltos. É que praticamente em todas as provas que os nadadores do ESJB nadam, têm reais possibilidades de as ganhar.

Destaque para Frederico Riachos, António Carriço, Nuno Martins, Nuno Rola e Catarina Sequeira que juntos garantem ao Estrelas 9 melhores tempos na start list.

Conheça melhor o ESJB aqui.

Fonte: estrelas-sjb.pt

Clube de Lazer, Aventura e Competição

O CLAC – Entroncamento tem nos juniores Ricardo Leal e Rui Lopes as suas principais armas para garantir uma posição no top-10, ou até algo mais.

Uma equipa que concilia a experiência com a juventude, pode surpreender pelas fortes melhorias de tempos que os seus nadadores mais jovens podem realizar, traduzindo-se em melhores classificações face à start list.

Conheça melhor o CLAC aqui.

Fonte: clac.pt

Associação Naval Amorense

Um equipa que se apresentará muito desfalcada, sobretudo no sector masculino e que por isso não deverá alcançar posições mais cimeiras.

Individualmente poderemos contar com grandes prestações dos nadadores da margem sul, com especial destaque para Beatriz Pereira, Tatiana Pombo e Gonçalo Ferrão, mas a ausência de nadadores amorenses em 11 provas criará a clivagem entre as classificações individuais e a classificação final.

Conheça melhor a ANAM aqui.

Fonte: navalamorense-natacao.blogspot.pt/

Sociedade de Instrução e Recreio Os Pimpões/Cimai

Mais uma equipa que aproveita a Taça Cidade de Torres Novas para dar rodagem aos seus nadadores mais jovens.

Com uma equipa masculina ligeiramente mais forte que a equipa feminina, os destaques da equipa caldense deverão ser os juniores Sebastião Gomes e João Santana.

Conheça melhor Os Pimpões aqui.

Fonte: Facebook Pimpões

Associação Orientadora para a Natação Desportiva em Azeitão

É das equipas com a idade média mais baixa (14,6 anos), sobretudo no sector feminino onde se apresenta com 4 infantis e uma juvenil-B.

Por isso, onde terá maiores aspirações a boas classificações (pódios, inclusivé) é no sector masculino. A melhor posição d’A ONDA é nos 50 mariposa masculinos onde Rúben Leitão surge com o 5º melhor tempo da lista de entrada.

Conheça melhor A ONDA aqui.

Fonte: Facebook A Onda Azeitão

Desportivo Náutico da Marinha Grande

Na sua máxima força, o DNMG seria um grande favorito a conquistar a Taça, sobretudo porque a equipa feminina do Náutico é uma das melhores do país e já esta época ficou a escassos 3 pontos da primeira divisão.

Dessa equipa, apenas Bruna Simões competirá nas Piscinas Municipais Fernando Cunha e poder-se-á esperar dela a luta pela vitória nas suas provas.

Conheça melhor o DNMG aqui.

Fonte: Facebook Dnmg competição

Clube Desportivo WOS Team

É a equipa menos representada em competição. Traz apenas 4 nadadoras, o que se compreende, visto ser a equipa que realizará a viagem mais longa. Virá da ilha da Madeira até Torres Novas.

Apesar de “curta”, será uma equipa muito notada. Tem o melhor tempo da start list em quatro provas, por intermédio de Laura Abreu e Beatriz Rosa.

O clube da World Of Sports pode não voltar à Madeira com a Taça, mas de certo que as suas nadadoras voltarão com muitas medalhas.

Conheça melhor o CDWT aqui.

Fonte: Facebook WOS Team

Industrial Desportivo Vieirense

O clube de Vieira de Leiria em termos colectivos não deverá ter grandes aspirações, mas atenção aos nadadores Sandro Francisco e Sérgio Lamande que deverão baralhar as contas às equipas que lutam pela Taça.

Para os nadadores mais jovens, será certamente uma excelente experiência competitiva.

Conheça melhor a IDV aqui.

Fonte: futeboldistritaldeleiria.pt

Clube de Natação de Abrantes

Um clube em reestruturação que nos últimos anos viu sair vários nadadores e o treinador (actualmente no IDV). Passo a passo voltará a tentar percorrer o percurso que já deu a Abrantes vários campeões nacionais.

O IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas” será certamente um importante passo para os jovens do CNAB dado nesse sentido. Individualmente, Beatriz Moura surge com a melhor posição na start list aos 100 estilos com o seu 9º lugar de entrada.

Conheça melhor o CNAB aqui.

Fonte: Facebook Clube Náutico de Abrantes

E estão apresentadas as 17 equipas que vão estar em Torres Novas no dia 21 de Janeiro a disputar o IX Torneio “Taça Cidade de Torres Novas”. Os prognósticos do Fair Play estão feitos, agora é esperar pelo tiro de partida e assistir ao espectáculo único da natação!

Siga a par e passo todos os desenvolvimentos da competição através do Facebook e Twitter do Fair Play, durante todo o dia de sábado.

Veja também a start list do Torneio.

SCP.jpg?fit=960%2C640&ssl=1
João BastosDezembro 20, 201612min1

Os Campeonatos Nacionais da 1ª e 2ª divisão tiveram lugar a 17 e 18 de Dezembro na piscina olímpica da Póvoa de Varzim. O filme da 1ª divisão masculina foi um remake das últimas 5 edições. Já na feminina, o filme foi inédito

1ª Divisão Masculina

Ao contrário da 2ª divisão, começamos a análise pelo sector masculino, onde o Sporting venceu pela 6ª vez consecutiva.

Apesar de ter sido a vantagem pontualmente mais folgada, o rival Benfica ainda “bateu o pé” numa fase inicial da competição.

Sporting é hexa!

Foto: Luís Filipe Nunes

A equipa masculina do Sporting ascendeu à primeira divisão em 2010 e, a partir daí, nunca conheceu outro lugar que não o primeiro.

São seis anos a vencer, de uma geração que marcará indelevelmente a História da natação verde e branca.

Dos seis títulos, este foi aquele conquistado com maior margem, das 19 provas venceu 12. Conquistou 89% dos pontos em discussão e apenas ficou de fora do top 3 em uma prova.

O reforço Francisco Santos esteve em evidência ao vencer as três provas de costas. O internacional por Moçambique, Igor Mogne, também venceu as suas três provas (50, 100 livres e 50 mariposa).

Alexis Santos venceu os 200 livres e os 200 estilos, mas foi superado por Miguel Nascimento nos 100 mariposa.

Guilherme Pina venceu os 1500 livres e João Vital os 400 estilos, juntando o segundo lugar aos 200 mariposa.

Guilherme Dias, António Mendes e Miguel Cruchinho ficaram cada um com um terceiro lugar.

Nas estafetas, a turma de Alvalade venceu os 4×200 livres (onde participaram Mário Bonança e Pedro Pinotes) e os 4×100 estilos. Nos 4×100 livres ficou no 2º posto.

O Sporting totalizou 152 pontos.

Houve derby

Foto: FPN

Após a subida da época transacta, o Benfica veio disputar o título da primeira divisão com o rival Sporting.

Os reforços Miguel Nascimento e Rafael Gil vieram dar argumentos a uma equipa já bastante apetrechada.

Nascimento “levou” as provas dos 100 e 200 mariposa, e ficou no segundo lugar nos 200 estilos. Gil venceu os 400 livres, ficou com o segundo lugar nos 1500 livres e com o terceiro nos 400 estilos.

O brucista Guilherme Teixeira chegou em primeiro na prova dos 50 bruços e em terceiro nos 100 bruços.

O Benfica teve um bom desempenho nas provas de 50 metros: ficou em segundo nos 50 livres por João Santos e nos 50 mariposa por Luiz Pereira e em terceiro nos 50 costas, também por Luiz Pereira.

Nas estafetas, o SLB venceu a que o Sporting ficou em segundo (4×100 livres) e ficou em segundo nas que o Sporting venceu (4×200 livres e 4×100 estilos).

A equipa da Luz totalizou 126 pontos.

Nadaram ainda João Correia, Martim Alves e André Farinha.

Novos galácticos conservam o pódio

O Estrelas de São João de Brito tem sido o principal “challenger” do Sporting nos últimos dois anos, perdendo o título por apenas 4 e 5 pontos, respectivamente nas últimas duas edições dos CNC da 1ª divisão.

Este ano, o ESJB teve de se reestruturar com o final de carreira de Pedro Oliveira, as saídas de Miguel Nascimento e Artiom Poliakov e com as entradas de Frederico Riachos e António Carriço.

E os reforços deram boa conta de si. Carriço venceu os 100 bruços e ficou em 2º nos 200 bruços. Riachos ficou em terceiro nos 50 livres.

De entre os “veteranos” foi Diogo Sousa a destacar-se com o 2º lugar dos 50 costas e o 3º dos 100 costas.

A estafeta de 4×100 estilos composta por Diogo Sousa, António Carriço, João Gigante e Frederico Riachos ficou com o terceiro lugar.

Nadaram também pelos Estrelas os nadadores Hugo Ribeiro, Jaime Correia e Nuno Martins.

Manutenção de diferentes perspectivas

Para os menos familiarizados com o formato da 1ª divisão, participam 8 clubes. Uma vez que os dois últimos descem de divisão e que já falamos da carreira dos três primeiros, no capítulo da manutenção vamos falar dos três clubes restantes: Náutico de Coimbra (CNAC), União Piedense e Futebol Clube do Porto.

O CNAC teve uns campeonatos bastante tranquilos. Sob a batuta de Tomás Veloso e Mário Pereira, a orquestra do Prof. Marques Pereira tocou afinada para o 4º lugar final com 75 pontos.

A União Piedense foi a equipa mais regular em prova (excluindo o Sporting) classificando-se em mais de metade das provas entre o 4º e o 7º lugar, acabando no 5º lugar final com 72 pontos.

O FCPorto passou por uns calafrios que, provavelmente, não contava passar. A única equipa masculina que participou em todas as edições destes campeonatos, esteve até à penúltima prova abaixo da linha de água mas “salvou-se no gongo”, ficando no 6º lugar com 68 pontos.

Famalicão e Monte Maior descem à 2ª

O Colégio de Monte Maior e o GDNVNFamalicão não conseguiram a permanência no escalão maior da natação portuguesa.

Noutros tempos, uma equipa com Luís Vaz, Adriano Niz e Jorge Maia seria candidata ao título, mas só Niz nadou próximo do que tem feito nesta sua fase da carreira. O Famalicão ficou em 8º e último lugar com 60 pontos.

Já o CIMM lutou “taco a taco” com o FCP pela permanência na 1ª divisão, mas acabou por não resistir à ponta final mais forte dos portistas. Foi 7º com 65 pontos.

Recordes dos campeonatos

O FairPlay fez o levantamento das melhores marcas de sempre feitas nos CNC da 1ª divisão. Convém esclarecer vários pontos:

  • O formato de nacionais em piscina olímpica disputava-se até 2003 e depois só voltou em 2014, sendo que durante 11 anos foram nadados em piscina curta;
  • A análise ficou limitada aos anos posteriores a 2002, uma vez que não estão disponibilizados resultados anteriores;
  • Em 2015 foram disputados dois campeonatos: em Abril, em Oeiras, relativo à época 2014/2015 e em Dezembro em Coimbra, respeitante à época 2015/2016.
Fonte: FairPlay

* Tempo feito na abertura da estafeta 4×100 estilos

Em termos de marcas, este não foi a edição mais profícua.

Registou-se apenas um novo máximo por Guilherme Pina (SCP) nos 1500 livres, apagando o tempo do seu, agora, colega João Vital do ano passado.

É de salientar a presença de dois recordes que datam do ano de 2003 de Pedro Silva (SAD) aos 50 livres e Simão Morgado (CNA) aos 100 mariposa. Tendo em conta a brutal evolução que a natação tem sofrido é notável que estes dois recordes se mantenham há 11 anos, revelador da grande valia dos dois nadadores.

1ª Divisão Feminina

Quebrou-se a invencibilidade de uma das equipas mais vitoriosas do desporto nacional. O FCPorto ia tentar chegar aos 9 títulos consecutivos, 17 no total da sua História, mas foi a equipa do Algés que levou o ceptro

O fim de uma era. O início de outra?

Foto: Luís Filipe Nunes

O Sport Algés e Dafundo já venceu a 1ª divisão feminina em três ocasiões. Mas a última foi há 21 anos, com uma equipa que contava com Ana Barros e Petra Chaves (duas das melhores costistas de sempre da natação nacional). Por sinal, o SAD volta a ser campeão com outro naipe de excelentes executantes de costas.

O FairPlay avisou que as algesinas iam ameaçar a hegemonia do FCP e assim foi. 143 pontos (24 a mais que as portistas) deram o título às senhoras do Algés.

Rita Frischknecht e Raquel Pereira confirmaram as excelentes indicações que já tinham dado uma semana antes, nos Campeonatos Nacionais de Juniores e Seniores e venceram três provas, cada uma.

Rita venceu os 100 e 200 livres e os 200 costas. Raquel venceu os 100 e 200 bruços e 200 estilos (nos 100 bruços e 200 estilos com recordes dos campeonatos). As irmãs Azevedo também conseguiram uma vitória cada: Francisca nos 200 costas e Madalena nos 400 estilos.

As algesinas ainda venceram as 3 estafetas (todas compostas pelas 4 nadadoras já referidas).

Bárbara Barata ainda juntou um 2º lugar nos 50 bruços e um 3º nos 200 mariposa e a mais nova das Azevedo, Rafaela Azevedo, foi 3ª nos 50 costas.

Octocampeãs não resistiram às perdas

Foto: Luís Filipe Nunes

O FCP partia para estes campeonatos com as ambições intactas, mas com um forte revés: Diana Durães mudou-se para o Benfica, Adriana Castro para o Aquático Pacense e Marta Abreu não nadou este ano.

Ainda assim, as portistas contavam com a “eterna” Sara Oliveira, que continua a ser intocável nos 50 e 100 mariposa (conheceu pela primeira vez numa prova nacional o sabor do 4º lugar nos 200 mariposa).

Paula Oliveira também esteve em destaque ao vencer os 50 bruços, sendo segunda nos 100 e 200 bruços. Maria Teresa Amorim já tinha tido uns nacionais de piscina curta muito positivos e voltou a estar bem, vencendo os 400 livres e ficando em 2º lugar nos 200 e 800 livres.

Rosa Oliveira foi 3ª nos 50 livres e Ana Rita Faria nos 100. Nas estafetas de 100 metros o FCP foi 2º, enquanto na de 200 foi 3º.

Nadaram ainda as juniores Maria Cabral e Isabel Pego e as juvenis Mariana Barbosa e Ana Rita Ramos.

O FCP é, assim, vice-campeão com 119 pontos.

No pódio com o 2º lugar à vista

Durante a competição, mais do que disputar o título com o Algés, o FCPorto teve de se preocupar com a oposição do Sporting que ficou no lugar mais baixo do pódio mas com uma diferença de apenas 5 pontos (114).

Com o título masculino e o pódio feminino, o Sporting teve uns campeonatos perto da perfeição.

Beatriz Ranito (nos 800 livres) e Carolina Guedes (nos 200 mariposa) deram as únicas vitórias ao Sporting, que teve muitos lugares no top-3.

Beatriz ainda fez 2º lugar nos 400 livres, e a sua irmã Raquel, 3º nos 400 estilos.

Inês Fernandes, outra nadadora que esteve em destaque nos nacionais de curta, foi 2ª classificada nas suas três provas – 50 e 100 costas e 100 mariposa. Mafalda Beleza foi 3ª nos 200 livres, assim como Sofia Dionísio nos 50 e 100 bruços.

Nas estafetas, o Sporting fez #2 (4×200 livres) e #3 (4×100 livres e 4×100 estilos).

Nadaram também pelas sportinguistas: Maria Belo e Maria Monge.

De Tavira a Vila Real, passando pela Cova da Piedade

O Tavira Natação Clube estreou-se na 1ª divisão e deu muito boa conta de si! O objectivo era a manutenção, mas essa nunca esteve em causa. A recordista nacional Beatriz Viegas e a italiana Giulia D’Innocenzo lideraram a equipa até ao 4º lugar com 83 pontos.

A equipa feminina da SFUAP já foi muitas vezes apontada à descida, mas já que as previsões nunca se concretizaram, ninguém arrisca apostar contra ela.

À semelhança do naipe masculino, as nadadoras da União Piedense obtiveram classificações muito homogéneas e imitaram os homens ficando no 5º lugar final, com 69 pontos.

O Ginásio Clube de Vila Real, liderado pelas recordistas nacionais Ana Leite e Ana Guedes (mas este ano sem Joana Pinto), teve um campeonato com altos e baixos em termos de classificações. O que importa é o 6º lugar final, com 65 pontos.

EDV e Galitos irão competir na 2ª

À Escola Desportiva de Viana calhou o cenário mais desolador de todas as equipas presentes nos CNC da 1ª e 2ª divisão: descer da 1ª para a 2ª divisão por apenas um ponto é duro golpe. 7º lugar e 64 pontos para a equipa de Viana do Castelo.

A equipa do Galitos de Aveiro segue a equipa da EDV para a 2ª divisão, um ano depois de ter ascendido ao escalão máximo. Quedou-se pelo oitavo lugar com 45 pontos.

Recordes dos campeonatos

Fonte: FairPlay

Raquel Pereira foi a única a inscrever o seu nome na lista de melhores marcas, este ano. A júnior do Algés melhorou o record dos campeonatos aos 100 bruços e 200 estilos.

Assim como em masculinos, esta esteve longe de ser a edição mais forte ao nível das marcas obtidas. Nesse capítulo, claro destaque para a edição da época 2014/2015 em Oeiras.

No sector feminino, só o record de Ana Rita Santos (CFB) perdura há mais de 13 anos.

Veja também a análise à 2ª divisão.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS