26 Mai, 2018

Os 10 melhores clubes formadores em Portugal

João BastosOutubro 3, 201712min0

Os 10 melhores clubes formadores em Portugal

João BastosOutubro 3, 201712min0
Depois de analisada a classificação do rendimento da Taça de Portugal em natação, o Fair Play atenta agora no critério da formação.

Com a divulgação do ranking da Taça de Portugal, o Fair Play faz uma análise aos 10 melhores clubes em 2016/2017, na classificação da formação


Talvez o título seja demasiado literal para o que se pretende com este artigo. Depois de darmos uma olhadela aos 10 melhores classificados na Taça de Portugal – Rendimento, vamos destacar os 10 clubes melhor classificados no critério “formação” da Taça de Portugal de natação.

Foram eles:

  1. Futebol Clube do Porto: 1233 pontos:
  2. Sport Algés e Dafundo: 1041 pontos:
  3. Sporting Clube de Portugal: 1023 pontos;
  4. Colégio Integrado Monte Maior: 968 pontos;
  5. Clube Galitos de Aveiro: 963 pontos;
  6. Sociedade Filarmónica União Artística Piedense: 895 pontos;
  7. Clube Náutico Académico de Coimbra: 878 pontos;
  8. Grupo Desportivo de Natação de Vila Nova de Famalicão: 589 pontos;
  9. Desportivo Náutico da Marinha Grande: 539 pontos;
  10. Associação Desportiva Bairro dos Anjos: 522 pontos.

Para esta classificação apenas pontuam nadadores infantis e juvenis.

Antes de analisarmos individualmente o desempenho de cada equipa, há algumas observações que podemos fazer: se no critério rendimento já tínhamos observado que nos últimos cinco anos Sporting, Porto e Algés têm sido as três principais equipas no panorama da natação nacional, a julgar pelo desempenho dos mais jovens, essa tendência será para continuar.

No que respeita à relação formação-rendimento, nota-se que apenas 5 equipas conseguem estar nos 10 primeiros lugares de ambos os rankings. Para além das três equipas já citadas, também o Galitos e a SFUAP estão entre as 10 melhores equipas quer no rendimento, quer na formação.

Ao contrário do que seria expectável – já que este ranking está mais exposto a circunstâncias geracionais – o top-10 da formação é mais estável do que o do rendimento. No conjunto das 4 épocas de existência deste ranking, apenas 14 equipas figuraram no top-10, ao passo que no rendimento, no mesmo período, foram 19 as equipas que estiveram pelo menos uma vez no top-10.

Do ano passado para este, de registar as ausências do Sporting Clube de Braga (que tinha sido 2º na época passada) e do Clube Aquático Pacense (que 7º em 2015/2016).

Quais foram os melhores clubes a formar nadadores nos últimos 4 anos?

Como já referido, não tem havido muita alternância no que respeita aos melhores clubes formadores do país. Desde que em 2013/2014 foi instituída a Taça de Portugal – formação que 6 clubes surgem sempre no top-10. A progressão dos 10 melhores clubes de 2016/2017 ao longo dos últimos 4 anos foi a seguinte:

Fonte: FPN

1. Porto

Os responsáveis pela natação portista deverão estar a ver o copo meio cheio. Por um lado, no critério do rendimento, obtiveram a pior classificação de sempre (6º), por outro, pela primeira vez o FCP foi o vencedor da Taça de Portugal na categoria de formação.

Será sinónimo que é no viveiro do Porto que reside a aposta para que os azuis e brancos voltem a aumentar o nível nos escalões mais adiantados.

Nadadores como os juvenis Pedro Santos, Mariana Barbosa, Maria Carolina Costa e Ana Rita Ramos ou os infantis Filipa Preto, Catarina Soares e Duarte Castro estiveram em destaque este ano, sendo os “porta-estandartes” de uma geração portista de juvenis e infantis forte em quantidade e qualidade, sobretudo na categoria juvenil-A, pelo que na época que agora inicia, o FCP já apresentará mais argumentos para melhorar o seu 6º lugar no rendimento.

2. Algés

Segundo no rendimento e segundo na formação. O Algés apresenta uma qualidade bastante homogénea em toda a sua equipa, desde os infantis aos seniores.

Porém, ao contrário da classificação do rendimento, a qual o Algés nunca venceu, na formação o clube algesino é o maior vencedor ao ter levado para casa a Taça em duas edições: em 2013/2014 e em 2015/2016. Em 2014/2015 foi mesmo o pior ano da formação do SAD ao quedar-se pelo 4º lugar.

Para o resultado deste ano, os maiores contribuintes foram os juvenis Rafaela Azevedo, Clara Pereira, Sara Cruz e Ricardo Ferreira e os infantis Maria Pereira, Ricardo Novikov, João Rebelo e Leonor Morganho.

3. Sporting

Pelo segundo ano consecutivo, o Sporting levou o terceiro lugar na formação, o que é curioso já que no rendimento o Sporting também repetiu a posição da época transacta, mas nesse caso o 1º lugar.

Os sportinguistas já venceram esta classificação em 2014/2015, depois de em 2013/2014 terem sido 4ºs classificados. Mais uma nota curiosa, é que neste ranking a equipa vencedora foi sempre 4ª classificada no ano anterior. O FCP que ganhou este ano foi 4º em 2015/2016 e o Algés que venceu em 2015/2016 foi 4º em 2014/2015. Um bom presságio para o Colégio Monte Maior (que ficou em 4º nesta época).

Tendo em conta os nadadores que mais contribuíram para esta prestação do Sporting, o clube de Alvalade pode ser encarado como grande candidato a vencer esta classificação em 2017/2018, isto porque não vieram dos juvenis-A a maior parte dos pontos ao contrário de FCP e SAD.

José Pereira, Vicente Gomes, Martim Malfeito, Maria Belo, Leonor Fernandes e Filipa Peixeira nos juvenis e Salvador Gordo, Ana Beatriz Simões e Érica Reis nos infantis foram os maiores contribuintes para a prestação da equipa.

4. Colégio Monte Maior

O CIMM vinha em quebra há três anos consecutivos, até que esta época conseguiu a sua melhor classificação na Taça de Portugal – Formação. A equipa de Loures foi 7ª na época 2013/2014, baixou para 11ª em 2014/2015 e foi 13ª em 2015/2016.

Este ano conseguiu evoluir na medida em que os seus nadadores juvenis-A também evoluíram. Na próxima época deverá ser difícil manter esta posição, mas os objectivos na Taça de Portugal já deverão passar por um top-10 no rendimento.

Com nadadores como Diogo Cardoso, Francisca Mesquita e Mariana Mendes (todos juvenis-A) a tarefa é bem possível. Para este 4º lugar também o juvenil-B Diogo Costa contribuiu com bastantes pontos.

5. Galitos de Aveiro

O clube aveirense é um dos que sempre esteve no top-10 da Taça da Formação e, tendo em conta a forma como o tem conseguido, deverá continuar a figurar nesta lista durante muitos mais anos. É que nos anteriores teve uma protagonista, de seu nome Joana Amador, que foi responsável por uma boa parte dos pontos da equipa e, no ano em que a nadadora sobe ao escalão de júnior, o CGA encontra Carolina Fernandes, a nadadora que mais pontos para a Taça fez no país inteiro.

A acrescentar à talentosa jovem nadadora do Galitos, houve ainda os juvenis Duarte Jorge e Nuno Rainho a fazerem também muitos pontos e os infantis João Antunes, Maria Almeida, Carolina Falcão e Joana Costa.

6. União Piedense

A SFUAP foi 4ª na classificação do rendimento e 6ª na classificação da formação. Em ambos os rankings conseguiu a sua melhor classificação de sempre, no caso da formação em igualdade com a época 2013/2014.

O clube de Almada tem conseguido manter a regularidade no que respeita às classificações no índice da formação na Taça de Portugal, ao ter sido 8º nas épocas 2014/2015 e 2015/2016.

Este ano foram os juvenis que mais contribuíram com pontos para a classificação final com Rafael Aires, David Cristino, Letícia André e Tiago Camões em destaque. Nos infantis foi Isadora André e Tomás Gomes os nadadores que mais pontos garantiram à SFUAP.

7. Náutico de Coimbra

Foi a melhor classificação de sempre na formação para o clube coimbrão, contrastando com a classificação do rendimento, onde falhou pela primeira vez em 5 anos o top-10. Depois do 23º lugar em 2013/2014, o CNAC subiu ao 9º lugar na época seguinte, baixando uma posição em 2015/2016, sendo então o 7º melhor clube formador em 2016/2017.

Nesta época, o CNAC contou com uma equipa muito numerosa, quer em juvenis, quer em infantis, tendo muitos nadadores a contribuir para equipa. Os destaques juvenis vão para Ana Florindo e Maria Rebelo e nos infantis para Gustavo Marques, Diogo Ribeiro e Gonçalo Moita.

Desafortunadamente para o CNAC, nenhum dos 5 nadadores (assim como muitos outros jovens nadadores) representará este ano o clube náutico, pelo que repetir a presença no top-10 deste ranking na próxima época avizinha-se um desafio difícil.

8. Famalicão

O Fama pode ser considerado uma potência na formação em natação em Portugal. O clube famalicense já ficou muito perto de levar a Taça em duas ocasiões – foi 2º em 2013/2014 e 2014/2015. Em 2015/2016 ficou-se pelo 6º lugar e este ano volta a baixar a sua classificação. Ainda assim é o único clube que pode dizer que se intrometeu na luta a três entre Sporting, Porto e Algés.

A perspectiva para voltar a subir na hierarquia da formação é bastante boa, uma vez que até foram os infantis que estiveram em maior destaque nos torneios que pontuavam para a Taça. André Marques, Gabriel Santos, Daniela Lopes, Inês Rego e Mariana Costa foram os infantis que mais pontuaram, enquanto nos juvenis destacaram-se Eduarda Silva e Afonso Cunha.

9. Marinha Grande

O Desportivo Náutico da Marinha Grande apenas em uma época (2015/2016) falhou o top-10 da Taça da Formação. O melhor resultado dos jovens marinhenses foi logo na primeira edição quando foram 5ºs classificados. Este ano voltam aos 10 melhores subindo 16 lugares relativamente à classificação do ano anterior e mesmo no ranking do rendimento já “cheiram” o top-10, tendo sido 13ºs.

No DNMG houve um grande destaque nos infantis que foi o nadador Ricardo Silva que venceu o Torneio do Nadador Completo, o Torneio de Fundo, o Campeonato Nacional de Infantis e ainda bateu por duas vezes o record nacional infantil-A dos 100 costas em piscina curta.

Para além de Ricardo, também os juvenis Ana Costa, Pedro Duarte e Rui Pires conquistaram bastantes pontos ao longo da época.

10. Bairro dos Anjos

O clube de Leiria estreou-se na época passada no top-10 da Taça de Portugal – formação e nesta época conseguiu manter-se entre os melhores, fazendo que pela segunda vez a Associação de Natação do Distrito de Leiria tenha dois clubes entre os 10 melhores na formação. A primeira vez foi em 2013/2014 quando o DNMG e o CNAL foram 5º e 10º, respectivamente.

Nessa época, o Bairro dos Anjos era apenas 49º, subindo ao 12º lugar em 2014/2015, ao 9º em 2015/2016, estacionando em 10º em 2016/2017, sendo o clube presente nesta lista que mais evoluiu desde a criação da Taça.

Os maiores conquistadores de pontos para o BA foram a juvenil Luana Domingues e os infantis Ricardo Faria, Maria Amado, Carlota Lagoa e Rodrigo Reis.

Foto: Luís Filipe Nunes

Quando comparado este top com o do rendimento, nota-se a ausência de clubes como Benfica, Belenenses, Braga, Estrelas e Louzan. Destas, foi o Benfica que ficou mais próximo de entrar no top-10, tendo sido 13º.

No que respeita à representatividade regional, é da ANL que vêm 40% dos clubes presentes nos 10 primeiros da classificação, com as outras associações a serem representadas nas seguintes proporções: ANNP e ANDL com 20%, cada uma e ANCNP e ANC com 10%, cada uma.

Se alargarmos a análise ao top-20, o cenário altera-se ligeiramente, com a Associação de Natação de Coimbra a passar para o segundo lugar, com 5 clubes no top-20 e a Associação de Natação do Distrito de Santarém a figurar entre as representadas:

  • ANL: 35%
  • ANC: 25%
  • ANNP: 15%
  • ANDL: 10%
  • ANCNP: 10%
  • ANDS: 5%

Regista-se que no caso da classificação da formação há menos associações representadas no top-20 do que na classificação rendimento (6 versus 8), o que evidencia que esta classificação favorece mais os clubes de maior dimensão (concentrados nas associações com os maiores centros urbanos) do que acontece na classificação do rendimento. Naturalmente que os clubes com mais nadadores também conseguem obter mais pontos na classificação do rendimento, mas esse efeito não é tão notório como na formação.

Em resumo, fica a questão sobre a relação entre a formação e o rendimento. Seria de esperar que houvesse um maior número de clubes a figurar em ambas as classificações? A evolução no ranking desta classificação é um bom indicador para perceber quais os clubes que dominarão a classificação do rendimento em 2/3 anos?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter