Arquivo de Sara Peres - Fair Play

FXfSm8iXEAI1YRt.jpeg?fit=1000%2C667&ssl=1
José AndradeJulho 23, 20229min0

Orgulho será a melhor definição para o que a seleção feminina sub-20 fez no Campeonato da Europa onde conseguiu igualar a melhor classificação de sempre na categoria, mas vamos olhar para cada um dos jogos e ainda para os destaques desta prestação de luxo de Portugal em Sopron.

Fase de grupos – Primeiro lugar com muito brilhantismo

Começamos por olhar para a fase de grupos onde a seleção feminina sub-20 conseguiu vencer o Grupo D depois de triunfar perante as seleções da Irlanda e da Letónia. O primeiro duelo colocou a equipa das quinas frente a uma Irlanda muito competente, mas que não conseguiu lidar com a qualidade portuguesa, foi uma entrada de alto nível para as lusas com uma vitória por 68-47. Portugal liderou praticamente o jogo todo, controlando e deixando as irlandesas em dificuldades, foi uma partida que deixou evidente que íamos ter uma prestação lusa de grande nível neste europeu. As comandadas de José Araújo desde cedo mostraram outro “andamento”, a pressão alta portuguesa, a velocidade, técnica e qualidade evidenciada nos ataques trabalhados deixaram sempre as irlandesas com problemas que a juntar a isso no ataque não conseguiam criar e perante a boa defesa lusa que obrigou a seleção visitante a errar muito. Nota para incapacidade irlandesa fora do garrafão, foram apenas 3 lançamentos convertidos sendo que só um deles foi da linha de três pontos.

Depois de uma entrada impressionante de Portugal, a seleção lusa venceu no segundo jogo a Letónia por 74-45, um triunfo ainda mais impressionante. Domínio absoluto português, que evidenciava a muita qualidade que sabíamos que existia nesta seleção perante a Europa, uma exibição que colocava a equipa das quinas entre os grandes destaques desta competição. Destaque para a rotação nacional, se Ana Barreto neste duelo colocou o seu nome entre as potenciais candidatas a MVP deste Campeonato da Europa, o outro ponto de destaque foi a entrada das muitas soluções nacionais, ou seja, todas as jogadoras conseguiram entrar muito bem, nesta altura Mariana Cegonho já se assumia como a Sixth woman deste conjunto luso, mas todas as outras foram sempre entrando muito bem, como no caso de Sara Peres que mesmo sem pontuar foi das que melhor entrou.

O terceiro duelo colocou as portuguesas frente a frente com uma das seleções mais fortes, o jogo foi de muita luta, emoção, mas a Sérvia levou a melhor por 55-50 depois de dois prolongamentos. Jogo muito equilibrado, foi a Sérvia que começou melhor e que conseguiu um ligeiro ascendente na primeira parte, com as portuguesas a reagir muito bem logo no terceiro período. O quarto período acabou por pender para o lado sérvio e isso levou-nos a dois prolongamentos espetaculares. Luta e garra foram as palavras chave deste encontro, luta porque a seleção lusa foi incansável, recordar que neste duelo a equipa das quinas já não contou com Filipa Barros que se havia lesionado no duelo com a Letónia e isso obrigou a que jogadoras como a Leonor Faial ou Beatriz Polici assumissem ainda mais protagonismo na equipa, nada serviu de desculpa e lutar foi mesmo a palavra de ordem mesmo perante as dificuldades impostas pelas Sérvia e garra que nunca faltou em nenhum momento deste encontro. Este duelo foi onde a questão do jogo interior se colocou, aquele que expos mais algumas debilidades lusas nesse ponto, além da quebra no tiro exterior, a agressividade sérvia neste jogo levou o conjunto das quinas tivesse uma eficácia abaixo dos 14% na linha de três pontos, mas tudo isto só levou a que se visse a outra cara da nossa seleção, a de lutar por cada bola e de continuar sempre até ao fim a acreditar e a fazer tudo para consumar a reviravolta no jogo. Não se conseguiu a vitória, mas mesmo assim Portugal ficou com o primeiro lugar do Grupo D avançando para os oitavos de final.

Oitavos de final – Manutenção e sonho cada vez maior

No duelo que garantiu os quartos de fina, Portugal venceu a Bulgária por 90-54, nova exibição de luxo da equipa das quinas. Este jogo marcou ainda mais o aparecimento de Leonor Faial, ela que já tinha estado muito bem no duelo anterior, mas que deu o passo em frente e também ela se colocou em posição de destaque neste Europeu. Este foi o melhor jogo de Portugal, domínio absoluto, sem falhas e sem espaço para desconcentrações. A seleção feminina sub-20 dominou nas tabelas, soube gerir sempre os ritmos de jogo e voltou ao nível habitual na linha de três pontos, nova demonstração da qualidade lusa e de que estávamos a confirmar o que sabíamos de antemão, que esta seleção era uma das melhor no europeu.

Quartos de final – Nada apaga o que esta seleção fez

A vitória anterior deu a Portugal a passagem aos quartos de final e ainda a manutenção na Divisão A, só aqui estava um feito grande deste conjunto de José Araújo. No jogo, a equipa das quinas perdeu perante a seleção gaulesa por 77-35, foi o jogo onde se notou mais o cansaço das nossas atletas, que nunca deixaram de lutar, mas que não conseguiram lidar com o poderio francês. A luta das tabelas voltou a ser um problema, a eficácia foi um dos outros, mas notou-se alguma fadiga em elementos preponderantes para as lusas. Jogo que não demonstrou a qualidade portuguesa ou mesmo o que lutaram nesta partida, as francesas como já se sabia eram favoritas, mas o resultado acabou por ser demasiado desnivelado. Derrota pesada, mas que não apaga ou mancha o que as atletas nacionais fizeram até então.

Quinto e sexto lugar – Acabar com história

Nos dois últimos jogos, Portugal lutou pelo quinto lugar, vencendo a Polónia por 58-51 e depois no jogo decisivo perdendo com a Hungria por 75-50. Igualada a melhor posição da seleção sub20, sexto lugar e uma prestação soberba, o derradeiro duelo não correu como se queria ou como esta seleção merecia, mas tal como a França, as húngaras eram favoritas e conseguiram confirmar isso no jogo. Portugal saí de cabeça mais que erguida, demonstrando na Europa que somos das melhores do continente e que sem lesões e alguns azares podemos atingir ainda mais.

Nota muito importante para a qualidade de jogo da nossa seleção em Sopron, foi sempre um dos destaques a cada jogo e depois mencionar o trabalho da equipa técnica lusa que soube sempre ler muito bem cada momento de jogo, além das correções e da forma como sempre elevou a nossa seleção mesmo com os percalços que foram acontecendo. Sexto lugar para a seleção feminina sub-20, prestação incrível e muito orgulho nestas jogadoras portuguesas, poucos acreditavam na manutenção fora de Portugal e não só conseguimos continuar na Divisão A como vencer algumas das seleções mais fortes, provando que este é o nosso lugar e que somos também nós das melhores seleções da europa.

Destaques individuais – Algumas das melhores da competição

Começamos os nossos destaques por Ana Barreto, fica impossível não iniciar pela jogadora que esteve na luta pelo prêmio de MVP e que podia ter figurado no 5 ideal da competição. Ana Barreto foi a jogadora que mais minutos somou neste Europeu, a quinta melhor no que ao tiro exterior diz respeito e a oitava jogadora com mais pontos. Ana Barreto a deixar ainda mais claro que é uma das melhores jogadoras da sua geração depois de um Campeonato da Europa onde brilhou do principio ao fim. Continuando a falar dos destaques, mudamos para Jéssica Azulay que se assumiu como uma das melhores interiores desta competição, nem sempre foi fácil, foi obrigada a lutar com jogadoras mais experientes e com uma estatura mais elevada, mas isso só fez brilhar a inteligência e qualidade da jovem jogadora do SC Braga. Continuando pelas nossas atletas, mudamos para Inês Vieira que foi uma das melhores da competição e nem sempre tão valorizada como devia, mas Inês Vieira espalhou classe em todos os duelos disputados em Sopron, foi das jogadoras mais regulares deste europeu e acabou ainda como uma das cinco atletas com mais roubos de bola deste Campeonato da Europa.

Em seguida falar de Leonor Paisana, mais uma atleta que não sai devidamente valorizada deste Europeu mesmo perante as suas exibições. Leonor Paisana deu sempre muito a Portugal conseguiu jogar e mais que isso fazer jogar, deixando à vista do mundo uma vez mais a sua qualidade de passe, visão de jogo e técnica, uma demonstração de grande nível da jovem portuguesa. Falar de Mariana Cegonho que na antevisão diria que poderia vir a ser um dos jokers desta seleção e foi isso mesmo que aconteceu, Mariana Cegonho surgiu em grande plano em todos os duelos e foi mesmo uma das melhores. Beatriz Polici, Eva Carregosa e Leonor Faial foram em crescendo neste europeu, terminando também elas como figuras muito importantes da nossa seleção e deixando à vista a imensa qualidade de cada uma delas. Por fim palavra para Sara Peres que mesmo com menos tempo de jogo, entrou sempre muito bem, mesmo com tarefas mais “invisíveis” a jovem do CPN correspondeu e foi importante em vários momentos nos jogos e depois Maria Cruz, a poste que sempre que foi lançada rendeu e ajudou bastante em momentos cruciais.

Ficou aqui um olhar para a campanha da seleção feminina sub-20 no Europeu, um sexto lugar e uma prestação luxuosa das nossa seleção.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS