Arquivo de Joana Soeiro - Fair Play

CRR39044-copy-e1674395782985.jpg?fit=1200%2C666&ssl=1
José AndradeFevereiro 2, 20238min0

A Taça da Federação Betclic teve o seu pináculo no Pavilhão Desportivo dos Lombos com o SL Benfica a conseguir revalidar a sua conquista depois de um grande duelo com o Imortal num fim-de-semana de absoluto luxo sobre o qual vos vamos contar hoje.

– Sexta-feira: Imortal e Quinta dos Lombos conseguem surpreender

O fim-de-semana teve o seu arranque na sexta-feira, duelos divididos entre o Pavilhão Desportivo dos Lombos e o Pavilhão Fidelidade, com tudo a começar com uma surpresa. As algarvias do Imortal deram o mote para o que viria a ser um fim-de-semana de alto nível ao derrotarem o GDESSA por 61-56 num super e intenso duelo que ficou marcado pela primeira demonstração das algarvias daquilo que ainda estava por vir. Seguiu-se mais um grande jogo, com a Quinta dos Lombos a causar mais uma surpresa nesta ronda ao derrotar o União Sportiva por 72-71 numa partida pautada pelo equilíbrio e pelas muitas emoções do primeiro ao último instante com a equipa de Carcavelos a reforçar aquilo que tem sido evidente ao longo da temporada, que são um dos conjuntos sensação da época no nosso basquetebol.

Continuando pelo primeiro dia da Taça da Federação Betclic, vamos ao encontro onde o SL Benfica venceu o Galitos, as aveirenses voltaram a causar muitas dores de cabeça, mas as encarnadas conseguiram vencer e dar um passo em frente naquilo que era a busca pela revalidação do troféu conquistado na temporada passada. Para terminar a sexta-feira, o Esgueira conseguiu vencer o CAB Madeira por 57-42 dando um passo em frente na competição depois de um encontro intenso com as madeirenses, mas em que a turma de André Janicas dominou e demonstrou a sua força.

– Sábado: Carcavelos ao rubro com dois duelos espetaculares

Novo dia e vamos para mais dois grandes encontros que deixaram todos agarrados aos lugares, com todos a ficarem maravilhados com a qualidade destes dois duelos que serviram para definir os finalistas da Taça da Federação Betclic. No primeiro despique, o Imortal venceu o Quinta dos Lombos por 65-50, encontro entre dois dos melhores conjuntos da temporada que como esperado proporcionaram um jogo fantástico, com as algarvias a conseguirem um ascendente do segundo período em diante depois de uma entrada equilibradíssima.

No outro encontro, o SL Benfica suou muito, mas conseguiu vencer o Esgueira por 50-42 numa partida onde as águias entraram com tudo, mas as aveirenses conseguiram reagir, reentrar no jogo e deixar tudo em aberto até ao final desta partida que teve de tudo e que deixou bem à vista a qualidade com que somos brindados semanalmente no basquetebol feminino nacional. Com este triunfo, o SL Benfica conseguia voltar a marcar presença na final da Taça da Federação onde ia defrontar o Imortal, com o conjunto algarvio a tentar fazer o que até então ninguém havia conseguido internamente, vencer as campeãs nacionais.

Final da Taça da Federação Betclic: Imortal surpreendeu, mas Benfica levantou mais um caneco

No domingo, o dia de todas as decisões onde íamos ficar a saber se o SL Benfica ia conseguir revalidar a conquista da temporada anterior ou se o Imortal iria conseguir tornar esta época ainda mais histórica. A turma de Ricardo Xufre só com a presença na final atingiu um novo marco histórico, uma vez que na sua primeira época ao mais alto nível, as algarvias além de estarem na luta pelos lugares cimeiros e o respetivo playoff conseguiram chegar logo a uma final. Olhando para o jogo, o derradeiro duelo da Taça da Federação Betclic começou com o Imortal a conseguir surpreender o SL Benfica uma vez que Ricardo Xufre para surpresa de todos apostou numa defesa zona, com o 1-3-1 a conseguir travar o poderio ofensivo das encarnadas.

A entrada de Sofia Queiroz, jogadora já aqui muito elogiada e que atravessa um excelente momento de forma, foi determinante para as algarvias conseguirem equilibrar o começo desta final. Eugénio Rodrigues parou o jogo numa fase decisiva, reajustou e daí em diante a equipa encarnada foi conseguindo se adaptar à defesa do Imortal e, dessa forma, o ataque do Benfica começou a surgir, mais espaços, adaptação e a diferença para as algarvias começou a surgir. Depois do muito equilíbrio inicial, o Benfica conseguiu começar a superiorizar-se ganhando um ascendente que não mais perderam, mesmo com o Imortal a lutar muito tentando até ao fim inverter a situação e sempre criando problemas, mas no final foram as águias que voltaram a sorrir conseguindo desta forma revalidar o triunfo na Taça da Federação Betclic dando seguimento ao domínio no basquetebol nacional com mais um troféus permanecendo ainda invictas a nível interno e ganhando ainda mais moral para as dificuldades do que ainda está por vir nesta temporada.

Os maiores destaques do fim-de-semana na Taça da Federação Betclic:

– Inês Faustino: Dar continuidade ao normal de ser sempre uma das figuras

Começamos os nosso destaques pela equipa da casa para falar de Inês Faustino jogadora que tem sido semanalmente uma das melhores do basquetebol nacional. O destaque surge da vitória do Quinta dos Lombos frente ao União Sportiva onde Inês Faustino voltou a ser destaque evidenciando aquilo que tão bem conhecemos, mas que sempre nos deixa mais fascinados, o seu muitíssimo talento. Inês Faustino brilhou com 21 pontos, 4 ressaltos, 2 assistências e 2 roubos naquela que foi uma das surpresas deste fim-de-semana, que serviu para se olhar ainda mais para aquilo que tem sido uma grande temporada da equipa de José Leite e ainda o porquê de Inês Fsustino estar a ser uma das estrelas do basquetebol nacional nesta época.

– Maeve Carroll: Figura em duelo difícil para o Galitos

Do jogo entre o SL Benfica e o Galitos surge Maeve Carroll que foi uma das figuras em destaque neste fim-de-semana pelo que fez no encontro com as campeãs nacionais. Foi muito pelo que fez a jogadora que chegou esta temporada a Aveiro que o conjunto de André Silva conseguiu criar problemas à turmade Eugénio Rodrigues. O Galitos não conseguiu vencer, mas lutou até ao fim e muito devido a Maeve Carroll que desde que chegou tem sido um dos elementos em evidência no Galitos. Maeve Carroll esteve em destaque com 12 pontos, 6 ressaltos, 1 assistência e 6 roubos de bola contabilizando assim mais uma exibição de grande nível nesta temporada.

– Joana Ramos: Continuar como sempre a só saber jogar muito bem

Continuamos nos destaques deste fim-de-semana na Taça da Federação Betclic, indo até ao Algarve para falar de Joana Ramos que como habitualmente esteve em evidência. No duelo em questão, o imortal venceu o Quinta dos Lombos garantindo presença na final e Joana Ramos tal como no duelo de sexta-feira foi figura de proa brilhando uma vez mais e mostrando tal como algumas das suas colegas o porquê da enorme temporada do conjunto de Ricardo Xufre e ainda o porquê de Joana Ramos ser uma das melhores jogadoras da sua posição. Joana Ramos conseguiu 17 pontos, 2 assistências, 1 roubo de bola e 1 desarme de lançamento evidenciando como sempre a sua qualidade e a sua incapacidade de jogar mal.

– Gabriela Raimundo: Brilha, brilha não sabendo jogar mal

Continuamos em jogadoras que não sabem jogar para falar de Gabriela Raimundo que também ela como é habitual esteve em evidência, neste caso pelo que fez no encontro onde o Esgueira saiu derrotado com o SL Benfica nas meias-finais da Taça da Federação. Gabriela Raimundo havia brilhado no encontro anterior e neste jogo mesmo com o Esgueira a não conseguir vencer, a craque portuguesa mostrou o porquê de ser uma das melhores do nosso basquetebol. Neste duelo, Gabriela Raimundo brilhou com 11 pontos, 8 ressaltos, 1 assistência, 1 roubo de bola e 1 desarme de lançamento.

– Joana Soeiro: Saber e fazer jogar como muito poucas

Terminamos os nossos destaques desta edição da Taça da Federação com Joana Soeiro que foi protagonista no duelo da final. O SL Benfica venceu depois de passar mal no jogo da final e muito do que conseguiu fazer passou por Joana Soeiro, mais do que os pontos marcados foi tudo o que fez. Joana Soeiro, lutou, defendeu, mostrou o seu elevadíssimo nível e mais do que isso guiou a sua equipa para mais um jogo categórico e consequentemente mais um triunfo. Classe e mais classe de Joana Soeiro que esteve em destaque na final com 6 pontos, 4 ressaltos, 6 assistências e 1 roubo de bola.

O SL Benfica voltou a conquistar a Taça da Federação Betclic, mais uma vez as águias voltaram a sorrir e todos nós voltamos a ser brindados com uma ronda de duelos fantásticos que abrem ainda mais o apetite para o que resta da temporada.

FLA_3860.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
José AndradeDezembro 13, 20226min0

Esta última semana voltou a ser tempo de seleção e hoje vamos olhar para os duelos entre o conjunto das quinas e as seleções da Grã-Bretanha e da Estónia respetivamente, por isso acompanhem-nos nesta viagem por dois duelos que nos colocaram mais perto do feito histórico.

Portugal – Grã-Bretanha: Jogão de alta intensidade

Em Matosinhos, Portugal recebeu a Grã-Bretanha com a seleção visitante a sair vitoriosa desta visita ao nosso país por 76-69 num duelo marcado pelo equilíbrio e pela muita emoção até ao final da partida. O resultado acaba por enganar, este jogo foi muito equilibrado com a seleção nacional a começar melhor, o conjunto de Ricardo Vasconcelos arrancou com tudo conseguindo entrar da melhor maneira neste jogo. A resposta da turma de sua majestade não tardou e a equipa visitante conseguiu ganhar um ligeiro ascendente nesta partida através da luta das tabelas, o ponto que ditou a maior diferença a favor das britânicas, mesmo assim Portugal conseguiu sempre equilibrar levando mesmo este duelo para o prolongamento. A toada do jogo não mudou, ligeiro ascendente para a Grã-Bretanha e as portuguesas a lutarem muito e a mostrar que podíamos levar a vitória, mas no final foi a turma visitante a sair mais feliz de Matosinhos, num belíssimo jogo onde Portugal voltou a mostrar que pode vencer qualquer adversário.

Estónia – Portugal: Só deu Portugal em Tartu

Depois do desaire em Matosinhos, o conjunto das quinas viajou até à Estónia para vencer de forma inequívoca realizando uma exibição de luxo e que deixou bem claro não só a muita qualidade presente neste grupo como a força desta nossa seleção. Vitória em Tartu por, 76-52 num jogo onde as lusas deram a melhor resposta ao desaire com a Grã-Bretanha e onde entraram ainda melhor que em Matosinhos conseguindo uma vantagem segura ao intervalo depois de uma primeira-parte de total superioridade portuguesa. A segunda-parte viu Portugal continuar por cima, as lusitanas não abrandaram e continuaram a dominar a partida, as estónias ainda conseguiram reduzir a desvantagem, mas nada que afetasse a exibição lusa que mandou e dominou toda a partida conseguindo sair desta visita à Estónia com uma vitória importante e que colocou a turma das quinas como um dos conjuntos em destaque nesta janela de qualificação para o Eurobasket.

Os maiores destaques individuais destes dois duelos da seleção nacional feminina:

– Márcia da Costa Robalo: Uma das maiores estrelas destes duelos

Começamos por falar de Márcia da Costa Robalo que saiu destes dois jogos como uma das melhores jogadoras desta janela de duelos de qualificação, a portuguesa foi uma das estrelas de todos estes duelos, brilhando uma vez mais e mostrando novamente que é uma das melhores jogadoras europeias. Márcia da Costa Robalo foi a principal protagonista na partida com a Grã-Bretanha e voltou a estar muito bem com a Estónia, duas exibições de alto nível que colocaram Márcia da Costa Robalo em destaque.

– Maria João Bettencourt: Não para de ser destaque

O nosso segundo destaque da seleção nacional feminina nestes dois encontros é Maria João Bettencourt que tem estado a realizar uma ótima temporada no Jairis em Espanha e que nesta dupla jornada manteve a constante desta época sendo um dos maiores destaques das lusas com duas excelentes exibições mostrando o porquê de estar a ser uma das atletas em melhor forma na Liga Espanhola. Maria João Bettencourt sempre nos habitou a grandes jogos ao serviço de Portugal e aqui não foi diferente, tendo sido determinante para o quão bem a nossa seleção jogou nestes encontros.

– Sofia da Silva: Dominante e em cada vez mais destaque

Mudamos para Sofia da Silva, o nosso terceiro destaque e também ela tem estado em ótimo plano na temporada realizando grandes jogos ao serviço do Gernika na Liga Espanhola. Sofia da Silva também manteve o seu nível exibicional desta época nestes dois duelos tendo sido uma das maiores protagonistas, sendo que no encontro com as Britânicas foi obrigada a lutar muito, num duelo que não foi nada fácil para ela e para as interiores lusas, já na Estónia, Sofia da Silva impôs as suas leis sendo ai uma das donas e senhoras no duelo das tabelas. Sofia da Silva continuou assim a sua senda de boas exibições nesta temporada.

– Laura Ferreira: Sempre um dos destaques

O nosso quarto destaque foi Laura Ferreira, ela que tal como os nossos destaques anteriores está a ser uma das maiores protagonistas na Alemanha e que chegou à seleção nacional feminina e manteve esse seu elevado nível que tem pautado a presente temporada. Laura Ferreira foi fundamental, lutou, mostrou-se perante as adversidades e conseguiu com isso ser uma das estrelas lusas em grande destaque nestes dois encontros.

– Inês Viana: Classe pura sempre a guiar o caminho

O nosso último destaque está também ela em grande forma, chegou como uma das estrelas na Bielorrússia e também ela brilhou nestas duas partidas, falamos claro de Inês Viana que teve tal como todas as outras atletas dois duelos complicados, mas nem por isso deixou de brilhar. A qualidade e a classe magistral de Inês Viana são conhecidas de todos nós e nesta dupla jornada voltaram a estar à vista de todos, mesmo nos momentos mais delicados e difíceis, Inês Viana surgia a guiar e a mostrar o caminho a todas, a base portuguesa como habitualmente a não passar ao lado dos jogos, assumindo sempre um papel de destaque tal como aconteceu nestes dois encontros da turma das quinas.

Ficámos aqui a saber como foi o rendimento de Portugal nestes dois confrontos que serviram para ver a força de grupo da nossa seleção que soube reagir ao resultado menos bom de uma forma que nem todos conseguiriam e isso dá-nos ainda mais esperanças para os dois próximos duelos. Portugal sai como uma das melhores seleções, Márcia da Costa Robalo como uma das melhores jogadoras e ainda mais certezas de que estamos perto de fazer história por mais difícil que a missão possa parecer.

Foto: FPB

Esgueira-vs.-GDESSA-21-scaled-1.jpg?fit=1200%2C801&ssl=1
José AndradeNovembro 10, 20228min0

A Liga Betclic Feminina não abranda e neste último domingo tivemos mais uma jornada repleta de jogos com muitas emoções, muitos destaques e com o fim de mais um período de invencibilidade para uma equipa, tudo para descobrirem neste nosso novo texto sobre a 8ª ronda do melhor basquetebol feminino.

Espetáculo em Ermesinde e GDESSA “rouba” invencibilidade em Esgueira

A 8ª jornada da Liga Betclic Feminina prometia muitas emoções e mais uma vez foram superadas todas as expetativas. Esta ronda teve início em Carcavelos com o SL Benfica a conseguir manter a sua invencibilidade na temporada triunfando em casa do Quinta dos Lombos por 82-66, um duelo muito equilibrado desde os primeiros instantes com a equipa de Eugénio Rodrigues a conseguir superiorizar-se no quarto período, depois de ser obrigada a suar muito nos três períodos anteriores frente a um conjunto que tem sido um dos destaques desta temporada e que voltou a mostrar isso mesmo em todas as dificuldades que criou às campeãs nacionais.

A jornada prosseguiu e levou-nos até Aveiro, onde o Francisco Franco venceu o Vagos por 52-50 num duelo que começou favorável para o conjunto insular, mas como tem sido hábito, o Vagos nunca baixou os braços e foi atrás do jogo, com isso tivemos uma partida disputadíssima e que nos proporcionou um dos melhores jogos desta ronda com emoção até ao fim e mais do que isso com duas equipas a crescer na temporada, as madeirenses conseguiram assim pela primeira vez vencer dois jogos seguidos entrando no que se prevê que seja o início de uma fase positiva depois do arranque complicado, já o AD Vagos continua a mostrar sinais de melhorias, mais um conjunto que vai crescer e conseguir assim reverter esta fase menos positiva.

Nesta altura as emoções já eram muitas, mas ainda tínhamos vários jogos pela frente e cada um mais emocionante que o outro, por isso mesmo a ronda prosseguiu e desta vez fomos até Albufeira onde o Imortal deu continuidade à sua excelente fase na temporada recebendo e vencendo o Galitos por 82-72, dois dos conjuntos em alta nestas primeiras jornadas da Liga Betclic Feminina e que nos prometiam um verdadeiro show e foi isso mesmo que aconteceu.

O equilíbrio reinou como tem sido habitual em todos os duelos da competição, o conjunto da casa entrou muito bem, o Galitos conseguiu responder bem no segundo período, mas mesmo lutando muito, a turma de André Silva viu o Imortal conseguir uma ligeira superioridade em toda a segunda parte conseguindo assim o regresso aos triunfos depois do desaire com o GDESSA. A jornada não abrandava e voltávamos ao Norte, mais concretamente a Ermesinde onde o CPN recebeu e venceu o CAB Madeira por 59-53 num dos jogos mais espetaculares deste domingo de muito basquetebol. Empate no primeiro período, foi tudo muito taco a taco na primeira parte, o sempre presente equilíbrio e as emoções, já a segunda parte deu ao CAB a primeira vantagem mais confortável o que nos levou a um quarto período apaixonante e onde o CPN conseguiu voltar a equilibrar tudo e ainda superiorizar-se ao conjunto madeirense.

A viagem seguinte não foi tão longa, paragem em Coimbra onde o Olivais recebeu e perdeu com o União Sportiva por 54-66, não foi um jogo fácil, mas as açorianas conseguiram assim manter a sua boa série com mais uma exibição de qualidade, do lado do Olivais mais uma vez destaque para a evolução deste conjunto que voltou a criar dificuldades a uma das equipas no topo da tabela e que mais do que isso evidenciaram melhorias muito importantes que indicam para breve o fim desta fase negativa. Para encerrar a jornada, aquele que era o jogo grande desta ronda, duas equipas em excelente plano, no topo da tabela e neste primeiro duelo o GDESSA conseguiu ir a Aveiro vencer o Esgueira por 59-64 num jogo que foi ainda mais incrível do que todos esperávamos. Entrada avassaladora do conjunto de André Janicas com o GDESSA a conseguir responder no segundo período, já na segunda parte foi ponto a ponto, equilíbrio até ao último instante e o GDESSA a conseguir vencer de uma forma ainda mais difícil do que o resultado já em si aparenta, grande duelo entre duas equipas que vão estar na luta pelos primeiros lugares.

As 5 jogadoras em maior destaque na 8ª jornada:

– Mariana Carvalho: Modo MVP em mais uma jornada

Começamos os destaques individuais desta ronda por Carcavelos, onde Mariana Carvalho brilhou no desaire do Quinta dos Lombos frente ao SL Benfica, é uma das melhores jogadoras da liga que se destaca semana após semana, mas nesta 8ª jornada colocou-se ainda em maior evidência pelo que fez para que o conjunto de José Leite estivesse sempre na luta pelo jogo, uma exibição que se junta a todas as outras de nível MVP para Mariana Carvalho que conseguiu 15 pontos, 3 ressaltos, 5 assistências e 2 roubos de bola.

– Alice Martins: Continuidade no excelente nível exibicional

Mudamos para a Madeira, para falar de Alice Martins, mais uma jogadora que está em destaque quase todas as semanas, nem sempre pelos pontos, mas por tudo o que dá na defesa onde se assume como uma das melhores na Liga Betclic Feminina e neste jogo está mais uma prova disso mesmo, depois das ótimas exibições que realizou nas jornadas anteriores, Alice Martins chegou a Ermesinde e brilhou sendo uma das maiores responsáveis pelo grande jogo que o conjunto do CAB Madeira realizou no desaire com o CPN. Alice Martins conseguiu 11 pontos e 7 ressaltos.

– Joana Ramos: Classe à solta em Albufeira

O nosso terceiro destaque chega do Imortal, mais uma jornada onde o conjunto algarvio nos coloca boas dificuldades para escolher as jogadoras em evidência nesta ronda, uma vez que Letícia Lisboa, Rosinha Rosário, Monique Pereira, Márcia Carvalho ou Vitória Reynolds voltaram a estar em alto nível, mas o maior destaque vai mesmo para Joana Ramos, a base esteve a um nível altíssimo realizando uma das melhores exibições desta jornada voltando a mostrar aquilo que tão bem sabemos, estamos perante uma das melhores jogadoras nacionais que neste duelo foi preponderante para o triunfo do Imortal frente ao Galitos, não só pelos números, mas ainda mais pelo que fez o conjunto de Albufeira jogar. Joana Ramos obteve 19 pontos, 2 ressaltos, 9 assistências e 2 roubos de bola.

– Dilma Semedo: Cada vez mais em destaque na Liga Betclic Feminina

Mudamos de novo para a Madeira, desta vez para a equipa do Francisco Franco onde Dilma Semedo foi novamente destaque agora no triunfo em Vagos. A jogadora já foi nosso destaque em outras jornadas, tem sido um dos nomes em alta neste início de época e como esperado o impacto da jogadora que chegou do Carnide tem sido muito elevado, por isso mesmo e de forma consensual, Dilma Semedo vai se afirmando como uma das melhores nesta altura na Liga Betclic Feminina e esta exibição de alto nível além de fundamental para o triunfo das madeirenses veio reforçar esse estatuto de destaque da jornada e da temporada. Dilma Semedo conseguiu 17 pontos, 7 ressaltos, 1 assistência e 1 roubo de bola.

– Joana Soeiro: Excelência espalhada em nova jornada

O nosso último destaque chega do SL Benfica, numa ronda com muitos nomes em evidência na Liga Betclic Feminina como Inês Ramos, Mariana Garrido, Kwanza Murray, Luana Serranho ou ainda Sydne Wiggings, a capitã do SL Benfica voltou a ser um dos maiores destaques. Joana Soeiro já nos habituou a estas exibições jornada atrás de jornada e por isso vezes acaba por não ser destacada como merecia, a verdade é que neste inicio de temporada a base da seleção nacional ainda não teve um mau jogo, tem sido uma das jogadoras mais regulares e em melhor forma no basquetebol nacional, realizando excelentes exibições em todas as semanas, claramente voltamos a ter Joana Soeiro em modo MVP. Vitória suada, mas incontestável do SL Benfica em Carcavelos e muito pelo que Joana Soeiro fez que conseguiu 16 pontos, 2 ressaltos, 10 assistências e 3 roubos de bola, bailando assim para uma das craques em maior evidência nesta 8ª jornada.

Ficou aqui tudo sobre o que aconteceu nesta oitava ronda da Liga Betclic Feminina, grandes jogos, excelentes exibições e equipas em crescendo, mais uma jornada que nos deixou colados aos lugares e que nos mostrou que não podemos perder nenhum segundo de cada uma das partidas desta Liga Betclic Feminina.

Portugal-vs.-Irlanda-2.jpg?fit=1200%2C801&ssl=1
José AndradeAgosto 17, 20226min0

Em Guifões, a Seleção Feminina Sénior realizou mais dois jogos de preparação com vista os jogos importantes que estão por vir na qualificação para o Campeonato da Europa e em dia do primeiro de dois duelos com Bósnia e Herzegovina, olhamos para o que aconteceu nestes dois encontros com a Irlanda em Guifões.

Portugal vs Irlanda – Crescem as expetativas para deixar o “quase” para trás

Dois triunfos categóricos que como se pode já perceber deixaram-nos ainda mais confiantes para os próximos desafios que a nossa seleção tem pela frente. No primeiro encontro, Portugal venceu por 78-63, uma vitória segura fruto do belíssimo jogo que a turma das quinas realizou em Guifões. Nota inicial para as jogadoras que ficaram de fora neste primeiro jogo, Mariana Silva e Sofia da Silva, curiosamente a primeira a ficar de fora tal como tinha acontecido no primeiro jogo do estágio anterior em Rio Maior. A partida até começou favorável às Irlandesas que beneficiando dos duelos interiores ganhos conseguiram conquistar um ligeiro ascendente e com isso uma vantagem inicial que se foi perdendo assim que Ricardo Vasconcelos parou o jogo e corrigiu posicionamentos. Portugal foi crescendo e assim que os duelos interiores passaram a ser favoráveis ao conjunto das Quinas, tudo mudou e prova disso foi o segundo quarto espetacular que a turma lusa realizou, um parcial de 25-7 e onde as irlandesas não conseguiram lidar com a pressão alta portuguesa perdendo muitas bolas, com a defesa a conseguir anular por completo todas as investidas da Irlanda, um período que roçou a perfeição.

A segunda parte embora mais suada, continuou a ser sempre portuguesa, o ascendente foi sempre da turma de Ricardo Vasconcelos que conseguiu rodar e dar tempo a todas as jogadoras, a parte mais preocupante foi o momento em que Joana Soeiro saiu para ser assistida, ela que foi uma das figuras desta partida. Neste duelo destacar a forma como mais uma vez o banco soube ler o jogo, as nossas bases que estiveram muito bem e mencionar as nossas interiores que tiveram um jogo muito duro, mas onde conseguiram sempre mostrar-se sendo muito importantes para a “cambalhota” no resultado e esta vitória da Seleção Feminina Sénior.

No segundo jogo, Portugal voltou a vencer, desta vez por, 72-62. Jogo distinto já que as lusas corrigindo a entrada do dia anterior, o que significou que começaram muito bem entrando com tudo, com as suas adversárias sentirem dificuldades do segundo período do jogo anterior logo a começar esta partida. Realçar que neste dois duelos Ricardo Vasconcelos optou sempre pelo mesmo 5 inicial composto por Maria Kostourkova, Josephine Filipe, Laura Ferreira, Maria João Correia e Inês Viana, sendo que não existe nada a apontar, 5 fortíssimo e que esteve muito bem, com nota de destaque para Inês Viana que em Rio Maior ainda estava ser gerida depois da lesão e que chegou a Guifões e espalhou magia nos dois encontros.

Olhando para esta partida nº 2, a Seleção Feminina Sénior fez uma primeira parte praticamente irrepreensível, dominante, sem erros grosseiros, com uma defesa asfixiante que deixou em muitos momentos as irlandesas em grandes dificuldades e no ataque a habitual troca de bola em beleza que foi sempre deixando em evidência a muita qualidade no ataque luso. A nível ofensivo jogo corrido, troca de bola sempre de muita qualidade, com a defesa a voltar a estar muito bem, as jogadoras interiores sempre em grande e com destaque para Joana Alves que no primeiro encontro tinha cedo ficado tapada por faltas e que neste segundo dia conseguiu mostrar o porquê de ser a poste de alto nível que é.

Duas vitórias incontestáveis onde a turma das quinas foi superior e não deixou margem para dúvidas, mostrando que estão prontas para os desafios seguintes.

Destaques individuais destes duelos

Fica difícil conseguir eleger destaques individuais olhando para as exibições da nossa seleção nestes dois jogos em Guifões, o primeiro ponto em evidência é que o coletivo está cada vez mais forte, e a cada estágio a ideia no final de cada é que o grupo está mais forte e pronto para atingir os palcos que merece. Depois olhando para os jogos temos que começar por falar de Maria João Correia que apareceu em Guifões sendo a MVP inequívoca do segundo jogo, com a base portuguesa surgiu nestes dois duelos muito bem, mostrando todo o trabalho que foi desenvolvendo ao longo das semanas entre o estágio de Rio Maior e este provando que a portuguesa vem para uma temporada de luxo.

Depois, tal como nos duelos do estágio anterior temos que destacar Márcia da Costa Robalo, jogadora que apareceu como é seu apanágio, em grande, nos dois duelos foi sempre protagonista, entrando com tudo em ambos os encontros. Falar ainda de Josephine Filipe que também ela havia sido destaque em Rio Maior e voltou a sê-lo em Guifões com duas excelentes exibições. Em outros destaques, Marcy Gonçalves que não tinha jogado em Rio Maior e que neste estágio voltou a mostrar-se e que saudades já tínhamos de a ver jogar, ainda Inês Viana que esteve irrepreensível nestes dois encontros e Maianca Umabano que como sempre não precisou de muito para se colocar como protagonista nestes duelos.

Saímos de Guifões com a certeza de que não só estas jogadoras e esta equipa técnica merecem estar no próximo Campeonato da Europa, como as expetativas e a confiança também subiram para o que está por vir. Depois destes jogos o que mais se sente é que vamos conseguir, a barreira do “quase” está cada vez mais perto de terminar e de deixar de existir quando se fala desta nossa Seleção Feminina sénior. Portugal joga hoje e amanhã com a Bósnia, dois encontros de um grau de exigência superiores, visto que as lusas vão defrontar uma equipa apurada para o Mundial e por isso serão dois testes bem mais complicados, mas venham eles porque com toda a certeza vamos sair ainda mais confiantes para o que está por vir.

Foto de destaque da FPB

CROD5541-copy-1536x1024-1.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
José AndradeJunho 2, 20229min0

A seleção nacional feminina de basquetebol continuou a sua preparação para a janela internacional de novembro com o segundo estágio onde realizou mais dois jogos, vencendo ambos e é sobre esses dois triunfos frente às austríacas que vamos falar hoje.

Áustria – Portugal: Suada, mas bela vitória

No primeiro jogo Portugal venceu por 50-43 a Áustria. A seleção feminina portuguesa entrou com, Sofia da Silva, Josephine Filipe, Márcia da Costa Robalo, Maria João Correia e Inês Viana. As lusitanas a entraram a pressionar colocando logo dificuldades ao ataque austríaco na criação, com a defesa lusa a não sentir problemas no jogo interior, bem pelo contrário. As comandadas de Ricardo Vasconcelos colocaram muitas dificuldades à Áustria que não conseguia criar e nem chegar ao cesto, a juntar a isso a boa defesa lusa levou a que as austríacas demorassem para marcar só conseguindo já aos 6 minutos. Portugal mais dinâmico no ataque, sempre uma bonita circulação de bola e os primeiros pontos surgiram por Maianca Umabano, uma das primeiras peças a ser lançadas no decorrer do encontro.

As craques portuguesas foram sempre dominando, tal como com a Hungria ganhávamos os duelos nas tabelas e mostrávamos sempre mais qualidade ofensiva, do lado da seleção da casa muitos problemas, primeiro fruto da pressão lusa a campo inteiro e depois porque nunca conseguiram desmontar o esquema defensivo de Ricardo Vasconcelos pois quando procuravam o tiro exterior ou era em cima da buzina ou eram jogadoras com menos capacidade.

Tal como nos jogos em Rio Maior, Carolina Rodrigues entrou muito bem, mexeu novamente com a seleção. No segundo quarto a entrada de Simone Costa voltou a ser muito importante, com Portugal a estar sempre na frente e no comando, continuando a ganhar segundas e terceiras bolas. Esta dinâmica no ataque continuava a criar dificuldades a uma defesa austríaca que sofreu bastante com o ataque português. Destaque obvio para a mobilidade nacional que deixou sempre as austríacas perdidas na defesa, Mariana Silva e Maianca estavam imparáveis e com isso as Quinas foram sempre “contornando” as jogadoras-interiores da Áustria. Ainda antes do intervalo, nota para Maria João Correia que esteve de mão quente e colocou a formação visitante numa posição mais confortável nesta partida.

Notou-se algum cansaço ainda nesta primeira parte, algo natural atendendo à carga que as jogadoras foram submetidas e à altura de época em que estamos, o que resultou em alguns cestos falhados que por norma não aconteceriam. Ao intervalo a vantagem era de apenas 6 pontos apesar da superioridade nacional, (20-26) com a seleção nacional a controlar e com vantagem nas transições pois as austríacas não conseguiam criar perigo o suficiente mesmo quando obtiveram algumas “benesses” quando Portugal consentiu algumas perdas de bola.

O porquê da vantagem ser inferior ao merecido, devia-se à eficácia, cansaço a , mas nada que deixasse a equipa lusa em problemas. No terceiro quarto e sob a batuta de Joana Soeiro, Portugal voltou a começar muito bem, e Sofia da Silva continuava a mandar nas tabelas e as lusas brilhavam no ataque com a troca de bola de qualidade. Mesmo com superioridade portuguesa, o jogo nunca esteve decidido, a Áustria andou sempre perto e muito pela questão da eficácia lusa que nos impediu de neste primeiro duelo ter um resultado mais dilatado. No terceiro quarto destacar a boa entrada de Lavínia da Silva e de mais uma vez Carolina Rodrigues, a interior veio manteve a superioridade na luta das tabelas e ainda trouxe maior acerto principalmente no canto, enquanto a base voltou a ser muito importante no ataque até pelo triplo que encestou num período de menor eficácia.

O último quarto começa com dois triplos austríacos, das poucas vezes que Portugal deu espaço para que a seleção da casa conseguisse atirar, o que forçou Ricardo Vasconcelos a parar de imediato o jogo e a corrigir a sua defesa que estava agora a conceder mais espaços. Mais uma vez a leitura de jogo desde o banco do selecionador a ser de realçar, até porque logo em seguida assistimos às correções e ajustes que nos colocaram de novo por cima do jogo.

A vantagem portuguesa chegou a ser de apenas 1 ponto, mas foi aí que a eficácia voltou ao normal deste duelo e a parte final deste período foi de qualidade e já mais ao encontro ao que tínhamos apresentado. O aumento da agressividade portuguesa levou as austríacas a cometer mais erros, com Maria João Correia e Soeiro a ser importante nesta subida anímica da seleção feminina e ainda destacar Josephine que tal como em Rio Maior esteve muito bem nos vários papéis. Perante alguns problemas na defesa e no jogo interior, a correção de Ricardo Vasconcelos lançando Lavínia da Silva para jogar ao lado de Sofia da Silva, o que ajudou e fez toda a diferença para que voltássemos a dominar na parte final do encontro. Vitória segura, suada e onde o ataque voltou a sentir alguns problemas, mas onde a superioridade lusitana foi evidente.

Áustria – Portugal: Só deu Portugal, exibição de gala

No segundo jogo, Portugal venceu por 83-29 uma exibição categórica e que não nos deixa muito para analisar e por bons motivos, isto porque a seleção nacional dominou e controlou do princípio ao fim. Neste duelo a formação lusa não teve tantos problemas na concretização, mais uma partida onde se ganhou nas tabelas, e em que a defesa esteve incrivelmente bem e que não podia ter terminado de melhor maneira este segundo estágio. Vitória soberba, um jogo imenso que foi pena não ter outro tipo de transmissão porque seria ótimo para todos verem… Se ainda existiam dúvidas em relação à nossa seleção, ficaram totalmente desfeitas, Portugal já não era apenas uma seleção do quase ou do perto e aqui deixou mais que evidente em 5 grandes jogos que é uma seleção de topo.

No que diz respeito aos destaques, volta a não ser fácil, mas vamos lá a algumas das jogadoras que se evidenciaram mais nestes duelos:

  • Mariana Silva – Já faltam palavras

Depois de uma temporada em que esteve sempre a um nível altíssimo, Mariana Silva esteve muito bem em Rio Maior, chegando à Áustria com o mesmo ritmo. Foram mais dois jogos em que brilhou na defesa e no ataque, importante com a sua mobilidade perante interiores algo lentas da Áustria, Mariana Silva a ganhar ainda mais espaço nas contas da seleção ao ser um dos nomes que mais brilhou nestes dois estágios da seleção portuguesa feminina sénior.

  • Sofia da Silva – A patroa

Chegamos à dona e senhora das tabelas, foram 5 jogos onde dominou e controlou as tabelas. Independente de quem teve de enfrentar, Sofia da Silva ganhou a todas adversárias, com mais 5 jogos de grande plano para a craque lusitana. Sofia da Silva é das referências maiores da seleção feminina, vem de uma temporada onde esteve muito bem e nem sempre foi elogiada como merecia. Foram 5 jogos a ser a comandante, onde deixou de novo à vista de todos nesta Europa basquetebolística que é uma jogadora de topo e que venha quem vier, será dominado pela patroa Sofia da Silva.

  • Inês Viana – Diferenciada demais

O segundo destaque é Inês Viana, em primeiro lugar, como é bom voltar a ver Inês Viana jogar ao vivo, depois e mesmo sabendo que ainda não está a 100%, este regresso com os problemas físicos a estarem completamente ultrapassados são as melhores noticias para o basquetebol português. A base dispensa apresentações, é uma jogadora única e muito diferenciada e deixou uma vez mais isso à vista de todos nestes dois estágios. É daquelas jogadoras que a única coisa que devemos fazer é não perder nenhum jogo e desfrutar, porque vamos assistir a um recital e foi isso que tivemos o privilégio de ver nestes duelos, mesmo ainda a ser gerida fisicamente, Inês Viana deu show, brilhou e voltou a demonstrar o porquê de ser uma jogadora de melhores ligas do mundo.

  • Laura Ferreira – Relógio suíço lusitano

No penúltimo destaque, vamos até Laura Ferreira. Se Mariana Silva é o micro-ondas do nosso basquetebol, Laura Ferreira será o relógio suíço, isto porque é aquela jogadora que rende sempre, nunca tem jogos maus ou duelos em que passa ao lado e não ajuda as suas colegas. Foram 5 encontros em que pudemos ver a melhor Laura Ferreira, em especial no primeiro jogo com a Áustria, quando a seleção nacional mais precisava, ela apareceu, com destaque para a segunda parte desse primeiro encontro com as austríacas quando elas estavam por cima e a criar-nos alguns problemas, Laura Ferreira apareceu liderando na defesa e guiando no ataque, uma jogadora que também é acima da média e que deixou isso muito claro uma vez mais nestes dois estágios da seleção feminina.

  • Maria João Correia – Máquina incansável

Para terminarmos os destaques que elegemos destes duelos, Maria João Correia. A base não vinha de uma época fácil e por isso era das jogadoras que tinha mais expetativas para ver nestes duelos para entender como estaria, nada a dizer, superou tudo, uma autêntica máquina que não engana ninguém e que não sabe jogar mal, mostrando que está em grande e que não existe absolutamente nenhuma questão. Nestes 5 jogos foi sempre das melhores, o tiro esteve sempre lá, a habilidade capaz de desconcertar todas as defesas esteve à vista de todos nós, Maria João Correia rende sempre e nestes duelos não foi diferente, liderou, brilhou e apareceu muito bem criando grandes expetativas para a próxima época.

Hoje ficou aqui tudo sobre o segundo estágio da seleção feminina portuguesa, duas grandes e categóricas vitórias em terreno austríaco que deixaram bem claro que a seleção portuguesa pertence à elite e em novembro vamos mostrar isso mesmo, atenção que as portuguesas vão calar ainda muita gente.

CROD1190-copy_edited.jpg?fit=1000%2C667&ssl=1
José AndradeMaio 31, 202211min0

O primeiro estágio da seleção feminina de basquetebol em Rio Maior, ficou marcado por três duelos com a congénere magiar e é de cada um desses jogos que José Andrade nos vem falar hoje.

Portugal – Hungria: Triunfo categórico

Portugal a vencer a Hungria no primeiro duelo por 74-70. A nossa seleção feminina basquetebol a entrar com Maria Kostourkova, Sofia da Silva, Márcia da Costa Robalo, Maria João Bettencourt e Inês Viana, ficaram de fora neste primeiro duelo Mariana Silva e Marcy Gonçalves. Muita luta desde o começo do jogo, as interiores numa autêntica batalha e depois a Hungria tentava sempre sair rápido aproveitando algum erro da nossa seleção. Hungria a entrar melhor, grande duelo entre as interiores, mas o nosso crescimento acontece quando conseguimos acelerar mais o nosso jogo, além da velocidade subimos a nossa agressividade.

Estávamos bem defensivamente, mesmo com problemas para travar Virag Kiss, mas a concretização estava a ser o problema. Portugal cresce depois do time-out de Ricardo Vasconcelos, mais uma vez a ler muito bem o jogo, a Hungria continuava a forçar no jogo interior e na estatura, Portugal crescia ao conseguir ultrapassar a defesa zona da seleção magiar e ainda quando conseguimos quebrar os ritmos ofensivos das húngaras. No segundo quarto foi Portugal a crescer, era agora a nossa transição que colocava as húngaras em dificuldades, mais velocidade e Sofia da Silva a ganhar os duelos interiores. Destacar as boas entradas de Maianca Umabano, Joana Alves e Simone Costa, mas fomos para o intervalo na frente, maior acerto no ataque e na defesa continuávamos irrepreensíveis.

O recomeço voltou a ser favorável à Hungria que soube ajustar ao intervalo de forma a “empurrar” Portugal novamente para um período de menor eficácia neste jogo, mas tudo muito equilibrado, a nossa seleção muito agressiva, demorámos para carburar na segunda parte depois de uma entrada menos boa. Márcia da Costa Robalo já se ia assumindo como a grande protagonista e o quarto período ajudou a reforçar isso mesmo. As húngaras iam sempre procurando o tiro exterior, mas Portugal a trabalhar muito bem, íamos impedindo que conseguissem construir, muita pressão, linhas de passe sempre fechadas e duelos a serem ganhos, Portugal por cima e com Joana Soeiro a pressionar a campo inteiro, juntando a isso começámos a roubar mais bolas e a ter mais contra-ataques. Muita velocidade, muita intensidade e Portugal a terminar melhor, conseguindo vencer o primeiro dos três duelos em Rio Maior através de leituras de jogo impressionantes do nosso selecionador que soube ajustar perante uma seleção que teve na altura e no tiro exterior as suas grandes armas.

Portugal – Hungria: Duelo demasiado físico

No dia seguinte, Portugal voltava a jogar em Rio Maior frente à Hungria e desta vez com um resultado negativo, um desaire por 69-63. Neste segundo duelo foram Emília Ferreira e Marcy Gonçalves a ficar de fora. Portugal neste duelo entrou com Lavínia Silva, Sofia da Silva, Márcia da Costa Robalo, Maria João e Joana Soeiro. Hungria a começar melhor ao aproveitar o tiro exterior, depois de um primeiro jogo onde a seleção visitante tentou usar muito o jogo interior, neste duelo as húngaras entraram mais agressivas e a usar as vantagens nas transições.

A versatilidade conhecida de Josephine Filipa a ser um dos destaques, entre 3 e 4 sempre e neste duelo voltou a entrar muito bem, assumindo cedo grande protagonismo. Desde cedo que se viu uma seleção húngara mais forte, mais agressivas e a ganhar mais duelos, Portugal melhora com Laura Ferreira a 3, a maior mobilidade da jogadora portuguesa ia ajudando a que se conseguisse ultrapassar a marcação da Hungria. Portugal com pressão a campo inteiro, algo que colocou a nossa seleção mais perto, mas um primeiro quarto onde as defesas se evidenciaram, com a Hungria a estar com um ligeiro ascendente. Carolina Rodrigues muito importante neste jogo, muito pelo que foi fazendo do lado defensivo.

No segundo período melhoria da nossa seleção com a entrada da Mariana Silva e ainda pelo que Maria Kostourkova ia fazendo, trabalhava sem bola na marcação e no ataque a ganhar vantagens que íamos conseguindo explorar muito bem. Voltámos a terminar por cima no final do segundo quarto, com menos espaço para as húngaras, mas muito contacto, muitos bloqueios, um jogo muito intenso, muito equilibrado, uma batalha física bem mais do que no primeiro jogo. Portugal a entrar bem na transição defensiva, tínhamos sentido alguns problemas na primeira parte, mas na reentrada Portugal vinha com a estratégia bem assimilada. A nossa seleção feminina basquetebol continuava a dominar as tabelas, foi um dos destaques nestes 3 jogos, mesmo perante uma seleção mais alta e mais forte, as nossas interiores conseguiram dominar e ganhar os duelos. A segunda parte trouxe o aumento da agressividade, tudo ainda mais físico e em alguns pontos a ultrapassar os limites.

Portugal com ótimas leituras, as triangulações entre as interiores foram destacadas por Vasco Pais na transmissão e não era por acaso, foi um dos pontos em evidência nesta jornada tripla. Portugal com um jogo muito bonito, já era sabido e estes duelos permitiram que mais gente pudesse ver isso mesmo. Falando do último quarto, muita luta, este jogo ficou marcado por muitas lutas, pelos duelos intensos e muito físicos, com destaque para o interior onde Maria Kostourkova e Virag Kiss continuavam inseparáveis. Portugal no ataque a conseguir criar muito bem, mas não íamos conseguindo converter as oportunidades ao contrário da Hungria que ia conseguindo converter. Num duelo mais físico, as húngaras foram melhores conseguindo aproveitar as vantagens de um maior poderio físico e do critério da equipa de arbitragem. A eficiência e concretização fizeram a diferença, Portugal voltou a conseguir ganhar na luta das tabelas e mesmo com um resultado menos bom, Portugal mostrou ainda mais no ataque e na defesa conseguimos voltar a travar o ataque húngaro.

Portugal – Hungria: Venha a Áustria

No derradeiro duelo em Rio Maior, Portugal perdeu por 63-73. As jogadoras de foram voltaram a ser Emília Ferreira e Marcy Gonçalves, esta última condicionada e com o braço ainda protegido. Neste duelo a nossa seleção feminina basquetebol começou com Maria Kostourkova, Sofia da Silva, Márcia da Costa Robalo, Maria João e Inês Viana. A seleção magiar a entrar novamente com pressão alta e muita agressividade sob a portadora da bola, no ataque começaram com dois triplos seguidos para abrir este duelo da pior maneira para nós. Mais um jogo onde as defesas assumiram cedo um grande protagonismo, muita pressão perante a portadora da bola dos dois lados, muita intensidade e Koustorkova com Kiss em grande luta como já era habitual. No primeiro quarto, as mudanças rápidas no ataque deixaram a nossa seleção em maiores dificuldades na defesa deixando um pouco mais de espaço para as atiradoras húngaras que aproveitavam muito bem.

No segundo quarto, a Hungria voltou a começar muito bem na linha de três pontos e com isso voltou a conseguir “fugir” da nossa seleção. Portugal cresce pelas mãos de Inês Viana, a base ia assumindo a responsabilidade de marcar e de recolocar as lusas novamente mais perto das húngaras. Neste jogo foi onde mais se notou o cansaço, a disponibilidade já não era tão grande, mas a entrega era cada vez maior. A lesão de Maria Kostourkova obrigou a redesenhar a nossa seleção por parte de Ricardo Vasconcelos que continuava a mostrar aquilo que lhe é característico, uma leitura de jogo desde o banco incrível, mesmo com maiores dificuldades e o maior cansaço físico, Portugal continuou a mostrar mais estratégias e muito trabalho.

Portugal cresceu no terceiro período, muito pela entrada de Carolina Rodrigues que voltou a estar como foi habitual no decorrer da temporada, em plano de maior evidência, menção ainda para Maianca Umabano que entrou muito bem, as penetrações da jogadora do GDESSA foram sempre impulsionando a nossa seleção. As nossas jogadoras a mostrar uma raça impressionante, mesmo com as húngaras por cima, a nossa seleção nunca desligou e esteve até ao fim a lutar pelo jogo. Sempre que Portugal conseguia ganhar algum ímpeto e reduzir a desvantagem, as húngaras através do tiro exterior conseguiam “acalmar” tudo, um jogo muito rápido e muito intenso, luta até ao fim e onde o cansaço pesou.

Portugal acaba por não conseguir vencer, mas ficaram três jogos que comprovam a muita qualidade da nossa seleção feminina de basquetebol e ainda que o sonho do Europeu é mais que real, em novembro elas vão precisar de todos nós porque mostraram em Rio Maior que não só estão perto, como estão ao nível das melhores, uma seleção incrível que tem uma alma do outro mundo, além de imensa qualidade.

Nos destaques individuais fica difícil conseguir eleger e falar de apenas algumas jogadoras desta excelente seleção feminina basquetebol, é uma tarefa complicada porque estiveram todas muito bem, mas vamos a alguns destaques:

  • Márcia da Costa Robalo – Reencontro de luxo

Uma jogadora que fui elogiando muito ao longo da temporada e que neste reencontro com muitas húngaras mostrou o porquê de ter sido uma das melhores jogadoras do basquetebol europeu nesta temporada. Foi a jogadora mais regular, assumiu protagonismo em todos os jogos conseguindo como é habitual aparecer na defesa, no ataque, na liderança e com isso se percebe o impacto que tem nesta nossa seleção.

  • Maria Kostourkova – Muita luta

A nossa poste foi obrigada a lutar muito, principalmente com as duas Kiss e em especial claro com Virag que protagonizou um dos duelos mais intensos e mais espetaculares de acompanhar ao longo destes 3 duelos. Maria Kostourkova como sempre em grande, muitas vezes com aquele trabalho mais invisível e que não é refletido nas estatísticas, mas sempre exemplar. Acabou por sair lesionada, nada que a impeça de jogar frente à seleção austríaca, mas lutou muito e voltou a mostrar o porquê de ser uma poste de alto nível.

  • Carolina Rodrigues – Não sabe jogar mal

A base foi também um dos nomes mais destacado por aqui nas últimas semanas e não é por acaso, basta ver estes três duelos para se perceber a qualidade de Carolina Rodrigues. Muito importante na defesa e no ataque, sempre em destaque pelo tiro e pontos, mas não só, acaba por se destacar na marcação, nos roubos de bola e pelas dificuldades que coloca aos ataques adversários. Três grandes jogos da base portuguesa que jogou de tal forma que nem parecia que vinha de uma época longa, uma jogadora riquíssima tecnicamente, mas que voltou a impressionar por todo o trabalho que faz.

Deixámos aqui tudo sobre os três primeiros duelos em Rio Maior frente à Hungria, para a semana vamos regressar para falar dos dois duelos da nossa seleção feminina de basquetebol com a Áustria, no segundo estágio.

CROD1920-copy_edited.jpg?fit=1000%2C667&ssl=1
José AndradeMaio 10, 202210min0

Novo dia de basquetebol feminino aqui no nosso FairPlay, hoje vamos falar da final da Liga Betclic Feminina que viu o SL Benfica sair vitorioso e conseguir assim o seu bicampeonato, mas venham daí que temos muito para falar destes dois últimos jogos da final da Liga Betclic Feminina.

Segundo jogo – Benfica empata num jogo de “loucos”

O SL Benfica recebia o União Sportiva obrigado a vencer e foi isso que aconteceu, a equipa da luz triunfou por 81-65 e conseguiu assim deixar tudo para a “negra” de domingo. Ricardo Botelho apostou de início em Emília Ferreira, uma semi-surpresa para o começo deste jogo, era a procura pelo tiro exterior da internacional portuguesa. Benfica entrava mais pressionado e foi o Sportiva a começar melhor, a defesa açoriana a conseguir travar no jogo interior e os contra-ataques o Benfica através de uma defesa muito agressiva. Benfica começa a crescer com o ataque ao cesto rápido, mais uma vez a busca pela mobilidade das jogadoras interiores em contrataste com o maior poderio físico do lado açoriano. No primeiro quarto o Benfica foi conseguindo ganhar nos ressaltos ofensivos, com isso foram conseguindo abrir uma ligeira vantagem, Licinara Bispo demorou para conseguir entrar no jogo. Um primeiro período com vários triplos, ataques em destaque e as defesas iam demorando para conseguir travar os ataques, se do lado do Benfica Laura Ferreira ia aparecendo dos dois lados, no Sportiva era como sempre Raquel Laneiro que ia aparecendo principalmente na concretização. Mariana Silva e Carolina Rodrigues entraram ainda no primeiro quarto e assumiram logo grande protagonismo como acontece sempre.

Benfica com o tiro exterior a ser o ponto diferencial neste começo de jogo, além dos ressaltos ofensivos, Sportiva por outro lado ia sentindo problemas na luta das tabelas. Segundo período muito complicado para o Sportiva, as defesas começaram a surgir, mas do lado visitante a falta de mobilidade estava a penalizar a equipa. O Benfica estava por cima, maior mobilidade, Carolina Rodrigues mais uma vez entrou muito bem e na defesa as encarnadas iam conseguindo travar o Sportiva, pela defesa pressionante, as ajudas e marcação à Nausia Woolfolk. A equipa dos açores cresce já dentro dos 2 minutos finais da primeira-parte, Laneiro e Simone mantiveram o nível e foram as melhores, mas foi com o crescimento de Licinara que a equipa conseguiu mais. Primeira-parte superior do Benfica, foram melhores, eram 12 pontos ao intervalo com o Sportiva a entrar melhor e a conseguir os melhores ajustes, mas sem conseguir mostrar o seu jogo habitual, iam sendo Rapha e Mariana Silva em destaque do lado da equipa da casa, Laneiro e Simone do lado visitante. O União Sportiva voltou a entrar muito bem no terceiro quarto como tem sido habitual, Licinara mais em jogo e Raquel Laneiro com um triplo ajudaram a uma aproximação ao Benfica. Açorianas mais agressivas, a ganhar nos duelos interiores, tiro exterior a cair e maior mobilidade, o Benfica sentia alguns problemas e conseguiam pontuar através de Candela Gentinetta e Raphaella Monteiro que com penetrações vindas de fora conseguiam manter o Benfica em jogo.

Partida cada vez mais intensa, Sportiva a ganhar nos duelos mais físicos e Benfica a conseguir sempre nas transições pontuar e criar problemas às açorianas, maior equilíbrio que na primeira-parte, Sportiva começou muito bem, Benfica soube reagir melhor que nos Açores e o terceiro quarto termina com Joana Alves em grande destaque do lado do Sportiva e Marta Martins do lado do Benfica. Joana Alves voltou a entrar muito bem com um triplo no quarto período, Raquel Laneiro mais uma vez muito bem na defesa e no ataque e ainda Nausia Woolfolk que nunca baixava o rendimento. Sportiva voltou a entrar em grande, Joana Alves com maior protagonismo, mas as açorianas não baixavam nunca os braços e voltavam a acreditar, do lado benfiquista, foi Carolina Rodrigues a assumir e a comandar a resposta do Benfica. Depois de um bom começo açoriano, o Benfica conseguiu “fugir” no marcador e garantiu o empate nesta final.

Terceiro jogo – Sportiva muito perto, mas águias acabam a sorrir

No duelo mais decisivo da temporada, o Benfica acabou por vencer o União Sportiva por 73-70 num grande jogo que garantiu o bicampeonato à equipa de Eugénio Rodrigues. Benfica entrou melhor, Sportiva cresce com a bola a passar mais por Raquel Laneiro, com o aparecimento de Licinara Bispo no jogo interior e ao contrário do segundo jogo, a equipa dos açores entrou a conseguir travar os contra-ataques do Benfica. Mais um jogo onde a equipa do União Sportiva não entrou bem e foi crescendo principalmente no final do primeiro período. Um dos destaques no início do jogo era mesmo a recuperação defensiva do Sportiva que conseguia travar mais as transições do Benfica, mas a equipa encarnada até pela presença de Carolina Rodrigues mais tempo em jogo tinha um ataque mais pausado e pensado e depois a mobilidade no duelo interior voltava a ser chave para a vantagem da equipa da luz. No segundo quarto o Sportiva começou muito melhor, fruto sempre da maior agressividade e da maior velocidade, mais uma vez mais Laneiro e Simone, logo mais União Sportiva.

Tal como no sábado, quando o Sportiva cresceu, Eugénio Rodrigues parou o jogo. Grande duelo entre Marta Martins e Raquel Laneiro, uma das maiores animações do jogo, com destaque obvio para o trabalho defensivo da capitã do Sportiva, jogadora que nunca baixava o nível e que ia sendo sempre das jogadoras mais. A equipa de Ricardo Botelho mais uma vez em crescendo, a terminar bem o segundo quarto. A segunda-parte começa com Licinara a surgir mais em jogo, Sportiva a defender melhor, mas o ataque benfiquista conseguia sempre pontuar com maior ou menos dificuldade, sempre fruto da inteligência de Raphaella e de Soeiro. A resposta do Sportiva surge ainda mais no final do terceiro com dois triplos seguidos, Laneiro criava, Nausia não parava e Simone Costa aparecia na finalização com um belo triplo a juntar a todo o seu trabalho na defesa. Benfica ia sentindo alguns problemas, apesar da vantagem, a equipa benfiquista não ia conseguindo ter o jogo tão fluído como normalmente. 8 pontos à entrada do último quarto, Sportiva reagiu e Benfica apesar dos problemas conseguiu não sair pior do terceiro quarto. No último quarto, Benfica volta a entrar melhor, Sportiva continuava em recuperação, mas as encarnadas continuavam a ser mortíferas em cada erro das açorianas. Sportiva conseguia construir melhor e pontuar da linha exterior, do lado encarnado Carolina Rodrigues sempre a entrar muito bem e a fazer a diferença. Final de jogo insano, as duas equipas a lutar muito, grande intensidade, Sportiva por cima, algumas questões nas decisões da equipa de arbitragem, mas o ponto chave acabou por ser a escorregadela de Nausia Woolfolk a 1:16 do final do encontro, das jogadoras que menos merecia um azar assim.

Benfica geriu a posse, guardou a bola, tentou ir para o cesto por Carolina Rodrigues que não conseguiu pontuar, Sportiva saiu em velocidade e viu o Benfica fazer falta sobre a Nausia que converte um dos lances livres, depois mais uma vez bola em Joana Soeiro que tentou gastar o mais possível, a base encarnada colocou em Rapha que em cima do final do tempo de ataque conseguiu marcar. O Sportiva ainda viu Emília Ferreira conseguir um triplo, mas depois a equipa dos açores não conseguiu fazer falta e assim o Benfica revalidava a conquista da Liga Betclic Feminina. Final incrível, dois grandes jogos, SL Benfica a vencer a final da Liga Betclic Feminina conseguindo o bicampeonato juntando a todos os títulos já alcançados nestas duas últimas temporadas. União Sportiva merece todos os elogios, uma equipa que sofreu muito, mas que fez uma excelente temporada, mereciam mais porque a época foi muito boa. Benfica acaba com duas derrotas, mas sem perder nenhum jogo em casa e com uma temporada recheada de títulos.

Destaques da final da Liga Betclic Feminina

Nos destaques, óbvio que Raphaella Monteiro e Nausia Woolfolk são os nomes mais consensuais, mas não são os únicos, por isso vamos lá falar de mais 4 nomes em evidência nesta final:

  • Raquel Laneiro: MVP dos playoffs

Foi o nome mais destacado aqui ao longo das últimas semanas e não foi por acaso, Raquel Laneiro surgiu numa forma incrível na segunda metade da temporada, depois de deixar os problemas físicos para trás foi sempre em crescendo até chegar a este terceiro jogo como uma das maiores figuras da Liga Betclic Feminina. A capitã do União Sportiva foi mesmo a jogadora mais regular de todas nestes playoffs, é dona de um talento raro e já muito conhecido por todos e neste final de temporada volta a assumir um papel e a ter um rendimento que está ao nível de muito poucas. Terminou em lagrimas a temporada, mas a merecer todos os elogios e destaques porque voltou a ser uma das melhores da temporada.

  • Simone Costa: Temporada de luxo

Simone Costa é mais um nome já muito mencionado aqui, mais uma atleta que não podia deixar de ser destaque. Na época de regresso a Portugal, nunca baixou de rendimento, começou logo muito bem, foi crescendo e foi sempre sendo uma das mais regulares e das que mais brilhava a cada jogo, uma temporada muito boa de uma das jogadoras que merecia muito mais destaque e atenção pelo seu rendimento nesta época.

  • Carolina Rodrigues: Final de temporada soberbo

Uma das melhores jogadoras da nossa Liga Betclic Feminina, teve uma temporada em crescendo, foi subindo muito de rendimento ao longo da época e chega a estas finais como uma das maiores protagonistas. 8 pontos no segundo jogo mais 15 no terceiro, a juntar a isso excelentes exibições de uma jogadora que soube dar um passo atrás, soube gerir emoções ao longo da época e apareceu em grande neste final sendo uma das estrelas das finais da Liga Betclic Feminina.

  • Mariana Silva: Uma das figuras maiores da época

Mariana Silva, mais um nome muito destacado aqui ao longo da temporada, mas torna-se natural que se repita e se fale muito de Mariana Silva, conseguiu ser sempre uma das animadoras, entrou sempre muito bem nos jogos e nestas finais não foram diferentes, conseguiu 8 pontos no segundo e terceiro jogo da final da Liga Betclic Feminina.

Terminou assim a temporada na Liga Betclic Feminina, o SL Benfica conseguiu revalidar a conquista, mas ficou aqui tudo sobre os dois últimos jogos da temporada e ainda os maiores destaques numa final absolutamente épica.

WhatsApp-Image-2022-03-21-at-18.10.07.jpeg?fit=1200%2C800&ssl=1
José AndradeMarço 24, 202215min0

Neste novo texto vamos falar sobre o que aconteceu na recém-terminada fase regular desta temporada na Liga Betclic Feminina com um olhar para as equipas, o respetivo rendimento e um balanço do que tivemos até agora, mas venham connosco para esta balanço.

Já ficámos a conhecer os duelos dos Playoffs e Playout da Liga Betclic Feminina.

Guifões SC – Base de muito futuro

Começamos por falar do Guifões, a equipa que já sabe que vai descer, mas apesar de uma temporada complicada ficam vários pontos que merecem atenção. A equipa começou a temporada de uma forma complicada, muitas situações que não ajudaram a que as coisas corressem bem, mas as mudanças principalmente quando Isabel Leite regressou, ajudaram a que o caminho fosse iluminado e tudo começasse a fluir. Não foi uma temporada fácil, mas ficou a base de jovens talentos que tem tudo para devolver o Guifões à elite do nosso basquetebol num curto espaço de tempo.

Olhando para as estatísticas vemos que mesmo com tudo, o Guifões conseguiu uma melhor percentagem da linha de 3 pontos melhor que o Esgueira e perto do Quinta dos Lombos, na linha de lances livres a percentagem concretizada foi melhor do que o Esgueira e que o Quinta dos Lombos, depois é claro que vemos as dificuldades sentidas na luta das tabelas, mas não deixa de ser curioso ver que a equipa sofreu mais faltas que o Quinta dos Lombos e que o GDESSA. Apesar das dificuldades e da descida de divisão ficou o afirmar de um excelente treinador, Gustavo Mota e um grupo de jovens atletas com muito potencial como Carolina Ferreira, Joana Valdoleiros, Mafalda Salazar que se juntam a Ana Almeida, Benedita Brandão ou Filipa Teixeira como as mais experientes.

Olivais FC – ótimo basquetebol

De seguida vamos até Coimbra, para falar do Olivais. A equipa de Fernando Brás vai discutir o playout com o Francisco Franco, mas foi uma equipa que se destacou pelo basquetebol praticado, muita qualidade, sempre bons jogos e as dificuldades acabaram por se prender sempre na questão do jogo interior, a verdade é que alguns dos maiores destaques da Liga Betclic Feminina são do Olivais com destaque para Eva Carregosa, mas a verdade é que além da qualidade dos jogos ficou uma base portuguesa ainda mais forte.

O Olivais foi a nona equipa com mais pontos marcados, foram a sexta melhor equipa no que diz respeito ao acerto no tiro exterior, a sétima em relação aos ressaltos ofensivos, a sétima com mais assistências, a sexta com mais roubos de bola e a sexta equipa que mais sofreu faltas na Liga Betclic Feminina, isto aliado à qualidade revela bem quão bem esteve esta equipa onde realmente o problema foi o início de temporada e a luta das tabelas do lado defensivo. Leonor Santos, Sofia Pinheiro, Raquel Alves, Joana Amaro, Mafalda Pompeu, Eva Carregosa, Mariana Garrido, Larisa Djai, Darya Yakovleva ou Mariana Mendes são alguns dos muitos nomes nacionais muito talentosos que vão garantir uma base nacional muito forte para o futuro.

CDE Francisco Franco – Uma das surpresas da Liga

As madeirenses subiram à Liga Betclic Feminina, muitas expetativas para ver o que conseguiam e a verdade é que com uma base jovem e escolhas acertadas nas estrangeiras colocaram a equipa de Paulo Freitas como uma das revelações desta temporada. O Francisco Franco foi a sétima equipa com maior percentagem no que aos lançamentos de campo diz respeito. No tiro exterior foram o oitavo melhor conjunto, o quinto melhor no que se refere à linha de lances livres, a sexta com mais ressaltos ofensivos e ainda destacar que foram a quarta equipa com mais desarmes de lançamento.

Estes fatores revelam bem o que foi esta equipa madeirense que vai discutir com o Olivais o playout, uma equipa muito forte na defesa, que tinha na zona interior um dos fatores diferenciais através de jogadoras que aliavam a estatura e a qualidade de lançamento. Katherine Anderson, Dayna Rouse e Bianca Silva foram destaques, mas Chana Paxixe afirmou-se na nossa Liga e a base nacional com Cristina Freitas, Ana Teixeira ou Diana Baptista, todas com menos de 18 anos revelou-se pronta para liderar a curto espaço de tempo este conjunto da Madeira.

Galitos – Playoff ficou muito perto

Vamos até Aveiro para falar do Galitos, as aveirenses ficaram até ao último suspiro da fase regular da Liga Betclic Feminina com chances de ir aos playoffs, a verdade é que mesmo não indo a época foi boa. As galináceas também mostraram uma base jovem de valor para o futuro que Jorge Dias foi apostando o potenciando para o futuro da equipa e do nosso basquetebol. A equipa apostou muito bem nas estrangeiras com Maritze Rodriguez, Caroline França e Jeanne Morais a serem exemplo disso e depois claro, Barbara Souza uma das figuras maiores da Liga Betclic Feminina, Ana Ramos que ainda se afirmou mais na nossa Liga e claro, Daniela Domingues um dos nomes grandes do nosso basquetebol que voltou a liderar e ser uma peça preponderante tanto pelo que jogou como pelo peso da sua liderança.

Nos destaques estatísticos ficou o facto de serem a sexta melhor equipa no que à percentagem da linha de três pontos diz respeito, a melhor equipa na linha de lances livres e a quinta com mais ressaltos defensivos, números que revelam uma equipa sólida. Na base nacional de futuro destaque para Ana Urbano, Maria Neto ou Margarida Abrantes nomes para o médio e longo prazo do nosso basquetebol.

Vitória SC – Objetivo mínimo atingido

Agora vamos até Guimarães para falar do Vitória SC, uma equipa que sofreu muitas mudanças para esta temporada, mas que depois da excelente época passada e das dificuldades criadas ao SL Benfica na Supertaça criou muitas expetativas para o que estava para a vir, a verdade é que foi uma temporada complicada, mas que no fim da fase regular o objetivo mínimo e mais importante foi atingido, a equipa conseguiu um lugar nos playoffs. Olhando para esta equipa, o crescimento foi notório ao longo das últimas semanas e a qualidade de jogo subiu muito através do trabalho que a equipa liderada por Pedro Dias foi realizando.

As oscilações nas jogadoras estrangeiras causaram a época mais irregular, mas a verdade é que foram a sexta equipa com mais pontos marcados, a segunda melhor equipa no que ao tiro exterior diz respeito e ainda a terceira com mais desarmes de lançamento, uma equipa que sempre mostrou muito ofensivamente e que demorou mais para render na defesa e isso custou muitos pontos. Sara Ressurreição e Filipa Barros foram os maiores destaques individuais desta equipa.

CR Quinta dos Lombos – Futuro garantido

No que diz respeito às sétimas classificadas da Liga Betclic Feminina, o Quinta dos Lombos acabou por mostrar novamente muita força numa zona onde é sempre forte, falo claro da zona interior, a batalha das tabelas e a muita qualidade das jogadoras interiores é sempre uma imagem de marca da equipa de José Leite. Uma temporada um pouco mais complicada em comparação com a anterior, mas onde o objetivo principal foi atingido. A equipa da linha foi a quinta melhor no que à eficácia em lançamentos de campo diz respeito, foram ainda a segunda equipa com mais ressaltos ofensivos e a terceira com mais ressaltos defensivos da nossa Liga Betclic revelando aquilo que já referimos, a força e a superioridade no que ao jogo interior diz respeito.

Letícia Rodrigues e Ndioma Kane foram as figuras maiores, foram mesmo duas das estrelas em maior destaque na fase regular da Liga Betclic. No Quinta dos Lombos obviamente que temos de destacar a juventude, claro que encabeçada por Mariana Carvalho, já uma referência e figura da Liga Betclic, mas Marta Roseiro, Filipa Cruz e Carolina Furtado afirmaram-se não só como algumas das mais talentosas jovens de futuro do nosso basquetebol como figuras já do presente e que ainda mais alegrias vão dar aos adeptos da Quinta dos Lombos.

CAB Madeira – Irregularidade, mas muita qualidade

Viajamos até à Madeira para falar do CAB, a equipa orientada por Fátima Silva nem sempre mostrou a regularidade que pretendiam, a própria treinadora falou sobre a questão das estrangeiras e o facto de nem sempre terem correspondido, a verdade é que falamos de uma equipa que jogou bem, um small ball agressivo e com muitas ideias no ataque. No que diz respeito ao jogo interior, foi sempre um dos problemas, mas ai sobressaiu Alice Martins que cresceu muito nesta temporada e se afirmou com uma das melhores interiores da nossa Liga. O CAB foi a quarta melhor equipa no que à percentagem de acerto no tiro exterior diz respeito, destacando-se ainda como o segundo melhor conjunto na linha de lances livres, a terceira com mais assistências e a quarta com mais roubos de bola que resultam da agressividade e pressão elevada.

Uma equipa que depois de uma época atribulada conseguiu chegar aos playoffs a jogar bem e com um conjunto de jogadoras que tem tudo para brilhar nesta fase da época. O destaque maior das madeirenses é claro e óbvio, Carolina Bernardeco uma das craques maiores da Liga Betclic Feminina, mas com destaque ainda para Isabel Berenguer, uma base de 18 anos que se afirmou nesta temporada, capaz de criar e uma “carraça” defensiva que a torna uma das melhores bases defensivas da nossa liga.

Esgueira – A revelação maior da temporada

Vamos novamente a Aveiro para falar do Esgueira, a outra equipa que havia subido e que se revelou a maior revelação da temporada. Uma equipa jovem e muito bem trabalhada por André Janicas, assente na agressividade e pressão alta. O Esgueira revelou-se uma das equipas mais batalhadoras, mesmo sem jogadoras de estatura elevada, afirmaram-se a jogar muito bem e um com um jogo muito veloz que nos proporcionava sempre jogos espetaculares. As aveirenses foram a segunda melhor equipa no acerto dos lançamentos de campo, foram a quinta equipa com mais ressaltos ofensivos e o destaque maior deste conjunto foi obviamente os roubos de bola onde foram a equipa que mais bolas roubou na Liga Betclic Feminina.

Uma equipa liderada por Ana e Gabriela Raimundo que demonstram semana após semana o facto de serem duas das melhores jogadoras portuguesas, ainda destaque óbvio para Inês Ramos que é cada vez mais uma certeza do nosso basquetebol e para Daniela Jesus, uma peça muito importante pelo que acrescenta pela sua qualidade e a muita entrega.

GDESSA – À lei da bomba e da qualidade

Descemos até ao Barreiro para falar de uma das equipas mais regulares e que melhor jogou nesta fase regular da Liga Betclic Feminina. Uma base sólida e com qualidade internacional composta por Márcia da Costa Robalo, Leonor Serralheiro e Maianca Umabano, uma equipa histórica e que nos habitou a excelentes épocas ao longo dos anos tal como nesta temporada. Este conjunto manteve a sua força no que ao jogo interior diz respeito e assumiu ainda mais o tiro exterior como arma preferencial para o sucesso da temporada. Equipa agressiva, que defende bem, que aposta no pick and roll e que nem a lesão de uma das peças mais importantes abalou este conjunto. Velocidade, qualidade e bombas são sempre garantidas nos jogos do GDESSA.

A equipa que é claramente uma das maiores candidatas ao título da Liga Betclic Feminina foi o conjunto com mais pontos marcados na fase regular, com a segunda melhor eficácia em relação aos lançamentos de campo, a melhor equipa no tiro exterior, a terceira melhor na linha de lances livres, a quarta com mais assistências e a terceira com mais roubos de bola. Nos destaques individuais temos que referir Letícia Josefino e ainda as mais jovens como Rita Rodrigues ou Joana Lopes que já mostraram estar mais que prontas para a assumir um papel importante.

AD Vagos – Duas motas e muita segurança

Voltamos a Aveiro para a última equipa do distrito e aquela que mais acima ficou na tabela classificativa da Liga Betclic Feminina. Um projeto sustentando e dos mais fortes do nosso basquetebol, uma equipa que tem uma base com muitos anos de “casa” e um treinador que é dos melhores e que também ele leva muitos anos no Vagos. Uma equipa que se soube reforçar muito bem, Martha Burse e Manuela Rios foram as duas motas adquiridas, duas bases muito intensas, muito velozes que pontuam muito e que defendem bem, ainda chegou Devon Brookshire que acrescentou altura, ainda mais capacidade de ressalto e pontos.

Uma equipa muito bem trabalhada, que apostava nas transições letais através da velocidade da dupla Burse e Rios, além da visível evolução de algumas peças como Susana Carvalheira ou Rita Oliveira. Terceira equipa com mais ressaltos ofensivos, quarta com mais ressaltos defensivos e segunda com mais roubos de bola. Nos destaques individuais ainda mencionar Joana Cortinhas, uma das jogadoras mais inteligentes da liga, além de Bruna Zagaria e Gabriela Falcão que subiram muito de rendimento esta temporada nesta equipa que se assumiu desde cedo como uma das melhores da temporada.

União Sportiva – Perfume açoriano

As Açoreanas do União Sportiva começaram a temporada perto de chegar à Europa, também este conjunto foi um dos que mexeu melhor tanto no verão como nos acertos de inverno. O conjunto de Ricardo Botelho teve o pior período quando a sua base e capitã Raquel Laneiro se lesionou, o peso na equipa e a qualidade de uma das estrelas da Liga Betclic Feminina deixaram o União Sportiva um pouco mais irregular, mas a verdade é que a equipa assim que esse regresso aconteceu entrou no caminho do sucesso, subiu na tabela e acabou por conseguir o segundo lugar na fase regular da Liga Betclic Feminina. Uma equipa sempre muito forte no jogo interior, primeiro com Kasiyahna e depois com Licinara Bispo, além disso ainda uma das caras novas, Joana Alves que regressou a Portugal para brilhar nos nossos campos, garantindo uma capacidade de luta e de ganho nas tabelas e ainda tiro.

Nos destaques ainda mencionar Simone Costa, que foi também ela uma das caras novas nesta temporada e que muitas vezes sem ser a que dá mais nas vistas, mas sempre das mais importantes e das mais regulares na equipa. União Sportiva com a % mais elevada de acerto no que a lançamentos de campo diz respeito, terceira melhor equipa no tiro exterior, terceira equipa com mais ressaltos ofensivos e a que tem mais ressaltos defensivos, acrescenta ainda ser a equipa com mais assistências e a segunda equipa que mais faltas sofre, acresce a isto a MVP da fase regular, Nausia Woolfolk que foi a jogadora mais regular e a que mais brilhou. s

SL Benfica – As favoritas

Por fim, vamos às campeãs em título, que já venceram os dois troféus que se disputaram na temporada e que saem da fase regular com 22 vitórias nos 22 jogos disputados. Pouco a dizer que não seja o elogiar mais uma vez o excelente trabalho de Eugénio Rodrigues, a muita qualidade desta equipa, o quão bem jogam e a regularidade visto que foi uma equipa que entrou muito bem na temporada e não baixou o nível exibicional. Equipa com mais ressaltos ofensivos, segunda com mais ressaltos defensivos e destaque para o facto de ser a segunda equipa com menos perdas de bola.

Conjunto encarnado com muitas soluções, jogadoras consagradas e com qualidade internacional como Joana Soeiro, Laura Ferreira ou Raphaella Monteiro, ainda com Mariana Silva que se afirmou em definitivo como uma das caras desta equipa, acrescentando um banco que garante muitas e variadas soluções com jogadoras como Carolina Rodrigues, Marta Martins ou mesmo Ana Barreto. Primeira fase da temporada com alguns sustos, mas sem quebras para o Benfica, surge naturalmente como a equipa favorita e na pole position para a conquista da Liga Betclic Feminina.

Ficou aqui um balanço da primeira volta da Liga Betclic Feminina, que na próxima temporada vai contar com o Imortal, a equipa algarvia já garantiu a subida e está também em destaque numa semana de muito basquetebol feminino no Fair Play.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS