Arquivo de Jade Melbourne - Fair Play

image-4.jpg?fit=1000%2C667&ssl=1
José AndradeAbril 9, 20228min0

Penúltima parte da nossa lista de futuras grandes estrelas do basquetebol mundial, mais 10 nomes de muito valor e talento para o draft da WNBA e para o futuro do basquetebol feminino mundial.

Maya Dodson – Extrema de Indiana

Nesta segunda parte começamos com uma jogadora interior, uma defensora, não falamos de uma interior com jogo exterior, mas sim uma das melhores a nível defensivo. Maya é uma das melhores deste draft da WNBA em termos de desarme de lançamento, é uma excelente defensora, garante vantagem no perímetro, altura e capacidade física.

Chloe Bibby – extrema de Maryland

Continuamos com uma jogadora da mesma posição, mas Chloe Bibby é mais versátil, consegue jogar dentro e fora, é uma ótima ressaltadora e ainda acrescenta tiro exterior, é uma “big” que lança muito bem da linha de três pontos. É uma jogadora interior muito completa, que consegue atuar em várias posições e que tem capacidade de criar, uma extrema-poste com grande margem de progressão e já habituada a grandes palcos uma vez que se estreou cedo na liga australiana.

Sude Yilmaz– Extrema do Galatasaray

Vamos a um nome que é altamente improvável que seja escolhido, mas uma jogadora de futuro para o basquetebol europeu e que pode acabar por chegar à WNBA a médio prazo. Sude Yalmaz tem se cimentado na posição 3 na Turquia, tem apenas 20 anos, mas tem ganho muito espaço ao longo desta temporada no Galatasaray sendo uma jogadora cada vez mais importante na equipa. Uma jogadora versátil, capaz de jogar também como base, posição onde começou a dar nas vistas. Falamos de uma jogadora com capacidade de criação, com ótimo sentido posicional, que passa muito bem e que tem uma excelente visão de jogo, precisa de melhorar no lado defensivo, mas a verdade é que com o maior tempo de jogo temos visto uma jogadora a mostrar mais da sua capacidade de assumir jogo e de fazer o Galatasaray jogar.

Lexie Hull – Base de Califórnia

Stanford acabou por desiludir nesta March Madness, mas Lexie Hull assumiu-se ainda mais como um dos grandes nomes para este draft. Falamos de uma base muito aguerrida, que tem a maior questão no seu atleticismo, ainda se colocam algumas dúvidas para uma liga como a WNBA, mas é uma base muito lutadora, que garante tiro exterior, tendo uma percentagem de 40.4 na linha de três pontos esta temporada e de 37% ao longo dos seus três anos em Stanford. Além do tiro exterior, um dos destaques é a capacidade de roubar a bola, esta temporada foram 2.3 roubos de bola por jogo, sendo uma arma da equipa que dos roubos de bola conseguia pontuar muitas vezes. Lexie Hull é uma base que luta muito, nunca desiste de uma bola, tem tiro exterior e consegue facilitar o jogo das suas colegas, além de ser muito habilidosa, é uma jogadora de muito futuro.

Jade Melbourne – Base de Canberra

Voltamos a um prospect internacional que vai chegar à WNBA, falamos da base australiana, Jade Melbourne que preferiu estudar e fazer o seu percurso na sua terra natal, recusou a oferta de Arizona State para continuar na liga australiana onde se afirmou como uma das estrelas e dos maiores talentos. Foi a mais jovem da lista de eleitas da Austrália para o Campeonato do Mundo. Jade é uma base que defende bem, que ataca muito bem o cesto e esse é um dos pontos onde mais se destaca, depois é uma criadora, consegue descobrir os espaços para as suas colegas e para os seus lançamentos, sendo também ela uma boa atiradora. Ball handler de elevado valor, gosta de atirar do canto na linha de três pontos, é rápida e penetra muito bem para o cesto. Uma combo guard de muita margem de progressão.

Jasmine Dickey – Base de Delaware

É uma jogadora muito versátil, talvez a jogadora capaz de jogar em mais posições neste draft, isto porque já a vimos jogar a base, onde atua preferencialmente, mas também já foi usada a extrema e a extrema-poste. Jasmine é uma jogadora híbrida, caapaz de render em todo o lado, muito intensa, muito atlética, é uma jogadora muito de confiança e que sempre atua bem. Joga bem dentro e fora, muito habilidosa com a bola nas mãos, sabe criar e passa bem, mas depois defende bem, consegue aguentar jogadoras mais fortes fisicamente e não se intimida com ninguém. Marca em campo aberto, em transições e penetra bem para o cesto, é um talento muito completo e com uma margem de progressão que a faz ser uma das jogadoras deste draft mais fiáveis.

Serena Kessler – Base de Tarbes Gespe Bigorre

Nesta segunda parte temos mais nomes europeus e Serena Kessler é mais um, neste caso é uma das maiores promessas do basquetebol francês. Fez formação em Paris, no Centre Federal, uma equipa de segunda divisão onde cedo deu nas vistas e consequentemente foi lançada ao mais alto nível, assumindo logo um papel de destaque. Depois deu o salto para Tarbes, uma equipa de primeira divisão onde ela se assume como uma das maiores figuras. É uma base de mais de 1,80 metro, tem um histórico de lesões, mas é uma base com capacidade física e que sabe usar muito bem o seu corpo, que defende bem, com capacidade de tiro e com habilidade com a bola nas mãos, um talento que pode ser escolhido na terceira ronda, mas com capacidade para no futuro chegar à WNBA.

Katie Benzen – Base de Maryland

Uma base que chegou a Maryland como uma atiradora, a verdade é que era bem mais que isso e com o tempo tem evoluído para se afirmar como uma base mais completa. Katie mantém um tiro exterior temível, é uma das suas armas, mas além disso é uma base rápida, habilidosa, com ótima capacidade de passe e que notabiliza pelo que faz jogar, não é uma base egoísta, muito pelo contrário, é uma base de fazer jogar e de ajudar as suas colegas a renderem mais. Uma base coletiva, de criação e que passa muito bem.

Reka Dombai – Extrema do Gyor

Agora vamos até à Hungria para falar de Reka Dombai, mais uma jogadora internacional com capacidade para chegar muito longe. Vai na sua terceira temporada no Gyor, estreou-se com apenas 16 anos e logo na primeira temporada assumiu-se como a terceira melhor marcadora da liga, o que já por si revela bem a sua muita capacidade. É uma jogadora muito versátil, defende muito bem, ataca bem o cesto, joga bem de costas e de frente para o cesto, atira bem, cria bem, consegue assumir várias posições e dá garantias de rendimento imediato dos dois lados do campo. Pode ser um dos “steals” deste draft porque além da qualidade, da sua versatilidade, é uma das jogadoras deste draft com mais andamento a nível sénior.

Eden Zipel – Extrema do Hapoel Rishon Lezion

Continuamos na Europa para falar de um dos maiores talentos do basquetebol europeu, Eden Zipel é uma extrema de muito valor. É scorer, apareceu cedo no Hapoel, tem vindo sempre a crescer e a evoluir. Na temporada passada, a equipa sentiu dificuldades, as estrangeiras não renderam o esperado e foi Eden a assumir o papel de estrela, nesta época as coisas mudaram, as israelitas conseguiram Dekeiya Cohen, Jennie Simms e Kristi Bellock, três jogadoras que assumiram o estatuto de estrelas da equipa, parecia que Eden ia perder espaço, a verdade é que ele não só aumentou o tempo de jogo como é uma das peças com melhor rendimento, sendo ela a responsável por criar e por fazer estas estrelas renderem tanto como tem acontecido nesta temporada. É uma extrema de criação, que se destacou sempre por pontuar facilmente, mas a verdade é que não deixando nunca de ser uma scorer tem melhorado muito na criação, evidenciado uma leitura e visão de jogo muito acima da média.

Ficaram aqui mais 10 nomes, para o draft da WNBA, mas não só, falamos de grandes talentos que já brilham muito e vão brilhar cada vez mais. Ainda nos falta mais uma parte, por isso não percam a nossa quarta e última parte com mais nomes de futuras estrelas.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS