Arquivo de GP de Singapura - Fair Play

destaque-2.jpg?fit=1000%2C628&ssl=1
Luís PereiraSetembro 24, 20192min0

Primeira vitória do ano para Vettel, 22 corridas depois, e terceira consecutiva da Ferrari. Vitória importante, com dobradinha, deixando notório que a Ferrari consegue vencer, mesmo em pistas teoricamente favoráveis à Mercedes.

Vettel chegou à vitória devido à estratégia da Ferrari, que o fez parar antes dos restantes, incluindo o seu colega de equipa, Leclerc. Leclerc, que partiu da pole, não ficou muito contente com a estratégia da Ferrari, já que ele estava na liderança e no controlo da corrida.

Leclerc acabou por sentir que a vitória devia ser sua, já que mostrou sempre andamento superior a Vettel. Apesar disso, Leclerc também disse entender a estratégia de equipa, que preferiu garantir uma vitória, utilizando estratégias ligeiramente diferentes para os diferentes pilotos.

Ainda que isso acabasse por beneficiar indiretamente Vettel, para a Ferrari a parte importante foi ter vencido com uma dobradinha e mostrar que o Campeonato ainda não está terminado.

A completar o pódio ficou Verstappen, que beneficiou da má estratégia da Mercedes para chegar ao terceiro lugar do pódio, ainda que não tenha tido andamento para mais.

Em quarto ficou Hamilton, apesar de ter arrancado do 2º posto, Hamilton foi prejudicado pela má estratégia da Mercedes, que tardou em fazer Hamilton parar para trocar de pneus, o que o fez ficar atrás não só de ambos os Ferrari, mas também de Verstappen.

A Mercedes tem de pensar bem na sua situação, já que a Ferrari vai em três vitórias consecutivas e parece estar numa trajetória ascendente. Não parece que o Campeonato esteja em risco, mas tudo pode acontecer até ao final da temporada.

Bottas ficou em quinto, atrás de Hamilton, numa corrida fraca para a Mercedes, Alex Albon foi sexto com o segundo Red Bull, nunca conseguindo imiscuir-se na luta mais à frente.

O melhor dos outros foi Norris, com um excelente sétimo lugar para a McLaren. Assumiu a liderança da luta no segundo pelotão depois do seu companheiro de equipa, Carlos Sainz e do piloto da Renault, Nico Hulkenberg terem colidido na primeira volta.

A Fórmula 1 regressa já no próximo fim de semana, com o GP da Rússia, com muita expectativa no ar.

GRANDE PRÉMIO DE SINGAPURA

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE CONSTRUTORES

(foto: formula1.com)
destaque-1.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Luís PereiraSetembro 18, 20183min0

Lewis Hamilton está em plena forma! É o que tem de ser dito sobre a fantástica performance que o britânico teve durante todo o GP de Singapura. Antes do fim de semana e durante os treinos tudo apontava a um domínio dos Ferrari, mas Hamilton mudou completamente as regras do jogo.

Durante a qualificação Hamilton decidiu tirar os coelhos da cartola e fez uma perfeita e algo inesperada volta rápida para a pole position. A partir daí, saber-se-ia que a vitória estaria ao seu alcance, mas não se podia subestimar o andamento, este ano, superior dos Ferrari.

Só que na corrida, Hamilton voltou a ser Hamilton e dominou a seu belo prazer. Hamilton mostrou sempre o andamento que precisava, parecia, inclusive, que teria mais andamento no “bolso”, caso fosse preciso. Foi uma corrida longa, mas tranquila, que não teve um único momento de aperto para o Campeão do Mundo.

Atrás de si ficou Verstappen, que lutou muito com Vettel para ganhar esta posição, quer no arranque, quer na mudança de pneus. Verstappen usou o seu espírito combativo para sair das boxes e ficar milímetros à frente do piloto da Ferrari.

Vettel terminou em 3º e viu o fosso pontual ficar ainda maior. Depois de ter dito que a volta de qualificação de Hamilton tinha sido boa, mas não era imbatível, ficou no ar se Vettel teria assim tanto andamento no seu carro ou se estaria a fazer mind games.

Tendo em conta a estratégia de pneus mais macia e agressiva que a Ferrari utilizou, que nem assim levou o alemão a passar Verstappen, os comentários de Vettel deveriam ter sido apenas uma tentativa de pressão para Hamilton.

A luta pelo quarto lugar foi entre os “outros” pilotos das três equipas da frente, Bottas, Kimi Raikkonen e Ricciardo.  Durante esta luta, os três passaram a derradeira dezena e meia de voltas muitos juntos, em luta direta. Acabou por ser o piloto da Mercedes a levar a melhor, mas seguido de perto pelo seu compatriota.

Grande sétimo lugar para Fernando Alonso, que conquistou o lugar dos “vencedores do segundo pelotão”, depois duma corrida muito sólida, terminando bem na frente de Carlos Sainz, que o vai substituir na McLaren. A fechar o top 10 terminaram Charles Leclerc e Nico Hulkenberg.

Era suposto as duas últimas corridas terem sido dominadas pela Ferrari e Vettel, mas o vencedor em ambas foi Lewis Hamilton. Isso mostra o quanto nada está garantido na F1, mas mostra também o atual estado de espírito do inglês, que o está a fazer superiorizar-se aos restantes. Hamilton não tem cometido erros, ao contrário de Vettel, e por isso tem agora uma vantagem de 40 pontos.

As contas começam a ser muito favoráveis para Hamilton, mas ainda há muito por disputar. Hamilton pode estar preste a tornar-se no novo pentacampeão da F1, mas Vettel tem exatamente o mesmo objetivo e os erros do alemão podem ter servido para começar uma grande reta final de Campeonato.

GRANDE PRÉMIO DE SINGAPURA

(foto: f1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: f1.com)

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS