Arquivo de GP de Itália - Fair Play

destaque-1.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Luís PereiraSetembro 8, 20193min0

Leclerc resistiu à pressão de ambos os Mercedes e venceu o GP de Itália, em casa da Ferrari. Foi uma corrida bastante disputada, com a luta entre Leclerc e Hamilton a ficar em destaque.

Charles Leclerc começou a construir esta vitória ao mostrar na qualificação que os Ferrari eram os carros mais competitivos do fim de semana. Atrás de si ficou Hamilton, mas a notar-se uma clara diferença na velocidade de ponta entre os carros.

No arranque da corrida Leclerc até arrancou ligeiramente pior do que Hamilton, mas ainda assim não deixou espaço ao britânico. Hamilton manteve a corrida em perseguição cerrada a Leclerc, mas sem fazer nenhum avanço.

A oportunidade surgiu quando foram feitas as primeiras paragens Hamilton ficou bem mais perto, em posição de ataque. Hamilton esteve em ataque constante, a utilizar o DRS, mas nem assim tinha velocidade para ultrapassar Leclerc.

Apenas quando Leclerc falhou uma travagem, deixando Hamilton mais perto do que nunca. Hamilton ainda tentou, mas Leclerc fechou completamente a porta e manteve posição. Depois de tantas tentativas os pneus de Hamilton perderam eficácia, tambem ele falhou a travagem e foi passado por Bottas.

Bottas, que tinha pneus mais frescos, tentou a sua chance, mas, apesar de teoricamente em posição mais favorável do que Hamilton, nunca conseguiu ter uma verdadeira tentativa de ultrapassagem.

Leclerc conseguiu assim a sua segunda vitória, consecutiva, e logo na casa da Ferrari, que não acontecia desde 2010, quando Alonso fez os tiffosi entrar em delírio.

Hamilton teve de se contentar com o 3º posto e vitória mais rápida, mas a liderança do Mundial parece estar bem segura.

Quem não parece estar bem seguro é Sebastian Vettel, que voltou a comprometer, algo que tem acontecido bastante na sua passagem na Ferrari. Desta vez perdeu o controlo do monolugar, saindo de pista. Quando reentrou ainda tocou no Racing Point de Stroll, o que lhe deu uma penalização. Vettel tem de ter cuidado porque está a uma penalização grave de ser banido por uma corrida.

A F1 tem agora um novo “menino de ouro”, e parece que a geração seguinte está bem assegurada com Leclerc e Verstappen ou Norris. Mas enquanto são apenas jovens promessas na arena com os leões, é interessante ver como eles já se batem com os leões como Hamilton, Vettel ou Ricciardo.

GRANDE PRÉMIO DE ITÁLIA

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE CONSTRUTORES

(foto: formula1.com)
destaque.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Luís PereiraSetembro 4, 20183min0

Lewis Hamilton puxou dos galões e obteve uma importante vitória em Monza, logo na casa da Ferrari.

Hamilton apresentou-se ao seu melhor nível em Itália, casa da Ferrari, numa corrida que se esperava que fosse dominada pela Ferrari.

Hamilton não conseguiu melhor do que a terceira posição na grelha, com o Ferrari de Raikkonen a ficar na pole.

No arranque, Raikkonen manteve a posição no arranque, mas a ação iria acontecer atrás de si. Hamilton arrancou melhor do que Vettel e tirou-lhe a segunda posição. Só que Vettel não se quis deixar ficar e tentou passar Hamilton imediatamente de seguida.

Só que essa agressividade não foi a melhor naquele momento e Vettel e Hamilton tocaram-se, com o alemão a ser o prejudicado a cair para último com dano no carro.

Isto foi um erro que custou caro a Vettel, já que acabou, logo na 1ª volta, com as suas esperanças de vitória. Por sua vez, deixava Raikkonen à mercê de Hamilton.

Durante a primeira parte da corrida Hamilton bem tentou passar o finlandês da Ferrari, mas apesar de ter conseguido estar por momentos na liderança, foi imediatamente ultrapassado e ficou sempre a ver a traseira do carro escarlate, até Raikkonen parar para troca de pneus.

Foi esse o momento que fez a Mercedes brilhar. Num bom planeamento, a Mercedes fez a estratégia de equipa quer iria dar a vitória a Hamilton.

A Mercedes mandou Hamilton continuar em pista, fazendo voltas rápidas, tardando ao máximo a sua entrada nas boxes. Por sua vez, Bottas iria ficar em pista o máximo possível, para atrasar Raikkonen atrás de si.

Hamilton parou oito voltas mais tarde, para assim ter pneus mais frescos. Raikkonen ficou preso atrás de Bottas, dando a oportunidade a Hamilton de reduzir uma desvantagem de 7 segundos em apenas 6 voltas, ficando novamente colado a Raikkonen, mas com borracha muito mais “fresca”.

Bottas fez o seu trabalho de equipa e parou, deixando a Hamilton a responsabilidade de passar o piloto da Ferrari. Dito e feito. Apesar de uma boa defesa de Raikkonen, os pneus do finlandês da Ferrari estavam bem mais gastos e Hamilton passou na primeira curva, para a liderança.

A partir daí Raikkonen nem mais tentou lutar, ficando-se pelo 2º lugar, com Bottas a ficar com um merecido 3º lugar no pódio.

E Vettel? Depois do erro inicial, Vettel teve de recuperar e fez uma admirável recuperação até ao 4º posto. Ainda assim, esta recuperação não é nada doce para Vettel, já que viu Hamilton fugir ainda mais na liderança do campeonato.

Numa corrida que poderia ter sido facilmente vencida pela Ferrari, ainda mais em casa, foram os Mercedes e Hamilton a brilhar. A Mercedes jogou muito bem em equipa e Hamilton mostrou mais uma vez a sua postura de ataque cínica, que o faz cometer poucos erros.

Vettel tem de corrigir os seus erros. Já têm sido vários os erros que deitaram fora importantes pontos, deixando Hamilton cada vez mais longe. Agora vem Singapura, uma pista onde os Mercedes não têm sido particularmente fortes. Vettel já está a 30 pontos de Hamilton e já não se pode dar ao luxo de cometer mais erros. Hamilton espera que os Mercedes se aproximem ainda mais dos Ferrari, uma vez que no seu atual momento de forma, se os andamentos forem semelhantes, Hamilton supera os restantes.

GRANDE PRÉMIO DE ITÁLIA

(foto: f1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: f1.com)

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS