[Lendas do Ténis] Don Budge, o Rally Grand Slammer

André Dias PereiraJunho 3, 20183min0

[Lendas do Ténis] Don Budge, o Rally Grand Slammer

André Dias PereiraJunho 3, 20183min0

Alto e magro, primeiro foram os seus cabelos ruivos a chamar a atenção. Até John Donald Budge começar a jogar. Depois, foram os seus feitos a torná-lo mundialmente famoso. O ténis eterniza-o simplesmente como John Budge.

Número um mundial, por cinco anos, como amador e profissional, Budge tornou-se no primeiro tenista a cumprir o Rally Grand Slam em um ano desportivo. Em 1938, o norte-americano gravou o seu nome na história vencendo o Australian Open, Roland Garros, Wimbledon e US Open.

Nascido em Oackland, Califórnia, é ainda hoje o único tenista norte-americano a ter conseguido esse feito. Antes dele só Fred Perry consuira vencer os quatro Grand Slam, contudo, Budge é o mais novo a atingi-lo (23 anos).

Vencedor de seis Grand Slam, Don Budge venceu ainda mais três em duplas (Wimbledon, Australian Open e US Open) e outros dois em pares mistos (Wimbledon e US Open).

Filho de emigrantes escoceses, cedo tomou contato com o desporto. Afinal, o seu pai, “Jack” Budge, foi ex-jogador do Rangers. Porém, John, experimentou vários desportos até se fixar no ténis.

A sua estatura, alto e magro, ajudou-o a dominar o circuito com um dos mais poderosos serviços da história. Budge era também conhecido pelo seu backhand, sendo um dos pioneiros nesse estilo de jogo.

Bugde e a hegemonia de 1938

Don Budge foi o primeiro a completar o Carreer Grand Slam em um ano. Foto: puntodebreak

Apesar de ter vencido em todos os pisos, Don começou por sentir mais dificuldades na relva. Contudo, com trabalho de treinador e esforço em 1937 e 1938 venceu em Wimbledon em singulares, pares e pares mistos. Budge tornou-se no primeiro tenista a vencer a triplice coroa em Grand Slam.

Ainda no seu período de amadorismo, um jogo para a Taça Davis, contra o alemão Gottfried von Cramm tornou-se lendário. Budge recuperou no set final de 1-4 para 8-6 embalando os EUA para uma vitória que fugia há 12 anos. O feito levou-o a ganhar vários prémios nos EUA, entre eles da Associação de Imprensa para atleta do ano.

Se em 1937 venceu Wimbledon e o US Open, o ano seguinte foi o mais dominador. Fez o rally Grand Slam em singulares, vencendo ainda o Australian Open, Wimbledon e US Open (pares) e Wimbledon e US Open (pares mistos). Em pares mistos, bem como no torneio de Wimbledon de pares, fez a dobradinha (1937 e 1938).

Budge tornou-se profissional em 1939 e começou a quebrar a hegemonia de Wllsworth Vines e Fred Parry. A sua estreia no profissionalismo foi, aliás, contra Vines no Madison Square Garden. Enquanto profissional venceu o US Pro (1940 e 1942), Wimbledon Pro (1939) e French Pro (1939).

No livro, “Wimbledon, a final que nunca aconteceu”, de Sidney Wood, Don Budge é citado como o maior de todos os tempos. Aos olhos de hoje parece uma afirmação ousada, contudo, é indiscutível que o norte-americano está entre os maiores do seu tempo e dos que mais influenciou o ténis.

A morte aos 84 anos

Em 1942 Bugde foi representar os EUA na segunda Guerra Mundial. No ano seguinte teve uma lesão no ombro que condicionou a sua carreira até final. Contudo, para além de sua habilidade dentro do court foi ainda conhecido pelo carisma, popularidade e inteligência.

Já depois de se retirar Budge conduziu treinamento para crianças e em 1964 entrou para o quadro do International Hall of Fame. Em 1999 sofreu um acidente do qual nunca recuperou, morrendo em 2000. Tinha 84 anos.

 

Don Budge vs Aka Riggs (1942)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter