Carreno Busta volta a vencer…17 meses depois

André Dias PereiraAbril 13, 20211min0

Carreno Busta volta a vencer…17 meses depois

André Dias PereiraAbril 13, 20211min0

É preciso recuar até Novembro de 2019 para recordar o último título de Pablo Carreño Busta. Aconteceu em Chengdu. Só que a longa espera do espanhol, de 29 anos, terminou. Busta levou a melhor sobre Jauma Munar (6-1, 2-6 e 6-4) e  conquistou o ATP Marbella. Foi o quinto título da sua carreira, em oito finais disputadas.7

A competição contava com alguns nomes importantes do circuito como Martin Klizan, Mikhail Kukushkin, Taro Daniel, Feliciano Lopez, Federico Delbonis, Casper Ruud ou Fabio Fognini.

Apesar do contingente estrangeiro, foram mesmo os espanhóis a dominar a competição. Ao ponto de todos os semi-finalistas serem espanhóis. Para além de Carreño Busta e Jaume Munar, jogaram ainda Carlos Alcaraz e Alberto Ramos-Vinolas. Esta foi, aliás, a primeira final espanhola de um torneio ATP desde 2011.

Para chegar à final, Carreño Busta deixou para trás Mario Martinez (7-2 e 6-3), Soonwoo Kwon (6-4, 6-0) e Alberto Ramos-Vinolas (6-1, 3-6, 7-6).

A edição deste ano marcou o regresso do torneio a Marbella. Na década de 90, jogaram-se duas edições. Em 1996 Mark Kevin Goelner levou a melhor sobre Alex Correjta. Um ano depois foi a vez de Albert Costa ganhar a segunda edição do torneio, que se manteve suspenso até agora.

Com este título, Carreño Busta consolida o 12 lugar no ranking ATP. O espanhol iniciou o seu percurso em 2009, alcançando o primeiro título no Brasil, em 2016. De então para cá tem vindo a acumular finais, contudo, desde 2019 que não atingia nenhuma. O triunfo em Marbella vai, por certo, renovar a sua confiança para os próximos meses e atacar, quem sabe, o top 10 mundial.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter