Robertson, o melhor pré-Mundial

Xavier OliveiraAbril 11, 20193min0

Robertson, o melhor pré-Mundial

Xavier OliveiraAbril 11, 20193min0

Foi em Pequim, na China, que como habitualmente se jogou o China Open, com uma final a ser disputada entre Neil Robertson e Jack Lisowski. No final, a vitória acabou por sorrir ao mais velho dos jogadores, vencendo assim mais um título esta temporada.

Surpresas atrás de surpresas

Logo na ronda de qualificação, já jogada em solo chinês, aconteceu uma das maiores surpresas do torneio. Mark Selby foi eliminado por Craig Steadman, falhando assim a defesa do título de campeão do torneio.

Já na primeira ronda, foram os nomes de Judd Trump, Ryan Day, Mark Williams, John Higgins e Ding Junhui que fizeram soar os alarmes do que aí vinha, uma verdadeira hecatombe. Todos estes jogadores caíram aos pés dos seus respetivos adversários,

Na segunda ronda, acabaram por cair mais dois favoritos dos poucos que já sobravam, Kyren Wilson e Ali Carter.

Com uma terceira ronda onde os poucos favoritos à partida ainda estavam em prova, Neil Robertson, Stuart Bingham, Luca Brecel e Jack Lisowski, apenas os três do top-16 ainda em prova, carimbaram as suas vitórias com relativa facilidade para marcar presença nos quartos-de-final.

A queda dos melhores

Com a chegada dos quartos-de-final, o alinhamento foi o seguinte: Sam Craigie vs Neil Robertson; Alan McManus vs Luca Brecel; Jack Lisowski vs Stuart Bingham e Ben Woollaston vs Scott Donaldson. O alinhamento estava longe de ser o imaginado antes do início do torneio mas a verdade é que foram mesmo estes que marcaram presença nesta fase adiantada da prova. Sem espinhas foi a vitória de Robertson sobre Craigie, vencendo por 6-0. Luca Brecel também não vacilou frente ao experiente escocês e venceu por 6-1. Lisowski venceu o seu encontro na “negra” frente ao bem mais experiente BIngham por 6-5. Já Scott Donaldson marcava presença em mais uma meia-final ao vencer Woollaston por 6-4.

Nas meias-finais, e com encontros de dificuldades bem distintas, Robertson venceu Brecel por 10-7, marcando presença na final pela quarta semana consecutiva. Enquanto que no outro encontro, Lisowski carimbava a presença na segunda final da sua carreira ao vencer Donaldson por 10-1.

Robertson na ‘pole’ para o mundial?

Na final e, ao fim da primeira sessão, estava tudo praticamente decidido, com o australiano a vencer por 8-2. Daí até a vitória ficar selada foi uma questão de tempo, com Robertson a selar a vitória por 11-4. Come esta vitória, o australiano é provavelmente o mais sério candidato a vencer o mundial juntamente com Trump e O’Sullivan.

Robertson a festejar com os fãs após a vitória na China (Fonte: Facebook World Snooker)

Já a partir do próximo dia 20 de abril e até domingo, dia 6 de maio, pode acompanhar em direto e exclusivo nos canais do Eurosport, o Campeonato do Mundo, que se joga em Sheffield, Inglaterra.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter