SR Aotearoa 10ª Jor: Highlanders fecham a época em alta!

Francisco IsaacAgosto 15, 20205min0

SR Aotearoa 10ª Jor: Highlanders fecham a época em alta!

Francisco IsaacAgosto 15, 20205min0
A franquia de Otago pôs fim o "sonho" do 2º lugar aos Hurricanes com uma vitória contundente em casa. A análise dos pormenores de jogo dos Highlanders e Hurricanes no último artigo de jornada do Super Rugby Aotearoa do Fair Play

Sem um muito aguardado Blues-Crusaders, o Super Rugby Aotearoa fechou a temporada com um espectacular Highlanders-Hurricanes que merece toda a atenção não só por ser o último encontro das franquias neozelandesas neste ano, mas também pelos grandes momentos!

Merecida a vitória dos landers ou os canes mereciam outra sorte? A nossa explicação do último embate do SR Aotearoa 2020!

UP’S: COMEÇÁMOS EM BELEZA E ACABÁMOS EM BELEZA…

A época começou a 13 de Junho com os Highlanders a receberem no Estádio Forsyth Bar os Chiefs, num jogo que foi extremamente emotivo e familiar, pois Bryn Gatland (jogaria muito pouco nos restantes encontros) armou um drop de qualidade e roubou a vitória ao pai, Warren Gatland. Avançando até único jogo desta 10ª jornada, novamente tivemos emoção sem ter terminado num tom totalmente dramático, pois os Highlanders foram no geral melhores que os Hurricanes e o resultado de 38-21 prova quase totalmente esse facto, apesar de ambas as equipas terem produzido momentos de rugby explosivos e dinâmicos, em que os três-de-trás foram os protagonistas, em particular Mitch Hunt e Vince Aso.

O defesa dos Highlanders foi um quebra-cabeças constante, alterando a estratégia de jogo a seu bel-prazer, pois quando recebia a bola podia tanto aplicar um pontapé em profundidade como sair a jogar de forma inesperada, apanhando de surpresa a defesa da franquia de Wellington e a castigar sucessivamente os seus adversários, como provam as três quebras-de-linhas, duas delas essenciais para dois dos cinco ensaios somados pela equipa da casa.

Já do outro lado do campo, Vince Aso retornou a uma posição que conhece bem, fazendo questão de relembrar aos seus adversários do perigo que representa, seja pela facilidade como encontra um espaço ou a velocidade mesclada com uma brutalidade adicionada, armando o ataque e contra-ataque dos Hurricanes com uma “peça” importante. Ajudou ter ao seu lado um Jordie Barrett sempre inspirado, mas boa parte do mérito da exibição realizada deve-se ao brilhantismo inerente ao ponta/centro, que deu sempre um alongamento especial à manobra ofensiva da equipa liderada por Jason Holland.

Foi um jogo que bateu o recorde de número de metros conquistados, com o total a atingir o 1,2 kms, um número sensacional mas sempre possível ao alcance das franquias do Super Rugby neozelandês. Nada mau para um jogo que nada contava na teoria, mas na prática possibilita relembrar da qualidade de rugby que se joga na Nova Zelândia.

DOWN’S: DISCIPLINA CUSTOU CARO OUTRA VEZ AOS HURRICANES

12 faltas não é de todo um registo terrível, mas no caso dos Hurricanes acabou por ser letal. Entre estas doze penalidades, uma delas significou ensaio de penalidade e cartão amarelo para Ardie Savea, avolumando-se nessa altura o resultado em favor dos Highlanders, que 5 minutos depois voltariam a visitar a área de validação contrária para somar novo ensaio convertido e uma diferença de 24 pontos, que seria sempre inultrapassável. As faltas aconteceram principalmente na defesa do maul (os Highlanders têm este parâmetro do jogo bem estudado) ou na defesa junto ao ruck e seriam principalmente fatais na segunda metade do encontro, criando ainda mais uma sensação de pressa para dar a volta ao resultado desfavorável e de impotência perante a incapacidade para parar com penalidades nos momentos cruciais.

Faltou TJ Perenara, não há dúvidas disso, um aspecto bem explorado por Aaron Smith que se aproveitou da falta de voz de Jamie Booth (bom jogo em termos individuais, mas pouco positivo no calibrar da plataforma de ataque ou defesa dos Hurricanes) para fazer valer a influência dos Highlanders em redor do ruck e breakdown.

Apesar dos números de ataque terem sido extremamente positivos, a verdade é que a falta de paciência e cabeça para fazer uma circulação de bola mais cuidada também foi motivo pelo qual não conseguiram mais ensaios, com algumas oportunidades a perderem-se literalmente na ponta dos dedos. A disciplina na defesa e a inconsistência nos 20 metros finais ofensivos selaram o destino dos Hurricanes no encontro e no Super Rugby Aotearoa 2020.

OS ASES DA JORNADA: VINCE ASO, ASH MITCH HUNT, DU’PLESSIS KIRIFI E MIKAELE-TU’U

Como já falado, Aso somou uma boa exibição neste último encontro e os números dão quase nota máxima à sua exibição: 108 metros, 1 ensaio, 4 quebras-de-linha, 4 defesas batidos, 5 tackle busts e 1 offload.

Mitch Hunt foi protagonista tanto em termos individuais, onde somou 120 metros conquistados com a bola em seu poder (sem esquecer o belo ensaio conseguido aos 61 minutos), mas também no que toca ao desenvolvimento colectivo, equilibrando com elegância as operações ofensivas, dando uma calma constante na recepção do jogo ao pé dos Hurricanes e na execução da manobra defensiva.

O asa dos Hurricanes fechou a época com mais uma prestação eloquente, especialmente na atitude defensiva onde foi responsável por 20 placagens efectivas (nenhuma falhada), sem esquecer os três turnovers que tentaram dar outra sorte à sua equipa, antevendo uma possível convocatória para os All Blacks no futuro próximo.

Mikaele Tu’u foi um nome sempre em destaque nesta época dos Highlanders, roubando as atenções a par do 8 dos Blues, Hoskins Sotutu, e neste encontro voltou a ser o avançado com mais metros (50), quebras-de-linha (2) e turnovers (2) dos Highlanders.

OS NÚMEROS DA JORNADA

Mais pontos marcados: Josh Ioane (Highlanders) – 9 pontos
Mais ensaios marcados: Vários – 1
Mais quebras-de-linha: Vince Aso (Hurricanes) – 4
Mais placagens: Du’Plessis Kirifi (Hurricanes) – 20
Mais turnovers: Du’Plessis Kirifi (Hurricanes) – 3
Mais defesas batidos: Jordie Barrett (Hurricanes) – 5
Melhor da Jornada: Mitch Hunt (Highlanders)

O sprint para o ensaio de Mitch Hunt (5:06)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter