Rugby “Português” lá fora: transferências para 2022/2023

Francisco IsaacJunho 27, 20224min0

Rugby “Português” lá fora: transferências para 2022/2023

Francisco IsaacJunho 27, 20224min0
Raffaele Storti vai prosseguir a carreira em solo francês, e é uma das novidades analisadas neste artigo de transferências do rugby luso

Começam os planteis da próxima temporada a se moldarem, e o Fair Play vai à procura das novidades do mercado de transferências dos atletas portugueses de rugby que estão em mexidas, e damos já conta de cinco nomes em específico que já garantiram o próximo passo nas suas carreiras.

RAFFAELE STORTI (STADE FRANÇAIS -» BÉZIERS-HÉRAULT)

Depois de uma temporada ao serviço dos Éspoirs do Stade Français (Top14), Raffaele Storti opta por sair e assina pelo Béziers-Hérault (clube onde milita Francisco Fernandes), ingressando assim mais um português na PROD2 francesa, podendo ser uma solução mais viável para o jovem 3/4’s, que precisa de tempo de jogo ao mais alto nível para singrar fora de Portugal. O ponta atravessou uma primeira época de aprendizagem e desenvolvimento (principalmente físico) sendo agora o momento ideal para tentar singrar como opção viável do plantel principal de um clube de outra dimensão. Apesar de parecer que é um passo atrás na carreira, é, na realidade, o cenário mais favorável a um atleta que tem as condições para se afirmar a este nível já na próxima temporada.

RODRIGO MARTA (BELENENSES RUGBY -» US DAX)

Depois de mais uma temporada sensacional pela selecção nacional e Lusitanos, Rodrigo Marta conquista o seu primeiro contrato como profissional, assinando com o Dax Rugby da Nationale, clube do também português, Diogo Hasse Ferreira, e dá assim o próximo passo numa carreira que já merecia uma aventura deste género. O ponta/centro tem assinado temporadas sensacionais ao serviço dos “Lobos” e o Belenenses Rugby, contando com também grandes exibições pela franquia dos Lusitanos na Super Cup, e mesmo que pareça “pouco” esta assinatura de contrato por um clube da 3ª divisão de França, a verdade é que é uma porta de entrada para algo de diferente, isto e apesar de não entrar dentro do sistema JIFF (sistema dos Éspoirs, e que garante uma permanência a longo-prazo, pois nunca contará como jogador extra-fronteiras).

DANY ANTUNES (MASSYONE -» UNION COGNAC SAINT-JEAN-D’ANGÉLY)

O Massy subiu para a ProD2 com ajuda de Dany Antunes (5 ensaios e alguns pontos convertidos ao pontapé), mas o defesa/ponta internacional português vai continuar a sua carreira na Nationale 1, agora ao serviço do Union Cognac Saint-Jean D’Angély, clube que sobreviveu à descida de divisão na temporada findada há dois meses. O objectivo do português passará por somar mais minutos e outra rodagem, conseguindo assim voltar às convocatórias dos “Lobos”, isto porque em 2022 ficou praticamente de fora da campanha do Rugby Europe Championship – só foi convocado para o encontro ante os Países Baixos -, depois de se ter afirmado pela selecção nas épocas anteriores.

THIBAULT DE FREITAS (LA SEYNE -» CMF FLOIRAC RUGBY)

O 3ª linha português Thibault de Freitas vai prosseguir a carreira no CMF Floirac Rugby, que estará inserido na Nationale 2 (corresponde à 4ª divisão ou à antiga Féderale 1) na procura de mais minutos, mantendo-se deste modo no lote de convocados de Patrice Lagisquet para a repescagem a jogar em Novembro deste ano. O 3ª linha sai do La Seyne depois de uma temporada “estranha”, em que transitou entre titularidade e não convocatórias, procurando assim garantir outra rodagem e papel agora ao serviço do Floirac.

CODY THOMAS (CA BRIVE -» ROUEN)

O pilar português Cody Thomas sai do CA Brive, clube pelo qual jogou nas últimas quatro temporadas mas onde passou largos meses sem realizar um jogo oficial, e ruma ao Rouen da ProD2, juntando-se ao futuro novo internacional português, Lucas Costa, podendo aqui encontrar uma solução competitiva de bom nível. O atleta de 26 anos é uma das soluções para o futuro da primeira-linha de Portugal, isto pois Anthony Alves e Francisco Fernandes caminham para o fim das suas carreiras, e o Rouen é uma boa casa para voltar a somar um tempo de jogo mais consistente e largo.

Nota: Steevy Cerqueira é um dos dos jogadores portugueses que está ainda à aguardar por novidades em relação ao que se segue na sua carreira.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter