Rugby Feminino: Super Rugby Aupiki e a viagem do Melina a Portugal

Fair PlayOutubro 24, 20215min0

Rugby Feminino: Super Rugby Aupiki e a viagem do Melina a Portugal

Fair PlayOutubro 24, 20215min0
Da formação da nova competição do Super Rugby feminino à viagem do Melina Rugby Clube a Portugal, fica a saber destas novidades do rugby

SUPER RUGBY AUPIKI E O ECOSSISTEMA GLOBAL

Voltando o foco aos avanços, no rugby de clubes/franquias que o rugby feminino há avanços cruciais. Um deles foi o anúncio da criação do Super Rugby Aupiki, a versão feminina do Super Rugby Aotearoa, na Nova Zelândia. Até então, o país das Black Ferns, as maiores campeãs do mundo, contava apenas com a Farah Palmer Cup (FPC) – a versão feminino do NPC, o campeonato de seleções provinciais. A FPC segue amadora e estava mais do que na hora de haver o equivalente feminino do Super Rugby.

Na Austrália, já há desde 2018, o Super W, competição feminina com Reds, Waratahs, Brumbies, Rebels e Force que, no entanto, ainda é amadora – mas nasceu como uma importante resposta aos desenvolvimentos de ligas femininas da NRL (rugby league) e AFL (futebol australiano). O nascimento do Super Rugby Aupiki em 2022 será um passo a mais e, quem sabe, num futuro próximo, permite a união de Austrália e Nova Zelândia também no feminino, criando um verdadeiro equivalente do renovado Super Rugby Pacific. Para 2022, o Aupiki terá apenas 4 equipas: Blues, Chiefs, Hurricanes e South Islands, que será a junção de Crusaders e Highlanders. Apesar dos Crusaders terem plenas condições de contarem com representação feminina, uma vez que Canterbury é das equipas mais laureadas da FPC, o rugby feminino em Otago e Southland (as províncias dos Highlanders) ainda engatinha.

Enquanto isso, a evolução do Premier 15s inglês, com 10 clubes, é notável e vem auxiliando inclusive no desenvolvimento das demais Home Nations e das norte-americanas, que exportam atletas para a terra da Rosa. Há atletas sendo remuneradas por lá e a qualidade das transmissões dos jogos evoluiu muito.

Soma-se ainda a evolução do Élite 1, o Campeonato Francês, que agora conta com 14 clubes, mas que ainda tem muito a melhorar em organização e promoção para se tornar mais próximo do que é hoje o Premier 15s inglês. Evidentemente, a melhor da competição francesa já cria uma demanda óbvia: quando teremos uma Copa Europeia Feminina de clubes? Já passou da hora.

As novidades do WXV, Four Series e expansão da RWC podem ajudar financeiramente o rugby feminino. O assunto dos pagamentos é, claro, central ao debate sobre o avanço do rugby feminino, pois a discrepância salarial é sempre tema importante. Algumas seleções já começaram a remunerar atletas para o XV, como o fazem para o sevens, mas a questão do profissionalismo ainda está crua.

Para se começar a trabalhar seriamente rumo a uma igualdade de gênero no que diz respeito a salários, o rugby XV feminino precisa entrar na era profissional. Hoje, ele está apenas entrando numa fase semiprofissional para um grupo ainda diminuto de atletas. Para isso, é prioritária a evolução dos sistemas de competições – isto é, do ecossistema do rugby feminino. Os últimos anúncios são apenas o início do processo de transformação.

CONEXÃO BRASIL-PORTUGAL

Por fim, uma boa notícia para o rugby XV feminino brasileiro e português. Em novembro, o Melina Rugby Clube visitará Portugal para disputar quatro partidas em Coimbra e Lisboa. As três primeiras ainda estão por serem confirmadas, mas a última, no dia 28, será contra a Selecção Portuguesa.

Quem é o Melina? Trata-se do primeiro e único clube feminino profissional do Brasil. Oriundo da cidade de Cuiabá, capital do Mato Grosso, na região Centro-Oeste, o Melina foi criado em 2016 por Michel Leplus, empresário francês do agronegócio que reside na região e é apaixonado por rugby. Leplus optou por se focar no rugby feminino e profissionalizou as atletas do clube que criou, com o intuito de ser campeão brasileiro de sevens.

Em 2018, o Melina ascendeu à elite do Super Sevens (o Campeonato Brasileiro de Rugby Sevens Feminino) e, em 2019, foi vice-campeão nacional, perdendo o título apenas na última partida do circuito. A pandemia obrigou o Rugby Union brasileiro a suspender competição, mas o Melina seguiu ativo e foi campeão brasileiro de Rugby League em 2021. O clube optou por expandir suas atividades e, para além do sevens, também joga XV e League.

Em 2022, a Confederação Brasileira de Rugby criará o primeiro e inédito Campeonato Brasileiro de Rugby XV feminino, de seleções estaduais e regionais. O Melina deverá compor a base da seleção do Centro-Oeste e é favorito aos títulos que disputar.

Assim como em Portugal, no Brasil o rugby XV feminino engatinha, mas está cada vez mais nos planos do rugby nacional. No caso brasileiro, a criação do apuramento sul-americano para o Mundial e as chances reais de classificação são o estímulo para o desenvolvimento da categoria, que esteve por muitos anos dormente.

O Brasil formou sua primeira seleção de XV feminino em 2008 para jogar amigável na Holanda e, desde então, com foco no rugby sevens (que levou o Brasil à condição de maior potência de seu continente), a categoria desapareceu no país. Todavia, a conjuntura internacional criou condições favoráveis ao renascimento do XV sul-americano e o Melina, que viaja a Portugal, é parte central desse projeto que pode desabrochar.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter