A 1ª volta do CN1 2019/2020: pormenores, destaques e o melhor XV

Francisco IsaacDezembro 18, 20197min0

A 1ª volta do CN1 2019/2020: pormenores, destaques e o melhor XV

Francisco IsaacDezembro 18, 20197min0
A 1ª volta terminou neste fim-de-semana que passou e é altura de mostrar alguns pormenores, dados e protagonistas! A análise ao CN1 sempre no Fair Play

Terminada a 9ª jornada do Campeonato Nacional 1, a primeira volta ficou completa e entre os vários pormenores, detalhes e destaques assinalamos logo o facto de termos três clubes em pé de igualdade no 1º lugar da competição… mas o que há mais para referir e destacar? Esta é a análise ao que se passou como foco aos protagonistas e intervenientes desta 2ª divisão do rugby português!

LÍDERES ATÉ QUE OS PONTOS OS SEPAREM!

Ao fim da 1ª volta não temos um líder destacado, mas sim temos três com o CR Évora, CR São Miguel e Caldas RC a atingirem o topo da tabela com os mesmos 39 pontos. Os eborenses até tinham conseguido fugir ao 2º lugar na 8ª jornada, quando impuseram uma derrota aos “bulldogs” por 20-03, mas a visita às Caldas-da-Rainha acabou numa derrota surpreendente e extraordinária, face ao feito dos “pelicanos”!

Os critérios da instituição que rege o rugby português dão uma vantagem ao CR São Miguel (diferença de pontos marcados e sofridos), sendo que são o 2º melhor ataque e a melhor defesa até ao momento, enquanto que a formação alentejana do Évora assume-se como o melhor ataque (e 3ª melhor defesa) e os “caldenses” garantiram o 3º melhor ataque e 2ª melhor defesa.

Portanto, não há invencíveis neste Campeonato Nacional 1, abrindo-se uma 2ª volta extremamente disputada e vai ser interessante perceber quem ultrapassará melhor a fase dos meses de Janeiro e Fevereiro, altura em que surgem os tropeções inesperados! Nuno Damasceno e Paulo Silva, Miguel Avó e Patrício Lamboglia chegam ao fim desta primeira metade do CN1 com os objectivos intactos, abrindo-se agora a “batalha” pelo posicionamento final do pódio da competição.

Um pouco de nada mais abaixo encontramos outra intensa disputa… o 4º lugar, que dá acesso às meias-finais desta segunda divisão do rugby português. No final dos 9 primeiros jogos são os Jaguares (a combinação entre a Escola de Rugby da Galiza e o St. Julians) de Pedro Vital que têm a primazia de ocupar este quarto posto da tabela, mas os “bravos” do Guimarães RUFC prometem oferecer luta até ao sufoco final, sendo que estão separados por apenas 4 pontos na classificação.

Porém, RC Santarém (uma equipa em construção) e MRC Bairrada vão ter uma palavra para dizer, principalmente a formação de Anadia treinada por Luís Supico que soma três jogos sem perder (vitória ante o RC Elvas, empate no Campo do Gaio e nova vitória na recepção ao RC Santarém).

Quem pediu competitividade e disputa até ao último momento?

HATTRICKS, (UM) POKER E O HOMEM DOS CEM PONTOS

O Campeonato Nacional 1 tem tido a sua conta de hattrickers nesta temporada e já houve mesmo um poker, que apareceu na última jornada da 1ª volta pela mão do ponta do Caldas RC, Tomás Melo. Duarte Leal da Costa, Francisco Borges, Samuel Lemos, Paulo Machado, José Nascimento e Diogo Vasconcelos são os mágicos do chapéum, alterando por completo as dinâmicas e resultados de jogos, sendo que há algumas curiosidades a reter!

Por exemplo, Paulo Machado e Samuel Lemos conseguiram marcar três ensaios cada na vitória do Guimarães RUFC frente ao Braga Rugby à passagem da 8ª jornada, num dos encontros mais frenéticos do CN1.

Duarte Leal da Costa abriu a defesa dos Jaguares por três ocasiões, com toques de meta que foram polvilhados pela velocidade e sagacidade de um dos centros mais mortíferos nesta competição, enchendo bem as medidas da linha de 3/4’s do CR Évora. Tomás Melo conseguiu fazer algo que ninguém ainda tinha feito neste CN1, ou seja, completou um poker na estupenda vitória dos “pelicanos” na recepção ao CR Évora, conferindo à ponta esquerda da equipa das Caldas-da-Rainha uma letalidade acelerada difícil de parar.

E finalmente, Francisco Borges que não só foi autor de um hattrick (em Braga na 7ª jornada) como já atingiu a meta dos 100 pontos ao fim de uma volta, sendo neste momento o Most Valuable Player do campeonato.

TRÊS ENSAIOS QUE FICAM NA RETINA

São só três dos nossos favoritos e não vamos explicar o como e porquê!

Tomás Melo vs CR Évora com Filipe Gil e Tomás Campos a darem show de offloads

A arranca de Flávio Gonçalves em Guimarães

O ensaio de João Ferreira depois de uma recuperação rápida de bola dos “bulldogs”

OS WILDCARDS DA FANTASY QUE POUCOS CONHECIAM

Há sempre os jogadores normais de colocar na Fantasy (imaginária) do CN1 que garantem pontos como Francisco Borges (CR Évora), Robert Delai (CR São Miguel), Filipe Gil (Caldas RC), Rafael Morales (RC Santarém), António Fonseca (CR Évora), André Lemos (CR São Miguel), Oscar D’Amato (Caldas RC) ou Samuel Lemos (Guimarães RUFC)… mas será que não existem outros nomes, cartadas que ninguém espera? Claro que há e deixamos algumas sugestões de atletas que garantiriam na Fantasy do CN1 pontos de forma constante.

João Bandeiras (RC Elvas) – o formação é um dos melhores jogadores dos elvenses nesta temporada, não só pelo pé afinado na cobrança de penalidades ou conversões, mas especialmente pela velocidade que impõe junto ao ruck e no desenvolver de combinações e movimentações na estratégia ofensiva da formação alentejana. Tem 60 pontos marcados na 1ª volta e é um prazer ver a afirmação de João Bandeiras neste CN1;

Tomás Fontes (Braga Rugby) – jovem abertura mas com uma margem de progressão enorme e que no futuro trará bonança e vitórias aos “gladiadores”. 73 pontos confirmados na 1ª volta (quase 50% dos pontos da formação bracarense), 7 ensaios (está em 1º da lista a par do seu companheiro Luís Ferreira) e um jeito para descobrir espaços na defesa contrária de forma especial;

Miguel Máximo (CR São Miguel) – o internacional sub-18 pelos 7’s é um dos talentos da formação dos “bulldogs” e tem se afirmado a cada jogo que passa desta temporada. Móvel, inteligente, bom poder de aceleração (leva dois ensaios de intercepção), um trabalhador e placador nato, o jovem de 18 anos tem tudo para ser uma das referências do CR São Miguel a partir da 3ª linha;

Tomás Jacinto (Caldas RC) – foi um dos poucos reforços dos “pelicanos” e tem sido um dos grandes alicerces da defesa, tanto pela forma como placa e põe termo ao avanço do adversário no sítio ou pela destreza e velocidade em recuperar a bola no breakdown. Consegue tanto alinhar no bloco avançado como transitar para as linhas atrasadas, sendo um dos atletas mais multifacetados do CN1;

Guilherme Sampaio (Jaguares) – um dos wonderkids dos felinos dos Jaguares, o abertura tem somado pontos atrás de pontos e já surge no 4º lugar da tabela dos melhores marcadores deste CN1. Excentricidade nos movimentos, capacidade de leitura tanto na defesa como ataque, versatilidade na abordagem ao jogo e uma série de características técnicas que fazem a diferença na manobra ofensiva da equipa treinada por Pedro Vital;

O XV DA 1ª VOLTA

Escolhemos 15 jogadores mais 7 wildcards para estes 22 melhores do CN1… não escolhemos treinadores, porque esta é uma equipa tão bem trabalhada que poderiam chegar a bom porto sem staff técnico (ou, uma forma educada de não optarmos por qualquer um dos excelentes técnicos que militam nesta competição). Concordam com a nossa selecção?

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter