Mercado de Transferências do Rugby Mundial: Premiership e TOP14

Francisco IsaacJulho 7, 20196min0

Mercado de Transferências do Rugby Mundial: Premiership e TOP14

Francisco IsaacJulho 7, 20196min0
O mercado de transferências do rugby é tão intenso como o de futebol e prova disso são os inúmeros jogadores a chegar ou sair das várias ligas. Quais foram os principais negócios da liga inglesa e francesa?

O Mundial é a principal preocupação de todos os adeptos do rugby, mas os clubes têm o pensamento noutros “campos”, a começar pela hora de reforçar os plantéis tendo já acontecido alguns anúncios minimamente surpreendentes, chocantes e outros algo inesperados. As principais transferências, trocas e saídas de jogadores do Planeta da Oval!

PREMIERSHIP RUGBY

Como podem ver o top-15 de melhores contratações da Premiership, há novidades mais que suficientes para animar o rugby pelas terras da Sua Majestade e começamos talvez pela maior mas que já era sabida desde há vários meses: Malakai Fekitoa reforça os Wasps RFC.

O centro, que ganhou um Mundial de Rugby pelos All Blacks em 2015, chega do RC Toulon depois de duas temporadas ao serviço do emblema francês. É um dos jogadores mais interessantes na sua posição, oferecendo uma fisicalidade e capacidade de rasgo que cativa qualquer um, e neste momento com a saída de alguns dos maiores nomes dos Wasps será o antídoto necessário para Dai Young.

Por falar em Wasps, a saída de Elliot Daly é outro dos destaques de mercado deste Verão de 2019 já que o polivalente três-de-trás assinou contrato para os próximos três anos com os Saracens.

É o reforço mais sonante dos campeões europeus e ingleses em título, depois das saídas de Schalk Burger, Marcelo Bosch (retirou-se das quatro-linhas) e David Strettle (também disse adeus ao calçar das botas), oferecendo a Mike McCall uma solução espectacular à super equipa londrina, que vai poder escolher por entre Alex Goode, Liam Williams, Sean Maitland e Alex Lewington para o três-de-trás, ou até colocar Dally como centro no lugar de Bosch.

Da Argentina chegam diversos jogadores dos Jaguares para começar a dar outras tonalidades ao rugby inglês e destacámos nesta lista dois nomes: Tomás Lavanini (Leicester Tigers) e Martín Landajo (Harlequins).

O segunda-linha é um dos principais enforcers dos Pumas com uma capacidade total de fazer a diferença na placagem, agressividade nos avançados, trabalho na formação-ordenada e um destruidor nos rucks de suprema qualidade. Landajo, que teve um ano de 2019 para esquecer, vai adicionar experiência, velocidade, artimanha e capacidade de mudar as dinâmicas de jogo de um momento para o outro.

Do Super Rugby ainda chegam outros grandes nomes como: Jordan Taufua (Leicester Tigers), Owen Franks (Northampton Saints), Waisake Naholo (London Irish), Robert du Preez (Sale Sharks,) Lood de Jager (Sale Sharks), Melani Nanai (Worcester) e Sekope Kepu (Waratahs).

Os Tigers reforçaram a equipa de uma forma totalmente dominadora com Taufua, Lavanini, Liebenberg, EW Viljoen munindo o seu XV de opções de um nível de qualidade elevadíssimo e que poderá retirá-los do marasmo actual. Jordan Taufua vai sem dúvida alguma marcar uma nova era no rugby inglês, com uma agressividade muito própria que criar sérios problemas em quem está do outro lado… olhado de lado pelos All Blacks, pode ser que capte a atenção de Eddie Jones.

+

TOP14

Na super liga francesa chegam também uma leva de nomes que vão causar “distúrbios” em todos os sentidos, sendo que o RC Toulon decidiu ir buscar mais uma quantas estrelas para tentar salvar uma “casa que está a arder” desde 2016: Sergio Parisse (abandonou o “seu” Stade Français depois de mais de uma década e meia ao serviço do clube), Eben Etzebeth (um “adeus” ou “até já” do 2ª linha aos Stormers?), Nehe Milner-Skudder (veremos até que ponto o defesa/ponta está em condições para voltar a jogar) e, a mais sonante de todas, Baptiste Serin. O formação chega provindo dos Bordeaux-Bègles e é uma daqueles contratações que parecia impossível de acontecer mas que o RC Toulon tornou real, oferecendo uma dupla de médios de qualidade, entre Serin e Anthony Belleau, a Patrice Collazo.

Mas com chegadas também há saídas e o Toulon “só” perdeu o seu capitão, Guilhem Guirado que vai jogar para o Montpellier acompanhando Handré Pollard. O talonador e abertura vão conferir outra dimensão física e técnica ao emblema que persegue o primeiro título do TOP14 da sua história há vários anos, tendo perdido a final da competição em 2018 frente ao Castres.

Pollard é, sem espaço para questionamento, o reforço mais sonante para a liga francesa por todos os argumentos que apresenta: desde o pontapé bem armado e equilibrado, a facilidade em que dita as operações de jogo, o handling reforçado e uma visão de jogo de soberba qualidade, engrossando novamente a lista de Springboks ao serviço do Montpellier.

Sergio Parisse é também outro nome que arrebatou alguma atenção no mercado, vincando que jogadores veteranos são amplamente procurados para dar outra força e no caso do nº8 italiano foi exactamente isso que aconteceu quando aceitou a oferta por parte do RC Toulon.

Outro vet que recebeu uma proposta irrecusável foi Ben Smith, o lendário nº15 dos All Blacks, bicampeão mundial (2011 e 2015) e que chega ao Pau, clube que já em 2015 tinha contratado um All Black, Conrad Smith. Regressando ao caso de Parisse, o número engrossa as soluções do Toulon para a posição de nº8, uma vez que lá mora Facundo Isa e, em caso de necessidade, Liam Messam, o que vai aguçar bem a trama de perceber como Patrice Collazo vai montar a equipa para a época que se aproxima.

Mas o segundo reforço mais sonante nesta top-15 do Fair Play passa pela chegada de Pablo Matera ao Stade Français! Depois de mais uma bela temporada ao serviço dos Jaguares, em que foi responsável por 162 placagens em 16 jogos (média de 16 por encontro), 12 turnovers, 6 ensaios e 800 metros com a bola em seu poder, sendo um dos melhores asas da competição do Hemisfério Sul em 2019 Matera apostou neste regresso à Europa, depois de uma primeira tentativa no Leicester Tigers.

O Stade, que perdeu Parisse, garante assim uma contratação de peso não só para a terceira-linha como para o futuro do clube francês, munindo a equipa parisiense de um autêntico panzer com uma facilidade movimentos, uma agilidade entusiasmante e um capacidade para liderar total.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter