José Lima, o brilhantismo luso que regressa aos campos

Francisco IsaacJaneiro 14, 20203min0

José Lima, o brilhantismo luso que regressa aos campos

Francisco IsaacJaneiro 14, 20203min0
O internacional português terminou o seu tempo de suspensão por doping e regressa agora ao serviço do Carcassone. Mas sabes quem é José Lima, um dos maiores talentos do rugby português do século XXI?

Um talento reconhecido do rugby português, formado no CR Évora, desenvolvido a nível sénior pela AEIS Agronomia, internacional por Portugal e campeão da PROD2 ao serviço do Oyonnax, são estes alguns destaques/detalhes da carreira de José Lima, que agora em Janeiro de 2020 viu a sua suspensão terminar podendo assim retornar aos relvados pelo US Carcassonne a partir deste momento.

José Lima foi alvo de um erro que acabou por ditar esta suspensão de um ano, forçando-o ficar nas sidelines durante meses a fio, sem poder ajudar Portugal na luta pela subida de divisão (bem substituído por Tomás Appleton e Rodrigo Freudenthal nesse encontro frente à Alemanha) ou o Carcassonne na procura de melhores resultados desportivos seja na época transacta ou na actual (apesar do emblema francês ter um plantel alargado, José Lima sempre foi visto como um dos titulares essenciais à equipa. Ou seja, este regresso será como uma segunda vida desportiva para um atleta que se sacrificou constantemente pelos Lobos nos últimos anos, sendo este o maior desafio da sua carreira desportiva até ao momento… regressar à forma competitiva e voltar a ser considerado um dos jogadores mais influentes tanto pela selecção Nacional ou pelo Carcassonne.

Há que relembrar que José Lima foi dos primeiros atletas portugueses formados em território luso a chegar ao TOP14 (a par de Gonçalo Uva e Vasco Uva) e a atingir uma dimensão mediática minimamente impactante, que poderia ter aberto perspectivas de um patamar superior caso os responsáveis em Portugal tivessem tido o conhecimento e interesse em trabalhar melhor o sucesso do polivalente 3/4’s, que já ultrapassou os 100 jogos na PROD2 por exemplo.

Actualmente há uma série de atletas portugueses, nascidos em Portugal ou por ligação familiar, a actuar em algumas das principais ligas mundiais seja nos campeonatos franceses, ingleses (Diogo Hasse Ferreira e Pedro Bettencourt conseguiram estrear-se na Premiership quando tiveram a oportunidade para tal), sul-americanos (Raffaele Storti e Jerónimo Portela vão jogar pelo Peñarol na nova liga sul-americana de rugby) e a imagem de excelente profissionalismo adveio, em parte, do papel de José Lima que foi sempre elogiado pelo seu índice de trabalho, entrega extraordinária e total compromisso tanto ao serviço do Narbonne, Carcassonne ou Oyonnax.

Caracterizado dentro de campo por aquela capacidade de ganhar metros no contacto para depois soltar a oval num offload mordaz ou reconhecido por ser um placador que impõe uma atitude dictatorial sob o adversário, José Lima tem sido um representante meritório no rugby gaulês, faltando só conseguir alinhar por emblema do TOP14 de forma consistente. Foi desenvolvido como um dos maiores produtos da formação do rugby nacional do século XXI, tendo saído da fábrica de talentos do CR Évora que produziu jogadores como Manuel Murteira (internacional A), José Leal da Costa (internacional A), José Luís Cabral (internacional A), entre uma série de outros atletas que têm dado cartas quer na Divisão de Honra ou Campeonato Nacional 1, não havendo dúvida alguma que José Lima é o nome mais sonante do emblema alentejano.

Gostando-se ou não da forma de jogar de José Lima, é impossível não se apreciar o serviço que o centro tem prestado, a atitude profissional e humilde colocada em todas as acções na modalidade e a força de carácter que teve durante este momento menos positivo, mostrando as qualidades suficientes para ser encarado como um exemplo a reter para o futuro.

Espera-se agora pelo regresso oficial de José Lima propriamente dito em encontros da 2ª divisão do rugby em França (o Carcassonne consta a meio da tabela com a permanência praticamente assegurada mas já longe de uma possível subida de divisão) e caso consiga voltar à forma de outros tempos será expectável que volte a figurar nas opções de Patrice Lagisquet para a luta pela manutenção no Rugby Europe Championship 2020.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter