Glasgow e Leinster dominantes no PRO 14

Helena AmorimDezembro 11, 20184min0

Glasgow e Leinster dominantes no PRO 14

Helena AmorimDezembro 11, 20184min0
Aproveitando o interregno do Pro 14, que apenas voltará para a sua 11ª jornada a 21 de Dezembro, a altura revela-se ideal para um ponto da situação da “Liga Celta”.

ENTRE A CONFERÊNCIA A E B WARRIORS E LEINSTER DOMINAM

O formato actual da Guiness Pro 14 compreende duas conferências (A e B) de onde fazem parte respectivamente duas equipas galesas, duas equipas irlandesas, uma equipa escocesa, uma equipa italiana e uma sul-africana.

Na conferência A, Glasgow lidera com 8 vitórias e 41 pontos, com Munster a 7 pontos de distância e na conferência B, Leinter conta com 9 vitórias e 44 pontos, com os Scarlets a seguirem em segundo lugar, a 15 pontos de distância.

As surpresas positivas são as duas equipas italianas, Treviso e Zebre, com uma melhoria nos seus desempenhos, no seu rugby e consequentemente nos pontos amealhados: Zebre soma 3 vitórias na conferência A e Treviso soma 4 vitórias na conferência B.

Como desilusões, até ao momento, os Cardiff Blues que seguem com apenas 4 vitórias e os Dragons com 3 vitórias e uns paupérrimos 13 pontos.

Os campeões em título, o Leinster, iniciou a campanha com uma vitória tangencial face aos Blues por 32-33 e na segunda jornada, perde com os Scarlets por 23-21, fazendo antever algumas dificuldades. Tal não se veio a verificar com o Leinster a começar a produzir jogo e resultados com destaque para as boas prestações do talonador Bryan Byrne, do defesa e ponta Jordan Larmour, do abertura Ciaran Frawley e do incontestável segunda linha e capitão, Scott Fardy. Nesta derradeira jornada antes da paragem, a franquia Irlandesa bateu os Dragons por 10-59, permitindo aos pupilos de Leo Cullen um boost energético para o embate na Champions Cup frente ao Bath (10-17, vitória no Recreation Ground).

De salientar a grande investimento que o Edimburgo fez mas que não se está a traduzir em resultados com destaque para Simon Hickey que já leva 69 pontos. Na Champions até que vai bem..Nesta 3ª jornada, realizada durante o fim de semana, conseguiu uma importante vitória por 31-13 frente aos Newcastle Falcons, ficando a liderar a pool 5 com 11 pontos, já a 3 dos Falcons, a 5 do Montpellier e do Toulon.

Ulster e Ospreys seguem a meio das suas tabelas, com 6 vitórias ambos e têm muito bons jogadores nas suas fileiras mas por algum motivo a dinâmica não está a acontecer durante os jogos e ainda se sente muita imprevisibilidade nos embates que preconizam.

No caso dos Ospreys, Sam Davies já soma 75 pontos com 18 conversões, 12 penalidades e um drop com muito bom jogo à mão a acontecer em várias jornadas.

Pelo Ulster, diria que John Cooney continua a ser um excelente fornecedor de bons passes, com muitos metros ganhos e com prestações absolutamente decisivas.

Os Warriors têm um Nick Grigg em grande forma, com muitos defesas batidos e muitos “clean bracks”, assim como a substituto de Finn Russell, Adam Hastings que se tem visto muito decisivo nos jogos e não ficando nada atrás do seu camarada que agora linha no Racing. Niki Matawalu continua a ser um jogador valiosíssimo com o feito de ter realizado três ensaios na jornada 8 e dois na jornada 9, o que no imediato se traduziu por 25 pontos! Ainda, o jovem pilar Oli Kebble com boas prestações e o defesa Brandon Thomson, que não sendo um Stuart Hogg, tem feito algum brilho nas suas participações.

Os Cheetahs têm sido a franquia sul-africana mais afinada , com duas importantes vitórias mas acima de tudo com exibições muito consistentes. De referir Joseph Dweba como o rei dos lineouts .

O Munster tem tido on and offs, com uma derrota frente aos Blues por 37-13 na quinta jornada mas logo a seguir consegue um 64-7 frente ao Ulster; há alguma falta de consistência nas exibições que pode vir a custar caro.

Os Scarlets somam 6 vitórias, o mesmo número que Ulster, Connacht e Ospreys e estas são de facto as equipas que podem ainda fazer mossa aos respectivos líderes Leinster e Glasgow. Jonathan Davies continua a ser um elemento de destaque na formação Galesa.

A melhor exibição colectiva deste Top14 do Glasgow Warriors


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter